quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Presidente da AEB Participa da Cerimônia de Posse do Novo Diretor do INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (27/09) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que o presidente da agencia, o Sr. Braga Coelho, participou da cerimônia de posse do novo diretor do INPE.

Duda Falcão

Presidente da AEB Participa da Cerimônia
 de Posse do Novo Diretor do INPE

AEB com informações do MCTIC
27/09/2016

Foto: MCTIC

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB/MCTIC), José Raimundo Braga Coelho, participou na última segunda-feira (26.09) da cerimônia de comemoração dos 55 anos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP). Na ocasião foi empossado o novo diretor do INPE, Ricardo Magnus Osório Galvão, cuja nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) do dia 22 de setembro.

Escolhido pelo ministro Gilberto Kassab a partir de lista tríplice, o engenheiro Ricardo Galvão assume a diretoria do INPE, considerando uma premissa fundamental a competência de a AEB “executar e fazer executar” o PNAE. Para ele, é evidente a parcela da competência científica e técnica nessa área, concentrada principalmente no INPE, e que se houver perfeita integração entre a agência e o instituto, desde a fase de projeto conceitual dos satélites, é notório que sua execução pode ser prejudicada por desconfianças e diversidade de visões.

O novo diretor diz ser essencial um relacionamento construtivo e colaborativo entre o INPE e a AEB. “A equipe técnica do INPE deverá ter participação efetiva na definição de projetos de satélites que estão sob a responsabilidade do órgão, principalmente os destinados a aplicações científicas. Em contrapartida, deverá assumir o compromisso de seguir estritamente a execução dos projetos como acordado com a AEB”, ressaltou Galvão.

De acordo com o presidente José Raimundo, o diretor do INPE se comprometeu em aproximar as duas instituições para trabalhar em conjunto. “No início do mês de outubro vamos começar o trabalho de integração com a realização da primeira reunião geral entre o INPE e a AEB. Nessa reunião indicaremos as dificuldades, prioridades e os esforços coletivos que irão nortear o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro”, explicou.

Galvão também falou sobre os principais desafios do INPE, como a redução do quadro de servidores e a recomposição orçamentária. “Enquanto alguns pesquisadores permanecem na instituição mesmo após terem atingido as condições para aposentadoria, atraídos pela participação em projetos de pesquisa e desenvolvimento, atrativos semelhantes não existem para o pessoal administrativo. Esta é uma situação que afeta não somente o INPE, mas praticamente a totalidade das unidades de pesquisa do MCTIC”, destacou.

Engenheiro de Telecomunicações pela Universidade Federal Fluminense, o novo diretor do INPE é mestre em engenharia elétrica pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e doutor em física de plasmas aplicada pelo Massachusetts Institute of Technology, nos Estados Unidos. Professor da Universidade de São Paulo, foi presidente da Sociedade Brasileira de Física e é membro titular da Academia de Ciências do Estado de São Paulo e da Academia Brasileira de Ciências, além do Conselho da Sociedade Europeia de Física.

O INPE foi criado em 3 de agosto de 1961 com atuação nas áreas de Meteorologia e Mudanças Climáticas, Observação da Terra, Ciências Espaciais e Atmosféricas e Engenharia Espacial. O Instituto também presta serviços operacionais de previsão do tempo e clima, de monitoramento do desmatamento da Amazônia Legal, rastreio e controle de satélite, medidas de queimadas, raios e poluição do ar e, ainda, realiza testes e ensaios industriais de alta qualidade.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Projétil de Nanotubo Vira Diamante Após Impacto

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante notícia postada hoje (27/09) no site “Inovação Tecnológica”, destacando que Pesquisadores Brasileiros e Norte-Americanos desenvolveram conjuntamente uma nova técnica para produzir minúsculos diamantes (nanodiamantes) que poderão ser utilizados em satélites e Naves Espaciais.

Duda Falcão

NANOTECNOLOGIA

Projétil de Nanotubo Vira Diamante Após Impacto

Redação do Site Inovação Tecnológica
27/09/2016

[Imagem: Pedro Alves da Silva Autreto]
Após o impacto em hipervelocidade, o carbono dos nanotubos se
recristaliza, formando os pequenos diamantes.

Nanodiamantes

Pesquisadores brasileiros e norte-americanos desenvolveram uma nova técnica para produzir minúsculos diamantes - nanodiamantes - disparando nanotubos de carbono em hipervelocidade sobre um alvo de alumínio.

Embora diamantes desse tamanho não tornem ninguém rico, uma porção deles recobrindo uma superfície pode mudar a forma como são fabricados materiais de alta resistência para uso aeroespacial.

"Satélites e naves espaciais podem ser alvejados por vários projéteis destrutivos, como micrometeoritos e lixo espacial. Para evitar esse tipo de dano, nós precisamos de materiais leves, flexíveis e com propriedades mecânicas extraordinárias. Os nanotubos de carbono podem oferecer uma solução real para esse problema," disse Sehmus Ozden, da Universidade Rice, nos EUA.

Impactos de Alta Velocidade

Curiosamente, a busca de proteção contra o impacto de detritos no espaço levou a equipe a usar o mesmo método para desenvolver os nanodiamantes.

Estudando em detalhes o fraturamento dos nanotubos de carbono quando eles eram disparados em alta velocidade, a equipe verificou que os impactos de alta energia fazem com que as ligações atômicas dos nanotubos se quebrem, com o carbono se recombinando em diferentes estruturas - eventualmente assumindo a estrutura cristalina do diamante.

A uma velocidade de 3,8 quilômetros por segundo (km/s), a maioria dos nanotubos de carbono permanece intacta. Alguns começam a se converter em nanodiamantes a 5,2 km/s. A 6,9 km/s (24.840 km/h), porém, já é difícil encontrar nanotubos intactos entre os nanodiamantes.

A equipe agora pretende usar outros materiais como projéteis e ver o que conseguem produzir.

"Este trabalho inaugura uma nova forma de fabricar materiais nanométricos usando impactos de alta velocidade," disse Leonardo Machado, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Outros dois brasileiros, Pedro Alves Autreto e Douglas Soares Galvão, participaram do desenvolvimento da técnica.

Bibliografia:

Ballistic Fracturing of Carbon Nanotubes
Sehmus Ozden, Leonardo D. Machado, Chandra Sekhar Tiwary, Pedro Alves da Silva Autreto, Robert Vajtai, Enrique V. Barrera, Douglas Soares Galvao, Pulickel M Ajayan
ACS Applied Materials & Interfaces
DOI: 10.1021/acsami.6b07547


Fonte: Site Inovação Tecnológica - http://www.inovacaotecnologica.com.br/

Encontro da Pós em Meteorologia do INPE Discute Mercado de Trabalho, Ciência e Mídias Sociais

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (27/09) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que Encontro da Pós em Meteorologia do INPE discute Mercado de Trabalho, Ciência e Mídias Sociais.

Duda Falcão

Encontro da Pós em Meteorologia do
INPE Discute Mercado de Trabalho,
Ciência e Mídias Sociais

Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

A jornalista Maria Júlia Coutinho, da TV Globo, participa de uma mesa redonda sobre mídias sociais nesta quarta-feira (28/9) durante o XV Encontro dos Alunos da Pós-Graduação em Meteorologia (EPGMET) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

O evento começou na manhã desta terça e prossegue até sexta-feira (30/9) no Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do INPE, em Cachoeira Paulista (SP).

O mercado de trabalho, produção científica e oferta de serviços ambientais também são temas de mesas redondas do EPGMET, que neste ano apresenta programação bastante diversificada.

Um dos destaques é o "Minuto Ciência", realizado ao longo do evento, com bate-papos entre os alunos e professores para exposição de ideias, questões científicas e novas abordagens.

O EPGMET é organizado pelos próprios alunos da Pós em Meteorologia do INPE, que mantêm a tradição de realizar anualmente um encontro científico de qualidade. A cada ano, cresce a participação de outras instituições e representantes da iniciativa privada, que veem no encontro uma oportunidade de descobrir novos talentos.

Criado para promover a interação entre os alunos e professores da Pós-Graduação em Meteorologia (PGMET) do INPE e de outras instituições, o evento também fomenta debates científicos e a divulgação das pesquisas desenvolvidas pelos discentes.

Serão apresentados trabalhos de alunos e professores nos eixos temáticos da PGMET/INPE: Estudo de Tempo e Clima; Modelagem de Tempo e Clima; Interação Superfície-Atmosfera e Sensoriamento Remoto da Atmosfera.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

NASA Afirma Ter Encontrado Possíveis Evidências de Vida em Lua de Júpiter

Olá leitor!

Segue abaixo a tão aguardada notícia que a NASA divulgou ontem (26/09) postada hoje (27/09) no site “G1” do globo.com, destacando que o realmente a agencia americana afirmou ter encontrado possíveis evidências de vida na lua EUROPA de Júpiter.

Duda Falcão

HORA 1

NASA Afirma Ter Encontrado Possíveis
Evidências de Vida em Lua de Júpiter

Márcio Gomes
Tóquio, Japão
Edição do dia 27/09/2016 - 05h47
Atualizado em 27/09/2016 - 08h14

Um assunto que sempre desperta o interesse das pessoas é se existe vida fora do planeta Terra. Informações divulgadas nesta segunda-feira (26) colocam a humanidade um passo mais perto de ter uma resposta para essa questão: a NASA disse que encontrou evidências numa lua de Júpiter chamada Europa.

Através do telescópio Hubble, os cientistas puderam ver vapor de água, que se transforma em chuva, sobre a superfície dessa lua. Portando uma quantidade duas vezes maior de água do que os oceanos do nosso planeta, a lua Europa é uma forte candidata a abrigar vida fora da Terra. Toda essa água está coberta por uma camada extremamente dura de gelo.

Como na Terra a vida é encontrada onde há água, energia e nutrientes, os cientistas estão muito esperançosos sobre essa possível descoberta em Júpiter. Duas missões estão em andamento para ir até a lua Europa e recolher amostras que possam dizer se o vapor é mesmo água.



Fonte: Site “G1” do globo.com – 27/09/2016

Comentário: Bom leitor, essa notícia não é tão espetacular como se esperava, afinal nada de concreto foi achado, apenas evidencias que confirmam a possibilidade de vida fora da Terra, coisa que hoje na realidade diante do gigantismo do universo e suas peculiaridades já é quase uma certeza. Enfim....

Série Espaçomodelismo: Entrevista Com o Cel. Milton de Souza Sanches da TURBOMIL Tecnologia

Olá leitor!

Pois é, dando sequencia a série com profissionais ligados a Educação e ao Espaçomodelismo Brasileiro, trago agora para você outra entrevista significativa desta série que tem o como objetivo divulgar as ações de profissionais que nas ultimas décadas tem contribuído efetivamente para a educação de jovens e para o desenvolvimento do Espaçomodelismo no país.

Nesta sequencia trazemos para você uma entrevista com o Cel. Milton de Souza Sanches, um dos pioneiros do PEB (de forma casual, segundo ele) e envolvido com “Space Education” de forma esporádica sempre que era solicitado, este profissional muito querido por aqueles que fizeram a história do Espaçomodelismo no Brasil, não poderia deixar de ser lembrado por sua participação no desenvolvimento desta atividade no país.

Nesta interessante entrevista este paulistano de 71 anos nos faz um relato sobre a sua trajetória profissional, bem como nos fala sobre as suas expectativas para o futuro do PEB e do Espaçomodelismo no país.

Blog BRAZILIAN SPACE gostaria de agradecer publicamente ao Cel. Milton de Souza Sanches pela disposição de participar desta nossa série de entrevistas, bem como também parabeniza-lo e agradece-lo por tudo que fez e ainda certamente fará pelo Espaçomodelismo Brasileiro.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Milton de Souza Sanches, para aqueles que não o conhecem nos fale sobre o senhor, sua idade, formação e atual função?

Cel. Milton de Souza Sanches
CEL. MILTON DE SOUZA SANCHES: * Idade 71 anos.

* Formação Técnica em 1963 como Mecânico de Voo, na Escola de Especialistas da Aeronáutica (Guaratinguetá – SP).

* Especialização em 1971 como Oficial Especialista em Avião, na Escola de Oficiais Especialistas e de Infantaria de Guarda (Curitiba – PR).

* Graduação em 1978 como Engenheiro de Infraestrutura Aeronáutica, no Instituto tecnológico de Aeronáutica (São José dos Campos – SP).

* Extensão em Engenharia de Armamento Aéreo em 1984, no Instituto Tecnológico de Aeronáutica (São José dos Campos – SP).

* Possuo uma Empresa que desenvolve/produz equipamentos de laboratório para escolas de engenharia.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches é de conhecimento público que o senhor foi um dos pioneiros de nosso Programa Espacial. Como e quando aconteceu este seu envolvimento?

CEL. SANCHES:  Este envolvimento, ocorreu de forma absolutamente casual, em dois períodos: Entre 1979 e 1983, quando trabalhando na Base Aérea de Salvador, o então Cabo Cássio, pediu-me muitas informações sobre foguetes, que para mim até então era um hobby.

Entre 1985 e 1990, como coordenador do Projeto Piranha, com diversos lançamentos, seguido de lançamentos de Sonda IV e Sonda II, tive conhecimento e aproximação com o falecido Baranov, com o Gottman e com o Félix, dentre outros.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, em sua época quais eram as expectativas e objetivos de todos que trabalhavam no PEB? Havia entusiasmo?

CEL. SANCHES: Os objetivos eram de conseguir um projeto brasileiro de pesquisa espacial e quanto ao entusiasmo, tanto quanto eu pude notar, era contagiante.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, quais eram naquela época as suas funções nas atividades relacionadas com o PEB?

CEL. SANCHES: Nada oficial. Assim como agora, às vezes solicitam alguma informação.

BRAZILIAN SPACE: Finalizando o assunto sobre o PEB Cel. Sanches, da forma como o governo brasileiro conduz o seu Programa Espacial o senhor ainda acredita num futuro próspero para o mesmo?

CEL. SANCHES: Com sinceridade, não. Temos que lembrar que as prioridades do país não incluem um Programa Especial Completo e sim, somente a parte de utilização imediata que são os satélites, não importa quem os lancem.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches é também sabido que o senhor andou se envolvendo com atividades do chamado (na época) “Space Education”. Como ocorreu seu envolvimento nesta atividade?

CEL. SANCHES: Como acima mencionado, sempre foi de forma esporádica que me pediam alguma colaboração, e quando possível eu procurava ajudar.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, poucos leitores do Blog sabem que o senhor desenvolveu uma Microturbina (denominada de TS65) voltada para aeromodelos, e também uma Bancada Didática (denominada Labjet) para fins de orientação e familiarização com um turboreator a gás. Fale-nos um pouco sobre esses projetos?

CEL. SANCHES: Na década de 1990, com o enorme crescimento da Embraer e a total falta de propulsores nacionais, procurei desenvolver uma microturbina para aplicação inicial em aeromodelos, seguido de pequenos drones. Em 1999, concluí o projeto e apesar de demonstrar a viabilidade com voos de demonstração em janeiro de 2000, só consegui que um colega de engenharia me chamasse para desenvolver turbinas, primeiro para a Petrobrás e posteriormente para a Vale. Os projetos foram levados até a construção e montagem dos protótipos que ainda hoje estão em condições de funcionamento. Estes últimos trabalhos estavam sendo feitos nas dependências do CTA/ITA, quando um aluno de pós graduação do ITA, Álvaro Abdala, deu a ideia de montar uma microturbina instrumentada em uma bancada Didática autônoma e facilmente deslocável para dentro da sala de aula e para uma área mais livre onde pudesse funcionar. A USP São Carlos foi a primeira a adquirir a Labjet. Devido a outros pedidos, este equipamento é o principal produto da minha empresa

(saiba mais sobre a empresa do Cel. Sanches visitando o site da “TURBOMIL Tecnologia” pelo link: http://turbina.webh.com.br/)

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, atualmente o senhor está envolvido com outros projetos e caso sim, algum na área de Space Education ou Foguetemodelismo?

CEL. SANCHES: Não diretamente, mas estou auxiliando no projeto de um motor foguete bi- propelente com capacidade de mudança de cabeçote para ensaios de diversos bicos injetores e relações de mistura, além de substituição de garganta e variação de divergente para ser instalado em um laboratório do ITA.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches o foguetemodelismo vem crescendo no Brasil através do surgimento de grupos de fogueteiros dentro das universidades do país.  Como o senhor observa este crescimento?

CEL. SANCHES: Observo com muito bons olhos. Quanto maior o número de envolvidos, maior a chance de conseguirmos aumento de qualidade e de segurança e como consequência, a garantia de que esta atividade seja reconhecida, a ponto de ser incluída no currículo escolar e que empresas passem a fabricar motores foguete com alta qualidade de forma a poderem ser distribuídos, após a legislação adequada, por todo o país.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, o senhor teria interesse em contribuir de alguma forma para o crescimento desta atividade no Brasil? E Caso sim, como isto poderia ser feito?

CEL. SANCHES: Sim, tenho interesse. A forma adequada teria que ser estudada para que o maior rendimento dos esforços, seja obtido.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, no Brasil existem atualmente duas iniciativas em nível nacional nesta área de Foguetemodelismo, ou seja, o Festival de Minifoguetes de Curitiba (já consolidado) e a COBRUF - Competição Brasileira Universitária de Foguetes (em fase de consolidação). Como o senhor enxerga estas iniciativas universitárias?

CEL. SANCHES: Enxergo com otimismo. Estas iniciativas é que podem alavancar a atividade.

BRAZILIAN SPACE: Cel. Sanches, em abril deste ano durante a realização da 3ª edição do “Festival de Minifoguetes de Curitiba”, os fogueteiros presentes criaram a “Associação Brasileira de Minifoguetes (ABMF)” ou “Brazilian Association of Rocketry (BAR)”. Como o senhor viu esta iniciativa?

CEL. SANCHES: Em princípio, com muito bons olhos. Eu gostaria de conhecer melhor a forma com a qual pretendem atingir os seus objetivos, para então eu poder tentar auxiliar.

BRAZILIAN SPACE: Finalizando Cel. Sanches, qual a mensagem que o senhor deixaria para esses grupos de fogueteiros e para os jovens que pensam em trabalhar na área espacial?

CEL. SANCHES: Devemos lembrar que para podermos colher bons frutos, são necessários a escolha e a preparação do terreno correto, o plantio adequado e a manutenção das condições de umidade, remoção de ervas daninhas e demais cuidados, antes de podermos ter a colheita bem sucedida. O que pretendo dizer é que apesar do aparente fracasso pela demora maior do que a desejada, pode estar realmente acontecendo é que alguns dos passos do “plantio” foi negligenciado.

Há ainda muito trabalho a ser feito mas, basta que seja feito. Afinal, o desejo da nossa comunidade é ver o Brasil junto aos melhores países do mundo, com relação a difusão do conhecimento, desenvolvimento de projetos e fabricação em larga escala de componentes seguros e de alta performance, para permitir que tanto jovens quanto adultos possam usufruir, com segurança, desta atividade tão cativante.

Veja abaixo as outras entrevistas da Série:

1 - Prof. Alysson Nunes Diógenes da UP (Universidade Positivo de Curitiba)

2 - Prof. José Félix Santana do CEFEC (Centro de Estudos de Foguetes Espaciais do Carpina-PE)

3 - Prof. Carlos Henrique Marchi da UFPR (Universidade Federal do Paraná)

4 - Sr. Paulo Gontran Ramos do CEGAPA (Centro Gaúcho de Pesquisas Aeroespaciais)

5 - Sr. Carlos Cassio Oliveira do CEFAB (Centro Experimental de Foguetes Aeroespaciais da Bahia)

6 - Prof. Dr. João Batista Garcia Canalle da UERJ/OBA (Universidade do Estado do Rio de Janeiro e Olímpiada Brasileira de Astronomia e Astronáutica)

7 - Prof. Eng. José Miraglia da FIAP (Faculdade de Informática e Administração Paulista)

Parlamentares Defendem Texto Original do Marco Legal da CT&I

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada ontem (26/09) no site da “Agência Gestão CT&I” destacando que Parlamentares defenderam texto original do Marco Legal da CT&I.

Duda Falcão

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Parlamentares Defendem Texto
Original do Marco Legal da CT&I

Agência Gestão CT&I,
Com informações da Câmara dos Deputados
Seg, 26 de Setembro de 2016 17:08

Foto: Luis Macedo/ Câmara dos Deputados
Deputado Celso Pansera afirma que vetos ao novo
marco legal de CT&I geram insegurança jurídica.

Deputados e senadores defendem a derrubada dos vetos e a retomada do texto original do novo Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação(Lei nº 13.243/16), sancionado em janeiro pela ex-presidente Dilma Rousseff com oito itens barrados, sendo a maior parte relacionada a questões tributárias.

O deputado Celso Pansera (PMDB-RJ), que era ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação  à época da sanção, afirma que os vetos causaram insegurança jurídica. “Como a lei mexe com tributos, particularmente a parte previdenciária, gera insegurança nas empresas, em quem incentiva pesquisadores e faz acordos com universidades. Acaba gerando uma insegurança sobre vínculo empregatício”, disse, mesmo ressaltando que, no contexto da Previdência Social, os valores envolvidos são pequenos.

O novo Marco Legal incentiva as atividades de pesquisa científica; prevê isenção e redução de impostos para importação de insumos; facilita processos licitatórios; e amplia o tempo máximo que professores universitários poderão se dedicar a projetos de pesquisa e extensão.

Em agosto, 19 entidades da comunidade científica e do setor empresarial apresentaram ao Congresso Nacional a “Carta de Brasília”, documento em que pedem a derrubada dos vetos. As entidades também indicaram ações para aproximar ciência e produção e para criar fontes de financiamento para o setor.

O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, assumiu compromisso de trabalhar para a edição de uma medida provisória que retome o texto aprovado pelo Congresso, mas prevê dificuldades. “Estou muito preocupado com a intransigência da Receita Federal. Tivemos reunião até com o presidente da República, que, do ponto de vista político, já está convencido”, disse.

Regulamentação

Além disso, outra preocupação no momento é a regulamentação da Lei 13.243/16. O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) colocou em consulta pública o decreto de regulamentação do Marco Legal. O texto recebeu mais de 40 mil acessos até agosto.

Para Abílio Baeta Neves, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), este é o momento de facilitar a parceria de pesquisadores com entidades privadas. “A regulamentação do Marco Legal é urgente. Se não conseguirmos regulamentar adequadamente, estaremos contribuindo para a baixa transparência das relações entre sistema de ensino superior e setor produtivo. Não é isso que queremos”, disse.


Fonte: Site da Agência Gestão CT&I - http://www.agenciacti.com.br

Interessados em Bolsa de Pós-Doutorado em Geodésia e Tectonofísica do INPE Devem Se Inscrever Até o Dia 30/09

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (27/09) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que os interessados em Bolsa de Pós-Doutorado em Geodésia e Tectonofísica do instituto devem se inscrever até dia 30/09.

Duda Falcão

Interessados em Bolsa de Pós-Doutorado
em Geodésia e Tectonofísica Devem
Se Inscrever Até Dia 30

Terça-feira, 27 de Setembro de 2016

Interessados em bolsa de pós-doutorado em Geodésia e Tectonofísica devem se inscrever até dia 30

A Divisão de Geofísica Espacial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em São José dos Campos (SP), oferece uma vaga de Pós-Doutorado com bolsa da FAPESP. Inscrições serão recebidas até o dia 30 de setembro.


O candidato selecionado trabalhará com análises de séries temporais coletadas por rede com cerca de 50 estações GNSS (Global Navigation Satellite System) permanentes, localizadas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste do Brasil. Tal estudo irá complementar as diversas análises interdisciplinares já em curso no contexto do Projeto Temático.

Análises interpretativas de modelos geodésicos dinâmicos (taxas de deslocamentos verticais e horizontais), em conjunto com dados sismológicos e gravitacionais, visam extrair parâmetros que possam caracterizar condições geodinâmicas de extensão ou contração da crosta, relacionadas à reologia e estruturação tectônica da litosfera subjacente.

Candidatos com forte experiência em processamento, análise e aplicações de dados GNSS são convidados a submeter curriculum vitae atualizado (incluindo uma página destacando interesses, motivações e potenciais contribuições ao projeto) e nomes de três referências para icaro.vitorello@inpe.br.

O selecionado receberá bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP no valor de R$ 6.819,30 mensais e Reserva Técnica, equivalente a 15% do valor anual da bolsa, para atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa. Caso o bolsista resida em domicílio diferente e precise se mudar para a cidade onde se localiza a instituição-sede da pesquisa, poderá ter direito a um Auxílio-Instalação.

A oportunidade está publicada no endereço fapesp.br/oportunidades/1239


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Dr. Perondi Faz Balanço e Agradecimentos no Encerramento de Sua Gestão no INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (26/09) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que durante a cerimonia de posse do novo diretor do instituto,o ex-diretor Dr. Leonel Peroni fez um balanço e um agradecimento no encerramento de sua gestão.

Duda Falcão

Perondi Faz Balanço e Agradecimentos
no Encerramento de Sua Gestão

Segunda-feira, 26 de Setembro de 2016

Leonel Perondi encerrou sua gestão nesta segunda-feira (26), durante a solenidade de aniversário do INPE, quando Ricardo Galvão tomou posse como diretor do Instituto.

Em seu discurso de despedida, Perondi, que assumiu em maio de 2012, fez um balanço dos quatro anos em que dirigiu o INPE.




Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Bandeirante Foguetes Participa da II EXPOTEC em Camaragibe-PE

Olá leitor!

A empresa “Bandeirantes Foguetes Educativos” de Recife-PE, em parceria com a Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), participou no dia 24/09 da segunda edição da Exposição de Tecnologia de Ciência (EXPOTEC 2016)”, evento este realizado nos dias 23 e 24/09 no Ginásio Municipal Aloísio Rocha na cidade de Camaragibe-PE. 

O evento tem como principal objetivo fomentar o desenvolvimento do ensino científico na educação básica do município de Camaragibe, e a participarão neste evento ocorre através de Grupos de Pesquisa formados por até cinco estudantes da educação básica e um professor das escolas do Ensino Fundamental II (6º ao 9º anos) e do Ensino Médio (regular, e EJAI) das Redes Pública e Privada desta cidade pernambucana.

Segundo o Sr. Roberto de Paula, a participação da “Bandeirante Foguetes” se deu no dia 24/09 através de lançamentos de minifoguetes montados pelos alunos de varias escolas desta cidade pernambucana.

Veja abaixo algumas fotos da participação da “Bandeirante Foguetes” no evento deste ano e uma reportagem da TV NORDESTE sobre esta a 1ª EXPOTEC ocorrida em 2015.

Duda Falcão

O Sr. Roberto de paula na 2ᵒ EXPOTEC 2016

1ᵒ EXPOTEC 2015 - TV Nordeste

Os Casos MECTRON e AVIBRAS, Mais Informações

Olá leitor!

Tive ontem outro contato com uma de minhas fontes que me passou as seguintes informações sobre as questões da venda da MECTRON e da AVIBRAS.

Segundo ele, no momento as coisas andam bem escondidas (evidentemente por motivos óbvios), mas o que ele ficou sabendo foi o seguinte:

1 - A MECTRON como empresa continua sendo vendida (a ODB está vendendo os projetos que consegue de forma independente)

2 - A AVIBRAS já teria acertado ficar com três projetos, ou seja,  o MANSUP (míssil anti-navio), o A-DARTER (míssil ar-ar) e o ACAUÃ (kit para bomba guiada) e os demais ainda estão em discussão.

3 - Os projetos para a AEL ninguém fala mais nada (minha fonte acha que o Blog assustou esse pessoal...)

4 – Já sobre a suposta venda da AVIBRAS, segundo ele o que é estranho sobre o boato da venda é que quem falou isso não foi ninguém da AVIBRAS, mas a fonte garante a veracidade da informação, apesar de todos na AVIBRAS negarem que haja essa intenção.

Duda Falcão

CEMADEN Conclui Instalação de Sensores em Áreas de Risco de 9 Municípios do País

Olá leitor!

Segue agora uma nota postada ontem (26/09) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), destacando que o Centro Nacional de Monitoramento de Alertas e Desastres Naturais (CEMADEN) conclui instalação de sensores em áreas de risco de 9 municípios do país.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

CEMADEN Conclui Instalação de Sensores
em Áreas de Risco de 9 Municípios do País

Informações captadas por sensores e prismas serão complementadas
por plataformas de coleta de dados compostas por pluviômetros e
sensores de umidade do solo. Segundo o CEMADEN, equipamentos
devem ser instalados em 2017 e vão permitir que alertas sejam
emitidos com até 2 horas de antecedência.

Por Ascom do MCTIC
Publicação: 26/09/2016 | 17:32
Última modificação: 26/09/2016 | 17:38

Crédito: Prefeitura de Recife
Estação Total Robotizada é um sensor geotécnico que emite sinal
infravermelho, o qual é refletido nos prismas instalados nas áreas de risco.

O Centro Nacional de Monitoramento de Alertas e Desastres Naturais (CEMADEN) concluiu a primeira etapa do projeto de monitoramento de morros para prevenção de deslizamentos. Teresópolis, na região serrana do Rio de Janeiro, foi a última de nove cidades selecionadas para receber equipamentos de alta tecnologia para o acompanhamento de encostas. No município, foram instaladas 100 Estações Totais Robotizadas (ETR) em áreas vulneráveis.

A ETR é um sensor geotécnico que emite sinal infravermelho, o qual é refletido nos 100 prismas (espelhos) instalados nas áreas consideradas vulneráveis. Esses sinais permitem captar até pequenas movimentações de terra, abrangendo uma área em 360 graus e com até 2,5 quilômetros de extensão. Os dados coletados pelos equipamentos são enviados, via internet, ao CEMADEN, em São José dos Campos (SP), e contribuem para as pesquisas sobre movimentação de terra em morros e encostas.

Na segunda etapa do projeto, o CEMADEN vai instalar 15 plataformas de coleta de dados, compostas por um pluviômetro e seis sensores de umidade do solo. Estes equipamentos vão fornecer informações sobre a quantidade de chuva acumulada e de água no solo, gerando possíveis alertas de risco de deslizamentos.

"Com esses equipamentos e essas informações, poderemos saber quando emitir um alerta de forma antecipada. Apenas com a ETR, podemos emitir um alerta com alguns minutos de antecedência. Com as plataformas, teremos condição de emitir esse alerta com até duas horas, o que é extremamente importante para evacuar a área de risco", disse o coordenador do projeto, Rodolfo Mendes.

As plataformas serão instaladas nos mesmos municípios da primeira etapa do projeto: Mauá (SP), Santos (SP), Blumenau (SC), Salvador (BA), Recife (PE), Angra dos Reis (RJ), Nova Friburgo (RJ), Petrópolis (RJ) e Teresópolis (RJ). A previsão é que as cidades recebam os equipamentos no primeiro semestre de 2017.

"A escolha dessas cidades para integrar o projeto-piloto é por se tratarem de regiões que tiveram a ocorrência de desastres naturais recentemente e, por isso, podem estar mais suscetíveis a novas ocorrências. Nesse primeiro momento, estamos reunindo dados para entender, cientificamente, como ocorrem os deslizamentos. A partir daí, podemos fazer estudos nesse campo", afirmou Rodolfo Mendes.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

UCS Carvi Promove Competição Regional Inédita de Foguetes

Olá leitor!

Está lembrado da notícia que postamos aqui no início de agosto (veja aqui) sobre uma Competição de Foguetes de Água para alunos do Ensino Fundamental e Médio que seria promovida pela Universidade de Caxias do Sul (UCS)? Pois então, segue abaixo uma notícia postada dia (24/09) no site “UCS Minha Vida” sobre está competição.

Duda Falcão

UCS Carvi Promove Competição
Regional Inédita de Foguetes

Primeira edição do evento foi marcada por grande
adesão e envolvimento dos participantes

24/09/2016

Fotos: Claudia Velho

A primeira Competição Regional de Foguetes, realizada neste sábado (24) no Campus Universitário da Região dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, mostrou que é possível ensinar ciência de forma interativa e divertida. Durante a competição, que contou com 16 equipes, quase uma centena de estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental e do Ensino Médio se envolveram e vibraram com os foguetes, feitos a base de garrafas PET e outros materiais de baixo custo, que foram lançados com propulsão à água.

20160924_111805

Na primeira etapa da competição, cada equipe realizou dois lançamentos cada e, pelo critério de maior distância, 10 equipes se classificaram para a segunda etapa. A fase final contou com a participação de seis equipes. Também pelo critério de maior distância, a vencedora foi a Apollo XII, do Colégio Estadual Ângelo Mônaco, de Fagundes Varela (173,5 metros). O segundo e terceiro lugares ficaram, respectivamente, com a equipe Sidiney III, do Colégio Sagrado Coração de Jesus, de Garibaldi, e com a equipe Nós na Lua, do Instituto Estadual de Educação Cecilia Meireles, de Bento Gonçalves.


Conforme a professora Tânia Morelatto, uma das docentes responsáveis pela coordenação, juntamente com os professores Matheus Poletto e Tiago Cassol, o evento foi inspirado na Mostra de Foguetes que integra a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica. Ainda segundo ela, o caráter inédito da competição na região serrana do estado estimulou que diversas equipes se interessassem em participar. “Uma equipe de acadêmicos da UCS e até uma escola de Paraíba procuram a competição. Mas, neste ano, preferimos mantê-la no nível básico. A intenção é ampliar para outras modalidades a partir das próximas edições”, ressalta. 

Nesta primeira Competição de Foguetes, participaram escolas dos municípios de Bento Gonçalves, Caxias do Sul, Faria Lemos, Garibaldi, Carlos Barbosa e Vacaria. A promoção é do Centro de Ciências Exatas e da Natureza e Tecnologia do CARVI, do Núcleo de Apoio ao Ensino da Matemática, do Núcleo de Apoio ao Ensino da Física e do Grupo Gincarvi Jr. – Tecnologia em Foguetes.


Confira, no vídeo, um dos melhores lançamentos da competição!



Fonte: Site UCS Minha Vida - http://www.ucsminhaescolha.com.br