terça-feira, 20 de novembro de 2018

Avanza el Proyecto de Formar Una Agencia Espacial Latinoamericana

Hola Lector!

Sigue abajo una interesante noticia postada hoy (20/11) en el website “Infobae” destacando que avanza el proyecto de formar una Agencia Espacial Latinoamericana.

Duda Falcão

INNOVACIÓN

Avanza el Proyecto de Formar Una
Agencia Espacial Latinoamericana

Buenos Aires organizó el 3er. Foro Internacional del Espacio, con la presencia
de la NASA, la Agencia Espacial Europea, Japón y muchos otros países más.
La colaboración entre naciones para desarrollar proyectos conjuntos y la
educación a partir de datos espaciales fueron los temas más trabajados.

Por Víctor Ingrassia
20 de noviembre de 2018

Foto grupal de los jefes de agencias espaciales,
representantes de universidades, y miembros de
organizaciones espaciales internacionales que
participaron del Foro en el Centro Cultural de la Ciencia.

"Este ha sido un año espacial increíble para Argentina. Primero, con la fabricación y puesta en órbita del nuevo satélite radar SAOCOM. Y ahora, con la óptima organización del 3er. Foro Internacional del Espacio".

Las voces de los referentes enviados a Buenos Aires por parte de las principales agencias espaciales del mundo coincidían en el rol clave y de liderazgo absoluto que tiene nuestro país en materia aeroespacial en la región. Y se entusiasman en apostar por más, con la venia de empujar a los países del Cono Sur para formar la Agencia Espacial Latinoamericana.

Las mesas de trabajo se concentraron en el avance
de la cooperación internacional espacial.

Hace pocos días, tuvo lugar en la sede del Centro Cultural de la Ciencia, perteneciente a la Secretaría de Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva de la Nación, el 3er. Foro Internacional del Espacio Capítulo Latinoamericano" (ISF2018), una jornada dedicada íntegramente a trabajar y reflexionar sobre la ciencia espacial y academia para mejores soluciones a los desafíos de América Latina y el Caribe.

Con la presencia de la NASA, la Agencia Espacial Europea, Japón y muchos otros países más, se destacó la colaboración entre naciones para desarrollar proyectos conjuntos y la educación a partir de datos espaciales. La apertura del evento estuvo a cargo del secretario de Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva, Lino Barañao, quien expresó que la importancia para la región en la conformación de este emprendimiento global.

Las agencias espaciales más importantes del
mundo se reunieron en Buenos Aires.

Es muy importante afrontar el desafío de hacer un uso eficiente de la información y promover la actividad espacial extensible a todos los sectores", indicó Barañao y agradeció al consorcio de organismos participantes y al Gobierno Nacional por el apoyo a la actividad espacial.

Lo acompañaron en la mesa, el presidente de la Agencia Espacial italiana (ASI, por sus siglas en inglés), Roberto Battiston, (hoy ex presidente porque fue reemplazado en los últimos días), quien destacó la maduración que alcanzó Argentina en el desarrollo y lanzamiento del SAOCOM; y por la Federación Internacional Astronómica (IAF), su presidente, Jean-Yves Le Gall; la próxima titular, Pascale Ehrenfreund, y la vicepresidenta de Ciencia y Relaciones Académicas, Gabriella Arrigo, quien afirmó que la capacidad de desarrollo radicará en la colaboración espacial.

El encuentro contó con distintas mesas, donde representantes internacionales disertaron sobre áreas de interés dentro de la temática espacial; entre ellas, el director Ejecutivo y Técnico de la CONAE (Comisión Nacional de Actividades Espaciales), Raúl Kulichevsky, quien abordó la educación y su capacidad de construcción.

"Este foro puede ser el puntapié inicial para la creación de una agencia espacial regional", pronunció, y subrayó la cooperación entre países para la optimización de todos los recursos.

Gabriella Arrigo, vicepresidenta de la vicepresidenta
de Ciencia y Relaciones Académicas de la Federación
Internacional de Astronáutica (IAF).

Gabriella Arrigo, vicepresidenta de la Federación Internacional de Astronáutica (IAF, por sus siglas en inglés), destacó el importante presente por el que la Argentina está transitando en materia espacial.

"Es un año muy especial para Argentina por el reciente lanzamiento de un increíble satélite como el SAOCOM y ahora la organización de este importante encuentro", destacó a Infobae la experta que está a cargo de las relaciones internacionales de la Agencia Espacial Italiana (ASI).

"Argentina ocupa un lugar de liderazgo en la región en materia aeroespacial. La ASI está lista para ayudar a la Argentina a formar la Agencia Espacial Latinoamericana, debido a la experiencia recogida luego de la integración de Italia y otros 6 países al comienzo de la Agencia Espacial Europea (ESA, por sus siglas en inglés)", remarcó la experta

El grupo de científicos y delegación argentina en al
base Vandenberg, en California, EEUU, con el cohete
que llevó al Saocom al espacio.

Y agregó: "Conjugar las capacidades técnicas de varios países ayuda a crear muchos proyectos buenos, como los que se necesitan para formar una agencia espacial regional. Es un gran desafío. Uno puede compartir conocimento, presupuesto, científicos, proyectos y muchas cosas más".

Por parte de la Agencia Espacial de EEUU, Sandra Cauffmann, ingeniera costarricense es subdirectora de la División de Ciencias Terrestres de la NASA, resaltó la "cooperación histórica con Argentina".

"Vemos con buenos ojos la idea de formar una agencia espacial regional", afirmó y remarcó: "Tenemos muchos acuerdos con Argentina para la observación terrestre".

Alchin Shirin-Zada, presidente de la Agencia Espacial de Azerbaijan se mostró también entusiasmado por el encuentro en Buenos Aires. "Destacamos los módulos de trabajo abarcados en el seminario aquí, como habilidades conjuntas y ciencia aplicada al espacio. Tenemos los recursos necesarios para hacer crecer nuestra agencia espacial en colaboración con la Argentina y otras del mundo", remarcó a Infobae.

Argentina es líder regional en materia espacial.

Roberto Battiston, ex presidente de ASI, indicó que "la alianza entre las agencias espaciales de Argentina e Italia tiene ya más de 20 años de trabajo ininterrumpido. Ahora se ve potenciado por el trabajo de los aparatos de ambos países que conforman una constelación satelital única en el mundo".

Y enfatizó la importancia del trabajo espacial argentino en el proyecto de Sistema Ítalo Argentino de Satélites para la Gestión de Emergencias (SIASGE), que conforman cuatro satélites italianos COSMO-SkyMed y los dos satélites SAOCOM argentinos (el otro SAOCOM será lanzado el año próximo).


"Se trata de un sistema único para proveer al país y al mundo información sobre humedad de suelo, inundaciones y enfermedades de cultivos, entre otras numerosas aplicaciones, para uso en agricultura, gestión de emergencias ambientales y monitoreo de recursos naturales".

El SIASGE, Sistema Italo Argentino de Satélites para la Gestión de Emergencias, estará integrado por dos satélites SAOCOM provistos por la CONAE y cuatro satélites de la Constelación Italiana COSMO-SkyMed, de la Agencia Espacial Italiana (ASI).

Este conjunto de satélites permitirán obtener información certera y actualizada de incendios, inundaciones, erupciones, terremotos, avalanchas, derrumbes y deslaves.

La constelación de satélites argentinos e italianos.

Laura Frulla, Investigadora Principal de la Misión SAOCOM de la CONAE, también estuvo presente en el foro internacional espacial y realizó una presentación de la misión Saocom.

"Los 4 satélites italianos ya se han lanzado y están funcionando en banda X en microondas, que se caracteriza por tener una longitud de onda corta, sin penetración en la superficie. Da cuenta de la rugosidad de la superficie del terreno o superficie analizada. En cambio la banda L del Saocom tiene capacidad de más penetración que va desde los 20 centímetros hasta los 2 metros, dependiendo de las características del suelo y la humedad que contenga", remarcó Frulla.

Y agregó: "Por ejemplo, un campo con cultivo de soja permite penetrar hasta 50 centímetros de superficie, profundidad suficiente para observar si hay agua en las raíces de la planta. Si encuentra una selva, no tiene tanta penetración, pero si la vegetación no es tan densa puede obtener información del sotobosque. El satélite buscará medir la humedad de suelo en el espacio y ayudar en el manejo de emergencias gracias a su radar de apertura sintética".

Laura Frulla, especialista de la misión Saocom en Conae.

En el foro espacial participaron por la Secretaría de Gobierno de Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva el secretario de Articulación Científico Tecnológica, Agustín Campero; el secretario de Planeamiento y Políticas en Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva, Jorge Aguado; el subsecretario de Políticas en Ciencia, Tecnología e Innovación Productiva, Sebastián Guerriere, entre otros más.

La primera edición del Foro se llevó a cabo en Trento, Italia, en 2016, y la segunda en Nairobi, Kenya, en febrero de 2018, esta es la primera vez que se realiza en América latina y buscó pensar la inclusión de la ciencia espacial en el ámbito universitario y académico, y en agendas ministeriales como contribución significativa para enfrentar los desafíos globales.

Comparación del Saocom con sus sucessores.

En este sentido, la jornada se centró en tres temas:

1- El manejo de recursos naturales y prevención de desastres, la tecnología y aplicaciones satelitales de observación de la tierra, navegación y telecomunicaciones como herramientas valiosas para apoyar las actividades de gestión gubernamental, regional y local, para proteger el medio ambiente, garantizar una región pacífica y segura y gestionar la diversidad como fuente de riqueza y transformación socioeconómica.

2- Las alianzas espaciales, la colaboración entre países con diferentes niveles de conocimiento espacial como facilitadores de la difusión y transferencia de tecnología.

3- La educación para la creación de capacidad científica y técnica de alto nivel y contribuir a un mayor desarrollo socioeconómico de la región.

El ministro Alejandro Finocchiaro, durante el cierre
del “3er. Foro Internacional del Espacio:
Capítulo Latinoamericano”.

"La actividad espacial es un tema de gran trascendencia. Se trata de ciencia aplicada para solucionar problemas de la región como desastres naturales, catástrofes, y para el desarrollo económico y el progreso", afirmó el ministro de Educación, Cultura, Ciencia y Tecnología, Alejandro Finocchiaro, en el cierre del Foro, y añadió "lo que hasta hace unos años era ciencia ficción, hoy se convierte en una realidad".

El ISF2018 estuvo organizado por la Federación Internacional de Astronáutica (IAF), la Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE) y la Agencia Espacial Italiana (ASI).


Fuente: Website Infobae - https://www.infobae.com

Comentario en Español: Pues es lector, está la noticia y nos gustaría agradecer a nuestro lector argentino Martín Marteletti por su envío.

Comentário em Português: Pois é leitor, tá ai a notícia e gostaríamos de agradecer ai nosso leitor argentino Martín Marteletti pelo seu envio.

Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais Se Reúne Com Frente Parlamentar

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (20/11), no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que a Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE) se reuniram no dia de hoje com Frente Parlamentar.

Duda Falcão

ESPAÇO

Comissão de Coordenação e Implantação
de Sistemas Espaciais Se Reúne
Com Frente Parlamentar

Durante o encontro foram debatidos os benefícios do desenvolvimento
do setor aeroespacial brasileiro para o agronegócio

Por Tenente Carlos Balbino
Fonte: Agência Força Aérea
Publicado: 20/11/2018 19:00

Fotos: Cabo André Feitosa

O Presidente da Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), Major-Brigadeiro do Ar Luiz Fernando de Aguiar, e o Chefe da Assessoria Parlamentar e de Relações Institucionais (ASPAER), Brigadeiro do Ar Maurício Augusto Silveira de Medeiros, se reuniram, nesta terça-feira (20/11), com deputados e senadores da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) para tratar de questões relacionadas ao desenvolvimento de projetos do setor aeroespacial brasileiro. O encontro ocorreu durante almoço realizado na sede da FPA, em Brasília (DF), e contou com a participação de representantes de cooperativas, associações, sindicatos e confederações defensoras do agronegócio.


Durante a reunião, o presidente da CCISE apresentou projetos desenvolvidos dentro da Estratégia Nacional de Defesa, relacionados à operação e ao monitoramento de satélites no país. “Todos têm população, espaço territorial e Produto Interno Bruto inferiores aos do Brasil e, mesmo assim, possuem satélites próprios, controlados por eles. Enquanto nós ainda estamos tentando alavancar o uso do Centro de Lançamento de Alcântara. O país é muito grande para a gente pensar pequeno. Temos que pensar grande”, frisou.


O Major-Brigadeiro Aguiar compartilhou, também, avanços já conquistados por meio do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (PESE), como a inauguração do Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S) no Rio de Janeiro (RJ), nessa segunda-feira (19), e a atual construção do Centro de Operações Espaciais (COPE), em Brasília (DF).

Outro projeto destacado por ele foi o do Carponis-1. Ao defender o desenvolvimento do primeiro satélite de sensoriamento remoto de alta resolução, concebido por meio de uma parceria firmada entre o Ministério da Defesa e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o presidente da CCISE reforçou a importância do envolvimento do Ministério da Agricultura para a concepção do satélite.

Entre os principais benefícios que poderão ser obtidos por meio do Carponis-1, ligados ao agronegócio, foram apontados: apoio à gestão de desastres naturais; monitoramento do uso e ocupação de terras, da produção agrícola e do avanço de pragas; monitoramento de lavouras permanentes; acompanhamento de colheitas e apoio à implantação de políticas públicas.


O projeto é uma realidade e temos certeza que esse satélite atende às demandas do agronegócio. O próximo passo é colocar os requisitos na praça para que possam ser licitados já no início de 2019. A ideia é que o satélite esteja em operação em 2021”, afirmou o oficial-general.

Nesse mesmo sentido, o Chefe da ASPAER aproveitou para lembrar que a Força Aérea Brasileira (FAB) necessitará do apoio financeiro dos Poderes Executivo e Legislativo. “Há a necessidade do compromisso de todos: Agricultura, Relações Exteriores, Meio Ambiente. Um novo horizonte se abre com a chegada de um novo governo e é importante que já se inicie com essa ideia na cabeça”, pontuou.


Ao falar sobre a parceria firmada com a FAB, o Chefe da Embrapa Territorial, Evaristo de Miranda, se mostrou confiante. “A esperança é que daqui a dois anos a gente consiga fazer o trabalho de monitoramento por meio de imagens para manter áreas destinadas à vegetação protegidas e preservadas já com tecnologia brasileira”, afirmou.

O Presidente em exercício da Embrapa, Celso Moretti, também reforçou o interesse em manter essa parceria. “É um instrumento estratégico para o país. Nós entendemos a importância dele para o segmento agro”, concluiu.

Veja como foi o encontro.



Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Centro de Operações Espaciais é Inaugurado no Rio de Janeiro

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (20/11), no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que o Centro de Operações Espaciais (COPE-S) foi inaugurado no Rio de Janeiro.

Duda Falcão

ESPAÇO

Centro de Operações Espaciais é
Inaugurado no Rio de Janeiro

O COPE-S garante o funcionamento, a operação e todos os serviços prestados pelo Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica

Fonte: DIRAP, por Tenente Paola
Revisão: Capitão Landenberger
Edição: Agência Força Aérea, por Tenente João Elias
Publicado: 20/11/2018 18:45

Fotos: Marinha do Brasil

O Centro de Operações Espaciais Secundário (COPE-S) foi inaugurado, nessa segunda-feira (19), na Estação Rádio da Marinha do Rio de Janeiro (ERMRJ), como parte da infraestrutura que permitirá a operacionalização do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação Estratégica (SGDC). Em órbita desde maio de 2017, o SGDC vai permitir a transmissão de internet banda larga para todo o Brasil, bem como o monitoramento das fronteiras brasileiras.

Participaram da inauguração o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab; o governador do estado, Luiz Fernando Pezão; o presidente da Telebras, Jarbas Valente; o Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), Tenente-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas; o Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Paulo Cézar de Quadros Küster; entre outros representantes da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira (FAB).

A Telebras é a entidade responsável pelo desenvolvimento, implantação e participação, em conjunto com o Ministério da Defesa, na operação do sistema de satélite. "Esse é um dia importantíssimo para o Estado Brasileiro, quando vemos o resultado do esforço de várias frentes", declarou Jarbas Valente.


O ministro Gilberto Kassab destacou a importância do projeto para soberania e defesa, além da oferta de internet a todo o país. “Esse projeto nos possibilita monitorar todas as fronteiras do país coibindo o tráfico e o contrabando. Todo equipamento público, seja ele municipal, estadual ou federal, contará com internet banda larga de alta capacidade para oferecer aos seus usuários, melhorando os serviços de saúde e educação, em qualquer lugar do Brasil”, citou o ministro em referência ao Programa Internet para Todos.

O COPE-S, no Rio de Janeiro, garante o funcionamento, a operação e todos os serviços prestados pelo SGDC em caso de impedimento do Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P), que irá funcionar em Brasília (DF).


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

Defendida Por Bolsonaro, Expansão de Centro Espacial Esbarra em Luta Quilombola no MA

Olá leitor!

Segue abaixo um artigo postado hoje (20/11) no site “UOL Notícias”, destacando que a expansão de Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) que é defendida pelo Presidente Eleito Jaír Bolsonaro, está esbarrando em luta com a Comunidade Quilombola do Maranhão.

Duda Falcão

UOL NOTÍCIAS - COTIDIANO

Defendida Por Bolsonaro, Expansão de Centro
Espacial Esbarra em Luta Quilombola no MA

Por Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió
20/11/2018 - 04h00

Foto: Agência Senado 
Moradores de comunidades quilombolas resistem
a planos de ampliação de base aérea.

Dona da mais populosa área quilombola do país, a cidade de Alcântara (MA) está no centro de um debate que desafia o projeto de expansão do CLA (Centro de Lançamento de Alcântara). Os moradores da comunidade são os descendentes de escravos, contrários à ideia de ampliação da base da Força Aérea Brasileira já anunciada durante o governo Michel Temer e defendida publicamente pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

O processo de titulação da área quilombola está parado há exatos 10 anos. O último ato ocorreu em novembro de 2008, quando o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) publicou o RTID (Relatório Técnico de Identificação e Delimitação), declarando que a área de 78 mil hectares --e onde vivem 3.350 famílias-- seria ocupada por descendentes de escravos. A Aeronáutica, entretanto, quer mais 12 mil hectares do terreno para o projeto de expansão da base.

Bolsonaro Defende Ampliação

No último dia 7, após encontro com a cúpula da Aeronáutica, Bolsonaro confirmou que uma das pautas foi o projeto de expansão da CLA. "Da minha parte, vai avançar, sim", disse a jornalistas, na saída da reunião. Em publicações em suas redes sociais, dois dias após o encontro, Bolsonaro não só falou que pretende ampliar a base, como apresentou a ideia de capacitar quilombolas a trabalharem no local.

“O que nós queremos fazer é treinar os quilombolas,
aquela garotada, para trabalhar na base de lançamento,
inserir eles nesse mercado promissor, dar meios para se
libertar, não viver mais de favores de estado. O Marcos
Pontes [futuro ministro da Ciência] quer fazer também.
Como a gente pode se furtar a lançar foguetes de outros países?"

Jair Bolsonaro, presidente eleito do Brasil

A assessoria de imprensa da transição do governo foi procurada pelo UOL para comentar o projeto do futuro governo para o local, mas não respondeu aos contatos da reportagem.

A ideia de lançar foguetes de outros países já é defendida pelo atual governo. Em novembro de 2017, o então ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse, em evento em Washington (EUA), que o governo já debatia um projeto para o uso comercial do Centro de Alcântara não só pelos norte -americanos, mas também citou o interesse de países como China, Rússia, Israel e França.

Procurada na quarta-feira (14), a Aeronáutica informou que não poderia se pronunciar sobre o projeto de expansão até a data de publicação da reportagem.

Área Nobre Para Astronáutica

Fonte: AEB/Divulgação. 
Proximidade com linha do Equador é uma
das vantagens geográficas da base.

O CLA foi criado em 1983 e ocupa uma área de 8.713 hectares. A área foi escolhida à época da ditadura militar por ter boas condições geográficas, especialmente a proximidade com a linha do Equador --o que possibilita lançamentos em órbita de baixa inclinação e que economizam energia para manobras no espaço.

Segundo comunicado da Aeronáutica em junho de 2017, o objetivo da expansão da área é "consolidar o centro e adquirir competência no lançamento de satélites que atendam a demanda de projetos relacionados, como o PESE (Programa Estratégico de Sistemas Espaciais) e futuras versões do VLS (Veículo Lançador de Satélite)".

Incra: Terra Pertence a Quilombolas

Mas a questão envolve os moradores tradicionais da região. O RTID do Incra comprovou a existência de 110 povoados quilombolas na área de 78 mil hectares.

"As terras identificadas e delimitadas neste Relatório Técnico, constantes da planta e memorial descritivo, são reconhecidas como terras que pertencem à Comunidade Remanescente de Quilombo de Alcântara", diz o Diário Oficial da União do dia 4 de novembro de 2008.

Em abril de 2010, a Aeronáutica e o Ministério da Defesa apresentaram contestação ao relatório e houve a suspensão do processo de titulação para instrução de procedimento de conciliação na AGU (Advocacia-Geral da União). A discussão, porém, foi encerrada sem desfecho. A demora levou o MPF (Ministério Público Federal) do Maranhão a ir à Justiça pedir o seguimento no processo de titulação das terras.

Em 2017, a Casa Civil da Presidência assumiu a conciliação do assunto. Além do órgão, a Secretaria Nacional de Políticas de Igualdade Racial e diversas instituições públicas foram consultadas para a definição de uma proposta de conciliação.

"O processo administrativo encontra-se na sede do Incra, aguardando as tratativas de conciliação mediadas pela Casa Civil", informou o órgão de política agrária do governo federal.

MPF Cobra Titulação

Para o MPF, a demora na titulação é hoje o maior problema jurídico do local. Recentemente, o processo que cobra do Incra o andamento da titulação foi negado em primeira instância e está em grau de recurso no Tribunal Regional. "O que se busca é que o processo judicial ande para responsabilizar, de fato, o Incra pelo atraso e dar seguimento ao processo de titulação da comunidade", afirma o procurador da República Hilton Melo.

Na visão do MPF, o novo projeto do governo para a área não foi apresentado a moradores da região.

“Esse projeto tem muitas incertezas dos verdadeiros
propósitos, não é uma pauta tão aberta e transparente.
O que se tem exigido é que o governo sequer inicie qualquer
projeto, qualquer planejamento, sem conversar com os
verdadeiros com os verdadeiros proprietários da
terra, que são os quilombolas."

Hilton Melo, procurador da República no Maranhão

"O MPF não tem recusas ou negativas ao projeto espacial brasileiro, inclusive ele pode ser desenvolvido com bons olhos", acrescenta Melo. "O que precisa é ser feito como a legislação permite, e isso não é com o governo federal se colocando como dono da área para dar a destinação que bem queira."

Terra Concedida Antes da Abolição

Para a pesquisadora Patrícia Portela Nunes, da Universidade Estadual do Maranhão, os critérios fundiários não são suficientes para compreender a antiguidade e complexidade do caso.

"Diferentemente de outras regiões do país, em Alcântara, a falência das grandes propriedades ocorreu bem antes da abolição da escravatura", observa.

“Há um conjunto de trabalhos de pesquisa que ressaltam
a impossibilidade de tratar as reivindicações de direito das
famílias de atingidos pela base espacial através do critério
fundiário, em face da impossibilidade de se reconstituir,
por dados cartoriais, o conjunto de famílias que
historicamente permaneceu em Alcântara, após o
processo de desestruturação dos engenhos e
fazendas de algodão do período colonial."

Patrícia Portela Nunes, pesquisadora

Em suas pesquisas, Patrícia percebeu que os quilombolas relatam um "conjunto de efeitos sociais" produzidos pelo deslocamento compulsório para áreas chamadas "agrovilas", criadas entre 1986 e 1987, após a construção da base.

"Essas agrovilas, além de estarem impedidas pelos militares de acesso ao mar, possuem terras impróprias ao cultivo", diz a pesquisadora. "Ressaltam, ainda, que o local de remanejamento para a implantação das agrovilas provocou desastre ecológico, uma vez que foi realizado em cima da cabeceira de rios."

Moradores Temem Nova Saída

Reprodução/Facebook - Prefeitura de Alcântara
População da região teme possíveis impactos
de projeto do governo para a base.

Em meio às incertezas do que virá, os quilombolas afirmam não concordar com um novo deslocamento. A maioria dos moradores da região vive da agricultura de subsistência e da pesca e entende que uma saída da região litorânea seria muito ruim para todos.

Em 16 de agosto de 2001, o problema dos quilombolas foi denunciado à Comissão Interamericana de Direitos Humanos, da OEA (Organização dos Estados Americanos). À época, a comissão viu diversas violações aos direitos humanos. A mesma comissão voltou neste mês a Alcântara, durante visita ao país, para uma nova apuração. Um novo relatório será divulgado em breve.

Segundo Danilo Serejo, do Movimento dos Atingidos pela Base Espacial de Alcântara, um novo deslocamento atingiria mais 150 comunidades quilombolas. "Mas todas as demais seriam afetadas, porque, mesmo as que não seriam remanejadas, vão recepcionar em suas áreas", diz, sem esconder a preocupação com declarações do presidente eleito.

O representante dos quilombolas afirma ainda que a comunidade já decidiu que não aceita nenhum tipo de remanejamento, seja por indenização ou relocação

"Já tivemos essa experiência nos anos 1980, quando foram remanejadas 312 famílias de 23 povoados e que não foram devidamente reparadas. Até hoje elas sofrem", relata.

Já Antônio Marcos Diniz, presidente da Associação dos Trabalhadores Rurais de Alcântara, afirma que a população da região pretende resistir a qualquer novo projeto que venha a desalojar famílias.

"É uma situação um pouco difícil, mas vamos resistir até o final. A gente tem ouvido alguns boatos de ameaças de nova realocação, de uma possível conversa entre o novo governo daqui e dos EUA", afirma Diniz. "Como recentemente recebemos a OEA aqui de novo, estamos com esperança de um desfecho positivo."


Fonte: Site UOL Notícias – https://noticias.uol.com.br

Comentário: Pois é leitor, quem planta, colhe. Apesar do Bolsonaro não ser o responsável por nada disso, á FAB é, por não ter comprido com o acordado com esta Comunidade Quilombola na época da implantação deste centro. É claro que, por detrás tem mais coisas envolvendo toda essa história, como por exemplo, a influencia e orientação de ONGS internacionais suspeitas que se instalaram na região para bagunçar o coreto e atrapalhar o PEB. No entanto leitor, não se pode negar que a Comunidade Quilombola tem todo o direito de reclamar e desconfiar do Governo e da FAB. Você lembra leitor do que eu disse no começo deste comentário? Pois então! Entretanto caro amigo leitor, não há motivo nenhum para desespero, pois o problema é de fácil solução, desde que haja competência nas negociações e imediato cumprimento à risca (a partir de agora, só assim resgatará a confiança deles) do que for acordado com a comunidade. Além disso, é de extrema urgência implantar na Região um forte esquema de contra-inteligência que venha combater as ações destas suspeitas ONGS internacionais entre outras, e olha que não são poucas. Acredito inclusive que a presença do Presidente Eleito Jair Bolsonaro na região, para assim se reunir pessoalmente com os representantes da Comunidade, ajudaria e muito a destravar estas negociações e gerar credibilidade. Façam isto que, em bem pouco tempo as coisas irão mudar da água pro vinho.

Comunicado Importante

Olá leitor!

O Blog BRAZILIAN SPACE vinha já há um bom tempo enfrentando problemas com as postagens (comentários) de seus leitores no Blog, mas informo que este problema já foi resolvido e agora quem quiser dá sua opinião nas notas e matérias do nosso Blog já poderá fazê-lo novamente.

Entretanto só aqueles leitores que se identificarem. Fiquem a vontade para debaterem as notas e matérias que forem postadas no Blog. Tá ok? O debate está aberto galera, vamos participar.

Duda Falcão

Astrônomos Descobrem Nova Estrela Com Suposta 'Megaestrutura Alienígena'

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante notícia publicada ontem (19/11) no site do Sputnik News Brasil destacando que uma equipe internacional de astrônomos descobriu nova estrela com suposta 'Megaestrutura Alienígena'.

Duda Falcão

CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Astrônomos Descobrem Nova Estrela
Com 'Megaestrutura Alienígena'

Sputnik News Brasil
19/11/2018 - 07:58

© Foto: Pixabay/FOTEROS

Alguns especialistas acreditam que vários objetos espaciais impedem a passagem da luz dessa estrela. Outros cientistas supõem que a responsabilidade poderá ser de uma estrutura enorme construída por uma civilização extraterrestre.

Uma equipe internacional de cientistas identificou a estrela denominada VVV-WIT-07, com uma intensidade de brilho é variável, o mesmo acontecendo com outra estrela conhecida como a estrela de Tabby (KIC 8462852). Vários especialistas supuseram que ao redor dela se encontrem estruturas alienígenas. Assim, a mesma hipótese pode explicar o comportamento incomum do corpo celeste recém-descoberto.

No entanto, outros cientistas consideram que as alterações anômalas no brilho da estrela poderiam ser originadas por nuvens de poeira ou pela presença de outros corpos celestes nas proximidades.

Os astrônomos encontraram a VVV-WIT-07 no âmbito do programa VISTA Variables in the Via Láctea (VVV), que tem como objetivo elaborar o mapa da parte interior de nossa galáxia. Alguns dos corpos celestes achados são únicos e, portanto, é difícil atribui-los a uma determinada classe. Por esta razão têm a designação WIT (What Is This) que significa "O que é isso". Na opinião dos cientistas, estes podem ser estrelas prontas para se converterem em supernovas ou novas estrelas raras, comunica o portal arXiv.

As observações da nova estrela mostraram que às vezes a intensidade de seu brilho varia. Os especialistas conseguiram determinar que as alterações ocorrem a cada 332 dias ou 170 dias. No entanto, até o momento não está claro se tal comportamento tem um algoritmo preciso.

O mesmo processo ocorreu com a estrela de Tabby em 2015. A intensidade de sua luminosidade caía 22% em vários intervalos de tempo. Nessa conexão, os cientistas supuseram que a razão desse fenômeno pode se esconder em uma gigantesca construção de engenharia espacial, estabelecida por qualquer civilização extraterrestre, tal como, por exemplo, a esfera de Dyson (uma hipotética megaestrutura originalmente descrita por Freeman Dyson, a qual orbitaria uma estrela de modo a rodeá-la completamente, capturando toda ou maior parte de sua energia).

Qualquer que sejam as razões desse fenômeno, os cientistas só serão capazes de determiná-las após efetuarem observações mais profundas.


Fonte: Site Sputniknews Brasil - http://br.sputniknews.com/