Professores da UFABC Colaboram com a Missão ASTER

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia 18/05 no site da “Universidade Federal do ABC (UFABC)” destacando que professores desta universidade paulista estão colaborando com o projeto da “Missão ASTER”.

Duda Falcão

Professores da UFABC Colaboram em Projeto de

1ª Missão Espacial Brasileira para o Espaço Profundo

Assessoria de Comunicação e Imprensa

18/05/2010

A primeira sonda com tecnologia brasileira a explorar o espaço profundo, denominada Missão ASTER, terá a colaboração dos professores da UFABC e deverá ser lançada em 2015 caso seja confirmado o plano inicial de desenvolvimento do projeto. Professores do curso de Engenharia Aeroespacial da universidade têm participado de workshops onde são discutidas as implicações técnicas e logísticas do projeto que deve obter colaboração russa.

O projeto básico prevê a exploração do asteróide 2001-SN263, localizado a cerca de 11 milhões de quilômetros da Terra. A sonda seria construída sobre uma plataforma russa e contaria com a tecnologia de propulsão iônica desenvolvida no Brasil pela UnB e o Inpe. O plano inicial é lançá-la de um submarino por meio de um foguete espacial russo.

Outra opção é utilizar um foguete da Alcântara Cyclone Space (ACS), empresa aeroespacial binacional criada por Brasil e Ucrânia em 2003. Nesse caso, o lançamento ocorreria na base de Alcântara, no Maranhão.

Os professores da UFABC ficaram encarregados, nessa fase do projeto, de estudar o desenvolvimento de dois instrumentos de observação do asteróide: altímetro laser e o espectrômetro infravermelho. "Estudaremos as especificações, verificaremos quem pode fabricar e pesquisaremos experiências de missões similares de outros países", explica Luiz Martins, um dos professores da universidade envolvidos no projeto.

Orçada inicialmente em US$ 35 milhões, a missão aguarda ainda a inclusão no Programa Espacial Brasileiro para sair do papel. De acordo com o avanço das tratativas, a série de workshops dará lugar aos trabalhos técnicos mais específicos nos laboratórios do INPE.

A magnitude dos objetivos da missão seria convertida no domínio de tecnologias pouco exploradas no Brasil e daria margem a aplicações que extrapolam o uso aeroespacial, segundo Martins. "Com o conhecimento adquirido, teríamos, por exemplo, a possibilidade de dotar casas com geração própria de energia elétrica a partir de conversão da energia solar, obter a capacitação tecnológica para a indústria aeronáutica, além de alcançar conhecimentos científicos, envolvendo físicos e químicos brasileiros, sobre a constituição de nossa galáxia".

Fonte: Site da Universidade Federal do ABC (UFABC)

Comentário: O blog é um ferrenho defensor deste projeto que consideramos extremamente importante para o desenvolvimento e para a visibilidade de nosso programa espacial. Além dos ganhos científicos e tecnológicos que um programa como esse traria ao Brasil, o sucesso do mesmo certamente explodiria como uma bomba altamente positiva perante a opinião pública brasileira e internacional, imagem positiva esta que o PEB vem buscando desde que foi criado. No entanto, se levarmos em conta a atual falta de visão que impera entre os “Cabecinhas de Panetone” do governo e dos que militam nos cargos diretivos dos órgãos que comandam o programa, infelizmente a possibilidade de este projeto ser aprovado é muito pequena. O Blog “BRAZILIAN SPACE” se solidariza com toda a equipe de desenvolvimento deste grande e inovador projeto (UFABC, UnB, INPE, UNESP), torcendo fervorosamente para que estejamos errados e o mesmo possa ser incluído no novo Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), que já está para ser divulgado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022