CISB Leva Estudantes Brasileiros à Suécia Por Meio de Parceria Com Programa Ciência sem Fronteiras

Olá leitor!

Por solicitação da Sra. Marina dos Anjos, da empresa G&A Comunicação Empresarial, divulgo abaixo o release enviado ontem (16/11) ao blog que fala dos estudantes brasileiros que serão enviados a Suécia pelo Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (CISB) por meio do Programa Ciência sem Fronteiras (CsF).

Duda Falcão

CISB Leva Estudantes Brasileiros à
Suécia Por Meio de Parceria Com
Programa Ciência sem Fronteiras

Parceria entre CNPq-CISB-SAAB abre a terceira chamada de projetos hoje

São Paulo, 16 de dezembro de 2013 – A 3ª chamada dos projetos CNPq-CISB-Saab do Programa Ciência sem Fronteiras, do Governo Federal, abre inscrições nesta segunda-feira, 16 de dezembro. O prazo para envio de projetos vai até 17 de maio de 2014. Os aprovados na 2ª chamada, após terem seus projetos inscritos na plataforma Carlos Chagas do CNPq e contemplados oficialmente, chegam à Suécia ate o final do primeiro semestre de 2014.

O objetivo é oferecer bolsas de estudo para que pesquisadores brasileiros tenham a oportunidade de desenvolver seus projetos nas universidades suecas parceiras e ou nos centros de Pesquisa & Desenvolvimento da Saab.

Aprovado na 2ª chamada, o pesquisador Renato Machado, doutor em engenharia elétrica pela Universidade Federal de Santa Catarina, já foi para a Blekinge Institute of Technology, na cidade de Karlskrona, e deu início ao seu projeto de pós-doutorado – Detecção de Alvos Utilizando Radar de Abertura Sintética com Resolução de Comprimento de Onda para Baixa Frequência. “A intenção é, após minha estada na Suécia, trazer a linha de pesquisa para o Brasil, pois temos poucos institutos de pesquisa e profissionais que lidem com essa tecnologia na prática. Precisamos tirar o projeto do papel e passar a desenvolver de fato o transmissor e o radar. Essa troca de experiência com profissionais suecos será extremamente agregadora para o país”, salientou.

Na prática, o projeto de pós-doutorado de Machado ajudará o Brasil a mapear o relevo e, assim, monitorar as fronteiras e regiões de desmatamento, por exemplo. “A tecnologia atual não permite ‘fotografar’ por debaixo da copa das árvores, o que dificulta a identificação de atividades ilegais. Essa tecnologia permite que as ondas de baixa frequência atravessem folhagens e cheguem ao alvo de observação. Desmatamento, plantações ilegais, pessoas armadas, veículos transitando em locais proibidos e instalações ilegais. Assim será possível identificar todo tipo de objeto com essa tecnologia”, explicou Machado.

Pablo Viana da Silva, doutor em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Pernambuco, irá desenvolver o "Projeto para Manufaturabilidade de Circuitos Flash FPGA para Interfaces de Sistemas Aviônicos" como pós-doutorado. Além dos benefícios que a pesquisa trará para o Brasil, Viana acredita que a vivência será positiva também para desenvolver outros tipos de competência. “Além dos conhecimentos técnicos no contexto da pesquisa, os quais permitirão o desenvolvimento de projetos de equipamentos aviônicos da próxima geração, a experiência de viver em um país desenvolvido, reconhecido por sua justiça social e considerado um dos mais inovadores e sustentáveis do planeta, me ajudarão a compreender melhor os desafios do Brasil e aproveitar nosso potencial de oportunidades”, afirmou o pesquisador. Silva irá para a Universidade de Linköping por um período de doze meses.

Emília Villani, doutora em engenharia mecânica, foi selecionada na primeira chamada do programa para desenvolver seu projeto de pesquisa -,Mecanismos de Software para Tratamento de Falhas de Hardware em Sistemas Embarcados Críticos, na Chalmers University of Technology, em Göteborg. De volta ao Brasil desde outubro, Villani planeja retornar à instituição de origem, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica, e dar prosseguimento a cooperação com a universidade sueca por meio de projetos de parceria.

“A pesquisa desenvolvida na Suécia pode ser continuada no Brasil e aplicada ao desenvolvimento de sistemas embarcados críticos das indústrias aeronáutica, aeroespacial, automotiva, entre outras. Além disso, o conhecimento adquirido aqui pode ser disseminado no Brasil por meio de cursos e orientação de trabalhos de pós-graduação”, completa a engenheira.

Na 2ª chamada foram inscritos mais de 48 projetos na plataforma colaborativa do CISB, registrando um aumento de 41% em relação à chamada anterior. Ao final da chamada, 31 propostas de projetos foram aplicadas oficialmente na plataforma Carlos Chagas, das quais 10 foram contemplados com bolsas de pós-graduação. Para a 3ª Chamada, aberta hoje, são esperados ainda mais interessados.

Sobre o CISB

Sediado em São Bernardo do Campo, o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (CISB) foi criado pela Saab em maio de 2011. Tem como objetivo implementar acordos de cooperação em ciência, inovação e alta tecnologia entre Brasil e Suécia, integrando o maduro e bem sucedido sistema de inovação sueco com o dinâmico sistema de inovação que vem se consolidando no Brasil, além de atrair investimentos e interesse de todo o mundo. Empresas suecas como Saab, Stora Enso e Scania, são alguns dos membros do Centro e incentivadoras da iniciativa. O modelo operacional do CISB é inspirado nos mundialmente conhecidos Science Parks Suecos, em que laboratórios de P&D de grandes empresas, universidades, institutos de tecnologia, empreendedores e investidores de capital de risco se encontram em um ambiente propício à colaboração para a inovação. Assim como nos Science Parks Suecos, a equipe do CISB atua como facilitador e gestor da rede de colaboração.

Informações para a imprensa – CISB
G&A Comunicação Empresarial
Marina dos Anjos – 11 3037- 3222 – marinadosanjos@gaspar.com.br
Renata Cerolini – 11 3037-3231 – renatacerolini@gaspar.com.br
Heloisa Picos – 11 3037-3226 – hpicos@gaspar.com.br


Fonte: G&A Comunicação Empresarial

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial