Participação Brasileira em Megatelescópio do ESO Deve Sair

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (16/02) no site “Folha.com” do “Jornal Folha de São Paulo” destacando que a participação brasileira em Megatelescópio do ESO deve sair da gaveta.

Duda Falcão

CIÊNCIA

Participação Brasileira em
Megatelescópio Deve Sair da Gaveta

SABINE RIGHETTI
DE SÃO PAULO
SALVADOR NOGUEIRA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
16/02/2012 - 15h49

A adesão do Brasil ao ESO (Observatório Europeu do Sul), o maior complexo astronômico do mundo, deve ser o primeiro grande projeto de expansão da ciência brasileira a sair do papel --isso se o contingenciamento de recursos anunciado na quarta-feira (15) pelo governo federal permitir.

O MCTI (Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação) acaba de enviar à Casa Civil o termo que define a participação do Brasil no ESO. O documento será apreciado, em seguida, pelo Congresso.

Editoria de arte/Folhapress

Assinado em dezembro de 2010 entre o então ministro Sergio Rezende e o diretor-geral do ESO, Tim de Zeeuw, o projeto previa um custo para o Brasil de cerca de R$ 555 milhões nos próximos 11 anos.

O objetivo é a construção do E-ELT, o maior telescópio terrestre existente na Terra.

Em 2011, o processo não avançou, deixando apreensiva a comunidade astronômica brasileira, majoritariamente favorável ao projeto (mas não unanimemente; pesquisadores renomados, como João Steiner, da USP, dizem que o custo é alto demais).

O encaminhamento da participação do Brasil no ESO foi o pontapé inicial para tirar do papel projetos milionários de ciência que ficaram parados na pasta de Ciência em 2011.

CARTEIRA VAZIA

A justificativa do governo para a estagnação dos projetos foi o corte de recursos: Aloizio Mercadante, ex-ministro de Ciência, perdeu 23% do orçamento em 2011.

Na quarta-feira (15), o governo anunciou mais um corte. O orçamento de Ciência para 2012 ficou em R$ 5,2 bilhões: 20% menor do que em 2011.

"Todos esses projetos colocam o Brasil em novo patamar de ciência", disse o secretário-executivo da pasta, Luiz Antonio Rodrigues Elias.

De acordo com Elias, a falta de recursos que agora ficou ainda pior será driblada por parcerias privadas e com fundações estaduais.

Além do ESO, também estão em jogo a negociação para a entrada do Brasil no CERN, maior laboratório de física de partículas do mundo, a construção de um novo acelerador de partículas no LNLS (Laboratório Nacional de Luz Síncrotron), em Campinas, e um reator multipropósito.

Em entrevista à Folha na sua posse, o novo ministro de Ciência, Marco Antonio Raupp, disse que "os projetos são importantes, mas é preciso priorizá-los". Mas ele não anunciou suas preferências.

O acordo com o ESO foi discutido após a posse de Raupp, em reunião entre ele, Mercadante e Dilma Rousseff para debater a transição na pasta de Ciência. Segundo a Folha apurou, Dilma observou a planilha de gastos dos próximos anos e instruiu que o acordo fosse tocado adiante.

Cerca de 50% do orçamento do novo anel de luz síncrotron e do reator multipropósito do IPEN (Instituto de Pesquisa Energéticas e Nucleares) está no PPA (Plano Plurianual), de 2012 a 2015.

Não se sabe, porém, quando e nem se esse dinheiro será liberado. "Mas estar no PPA já é um grande avanço", avalia José Perrota, do IPEN.

Se implementado, o reator suprirá a demanda nacional de radioisótopos, necessários para a produção de fármacos.

"Não somos concorrentes. O reator é tão importante quanto o novo anel", avalia José Roque, do LNLS.

Já a participação do Brasil no CERN ainda está sendo estudada pelo MCTI.


Fonte: Site Folha.com - 16/02/2012 

Comentários

  1. Acho que o aumento de verbas para a AEB rodou nessa, porque se 40% do orçamenta do MCT ta no ESO ou no reator experimental, vai ficar difícil sobrar dinheiro ora dobrar o orçamento da nossa querida AEB.

    ResponderExcluir
  2. Olá Kaled!

    O seu raciocínio está correto, é por aí mesmo infelizmente. É como eu disse quando o Raupp assumiu o MCTI.: “Raupp não é mágico, e vai depender do apoio do governo para que possa realizar uma boa gestão, coisa que está claro não ocorrerá”.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial