Fim de Operação de Satélite não Influencia Monitoramento


Olá leitor!
Segue uma notícia publicada dia (29/05) no site “globoamazonia.com” do globo.com informando que o fim da operação do satélite CBERS-2B não influenciará o monitoramento na Amazônia.

Duda Falcão

Desmatamento

Fim de Operação de Satélite não

Influencia Monitoramento na Amazônia

Pesquisadores usavam 500 imagens por ano enviadas pelo Cbers-2B.
Satélite indiano que opera desde outubro tem capacidade semelhante.


Lucas Frasão
Do Globo Amazônia, em São Paulo
20/05/10 - 11h38

O fim da operação do satélite CBERS-2B, anunciado por Brasil e China na semana passada, não deve prejudicar o monitoramento de áreas de desmatamento na Amazônia. O CBERS-2B foi lançado ao espaço em 2007 e chegou a completar cerca de 13 mil voltas na órbita da Terra, gerando cerca de 270 mil imagens para usuários brasileiros e outras 60 mil para mais de 40 países.

Sua contribuição para a medição do corte ilegal de madeira na Amazônia significava o envio de imagens da floresta a cada 26 dias. Por ano, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) utilizava cerca de 500 fotografias enviadas pelo satélite, cada uma cobrindo uma área de 14400 quilômetros quadrados. Com o fim do satélite, as imagens deixam de ser enviadas.


Lançamento do CBERS-2, em 2003, satélite que deu origem ao CBERS-2B (Foto: CBERS/INPE/ Divulgação)

"Com a perda do CBERS-2B, contratamos uma campanha de imageamento da Amazônia para fazer isso durante certo tempo", diz João Vianei Soares, responsável pela Coordenação-Geral de Observação da Terra do INPE. "Não existe hipótese de o monitoramento ser prejudicado pela falta de um satélite, por que há outros".

O pesquisador explica que, desde 2003, o instituto usa uma série de satélites para ajudar no monitoramento. A vantagem dessa estratégia é que diminuem as chances de ter a visão prejudicada pelo excesso de nuvens.

Além de usar imagens dos satélites americanos TERRA/MODIS e LANDSAT-5, o INPE recebe dados do indiano RESOURCE SAT desde outubro do ano passado, que tem desempenho semelhante ao CBERS-2B no que diz respeito ao desmatamento na Amazônia, segundo Soares.

O INPE também tem parceria com a empresa britânica DMC, que gerencia um consórcio de satélites de diversos países, os quais podem ser programados de acordo com a necessidade do cliente. "São dados que servem como um backup. Se outros falharem, usamos esses. Também usamos essa opção geralmente entre julho e agosto, quando a cobertura de nuvens é a menor possível e podemos registrar mais imagens", explica Soares.


Fonte: Site globoamazonia.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022