quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Publicadas as Notas Provisórias da Análise de Títulos e Currículos Para os Cargos TJ03, TJ07, TJ11 e TJ14

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada hoje (01/10) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que foram publicadas as Notas Provisórias da análise de títulos e currículos para os Cargos TJ03, TJ07, TJ11 e TJ14.

Duda Falcão

Publicadas as Notas Provisórias da
Análise de Títulos e Currículos Para
os Cargos TJ03, TJ07, TJ11 e TJ14

Quarta-feira, 01 de Outubro de 2014

Nesta quarta-feira (1°/10), o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) publicou as notas provisórias de Análise de Títulos e Currículo do Concurso Público da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico, exclusivamente para os cargos TJ03, TJ07, TJ11 e TJ14, em conformidade com o Edital nº 09/2014, publicado no Diário Oficial da União em 5/9/2014.


Todos os editais e informações sobre o concurso público da carreira de Desenvolvimento Tecnológico também podem ser acessados a partir da página:



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Space Debris Expert Warns of Increasing CubeSat Collision Risk

Hello reader!

It follows an article published in the day (08/07), in the website www.spacedaily.com, pointing out that Space Debris Expert warns of increasing CubeSat Collision Risk.

Duda Falcão

TECH SPACE

Space Debris Expert Warns of
Increasing CubeSat Collision Risk

By Staff Writers
Southampton, UK (SPX) Oct 01, 2014

File image
The increasing number of small 'CubeSat' satellites being launched combined with a relaxed attitude to debris mitigation could lead to hazards for all space users unless preventative measures are taken, warns a leading space debris expert from the University of Southampton.

Speaking at the 65th International Astronautical Congress in Toronto, Dr Hugh Lewis said that this combination leads to a growth in space debris, as a result of collisions between CubeSats and other objects in orbit.

CubeSats are small satellites (around 10x10x10cm) that are providing opportunities for companies to break into the space data and communications industries. Despite many CubeSats not having any manoeuvring capability so they cannot avoid collisions during the mission or manoeuvre to a disposal orbit at their mission end, they are still perceived to have a low impact on the space debris environment.

However, despite guidelines requiring the satellites to deorbit within 25 years, some are being launched into high Earth orbits, which means their orbital lifetime could be much greater.

More than a third of all CubeSats launched to-date (around 160 between 2003 and 2013) are predicted to remain on-orbit for more than 25 years. Since 2005, CubeSats have been involved in more than 360,000 close approaches of less than 5 km with other orbiting objects.

Dr Lewis says: "To reduce the risks, some effort is needed to engage with the growing small satellite community. All space users, not just those in the CubeSat community, who are taking the right steps should be encouraged to continue and, ultimately, lead on sustainable practices and debris mitigation activities.

"Those who are not yet engaged with this approach should be encouraged to do so. It's probably a matter of changing their perceptions of the risks and helping them to understand that there is a collective responsibility to ensure that outer space activities are sustainable so that future generations have the same opportunities to use space as we do."

Dr Lewis and his team used their Debris Analysis and Monitoring Architecture to the Geosynchronous Environment (DAMAGE) model to simulate three future CubeSat launch traffic scenarios until the year 2043. By comparing these with close approach data from 2005 to 2013, the team found CubeSats are estimated to be involved in millions of close approaches over the next 30 years, with a handful leading to a collision.

Analysis of the close approaches found that most of the collision risk from CubeSats comes from high-speed encounters with large spacecraft. In addition, many of these encounters were in Sun-synchronous orbits that are popular with remote sensing and Earth science satellites.

Dr Lewis adds: "By far the greatest risk comes from those with long lifetimes at altitudes of about 750 km. If CubeSats continue to be launched into long-lived orbits without any means of disposing of them, then they will contribute to the growing space debris hazard. This is not a responsible or sustainable practice, in my view. However, if efforts are made to limit the lifetimes- as some are already doing - then the risks will be reduced."



Comentário: Bom leitor, eu creio que esta notícia seja de grande interesse dos grupos que trabalham com projetos de cubesats no Brasil e na América Latina.

Brazil Builds High-Resolution Spectrograph

Hello reader!

It follows an article published today (10/01) in the english website of the Agência FAPESP noting that Brazil builds High-Resolution Spectrograph.

Duda Falcão

NEWS

Brazil Builds High-Resolution Spectrograph

Karina Toledo,
in Itajubá (MG)
October 01, 2014

(Photo of SOAR: Ricardo Zorzetto)
Equipment will be installed at the SOAR telescope in Chile,
says Bruno Vaz Castilho, director of the Brazilian National
Laboratory for Astrophysics.

Agência FAPESP – Researchers at the Brazilian National Laboratory for Astrophysics (LNA) in Itajubá (MG) are nearing the completion of construction on the first Brazilian high-resolution spectrograph, known as STELES (SOAR Telescope Èchelle Spectrograph).

The expectation is that the equipment – long-awaited by the astronomy community – may be installed in early 2015 at the Southern Observatory for Astrophysical Research (SOAR) in Chile, operated by an international consortium of Brazilian, North American and Chilean partners.

“High-resolution spectroscopy is a technique that allows capturing the visible light of a celestial body – a star, nebula or galaxy – and separating it into its various wavelengths. That way, it’s possible to perceive the lines of light absorption through the various chemical elements that constitute the object under study,” explained Bruno Vaz Castilho, director of the LNA and coordinator of the project team that designed and assembled the instrument.

By studying light absorption lines, astronomers are able to calculate the quantity of calcium, iron, titanium and other elements found in the atmosphere surrounding a celestial body. It is also possible to determine its mass, radius, gravity, temperature, rotation speed and the existence of other planets or stars around it.

“It’s a very valuable technique for astronomy, and increasingly effective equipment has been developed all over the world. The STELES boasts state-of-the-art technology that will have extremely high resolution, giving it the ability to capture most of the photons that reach it,” Castilho noted.

According to the LNA director, the equipment cost R$2.5 million – R$1.2 million of which was financed by FAPESP through the project, “STELES: a high-resolution spectrograph for SOAR”, coordinated by Prof. Augusto Damineli of the Institute of Astronomy, Geophysics and Atmospheric Sciences (IAG) at the University of São Paulo (USP). The remaining portion was financed by the Ministry of Science, Technology and Innovation (MCTI).

“It would cost at least R$4 million to import similar equipment. Besides being more expensive, high-resolution spectrographs with similar technology are usually larger and heavier. Our challenge was to use the available resources to develop a compact instrument that could be attached to the SOAR telescope, whose diameter is 4.2 meters,” Castilho said.

Made up of more than 5,000 parts, each designed by LNA researchers, the STELES was first conceived in 2003, but construction only began in 2008, Castilho explained.

“Up to now, Brazilian astronomers have depended on partnerships with groups based abroad and had adapted their studies to the instruments available to them. The STELES will allow them to do more advanced science in various areas in which Brazil has important research, especially because the country has the right to 30% of the observation time on the SOAR telescope,” Castilho said.

Damineli is one of several researchers who are expected to benefit from the new spectrograph. For more than 20 years, the IAG professor has had FAPESP support in studying the mysterious phenomena that involve a giant star known as Eta Carinae, situated nearly 8,000 light-years from Earth in the constellation Carina (read more about it at: http://agencia.fapesp.br/19625).

For the past 5.5 years, Eta Carinae has been experiencing a type of blackout. By studying the phenomenon, the team of astronomers led by Damineli have discovered the existence of a binary system in which, from time to time, the smaller star collides with the larger one and creates a hole in its surface.

The most recent occurrence of this was in July 2014, and it mobilized more than 30 scientists and amateur astronomers at observatories in New Zealand, Australia, South Africa, Argentina, Chile and Brazil – in addition to NASA’s orbital telescopes Hubble, Chandra and Swift.

Damineli monitored the event from the Pico dos Dias Observatory, operated by the LNA in Brazópolis (MG). He intends to monitor the next blackout from Chile with the help of the new equipment to be installed on the SOAR.


Source: English WebSite of the Agência FAPESP

terça-feira, 30 de setembro de 2014

Pesquisadores do INPE Participam de Evento pela Valorização da Matemática

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada hoje (30/09) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que pesquisadores do INPE participarão de Evento Pela Valorização da Matemática.

Duda Falcão

Pesquisadores do INPE Participam de
Evento pela Valorização da Matemática

Terça-feira, 30 de Setembro de 2014

Elbert Macau e José Marengo, pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), participam nesta quarta-feira (1°/10) do Diálogo Brasil-Alemanha de Ciência, Pesquisa e Inovação que, nesta edição, traz a Matemática como foco principal. O evento acontece na Biblioteca Mário de Andrade, na cidade de São Paulo, e pretende abordar, entre outros temas, o pouco interesse dos jovens pelo estudo da Matemática e a importância de se reverter este quadro.

Pesquisador do Laboratório Associado de Computação e Matemática Aplicada (LAC) do INPE, Elbert Macau participará do painel Dynamical Phenomena in Complex Networks, que inicia às 10 horas, para apresentação de resultados de estudos interdisciplinares realizados por matemáticos, físicos, biólogos, climatologistas e geólogos.

O objetivo é aplicar a teoria das redes complexas para compreender o papel que a rede neuronal desempenha em funções cognitivas como memória e linguagem, bem como os efeitos do aquecimento global e de mudanças no manejo da terra na Amazônia.

José Marengo, pesquisador do Centro de Ciência do Sistema Terrestre do INPE, ministrará às 11h30 a palestra Extreme Rainfall Events in the Metropolitan Region of São Paulo.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Vale lembrar que o pesquisador Elbert Macau do LAC INPE foi ao lado do Pesquisador Othon Winter da UNESP os idealizadores da fantástica Missão ASTER.

O Império Moderno do Dilmanismo e o Brasil

Olá leitor!

Quatro anos de promessas não cumpridas, quatro anos de governo desastroso para o futuro de nosso país, quatro anos de boicote ao nosso PEB e mesmo assim estamos correndo o sério risco de ter essa debiloide mais uma vez eleita presidente do Brasil.

Não que a Marina ou o Aécio sejam boas alternativas, na verdade não são, mas são alternativas novas, mesmo dentro de um sistema que em nossa opinião só alimenta o ‘populismo’ e não é assim que se constrói um país.

O Brasil precisa de políticos que tenham compromisso unicamente com o país e tomem decisões corretas, decisões estas que na maioria das vezes são duras e antipopulares, principalmente num país de povo oportunista e imediatista como o nosso, mas que a médio e longo prazo mudam a cara de qualquer nação. Planejamento em países sérios são feitos em grande parte em longo prazo passando de um governo a outro durante a sua implementação.

Infelizmente para nós não somos um país sério e nunca fomos, apesar de na nossa história ter havido algumas poucas iniciativas nesse sentido, mas que não vingaram.  Um povo que nem mesmo reconhece os seus heróis (veja abaixo a reportagem do Programa Fantástico sobre os 10 anos do acidente com o VLS-1), que não tem a mínima consciência do que seja cidadania e que ainda participa com euforia (sem qualquer consciência de que esta sendo ludibriado) de circos esportivos e de entretenimento armados por populistas de merda, verdadeiras versões modernas dos antigos imperadores do Império Romano, não pode ter a esperança de que algum dia irá viver em uma nação de verdade.


Dia 05/10 deixarei bem cedo a minha casa para ir depositar o meu VOTO NULO, uma pequena contribuição, é verdade, mas há única possível na luta pela moralidade na política desse país.

Pela quebra do sistema;

Pelo fim do Voto Obrigatório;

Pela implementação do Voto Distrital;

Pela eleição direta no Poder Judiciário;

Por um Programa Espacial desenvolvido; e

Pelo futuro de meu país.

Duda Falcão

Começa em Natal o 4° Fórum de Pesquisa e Inovação

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada ontem (29/09) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que começou em Natal o “4° Fórum de Pesquisa e Inovação do CLBI”.

Duda Falcão

ESPAÇO

Começa em Natal o 4° Fórum
de Pesquisa e Inovação

Publicado: 29/09/2014 - 16:33h


Na manhã desta segunda-feira (29/09), o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) deu início à programação de palestras, minicursos e apresentações de trabalhos da 4ª edição do Fórum de Pesquisa e Inovação (FoPI). Neste ano, pela primeira vez, o evento está acontecendo em conjunto com o V Simpósio Brasileiro de Geofísica Espacial e Aeronomia (SBGEA). Na quinta-feira (02/10), como parte da programação, o CLBI irá lançar um foguete de treinamento básico (FTB).

Segundo o Coronel Maurício Alcântara, Diretor do CLBI, a parceria entre os dois eventos foi importante para fortalecimento de vínculos e construção conjunta do conhecimento. “Nosso primeiro FoPI foi uma atividade interna, para discutirmos o que podíamos melhorar nas áreas de pesquisa e inovação. Na segunda edição, já passamos dos 16 trabalhos iniciais para 60. E ano passado, já tivemos que sair do CLBI e usar a estrutura da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como neste ano, pois não tínhamos como acomodar a quantidade de público”, relembra o Diretor.

O professor da UFRN e um dos responsáveis pela parceria inédita entre o SBGEA e o FoPI, José Henrique Fernandez, acredita que o diálogo entre as instituições envolvidas, entre elas o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), vai abrir portas para parcerias futuras. “Conhecermos o CLBI, a infraestrutura disponível, a logística do lançamento e as características dos foguetes vai nos permitir, em curto prazo, colocar cargas úteis nossas nos próximos lançamentos”, afirma o professor. Ele acredita que a parceria pode colocar Natal como a capital aeroespacial nordestina, atraindo investimentos industriais e de pesquisa.

O IV Fórum de Pesquisa e Inovação e o V Simpósio Brasileiro de Geofísica Espacial e Aeronomia estão com aproximadamente 250 inscritos, e as atividades seguem até sexta-feira, nas dependências da UFRN.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Comentário: Veja bem leitor, a grande notícia desta nota é o que diz o Prof. José Henrique Fernandez sobre a possibilidade futura de colocar cargas úteis nos foguetes lançados do CLBI. Tomara que isso realmente possa acontecer e que os foguetes de treinamentos possam ter uma utilidade mais prática. Entretanto chamo a sua atenção para o fato do nome da AEB não ter sido citado nesta iniciativa, o que pode demonstrar de que iniciativa partiu mesmo do CLBI/COMAER e da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), contando agora com algum envolvimento do INPE. Entretanto tenha certeza de que em algum momento desse processo a AEB irá aparecer nos holofotes.

Grupo da NASA Busca Evidências Químicas de Vida Extraterrestre

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (30/09) no site da “Agência FAPESP”, destacando que Grupo da NASA busca evidências químicas de Vida Extraterrestre.

Duda Falcão

Notícias

Grupo da NASA Busca Evidências
Químicas de Vida Extraterrestre

Por Elton Alisson
30/09/2014

(imagem da sonda Maven: NASA)
Planetas com alto desequilíbrio químico atmosférico devem
ser os principais alvos de missões espaciais, apontaram
integrantes do Instituto de Astrobiologia da agência espacial
em encontro em Campinas.

Agência FAPESP – No dia 21 de setembro, a sonda espacial Maven, da NASA, a agência espacial dos Estados Unidos, entrou na órbita de Marte para uma missão científica específica: entender a modificação na atmosfera e no clima do planeta vermelho ao longo do tempo.

Dois dias depois, na terça-feira passada (23/09), a agência espacial da Índia (ISRO) anunciou a entrada do satélite Mangalyaan, também na órbita de Marte, para tentar medir a presença de metano na atmosfera do planeta.

As medições realizadas pelas duas sondas, por um período de seis meses a um ano, serão aguardadas ansiosamente por um grupo internacional de pesquisadores, integrado também por brasileiros, dedicado a estudar a origem e a evolução da vida na Terra e em outros planetas. Trata-se do grupo focal sobre termodinâmica, desequilíbrio e evolução (TDE) do NASA Astrobiology Institute.

Integrantes do grupo, fundado em 2010, reuniram-se pela primeira vez no Brasil, nos dias 24 e 25 de setembro, durante o 7th International Workshop on Thermodynamics, Disequilibrium and Evolution, no Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), em Campinas.

“O objetivo do nosso grupo é tentar preencher a lacuna entre pesquisadores que trabalham com aspectos teóricos experimentais relacionados à origem da vida e astrônomos da área de sensoriamento remoto que planejam missões espaciais, a fim de definir os alvos para a busca de vida extraterrestre”, disse Eugenio Simoncini, pós-doutorando no Observatório Astrofísico di Arcetri, do Istituto Nazionale di Astrofisica (INAF), da Itália, e vice-presidente do TDE, na abertura do evento.

De acordo com Simoncini, a busca de planetas com condições de abrigar vida deve ser pautada pela procura daqueles que apresentam alto desequilíbrio químico atmosférico, como é o caso de Marte.

Uma das condições para a existência de vida em um planeta, o desequilíbrio químico atmosférico é caracterizado pela presença simultânea e em quantidades diferentes de gases reagentes – como oxigênio, hidrogênio e metano – na atmosfera planetária, explicou Simoncini.

“Estudar esse estado de desequilíbrio químico atmosférico é importante em razão do potencial papel que ele pode desempenhar na detecção de vida em outros planetas”, avaliou.

Mais de mil planetas extra-solares já foram descobertos. “É preciso reduzir a seleção de planetas [possivelmente] habitáveis para aqueles que apresentam alto desequilíbrio químico não relacionado a qualquer outro processo, como a fotossíntese, mas à vida”, disse Simoncini, durante palestra no evento.

Evidências Químicas

Na quarta-feira (24/09), um grupo internacional de astrônomos anunciou em um artigo publicado na revista Nature ter detectado, pela primeira vez, vapor d’água na atmosfera de um planeta extra-solar, o HAT-P-11b, com tamanho aproximado ao de Netuno.

Não foi esta a primeira vez que evidências químicas relacionadas à vida foram encontradas. Em 2005, a sonda Mars Express, da Agência Espacial Europeia (ESA), detectou a presença de metano na superfície marciana. A descoberta causou grande entusiasmo na comunidade astronômica, uma vez que, na Terra, o gás é produzido predominantemente por processos biológicos, como a decomposição de matéria orgânica. A presença de metano em Marte poderia ser uma evidência de vida no planeta de organismos produtores do gás.

A expectativa, entretanto, sofreu um revés após as descobertas do robô Curiosity, da NASA, anunciadas em setembro de 2013, de que a quantidade de gás metano na atmosfera de Marte é muito menor do que se imaginava.

Agora, com a entrada das sondas Maven e Mangalyaan na órbita de Marte, esperam-se dados complementares sobre a composição e a história da atmosfera do planeta, e sobre como isso influenciou as condições de existência de vida.

“A existência de metano em Marte pode indicar a presença de vida ou de um processo geológico ativo”, disse Douglas Galante, pesquisador do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) do CNPEM e integrante do TDE.

“De alguma forma, esse desequilíbrio químico em Marte que estudamos no TDE mostra que, apesar de parecer seco, o planeta é vivo de alguma forma, talvez não com vida como a conhecemos, mas com processos geológicos ativos”, avaliou.

Os pesquisadores do TDE desenvolvem há anos uma metodologia para calcular e comparar o desequilíbrio químico nos planetas, a fim de identificar evidências de vida no Universo.

Com base em um sistema de modelagem computacional para simulações astrofísicas criado por astrônomos italianos, o grupo de cientistas faz análises termodinâmicas (de causas e efeitos de mudanças na temperatura, pressão e volume em um sistema) de como a vida afeta os processos geoquímicos na Terra e verificam se outras atmosferas planetárias são habitáveis ou apresentam desequilíbrios químicos similares.

“Todo o conhecimento, baseado em dados experimentais e observacionais, sobre como surgiu a vida na Terra e como ela evoluiu, pode ser adaptado para procurarmos por vida em outros planetas, como Marte”, disse Galante. “Não adianta enviarmos sondas espaciais para um planeta se não soubermos quais indícios, moléculas e desequilíbrios químicos elas devem procurar.”

Astrobiologia Brasileira

O encontro de Campinas foi o sétimo realizado pelo grupo de pesquisa em astrobiologia no mundo. Os anteriores ocorreram na Europa e nos Estados Unidos e o próximo deverá ser em Tóquio, no Japão.

A ideia de promovê-lo no Brasil teve o objetivo de integrar os pesquisadores da área no país com o grupo TDE e fortalecer a interação com o NASA Astrobiology Institute, iniciada, em dezembro de 2011, com a São Paulo Advanced School of Astrobiology – Making Connections Spasa2011.

Promovido no âmbito da Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA) – modalidade de apoio da FAPESP – , o evento reuniu 160 pesquisadores, docentes e estudantes do Brasil e do exterior.

“Procuramos, por meio deste evento realizado agora, resgatar e fortalecer a interação iniciada com o Instituto de Astrobiologia da NASA por meio da Escola São Paulo de Ciência Avançada em Astrobiologia, que realizamos há três anos com apoio da FAPESP”, afirmou Galante.


Fonte: Site da Agência FAPESP

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

FIAP Realiza em Outubro a 4ª Edição da SPACECUP

Olá leitor!

A Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP) irá realizar dia 18/10 a quarta edição da SPACECUP, que envolverá os cursos de Sistemas de Informação, Engenharia da Computação e Engenharia de Produção.

Segundo Eng. José Miraglia, professor desta Faculdade, serão 70 foguetes impressos nas impressoras 3D adquiridas por esta faculdade paulista e mais de 250 alunos participarão do evento.

Veja abaixo algumas fotos enviadas o Blog:



Fonte: Faculdade de Informática e Administração Paulista (FIAP)

La Agencia Espacial Brasileña Negocia Con SpaceX el Lanzamiento del Itasat-1

Hola lector!

Sigue abajo una noticia publicada ayer (28/09) en el website www.infoespacial.com destacando que la Agencia Espacial Brasileña (AEB) negocia con SpaceX el lanzamiento del Itasat-1.

Duda Falcão

Noticias

Para el segundo semestre de 2015

La Agencia Espacial Brasileña Negocia
Con SpaceX el Lanzamiento del Itasat-1

28/09/2014

Foto: AEB

(infoespacial.com) Brasilia.- La Agencia Espacial Brasileña (AEB) ha concluido un nuevo paso en el proyecto Itasat-1 al iniciar las negociaciones con la empresa norteamericana SpaceX para la contratación del servicio de lanzamiento del satélite universitario en un vehículo Falcon-9. El lanzamiento se efectuaría el segundo trimestre de 2015.

Gracias a la financiación de la AEB, el nanosatélite portará experimentos del Instituto Nacional de Investigaciones Espaciales (INPE), y del Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), de las universidades de Vale dos Sinos y Federal del Rio Grande del Norte y del Instituto de Aeronáutica y Espacio (IAE).

Entre los nuevos experimentos están el GPS Orión y una placa microcontrolada con sensores de radiación ionizante que procesarán sus datos en conjunto con el laboratorio de estudios del clima espacial (Embrace) en el INPE.

La fase final de integración del modelo de ingeniería y la realización de las pruebas funciones están previstas para el mes de diciembre próximo. La integración del modelo de vuelo, con las pruebas de aceptación funcionales y de requisitos a cargo del Laboratorio de Integración y Pruebas (LIT), del INPE, se efectuarán entre enero y abril de 2015.


Fuente: website www.infoespacial.com

SCD-Hidro: Um Alento à Indústria Espacial Brasileira

Olá leitor!

Segue abaixo um interessante artigo escrito pelo companheiro André Mileski e postado dia (28/09) em seu blog “Panorama Espacial”, tendo como destaque o  Sistema de Coleta de Dados Hidrometeorológicos (SCD-Hidro)”, artigo este publicado na Edição de Setembro da Revista Tecnologia & Defesa (T&D).

Duda Falcão

SCD-Hidro: Um Alento à
Indústria Espacial Brasileira

André M. Mileski
Revista Tecnologia & Defesa
Edição n.º 138, Setembro de 2014.
Blog Panorama Espacial
28/09/2014


Apesar de alguns importantes acontecimentos nos últimos anos, como a edição de um novo Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE 2012-2021), o surgimento da figura de uma prime contractor e a contratação do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), não se pode dizer que a indústria espacial brasileira vive um momento de exuberância. Pelo contrário. Formada por um pequeno número de pequenas e médias empresas, o setor industrial nacional está em crise, decorrente, principalmente, da falta de encomendas de seu principal (e único) cliente, o que tem gerado, inclusive, demissões.

A Agência Espacial Brasileira (AEB), a quem em tese compete exercer ações de política industrial previstas na PNAE, reconhece a situação. “Realmente, esse momento é o momento em que estamos concluindo vários projetos e precisamos retomar outras iniciativas”, afirmou José Raimundo Coelho, presidente da Agência, em entrevista dada à T&D no final de 2013.

É com base neste cenário, e enquanto outras missões do PNAE e do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE) não se materializam, que se busca viabilizar o projeto do Sistema de Coleta de Dados Hidrometeorológicos (SCD-Hidro), lançado pela AEB em conjunto com a Agência Nacional de Águas (ANA), vinculada ao Ministério do Meio Ambiente.

Histórico

Muito embora tenha um forte componente de política industrial, o SCD-Hidro não está sendo desenvolvido pura e simplesmente para gerar carga de trabalho para as indústrias brasileiras. A participação da ANA decorre do fato desta ser a principal usuária do Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais (SBCDA) (ver box), mantido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), do qual depende para seus monitoramentos do volume de água e do balanço hidrológico dos reservatórios. Desta forma, o projeto atende a uma demanda do governo, além de funcionar como uma ação de política industrial, num campo tecnológico já plenamente dominado pela indústria espacial nacional.

Oficialmente, o projeto teve início no final de maio de 2012, com a assinatura de um memorando de entendimentos que previa a criação de um grupo de trabalho para o estudo sobre a viabilidade de desenvolver um microssatélite para missão de coleta de dados hidrometeorológicos. Com isso, o projeto avançou relativamente rápido, com a contratação da iniciativa privada para um estudo comparativo de soluções. Em agosto de 2013, a AEB lançou o Edital da Concorrência n.º 01/2013, prevendo a “contratação de empresa especializada para realizar Estudo Comparativo de Soluções para o Sistema de Coleta de Dados Hidrometeorológicos (SCD-Hidro), mediante o regime de empreitada por preço global”.

Dando prosseguimento à licitação, no mês seguinte foram habilitadas três empresas interessadas na concorrência: a Mectron, pertencente ao grupo Odebrecht Defesa e Tecnologia, a Equatorial Sistemas, do grupo Airbus Defence and Space, e a Omnisys Engenharia, controlada pela francesa Thales. O resultado final saiu em outubro, tendo a Equatorial Sistemas sido selecionada com uma proposta de R$ 1,885 milhão. Do estudo comparativo, participam ainda, na qualidade de subcontratadas, a Visiona Tecnologia Espacial, uma joint-venture entre a Embraer e a Telebras, e a Orbital Engenharia, de São José dos Campos (SP).

Propósitos, Finalidades e Perspectivas

O projeto tem por propósito principal garantir a continuidade dos serviços do Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais, que teve início com os satélites SCD-1 e SCD-2 desenvolvidos pelo INPE e colocados em órbita durante a década de 1990.

Segundo informou a AEB, a proposta atualmente em estudo, direcionada aos interesses da ANA, não apenas atende aos requisitos originais do sistema, mas amplia sua capacidade e funcionalidade, possibilitando o aumento do número de plataformas instaladas, a ampliação dos serviços para além das fronteiras nacionais, além da redução do tempo de revisita, o que permitiria atender também à comunidade que lida com desastres naturais com origem hidrológica. As capacidades do SCD-Hidro também podem vir a servir outros projetos, como o futuro Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul (SisGAAz), da Marinha do Brasil, considerando que na atualidade o SBCDA já recebe dados ambientais gerados a partir de plataformas marítimas localizadas em zonas marítimas do Brasil e da África. Ainda, a reportagem apurou que a Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), responsável por ações do Ministério da Defesa no âmbito espacial, acompanha a iniciativa com atenção, interessada em sua capacidade de coleta e transmissão de dados gerados em solo.

As alternativas em análise consideram constelações que variam de dois satélites em órbita baixa e equatorial, a até seis satélites também em órbita baixa, mas dispostos em três planos orbitais distintos.

A proposta leva em conta um prazo de até três anos para o primeiro lançamento, contados da data da contratação. Tal prazo, no entanto, dependerá da definição quanto à configuração do sistema em órbita, que poderá ser de lançamento múltiplo, isto é, com todos os satélites sendo lançados ao mesmo tempo, ou por plano orbital, com lançamentos distintos.

A expectativa da AEB é de que o sistema seja contratado até o final de 2014 junto a uma empresa integradora nacional, potencialmente, a Visiona Tecnologia Espacial, que já exerce este papel no SGDC, estratégia em linha com os preceitos do PNAE. Representantes da Visiona, aliás, têm visitado empresas nacionais que poderiam participar do projeto, e também participado de reuniões com possíveis parceiros estrangeiros.

A propósito, uma das parcerias internacionais em consideração é com a Espanha. No final de maio, representantes da AEB, da ANA e da Visiona tiveram uma reunião de apresentação da proposta de cooperação do Centro Espacial da Galícia, ligado à Universidade de Vigo, com o Brasil, envolvendo a missão hidrometeorológica. Segundo divulgou a AEB na ocasião, a ação cooperativa envolveria financiamento de projetos com os recursos de ambas as instituições, com investimentos igualitários entre as partes.

O centro espanhol, que no momento conta com dois cubesats em órbita e prepara o lançamento de outro para breve, coordena uma rede mundial de satélites apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU) e que possibilita aos países parceiros transmitir e compartilhar dados sobre emergências humanitárias ou outras informações úteis a estudos sobre o câmbio climático e o controle e detecção de incêndios, por meio de sensores orbitais considerados de baixo custo.

Caso a previsão de contratação do SCD-Hidro este ano se confirme, espera-se sua entrada em operação até o final de 2017. Os custos do projeto ainda estão em revisão e, de acordo com a AEB, ainda não há previsão orçamentária para o projeto completo. “Os recursos disponíveis no momento estendem-se por quatro anos, mas a um nível ainda insuficiente para arcar com todos os investimentos”, segundo informação a Agência.

Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais

A origem do Sistema Brasileiro de Coleta de Dados Ambientais (SBCDA) remonta à Missão Espacial Completa Brasileira (MECB), criada no final da década de 1970 e que buscava dotar o País de autonomia na construção, lançamento e operação de meios espaciais. Dentre as missões compreendidas na missão, estavam os satélites SCD-1 e SCD-2, inspirados no programa franco-americano ARGOS, para coleta de dados ambientais gerados em plataformas terrestres. De fato, 35 anos após a criação da MECB, os satélites de coletas de dados são umas de suas poucas ações bem sucedidas.

Apesar de terem superado em muitos anos suas vidas úteis planejadas, os dois SCD continuam em operação, e ao longo desse tempo foram complementados por transpônderes de coleta de dados instalados em satélites da série CBERS, desenvolvido pelo Brasil em conjunto com a China.

Grosso modo, o SBCDA funciona por meio da retransmissão de mensagens enviadas por centenas de plataformas de coletas de dados, gerados por sensores, distribuídas por todo o território nacional, áreas marítimas e mesmo em alguns países vizinhos. Uma vez recebidas, os satélites armazenam os dados e os retransmitem para estações de recepção localizadas em Cuiabá (MT) e Alcântara (MA), quando visíveis, isto é, com passagens na área de cobertura das estações de recepção. Grande parte das plataformas, conhecidas pela sigla PCD (Plataforma de Coleta de Dados) dispõem de sensores que geram dados meteorológicos, como velocidade e direção dos ventos, umidade e temperatura, e hidrológicos, como os níveis de reservatórios. As PCDs mais modernas contam com painéis solares e baterias que garantem seu funcionamento de forma autônoma.

Os dados são enviados para o Sistema Integrado de Dados Ambientais, (SINDA) situado no Centro Regional do Nordeste do INPE, em Natal (RN), onde são processados, armazenados e disseminados aos usuários, por meio da internet, no prazo máximo de 30 minutos após a recepção.

Além do SCD-Hidro, outra iniciativa que visa dar continuidade ao SBCDA é desenvolvida no CRN/INPE desde 2011. Trata-se do CONASAT, uma constelação de seis nanossatélites, projetados com base na tecnologia dos cubesats. (AMM)


Fonte: Revista T&D, n.º 138, via Blog Panorama Espacial - 28/09/2014

domingo, 28 de setembro de 2014

Entregue Outro Lote de Equipamentos da ACS em Alcântara

Olá leitor!

A mal engenhada empresa bi-nacional Alcântara Cyclone Space (ACS) colocou recentemente uma nota em seu site informando que entre os dias 17 e 19 de Setembro de 2014, outro lote de equipamentos tecnológicos fabricados pela empresa Elkor foi enviado da Ucrânia e entregue no Sítio de Lançamento Cyclone-4 de Alcântara.

Aproveitamos para agradecer ao nosso leitor Rodrigo por nos ter alertado sobre esta notícia.

Fotos dos equipamentos:


Veja mais fotos clicando aqui.

Duda Falcão


Fonte: Site da Alcântara Cyclone Space (ACS)

O Que Aconteceu Com o Projeto do Veículo Hipersônico 14-X?

Bom leitor, essa provavelmente é a pergunta que muitos de nossos leitores devem estar fazendo neste momento, mas infelizmente o Blog BRAZILIAN SPACE não obteve sucesso em contatar o Dr. Paulo Gilberto de Paula Toro do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), já que por alguma razão ele não respondeu aos nossos e-mails, fazendo assim com que desistíssemos já há algum tempo em tentar um novo contato.

As informações que obtivemos são frutos das pequenas apresentações publicadas no Caderno de Atividades de Pesquisa e Desenvolvimento - Volume 7,  do período de mai/2013-jun/2014, divulgado que foi no site do IEAv após a realização do  XIV Workshop Anual de Pesquisa e Desenvolvimento do IEAv (WAI 2014)”, ocorrido em agosto deste ano.

Primeiramente, segundo o que consta neste caderno e no site do IEAv, atualmente a “Equipe Hipersônica Brasileira” é formada pelos seguintes profissionais:

* Alberto Monteiro dos Santos - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Antonio Carlos de Oliveira - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Antonio Osny de Toledo - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Artur da Cunha Menezes Filho - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Bruno Ferreira Porto - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Carla Simone Tafuri Marques - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Cláudio José Rocha - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Dermeval Carinhana Jr. - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Francisco Dias Rocamora Junior - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Giannino Ponchio Camillo - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Israel da Silveira Rêgo - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Luiz Gilberto Barreta - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Marco Antonio Sala Minucci - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv) – acreditamos que o mesmo atue apenas como consultor por atualmente ser “Coronel Engenheiro da Reserva” e um dos pioneiros desta tecnologia no país.

* Matheus Torres Alvarenga Silva - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Mauricio Antoniazzi Pinheiro Rosa - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Norton Demeterco Veras de Assis - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Orlando Roberto Neto - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Paulo Gilberto de Paula Toro - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Roberto da Cunha Follador, Maj. Av. - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Roberto Masato Anazawa - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Thiago Lima de Assunção - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Tiago Cavalcanti Rolim, Cap. Eng. - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Victor Alves Barros Galvão - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

* Wilson José Vieira - Divisão de Aerotermodinâmica e Hipersônica do Instituto de Estudos Avançados (IEAv);

Bolsistas:

* Felipe Jean da Costa - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA)

* Jayme Rodrigues Teixeira da Silva - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA);

* Ronaldo de Lima Cardoso - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA);

* Alexandre Kazuo Carvalhal - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA);

* Iván Felipe Rodríguez Barón - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA);

* Sergio Nicolás Pachón Laitón - Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA);

* João Felipe de Araújo Martos - Universidade Federal do ABC (UFABC)

* Jocasta Aparecida Ferreira Lemes - ETEP Faculdades de São José dos Campos-SP

Pois é leitor, como você mesmo pode notar a “Equipe Hipersônica Brasileira” é formada por apenas 24 profissionais do IEAv e 8 bolsistas de três instituições de ensino do país, sendo uma delas ligada ao Comando da Aeronáutica (COMAER), uma universidade federal, e a última uma faculdade de ensino privada.

Vale lembrar que o Projeto de Desenvolvimento de Tecnologia Hipersônica a Ar Aspirado “scramjet”, que visa a proporcionar ao Brasil um sistema de propulsão aspirada baseada na combustão supersônica aplicada a veículos aeroespaciais em velocidade de voo atmosférico terrestre correspondente a um número de Mach hipersônico, como sabemos, desde 2007 vem desenvolvendo um Demonstrador Tecnológico “scramjet” intitulado de 14-X “waverider”.

Concepção artística do Veículo Hipersônico 14-X Waverider.

Assim sendo, para então ser possível a realização do voo atmosférico previsto para este veículo, foi necessário que fosse projetado um outro veículo que viesse acelerar o 14-X até o ponto em que o motor hipersônico pudesse ser acionado. Surgia assim o projeto do “Veículo Acelerador Hipersônico (VAH)”, composto por dois motores sólidos já desenvolvidos pelo IAE - Instituto de Aeronáutica e Espaço (S30 e S31) e um adaptador para ser acoplado ao segundo estágio do veículo (motor S30), e assim acoplar o 14-X.

Concepção Artística do Veículo Acelerador Hipersônico (VAH)
Concepção Artística do Adaptador Acoplado ao 2º Estágio do VAH
Vista dos Segmentos do Adaptador Interestágio
Foto da Maquete do VAH/14-X na LAAD 2011

O projeto do 14-X Waverider foi concebido pelo então Ten. Cel. Eng. Marco Antonio Sala Minucci (hoje Coronel da Reserva) e projetado pelo então 1º Ten. Eng. Tiago Cavalcanti Rolim (hoje Capitão Engenheiro da ativa) para demonstrar em um vôo atmosférico (a 30 km de altitude e com velocidade de 3 km/s, correspondente a número de Mach 10) tanto a tecnologia de sustentação “waverider”, quanto a tecnologia “scramjet”.

Ensaios em Vôos

Segundo o cronograma do projeto estão planejados quatro tipos de vôos, cativos e livres, com e sem queima de combustível H2, para assim obter os dados aerodinâmicos, de estabilidade e de combustão durante o vôo atmosférico dos Demonstradores Tecnológicos “scramjet”.

Consta ainda que esses demonstradores serão levados à condição de testes por Veículos Aceleradores que se utilizarão inicialmente dos motores foguete S31 e S30 para as primeiras versões, e posteriormente serão usados os motores S40 e S44, todos do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), para a versão “waverider”.

Visão Artística do Voo Atmosférico do Veículo
Hipersônico 14-X Waverider em trajetória balística

Entretanto, vale dizer que as atividades hipersônicas brasileiras não ficaram restritas ao projeto do 14-X Waverider. Após o DCTA ter definido em 2010 o 14-X como projeto estratégico, em Março de 2012 a coordenadoria do projeto propôs duas novas versões baseadas no 14-X “Waverider”, ou seja, os Demonstradores Tecnológicos 14-X B e 14-X S. Já em 2013, dois novos Demonstradores Tecnológicos, o “14-X T” e o “14-X SA” foram também incorporados ao projeto, sendo que estas novas versões foram projetadas para vôo atmosférico a 30km de altitude em velocidade correspondente a Mach 7.

Como o leitor pode notar o Projeto Hipersônico Brasileiro tem avançado nos últimos anos a nível laboratorial, mas a pergunta que o Blog acredita ser do interesse de todos é: Quando realmente o “Veículo Hipersônico 14-X Waverider” irá realizar o seu primeiro voo atmosférico? Bom leitor, esta é uma pergunta que só mesmo o Instituto de Estudos Avançados (IEAv) pode responder.

Duda Falcão


Fonte: Formulado com informações do site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv)