Minicom, MCTI e Defesa Batem o Martelo Sobre SGB

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (24/02) no site “www.teletime.com.br” destacando que o Minicom, o MCTI e a DEFESA bateram o martelo na questão do projeto do Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGB).

Duda Falcão

SATÉLITE

Minicom, MCTI e Defesa Batem
o Martelo Sobre SGB

Sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012 - 19h06

O governo bateu o martelo sobre o Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGB) em reunião que aconteceu nesta sexta, 24, no Ministério das Comunicações, com as três pastas envolvidas no projeto: Minicom, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e Ministério da Defesa. O projeto será viabilizado através de dois decretos que serão enviados pelo Minicom à Casa Civil na semana que vem. Também participaram da reunião técnicos da AEB, do MCTI e o advogado-geral da União, Luis Inácio Adams. “A presidenta está muito interessada nesta questão. Queremos assinar isso logo”, disse o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

O primeiro decreto estabelece que, por se tratar de um projeto que envolve segurança nacional, a Telebrás poderá comprar por dispensa de licitação o satélite que será integrado pela joint-venture com a EMBRAER Defesa, empresa que, aliás, ainda não tem nome. Além disso, a Telebrás também fica dispensada de participar de licitação para fornecer capacidade do SGB aos órgãos da administração pública.

O ministro Paulo Bernardo esclarece que esse decreto não trata da dificuldade que a Telebrás está enfrentando para ser contratada pelos órgãos da administração pública sem participar de licitação. Bernardo também não quis comentar se o governo estava “pegando carona” na questão da segurança nacional para estabelecer dispensa de licitação também para a venda do serviço aos órgãos de administração pública.

O segundo decreto estabelece o modelo de gestão da empresa integradora e as condições em que deverá acontecer a transferência de tecnologia para a indústria nacional. Este decreto também prevê a criação de um comitê formado pelo Ministério das Comunicações, Ministério da Defesa e Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação que fará o acompanhamento e a supervisão do projeto. No campo técnico, será criado um escritório de projetos composto por representantes dos ministérios e também da AEB e do INPE, e que estabelecerá os requisitos para a compra do satélite, além de acompanhar o trabalho de integração.

O procedimento formal para a publicação dos decretos, que deverão ser publicados no mesmo dia, é uma apresentação do texto à Casa Civil, que poderá sugerir pequenos ajustes uma vez que, segundo Bernardo, participou das discussões. Depois disso, é agendada uma reunião com a presidenta onde será apresentado o projeto e, em questão de dias, os decretos são assinados.

A joint-venture entre Telebrás e EMBRAER poderá ter até quatro diretores, sendo que um deles, o diretor de tecnologia, deverá obrigatoriamente ser indicado pela Telebrás. O conselho de administração da companhia será composto por seis membros, metade de cada sócio, mas o presidente será indicação da EMBRAER Defesa.

Defesa

Em relação à capacidade que será destinada aos transponders em Banda X, que serão usados em toda a sua totalidade pela Defesa, Bernardo disse que esse número ainda não está fechado, mas a Defesa terá a capacidade que precisar. Os militares poderão utilizar também a Banda Ka, mas nesse caso comprarão capacidade juntamente com os demais órgãos do governo ou até com o mercado de forma geral.

Na saída da reunião, o ministro da Defesa, Celso Amorim, enfatizou a importância do projeto para a sua pasta, que hoje usa capacidade em satélites de empresas estrangeiras. “É muito importante para a Defesa ter um satélite controlado por empresa nacional”, disse ele.


Fonte: Site www.teletime.com.br

Comentário: Vamos falar a sério leitor, se essa reunião fosse realmente para valer deveria ter contado com a presença das pessoas responsáveis pelo dinheiro no governo DILMA, ou seja, o Ministro da Fazenda, Guido Mantega, e a Ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Essas são as pessoas que definem o que será feito ou não no governo, e sem a presença deles qualquer martelo batido é de brinquedo. Não é a toa que o prazo divulgado para o lançamento do satélite (2014) é furado, e não tem a mínima possibilidade de ser cumprido, transmitindo a nítida impressão de ser uma vez mais propaganda política. Assim sendo, lamentamos profundamente a participação do Raupp nesse jogo de cena, seja por ingenuidade ou por confiança exagerada nesses energúmenos. Lamentável!

Comentários

  1. qto ao prazo ser cumprido não dá p ter certeza, mas que vai sair o projeto vai! a embraer não entra em barca furada e a alta administração está interessada nesse satelite

    ResponderExcluir
  2. Olá al.mor!

    Quanto a realização do projeto não resta dúvida que ele irá acontecer. Entretato, a dúvida é quando ele será lançado, se em 2014 (prazo furado), 2016 (prazo possível se houver seriedade) ou depois de 2020 como é a minha aposta. O problema não está na EMBRAER amigo, pois não depende dela, e o atraso pode até favorecê-la economicamente, pois acaba aumentando o custo e o descontro-le. O problema está puramente na vontade do governo em realizar o projeto, e isso passa pelo total apoio dos Ministérios do Planejamento e da Fazenda com o dinamismo que esse tipo de projeto exige. Qualquer projeto mesmo interministerial que não conte com o apoio desses ministérios, corre o risco de bater martelo de brinquedo. Veja o que aconteceu recentemente com o corte do orçamento que atingiu tanto o MCTI, como a Defesa, entre outros ministérios. Ou seja, sem dinheiro, nada feito, e assim sendo, a divulgação de que esse satélite será lançado em 2014 é pura propaganda política.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Duda,

    A reunião serviu mesmo pra espantar a cobiça, e declarar de vez que a EMBRAER e a TELEBRAS são as únicas responsáveis pelo satélite e escolha dos fornecedores.
    Espero que tenha alguma transferência de conhecimento!!!

    ResponderExcluir
  4. Será que eles já pensam quem vai lançar esse satélite??? A Ariane Space, com o Ariane 5, ou a International Launch Services com o Proton?? Se for ver o histórico recente de lançamentos, acho que a Ariane Space seria a melhor opção. Mas o Proton é um veiculo muito confiavel e acredito que seja mais barato.
    Mas existe uma outra opção, que não me agrada: Eles quiserem lançar pela ACS. Mas aí o satélite teria que ser muito diminuido para caber no Cyclone 4, o que pode limitar muito as capacidades de um satélite geoestacionário. Vamos ver o que o futuro aguarda....
    Abraço!

    ResponderExcluir
  5. Olá Tanoshi!

    Você disse bem amigo, responsáveis são, mas pela condução do desenvolvimento do satélite. Entretanto, este é um projeto do governo e sem recursos públicos o projeto não anda, afinal a EMBRAER não vai colocar recursos próprios. Assim sendo, é ai que a coisa pega.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  6. Olá Heverton!

    Caro amigo, em primeiro lugar será preciso garantir os recusos para o desenvolvimento do satélite. O lançamento será outra fase, e não descarto a possibilidade do Cyclone-4 da mal engenhada empresa ACS ser o escolhido. Caso isso ocorra, realmente o tamanho de satélite deverá ser diminuido.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  7. Pela primeira vez vejo uma reportagem sobre o SGB , que o INPE é citado ,seria muita incompetência governamental deixar o INPE de fora .

    ResponderExcluir
  8. Olá André!

    É verdade amigo. Entretanto jamais acreditei que o INPE pudesse ficar fora desse acordo, pelo fato de ser a única instituição do país com competencia para atuar na área de satélites.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  9. Caro Falcão
    Só não concordo com vc que se necessita dessas 2 pessoas para que haja dinheiro para um projeto.
    Eles não possuem tanto poder assim.

    ResponderExcluir
  10. Olá Iurikorolev!

    A nível do "Poder Executivo" amigo, tem sim e eles exercem com total apoio da Presidência da República, ou seja, eles dão as cartas. A outra opção é o Congresso e é o caminho que normalmente os ministros tentam utilizar para buscar mais verbas. Entretanto se existirem no Congresso Nacional 25 deputados e senadores realmente comprometidos com os problemas do PEB é muito (acredito que nem chegue a 15).

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  11. Caro Duda Falcão

    1) Ministro de Estado é mero cargo demissivel "ad nutum".
    Apenas executa as diretrizes decididas pela cúpula.
    Não define políticas do porte de um programa como este.
    E Congresso não é outra opção. É a única. Cada real gasto do país tem que estar previsto na LOA e aprovado pelo Parlamento.
    Dê uma olhada nos arts. 165 a 169 da Constituição federal, na lei 4320 e na Lei complementar 101.
    Não se fie muito nas tolices juridicas que são veiculadas na imprensa. Vale o que está na lei e nas decisões do Supremo.

    2)Falando de outro assunto, certa vez vc comentou sobre o acidente de Alcântara e disse que o responsável estava por aí dando entrevistas. Quem é o cabra ? (dá para falar ?)

    Abrs

    ResponderExcluir
  12. Caro Iurikolev!

    E momento algum disse que o cargo de ministro não é dimissível. O que lhe disse é que quem prepara o orçamento do Poder Executivo é o Ministério da Fazenda em comjunto com o Ministério do Planejamento com o apoio e concordância da Presidencia da República. Após a definição deste orçamento pelo Poder Executívo, o mesmo é enviado ao Congresso para ser aprovado utilizando-se para isso da bancada do governo. Nesse processo deputados e senadores ligados ao governo ou não, inclui novos investimentos (emendas) ao orçamento e então o mesmo é votado, e depois de aprovado ainda pode (se não me engano) sofrer o veto presidencial. Além disso, mesmo que o orçamento inicial previsto pelo Poder Executivo seja aprovado pelo Congresso com emendas ou não, isso não significa que será cumprido, caso haja a necessidade de ajustes econômicos durante ano. E as pessoas responsáveis por essa avaliação são justamente o Guido Mantega e a Miriam Belchior.

    Quanto a sua pergunta,acho que a resposta é obvia.

    Abs

    Duda Falção
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  13. Caro Duda Falcão

    1)Aprecio muito seu blog,embora nem sempre tenha tempo para lê-lo.
    Vc conhece o melhor site espacial da Russia ?
    E o melhor do mundo?(em minha opinião, um da Alemanha).

    2) Vejo que vc não gosta do projeto Cyclone. Mas não acho que ele seja danoso para o programa do Brasil.Pelo contrário, é bom vc começar a gerar dinheiro para o setor espacial(grana é o calcanhar de Aquiles dessa área)e pegar experiência de mercado com um veículo já desenvolvido, com baixos riscos de lançamento (preço mais competitivo).
    Acho que o maior problema deste foguete é o combustível (tóxico).Interessante é que isso pouca gente fala.Se ele cair ou explodir no lançamento causa um desastre ecológico.
    Outro grande problema, evidentemente, também foi a desorganização financeira e de planejamento do projeto.
    Pelo menos é o que penso.
    PS : não sou ucraniano rsrs

    3)Quanto ao acidente de Alcantara, na época não acompanhei, pois estava muito ocupado.
    Vc fica constrangido em falar o nome ?

    Abrs

    ResponderExcluir
  14. Caro Iurikorolev!

    Conheço o site da ROSCOSMOS e do DLR alemão, mas não sei se os mesmos são os melhores da Rússia ou da Alemanha ou do mundo.

    Quanto ao projeto da ACS, desculpe-me amigo, mas o mesmo não é benéfico em nada para o Brasil, muito pelo contrário, e isso não é uma opinião somente minha e sim de toda comunidade científica do setor, já manifestada publicamente através da Associação Aeroespacial Brasileira (AAB). O projeto teve exclusiva motivação política devido a necessidade do Lula manter na época o apoio do PSB a sua base política no Congresso. Explico. Com a saída do Roberto Amaral do MCT devido (há meu ver) a incompetência e por sempre falar besteira (o cara só fazia m...) foi necessário encontrar um lugar para esse infeliz, já que o mesmo era e ainda é um dos homens fortes do PSB. Assim sendo, como esse projeto era uma das bandeiras do próprio Amaral o mesmo caiu como uma luva para solucionar o problema político e acalmar os ânimos. Infelizmente para o Brasil, isso fez com que o excelente acordo que o Ministério da Defesa (MD) vinha articulando na época com a ROSCOSMOS fosse para as cucuias.

    Falando do projeto em si, o mesmo é um desastre em todos os aspectos e não somente os citados por você. Se não vejamos:

    *A empresa criada (ACS) é um mastodonte estatal, sob a direção pública para atuar num mercado pequeno, dinâmico e altamente competitivo, quando na realidade deveria ser uma empresa de capital misto (publico e privado) sob a direção de executivos preparados e conhecedores do setor e não sob a administração pública, ineficiente e sujeita a interferência política danosa. Para você tem uma ideia os players que atuam nesse setor não levam em consideração a existência da ACS em seus planejamentos estratégicos, pois sabem que a mesma é uma piada.

    *Fugindo de uma política estabelecida no próprio governo LULA o acordo não prevê transferência de tecnologia (nem mesmo de um simples parafuso) ou mesmo desenvolvimento conjunto. Para tentar amenizar esse problema o Mercadante e o Raupp acertaram no ano passado com os ucranianos um acordo paralelo para o desenvolvimento conjunto de um possível Cyclone-5 com a participação da indústria brasileira. Acordo esse que evidentemente só tem valor se houver sucesso com a ACS.

    Continua...

    ResponderExcluir
  15. Continuando...

    *O Cyclone-4 é um foguete que não atende ao mercado que pretende atingir, pois sua capacidade de satelitização em órbita GEO e de 1600 Kg e a média dos satélites que são colocados nessa orbita são de 4000 kg.

    *A operação da ACS no mercado internacional passa pela necessidade da assinatura pelo Brasil de um “Acordo de Salvaguardas Tecnológicas” com os EUA, já que 75% das cargas uteis (satélites, sondas, etc...) lançadas ao espaço ou são americanas, ou usam partes de origem americana, e sem esse acordo a ACS não teria como lançar essas cargas uteis. Acontece que mesmo que fosse fácil a assinatura desse acordo e a aprovação do mesmo em ambos os congressos (o que não é) isso levaria no mínimo de 5 a 7 anos, ou que inviabiliza a sustentabilidade operacional da empresa. Em outras palavras, o Brasil terá de continuar injetando dinheiro público para sustentar a empresa, e os ucranianos não tem como fazer isso. Vai sobrar para quem?

    *O problema da toxicidade do Cyclone-4 não passa somente pela possibilidade de acidente com o foguete ou com o gigantesco deposito de combustível que será construído no CLA para atender esse trambolho ucraniano. A própria empresa já reconheceu publicamente que pouco mais uma hora após o lançamento desse foguete, haverá chuva acida na região. Um prato cheio que poderá atrair a atenção do GREENPEACE, transformando cada operação de lançamento num verdadeiro circo com transmissão direta via satélite para todo o mundo. Além disso, o fato do foguete ser tóxico vai de encontro a uma tendência mundial de buscar soluções cada vez mais limpas em todas as atividades humanas, o que dificulta ainda mais a comercialização desse foguete. Porque você acha que os russos recusaram o lançamento desse foguete de suas bases, fazendo com que os ucranianos buscassem outro parceiro para esse projeto?

    *Além disso, existem outros problemas que não citarei, pois esse comentário já está bastante extenso, além do que acredito que os problemas já citados já são suficientes para demonstrar o porquê os especialistas são totalmente contra a esse acordo.

    Quanto a sua pergunta Iurikorolev, não é uma questão de constrangimento, mas prefiro não me manifestar. De qualquer forma, basta dizer que o sucateamento do PEB foi iniciado no governo Collor, finalizando com o acidente em 2003 que poderia ter sido evitado.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial