MCTI Publica Balanço das Ativ. Estruturantes em 2011

Olá leitor!

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) disponibilizou em seu site no final do mês de janeiro um balanço com as principais atividades estruturantes relacionadas à Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação para o período de 2012 a 2015. Caso o leitor tenha interesse em acessá-lo, clique aqui.

Este documento que é composto por 220 páginas, nos traz informações sobre os programas considerados prioritários para o setor de Ciência & Tecnologia, nas áreas Aeroespacial, Defesa, entre outros.

Os avanços nas atividades espaciais desenvolvidas em 2011 de alguns projetos como o do Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres (CBERS), o do programa do Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGB), e a da mal engenhada empresa binacional Alcântara Cyclone Space são destacados no Capitulo 2 do documento.

Entretanto leitor é o anexo desse documento que fala sobre o planejamento para o período 2012-2020 do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE) a parte mais interessante do mesmo, já que conta com informações interessantes sobre as principais demandas do PNAE, suas estratégias de ação, políticas espacial e industrial, seus principais projetos e investimentos. 

Entre as páginas 197 e 212 são apresentadas estimativas para os investimentos necessários entre 2011 e 2020 com vários gráficos e informações relativamente detalhadas.

Segundo este documento do MCTI quatro outros documentos importantes contribuíram na analise para a formulação deste documento:

I) “A Política Espacial Brasileira” (Parte 1 - Parte 2), produzido pelo Conselho de Altos Estudos da Câmara dos Deputados;

II)Desafios do Programa Espacial Brasileiro”, editado pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República (SAE);

III)A Visão da AAB para o Programa Espacial Brasileiro”, preparado pela Associação Aeroespacial Brasileira (AAB); e

IV) “Propostas para Reformulação do Programa Nacional de Atividades Espaciais, de 30 de junho de 2011, enviado pela Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil, (AIAB).

No entanto leitor o documento do MCTI em nossa opinião não levou em consideração como deveria o novo Plano Diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) na questão dos satélites como veremos no decorrer deste artigo.

Segundo o documento do MCTI os novos planos do PEB para o período de 2012-2020 na área de veículos lançadores está descrita na imagem abaixo.

Planos do PEB na área de veículos lançadores para o período 2012-2020

Já na área de satélites o documento do MCTI apresenta para o período 2012-2019 o seguinte plano descrito na imagem abaixo.

Planos do PEB na área de satélites para o período de 2012-2019

Vale dizer também que todos esses projetos são considerados “Projetos Mobilizadores” que estabelecerão as condições de viabilidade para a fase posterior.

Entretanto leitor fica uma pergunta direcionada a área de satélites, já que na área de veículos lançadores parece ter se chegado a um consenso: Quem está capacitado para definir, planejar, desenvolver e executar projetos de satélites no Brasil são os 'burrocratas' do governo ou os técnicos e pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)? Acredito que a resposta é obvia e assim sendo apresento abaixo a você leitor a proposta apresentada pelo INPE em seu novo Plano Diretor, para que assim você possa tirar as suas próprias conclusões.

Proposta do INPE na área de satélites para o período de 2011-2020

Duda Falcão


Fonte Diversas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial