quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Nova Atualização de Nossas Campanhas

Olá leitor!

Hoje é quinta-feira e sendo assim é dia de atualizar você sobre as nossas campanhas em curso.

Bom leitor quanto à “Campanha para Regulamentação das Atividades de Grupos Amadores”, até esta semana 11 grupos já se inscreveram. São eles Auriflama FoguetesBANDEIRANTE Foguetes EducativosCarl SaganCEFABCEFECInfinitude FoguetismoITA Rocket Design, NTAProjeto JupiterUFABC Rocket Design e PEUE (Pesquisas Espaciais Universo Expansivo). Vamos lá gente, cadê os grupos amadores desse país, vocês não querem se organizar? (OBS: Continuo esperando que os 11 grupos inscritos respondam se há algum entre vocês que tem o interesse de organizar e sediar um ‘Seminário’ para discutirmos as atividades de espaçomodelismo no Brasil?)

Agora leitor, em relação á “Campanha de Manutenção do Blog”, apenas cinco colaboradores até o momento já realizaram as suas contribuições do mês de agosto no vakinha.com.br. Ele são:

1 - Antonio Carlos Foltran
2 - Diego Fernando Moro
3 - Fabrício de Novaes Kucinskis (INPE)
4 - José Félix Santana, Prof. (presidente do CEFEC)
5 - Mariana Fraga

E apenas um colaborador esta em processo de confirmação de sua colaboração do mês de agosto confirmada pelo vakinha.com.br. Ele é:

1 - Leo Nivaldo Sandoli

OBS: informo aos leitores que ainda não sabem que  a campanha já esta disponível na nova plataforma do vaquinha.com.br e pode ser acessada pelo link: http://www.vakinha.com.br/vaquinha/manutencao-do-blog-brazilian-space.

Enfim... vamos continuar aguardando que a partir dessa semana haja uma mudança de postura de nossos leitores com as nossas campanhas, para que assim possamos efetivamente continuar contribuindo com o Programa Espacial Brasileiro, e quem sabe, com a permanência do blog online ou a criação do Portal Espacial que é hoje o nosso principal objetivo.

Duda Falcão

IEAv Recebeu Professores da Universidade de Sevilha, em Colaboração Internacional

Olá leitor!

Segue uma nota postada dia (25/08) no site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv) destacando que o IEAv recebeu Professores da Universidade de Sevilha, em colaboração internacional.

Duda Falcão

IEAv Recebe Professores da Universidade
de Sevilha, em Colaboração Internacional

Publicado em 

No período de 20 de julho à 14 de agosto deste ano o Instituto de Estudos Avançados – (IEAv), recebeu a visita de dois Professores da Universidade de Sevilha, produto de um projeto coordenado pelo Prof. Brett Carlson, da Divisão de Física do Instituto Tecnológico de Aeronáutica – (ITA), onde o IEAv é parceiro do projeto.

Os professores Dr. José Manuel Quesada Molina e Dr. Miguel Cortez-Giraldo, que são especialistas em processos de propagação de radiações ionizantes por meio do código de simulação por Monte-Carlo GEANT4, foram recebidos pelo professor Dr. Claudio Antonio Federico e frequentaram o Instituto durante praticamente um mês, colaborando com os alunos do PG-CTE e com os projetos em andamento no Grupo de Pesquisa sobre Efeitos das Radiações Ionizantes em Dispositivos e Materiais de Uso Aeroespacial. Neste período, os professores ministraram um novo treinamento sobre o código GEANT4, que contou com a participação de alunos e pesquisadores do Instituto.

Esta colaboração é fundamental e de grande importância para o grupo de pesquisa, pois ajuda a consolidar e ampliar sua capacitação na área de simulação da radiação cósmica incidente em altitudes de voo de aeronaves e em solo.

Grupo de Pesquisa sobre Efeitos das Radiações Ionizantes.


Fonte: Site do Instituto de Estudos Avançados (IEAv)

NASA Funds Plasma Rocket Technology for Superfast Space Travel

Hello reader!

It follows an article published day (08/26), in the website www.spacedaily.com, noting that NASA funds Plasma Rocket Technology for Superfast Space Travel.

Duda Falcão

ROCKET SCIENCE

NASA Funds Plasma Rocket Technology
for Superfast Space Travel

By Staff Writers
Washington DC (SPX) Aug 26, 2015
Source: Sputnik News

File image
Superfast journeys to Mars may be one big step closer for humanity, as NASA has sponsored a private company to develop a high-tech, plasma engine.

Ad Astra Rocket Company, specializing in the development of plasma rocket propulsion technology, has finished contract negotiations with NASA. As part of the Next Space Technology Exploration Partnerships (NextSTEP) award, the space agency will cover half of Ad Astra's testing expenses over the next three years.

Known as the Variable Specific Impulse Magnetoplasma Rocket, or VASIMR, the engine uses plasma technology to accelerate rockets to previously unattainable speeds. To create plasma, the proposed engines will heat pressurized gas to extremely high temperatures with radio waves. The resulting plasma is kept under control with magnetic fields.

"These experiments aim to demonstrate the engine's new proprietary core design and thermal control subsystem and to better estimate component lifetime," reads a statement from Ad Astra.

If the company successfully develops VASIMR, it could be possible for humans to reach Mars in less than two months.

Under the terms of the partnership agreement, Ad Astra has to demonstrate that its engine is capable of sustaining a power level of 100 Kilowatts for at least 100 hours. These prototype tests will be conducted in the company's Texas facility "Webster."

Even before receiving NASA funding, Ad Astra had successfully conducted over 10,000 experiments of its VASIMR. Those experiments demonstrated proof of concept, but so far, plasma engines can only operate for less than one minute.

New research hopes to extend the engine's capacity.

The total value of the award is roughly $9 million, and is structured as a one-year contract with two potential extensions based on results.



Comentário: Pois é leitor a tecnologia de propulsão espacial, seja ela qual for e para qual objetivo seja empregada, é de fundamental importância para o uso da tecnologia espacial no espaço e toda agência espacial séria do mundo sabe disso e busca novas soluções nesta área, visando assim melhorar a sua eficiência. A NASA faz isto como se pode notar acima, a ROSCOSMOS, a ESA, a JAXA, a CNSA, a CNES, o DLR e até à ISRO, só para citar as agencias mais significativas. No Brasil temos vários núcleos de desenvolvimento em institutos governamentais como o IAE (Propulsão Sólida, Liquida e mais recentemente Hibrida), IEAv (Propulsão a Laser, Hipersônica a Ar Aspirado e Nuclear)  e o INPE ( Propulsão Solida, Líquida e a Plasma),  e também em instituições acadêmicas como na UnB (Propulsão Híbrida e a Plasma) bem como em pequenas empresas como a Edge of Space (Propulsão Sólida e Líquida verdes). Entretanto em nenhum desses núcleos de desenvolvimento se observa o firme propósito de apresentar a sociedade resultados concretos com o dinamismo que uma programa espacial necessita, não que não haja nesses núcleos profissionais interessados, mas pela falta e exclusiva presença governamental apoiando logisticamente, financiando e cobrando por resultados. Todos os esforços do governo de todas as ordens deveriam estar neste momento concentrados em áreas como propulsão e de outras tecnologias sensíveis para colocar o país definitivamente no exclusivo clube nas nações que dominam o ciclo completo da tecnologia espacial, mas não é isso que acontece apesar das propagandas enganosas da Agência Espacial Brasileira (AEB) e de seu presidente mentiroso e conivente. Veja o caso, por exemplo, da “Operação Raposa” e do veículo 14X (citando apenas dois exemplos). No primeiro caso, o lançamento do foguete desta importante operação completará dia 01 de setembro próximo exatamente um ano de realizada, e até o momento nenhum outro voo foi realizado e sequer marcado para dar continuidade na qualificação do SAMF (Sistema de Alimentação de Motor-Foguete a Populsão Líquida) e do motor L5. Recordo-me que pouco tempo após o voo desta operação um pesquisador do IAE me confidenciou que o ideal para um segundo teste de voo seria o uso de um motor S43 (o mesmo do VLS-1) como primeiro estágio, mas que não havia ainda qualquer previsão quando isto poderia acontecer. Já no caso do Veículo hipersônico 14X, até o momento parece não ter saído da fase de eterno desenvolvimento, só existindo mesmo dentro de computadores e em apresentações de Power Point exibidas em eventos científicos e tecnológicos no Brasil e pelo mundo, tendo seus prazos ano após ano estendidos pelo IAEv, apesar que desde 2012 o instituto não apresenta mais qualquer previsão sobre o lançamento do seu primeiro voo teste atmosférico, além do projeto ter neste período se desdobrado em outros projetos. Recordo-me também que em minha única visita ao IAEv (abril de 2011), apesar de na época ficar super impressionado com o que vi no “Laboratório de Aerotermodinâmica e Hipersônica Prof. Henry T. Nagamatsu” (laboratório do 14X) sai de lá com a impressão de que não existia um real compromisso do governo para que o 14X pudesse realmente se tornar uma realidade, o que comprometeria significativamente o dinamismo necessário para o desenvolvimento deste veículo, e assim o mesmo tem grandes chances de se tornar mais uma novela do Programa Espacial Brasileiro. Pelo visto até que provem o contrário é o que parece esta acontecendo. Vale dizer que a mesma situação se aplica aos projetos dos outros núcleos de desenvolvimento espalhados pelo país, e o energúmeno do ministro do MCTI ainda tem a cara de pau de propagar pela mídia a tal da inovação do governo da “Ogra” debiloide. Até mesmo uma empresa como a Edge of Space (só para citar um exemplo) que tem projetos inovadores e significativos na área de Propulsão Verde e de pequenos veículos lançadores (o Eng. José Miraglia é um visionário) luta desesperadamente para se manter viva, sendo obrigado a trabalhar em outras áreas para sobreviver, um tremendo desperdício de conhecimento e uma grande estupidez só mesmo vista no Brasil. Para completar recentemente surgiu um pesquisador da FATEC/SENAI que está efetivamente desenvolvendo uma Tubo Bomba para um motor-foguete de 75 kN, equipamento de fundamental importância para motores-foguetes líquidos. Iniciativa louvável e extremamente necessária para o PEB, mas que na atual conjuntura tem poucas chances de vir a ser utilizada pelo nosso Programa Espacial de Brinquedo. Só nos resta parabenizar a NASA e as agencias espacias do mundo que conduzem com seriedade e compromisso as suas atividades espacias.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

IAE Avalia os Preparativos Para Lançamento do VS-40 Com a Plataforma SARA

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada hoje (26/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) avalia os preparativos para lançamento do VS-40 com a Plataforma SARA.

Duda Falcão

IAE Avalia os Preparativos Para Lançamento
do VS-40 Com a Plataforma SARA

CLA

Foto: Divulgação/IAE
Protótipo da plataforma Espacial SARA na pré-campanha
de lançamento do VS-40 no CLA.

Brasília, 26 de agosto de 2015  O Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), de São José dos Campos (SP), finalizou o relatório sobre a pré-campanha de lançamento e rastreio do foguete VS-40. Programado para ser realizado no período de outubro novembro o lançamento testa a plataforma espacial denominada Satélite de Reentrada Atmosférica (SARA), também desenvolvida pelo IAE.

O encontro para detalhar a pré-campanha foi realizado no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), no Maranhão, no início do mês. Além de integrantes do DCTA, IAE e CLA, participaram ainda servidores civis e militares do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), em Natal (RN), e do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI).

A pré-campanha desenvolveu diversas atividades entre elas a instalação de dispositivos mecânicos no Lançador de Porte Médio (LPM) do Centro, e ensaio de integração de um mock-up, protótipo do foguete VS-40M em dimensões reais e sem combustível.

Qualificação - Prevista para ocorrer de 13 de outubro a sete de novembro próximos, a Operação São Lourenço além de visar ao lançamento e rastreio do veículo VS-40M com a plataforma espacial SARA, também leva a bordo um GPS de aplicação na área de espaço em fase de qualificação e desenvolvido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Para assegurar a operacionalidade de todo pessoal envolvido e dos meios do CLA, um Foguete de Treinamento Intermediário (FTI) deve ser lançado antes do VS-40M.

Ainda por meio da Operação, os pesquisadores do IAE pretendem dar andamento ao projeto SARA, que compreende o desenvolvimento de uma plataforma espacial para experimentos em ambiente de microgravidade destinada a operar em órbita circular baixa, a 300 km de altitude, por um período máximo de 10 dias.

Com o lançamento bem sucedido, subsistemas do Sara Suborbital tais como redes elétricas, sistema de recuperação, estrutura, módulo de experimentos, gás frio e proteção térmica devem passar por qualificação em vôo. Além disso, com a qualificação das Redes Elétricas de Segurança e de Serviço feitas para o VS-40M, as mesmas poderão vir a ser empregadas no Veículo Lançador de Satélites (VLS-1).

A Operação São Lourenço é a principal atividade de lançamento e rastreio de engenhos aeroespaciais prevista para este ano no Programa Espacial Brasileiro, em coordenação com a Agência Espacial Brasileira (AEB).


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Bom apesar desta notícia ser basicamente uma cópia da noticia anterior do início do mês (veja aqui), acrescida evidentemente da informação do fim da pré-campanha de lançamento, a mesma nos coloca cada vez mais perto deste momento esperado há mais de dez anos. Sem dúvida o grande feito do PEB em 2015, que esperemos seja exitoso para que, quem sabe, possa assim estimular o entendimento por parte desses energúmenos da sua importância para a ciência espacial brasileira, e assim obter o apoio que jamais teve, pois se assim não for, dificilmente sofrerá continuidade. Avante SARA Suborbital-1.

Instituto de Estudos Avançados Debate Missões da FAB e as Necessidades de Ciência

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante nota publicada hoje (26/08) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), destacando que o Instituto de Estudos Avançados (IEAv) durante a realização de seu workshop anual debateu missões da FAB e as necessidades de ciência.

Duda Falcão

TECNOLOGIA

Instituto de Estudos Avançados Debate
Missões da FAB e as Necessidades de Ciência

Além de unir esforços, debate destaca uso
civil e militar das pesquisas realizadas

IEAv
26/08/2015 - 10:23h


O Instituto de Estudos Avançados (IEAV), localizado em São José dos Campos (SP), debateu a missão da Força Aérea Brasileira (FAB) e suas necessidades de desenvolvimento de ciência e tecnologia na mesa redonda realizada durante a 15ª edição do Workshop Anual. O evento, promovido entre 12 e 14 de agosto, reuniu cerca de 200 pesquisadores para conhecer e debater projetos de pesquisa em desenvolvimento.

Neste ano, o tema do workshop foi o impacto da missão da FAB na determinação da pesquisa tecnológica do IEAV. Essa edição contou com a participação de diversos institutos de pesquisa das Forças Armadas.

De acordo com o coordenador do evento, pesquisador doutor Dermeval Carinhana Júnior, a principal contribuição do workshop é aproximar os ambientes operacional e o técnico-científico. “Outro aspecto é a troca de experiências com instituições de pesquisa e desenvolvimento da Marinha e do Exército”, explica.


O workshop promoveu discussões sobre o cenário atual técnico-científico do IEAV, visando à aproximação com os demais institutos de pesquisa das Forças Armadas. O objetivo é unir esforços para a melhoria da pesquisa básica e aplicada, destacando principalmente o uso dual (civil e militar) dessas pesquisas. Isso se dá, sobretudo, pela aproximação dos diferentes protagonistas em torno do assunto.

Os projetos foram apresentados por meio de exposições e mesas redondas envolvendo diversas instituições da Aeronáutica, como o Núcleo do Instituto de Aplicações Operacionais (NuIAop), Comissão de Coordenação e Implantação de Sistemas Espaciais (CCISE), Núcleo do Centro de Operações Espaciais Principal (NuCOPE-P), além do próprio Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Também participaram o Instituto de Pesquisa da Marinha (IPqM) e o Laboratório de Óptrônica e Sensores do Centro Tecnológico do Exército (CTEx), além de representantes das indústrias da região, como a Embraer.

O evento contou com apoio do Ministério da Defesa e da Fundação Conrado Wessel.


Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

INPE e FUNCATE Apresentam Produtos de Geotecnologia no ICC 2015

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (26/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que o instituto e a Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologia Espaciais (FUNCATE) apresentam produtos de Geotecnologia no ICC 2015.

Duda Falcão

INPE e FUNCATE Apresentam Produtos
de Geotecnologia no ICC 2015

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015

Os projetos, serviços e produtos de Geotecnologia desenvolvidos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e pela Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologia Espaciais (FUNCATE) estão sendo apresentados no stand das duas instituições na ICC 2015 – 27th International Cartographic Conference, que acontece até o dia 28 de agosto no Rio de Janeiro (RJ).

O ICC 2015, organizado pela ICA (International Cartographic Association) e pela SBC (Sociedade Brasileira de Cartografia) reúne empresas públicas e privadas, especialistas, pesquisadores e estudantes das áreas de cartografia, geotecnologia e geoinformação.

No stand INPE/FUNCATE, os visitantes podem conhecer o projeto “Construindo mapas municipais a partir do espaço”, desenvolvido pelo Centro Regional do Nordeste do INPE. A iniciativa, realizada em parceria com escolas públicas e prefeituras municipais, tem como objetivos ampliar o conhecimento sobre o bioma Caatinga; encontrar soluções para os problemas do meio ambiente; aproximar o conhecimento científico do Ensino Fundamental, e ampliar a disponibilidade de mapas básicos com o propósito de oferecer alternativas para regiões que sofrem com escassez de água, baixo investimento em educação, saúde e infraestrutura.

A partir de imagens de satélites, foram elaborados mapas municipais de sete estados do nordeste (Alagoas, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte). Os mapas foram distribuídos em escolas estaduais e prefeituras de 46 municípios. A meta é estender o projeto para os 1.130 municípios que integram o Semiárido brasileiro. Além de uma carta imagem da zona urbana do município, o projeto gera uma carta imagem rural, mostrando o município em sua totalidade; um mapa de uso e ocupação do solo, mostrando o estado atual do bioma Caatinga; um mapa de ruas (produzido por estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental), e um mapa rodoviário e hidrográfico (estradas pavimentadas ou não, rios, riachos, reservatórios de água e curvas de nível do GDEM (Modelo Digital Global de Elevação, na sigla em inglês).

Uma apresentação da Coordenação Geral de Observação da Terra do INPE apresenta as atividades na área de sensoriamento remoto, que incluem o desenvolvimento de softwares livres para processamento de imagens digitais e visualização de dados geográficos.

A FUNCATE apresenta suas atividades de geoprocessamento e meio ambiente, desenvolvimento de soluções e capacitação, utilizando a tecnologia desenvolvida pelo INPE. Destacam-se os trabalhos de levantamento e monitoramento de uso e cobertura da terra; mapas de Aptidão Agrícola; Zoneamento Ecológico Econômico; cadastros rurais e urbanos; mosaicos contínuos de imagens, bases cartográficas digitais e Plantas Genéricas de Valores.

Stand INPE-FUNCATE no ICC 2015.
Mapa de uso e ocupação do solo do município de Ipueira – RN.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Boletim do ARM Climate Research Facility, dos EUA, Destaca Parceria Com Brasil no GoAmazon

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (26/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que Boletim do ARM Climate Research Facility, dos EUA, destaca parceria com Brasil no GoAmazon.

Duda Falcão

Boletim do ARM Climate Research Facility,
dos EUA, Destaca Parceria Com
Brasil no GoAmazon

Quarta-feira, 26 de Agosto de 2015

Em artigo sobre a campanha GoAmazon, realizada ano passado e neste ano, em Manaus e arredores, a última edição do Boletim do ARM Climate Research Facility, do Departamento de Energia dos Estados Unidos, destacou como fundamental o apoio científico brasileiro com mais de 100 instrumentos em solo, incluindo o radar do Projeto Chuva, coordenado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A campanha internacional teve como objetivo avaliar o impacto da poluição no ciclo de vida de nuvens, na formação de nuvens de tempestades, no balanço da radiação e no clima da região amazônica. Foram coletados durante a campanha cerca de 16 terabytes de dados.

Instituições de pesquisa de diversos países participaram do GoAmazon, que contou com medidas realizadas em solo, associadas a outras obtidas com sobrevoos de duas aeronaves, uma do ARM, o Gulfstream-1 (G-1), e outra da Alemanha, o HALO (High Altitude and Long Range Aircraft). Para a matéria, além de cientistas dos Estados Unidos, foram entrevistados os pesquisadores Luiz Augusto Machado, do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) do INPE e coordenador do Projeto Chuva, e Raquel Albrech, na época pesquisadora do CPTEC/INPE, atualmente da USP, envolvida no GoAmazon com uma pesquisa sobre relâmpagos.




Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Brasil e China Realizam Reunião Técnica do CBERS-4A

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada hoje (26/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que Brasil e China realizaram no país asiático reunião técnica do CBERS-4A.

Duda Falcão

Brasil e China Realizam
Reunião Técnica do CBERS-4A

INPE


Brasília, 26 de agosto de 2015 – Terminou ontem (25) na China a segunda reunião de coordenação técnica (TCM2) do satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres CBERS-4A. Trinta especialistas, sendo 12 do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e 18 da Academia Chinesa de Tecnologia Espacial (CAST, na sigla em inglês), divididos em grupos de trabalhos específicos, discutiram diferentes tópicos relacionados ao projeto do satélite, o sexto do Programa CBERS. A primeira reunião (TCM1) ocorreu em abril, no INPE, em São José dos Campos (SP).

Também participaram das atividades o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Braga Coelho, o diretor geral do INPE, Leonel Perondi, e representantes dos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e de Relações Exteriores (MRE)

“O CBERS-4A terá três cargas úteis ópticas, sendo uma delas de alta resolução (2 metros)”, informa Antonio Carlos de Oliveira Pereira Junior, coordenador do segmento espacial do Programa CBERS no INPE. “As reuniões técnicas visam a concluir a fase de projeto detalhado, para realizarmos a Revisão Crítica de Projeto (CDR), nível de sistema, ainda em novembro próximo”.

Concluídas todas as fases de desenvolvimento, as atividades de montagem, integração e testes (AIT) do CBERS-4A serão realizadas nos laboratórios do INPE, a partir do início de 2017. O lançamento do satélite está previsto para setembro de 2018.

Aplicações –  O Programa CBERS fornece imagens de satélites para monitorar o meio ambiente, verificar desmatamentos, desastres naturais, a expansão da agricultura e das cidades, entre outras aplicações. Ele também é importante indutor da inovação no parque industrial brasileiro, que se qualifica e moderniza para atender aos desafios do programa espacial.

A política industrial adotada pelo INPE permite a qualificação de fornecedores e contratação de serviços, partes, equipamentos e subsistemas junto a empresas nacionais. Assim, além de exemplo de cooperação binacional em alta tecnologia, o CBERS se traduz na criação de empregos especializados e crescimento econômico.

Em dezembro último foi lançado o CBERS-4. Um ano antes, o CBERS-3 não atingiu a órbita de destino por uma falha no foguete chinês. O programa também lançou com sucesso o CBERS-1, em 1999, o CBERS-2, em 2003, e o CBERS-2B, em 2007.

Mais informações: http://www.cbers.inpe.br/


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Estudantes do ITA Conquistam Medalha de Prata em Competição Internacional de Foguetes

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante nota publicada ontem (25/08) no site da Força Aérea Brasileira (FAB), dando destaque ao fundamental apoio financeiro da “Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP)” para a conquista da Medalha de Prata pela equipe "ITA Rocket Design" durante a realização da décima edição do “Intercollegiate Rocket Engineering Competition (IREC)”, competição internacional de foguetes universitários realizada anualmente nos EUA.

Duda Falcão

ENSINO

Estudantes do ITA Conquistam Medalha de Prata em Competição Internacional de Foguetes

Com apoio da Federação das Indústrias de São Paulo,
foguete brasileiro se destaca nos Estados Unidos

Agência Força Aérea
25/08/2015 - 10:44h


Fertilizante e açúcar. Foram esses os ingredientes usados por 14 estudantes do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) para superar um desafio singular: como participar de uma competição internacional de foguetes, realizada nos Estados Unidos, sem poder viajar até lá com o combustível necessário?

Após comprarem os ingredientes no comércio da cidade de Green River, no Oeste do país, eles conseguiram participar da prova disputada em junho por universitários de 46 instituições de cinco países. E levaram a medalha de prata, ficando atrás apenas da equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).


"É uma experiência incrível poder ir mostrar que o Brasil tem força de fazer grandes projetos e ter uma grande representatividade no cenário internacional", conta o brasiliense Daniel Bontorin, de 22 anos.

O foguete de dois metros de comprimento atingiu 758 km/h e 2,2 quilômetros de altura. Depois, os dois paraquedas abriram com sucesso e bólido pousou a 1,9 quilômetros do local de lançamento. O equipamento de bordo, um GPS e um sistema inercial também funcionaram e transmitiram em tempo real a trajetória do experimento.

Apoio

Mas antes de conquistar a medalha, os jovens cientistas precisaram alcançar o apoio para participarem da competição. "Sem isso não é possível nem a gente ir para lá, quanto mais construir o foguete", conta Daniel.

O financiamento para a participação veio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP). "Esses alunos que hoje estão pedindo apoio para fazer um projeto estão aprendendo e um dia eles estarão no setor industrial. Eles vão fomentar a indústria no futuro e é importante para o Brasil crescer", diz o estudante.

Agora, o grupo formado no total por 40 estudantes do ITA analisa como melhorar o desempenho dos equipamentos de bordo e planeja criar uma competição semelhante no Brasil. Para isso, mais apoio será necessário. "Esse apoio é fundamental e sem isso não tem como fazer um projeto desse tamanho". 

Vestibular - As inscrições para o Instituto Tecnológico de Aeronáutica vão até 15 de setembro. Para saber mais sobre o Vestibular ITA 2016, acesse as instruções para o exame de admissão aqui.

Fotos: Daniel Botorin/arquivo pessoal
Os estudantes conquistaram medalha de prata.
Fertilizante e açúcar foram o combustível do foguete.
Quatorze estudantes do ITA participaram da competição.
O foguete atingiu 758 km/h e 2,2 km de altura.
Fotos: ITA
Um GPS e um sistema inercial funcionaram e transmitiram
em tempo real a trajetória do foguete do ITA.
O equipamento mede 2 metros de altura.

OBS: Veja abaixo o vídeo da competição divulgado recentemente pela equipe do ITA.



Fonte: Site da Força Aérea Brasileira (FAB) - http://www.fab.mil.br

O Brasil na Mídia Internacional

Olá leitor!

Trago agora para você duas reportagens estrangeiras que envolvem direta e indiretamente o nosso programa espacial.

A primeira delas produzida pela agência Ukraine Today intitulada “Russia, US Vying for Brazil Deal: Brazil Needs New Partner After Ukraine Contract Ended”, e exibida em 13/06/2015 mostrando a área de lançamento de satélites da Base Alcântara, onde o Brasil espera lançar satélites comerciais, mas que segundo o site ucraniano não poderá fazer isto sozinho.

Sendo assim, com o fim do acordo com a Ucrânia, e de acordo com relatórios da Reuters diz a reportagem, a Rússia e os EUA passariam agora a serem dois países na corrida pelos contratos potencialmente lucrativos desta base brasileira.


Já a segunda reportagem foi produzida pela Agência AFP destacando o lançamento do foguete japonês H 2B da missão que levou suprimentos para Estacão Espacial Internacional.


Vale lembrar que entre as cargas do foguete japonês se encontrava o Nanosatélite Brasileiro SERPENS-1 que agora já se encontra em segurança abordo da estação espacial aguardando ser lançado ao espaço, mas curiosamente a narradora em português da Agência AFP não cita o nanosatélite brasileiro.

Aproveitamos para agradecer publicamente ao leitor Jahyr Jesus Brito pelo envio desses dois vídeos.

Duda Falcão

terça-feira, 25 de agosto de 2015

IPCC e INPE Promovem Encontro Com a Comunidade

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (21/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), destacando que o IPCC e o instituto promoverão encontro com a comunidade. Interessados devem submeter inscrição online.

Duda Falcão

IPCC e INPE Promovem Encontro
Com a Comunidade. Interessados
Devem Submeter Inscrição Online

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015

No dia 14 de setembro, das 14h00 às 17h30, em São José dos Campos (SP), acontece o “Encontro com a Comunidade: Mudança do Clima”. Na ocasião, pesquisadores, professores e estudantes interessados no tema “Mudança do Clima” terão a oportunidade de um encontro com líderes do IPCC, o painel climático da ONU.

O evento é parte do Workshop sobre Projeções Climáticas Regionais e seu Uso em Estudos de Impactos e Riscos, promovido pelo IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima) no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Para participar do “Encontro com a Comunidade” – evento gratuito – é necessário submeter pedido de inscrição no site do INPE. As vagas são limitadas.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Professor de Universidade Inglesa da Área de Propulsão Espacial a Plasma Visita UnB

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada hoje (25/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que professor de universidade inglesa especialista na área de propulsão espacial a plasma está neste mês de agosto visitando a Universidade de Brasília (UnB).

Duda Falcão

Professor de Universidade Inglesa Visita UnB

CCS


Brasília, 25 de agosto de 2015 – O professor Stephen Gabriel, da Universidade de Southhampton, Inglaterra, especialista da área espacial, com vários trabalhos dedicados ao uso da moderna propulsão a plasma está neste mês de agosto na Universidade de Brasília (UnB) participando de cursos, palestras e atividades de pesquisa nos laboratórios da faculdade de Engenharia do Gama (FGA) e do Instituto de Física (IF).

As atividades de Gabriel na UnB são parte de um extenso programa de trabalho, financiado pelo programa Ciência sem Fronteiras (CsF), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Agência Espacial Brasileira (AEB).


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)

Brasileiros Vencem Competição Com Aplicativo Móvel da Dengue

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota da postada hoje (25/08) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB), destacando que vencem competição com Aplicativo Móvel da Dengue.

Duda Falcão

Brasileiros Vencem Competição
Com Aplicativo Móvel da Dengue

CCS com Isabella Damião

Foto: Christian Hastedt-Marckwardt/SAP
Ingrid-Helen Arnold, CIO e CPO da SAP (E), Ana Cristina van Oijhuizen Galhego Rosa,
David Ó Beagáin, Fernando Augusto de Oliveira Abreu Damião e Carsten Linz, da SAP.

Brasília, 25 de agosto de 2015 – Com um aplicativo móvel que se destina a localizar e propiciar a destruição das larvas e criadouros do mosquito da dengue, utilizando imagens de satélites e outros índices a equipe brasileira Dipteron venceu a competição de aplicativos móveis SAP InnoJam, realizada nos últimos dias 11 e 12, em Walldorf, na Alemanha.

A equipe nacional foi formada pela advogada especialista na área espacial Ana Cristina van Oijhuizen Galhego Rosa, também co-fundadora e CEO da startup Dipteron, por David Ó Beagáin, também da Dipteron, e pelo programador Fernando Augusto Damião.

Como prêmio, a startup receberá seis meses de apoio empresarial da empresa alemã de desenvolvimento de software SAP e da Agência Espacial Europeia (ESA) para o desenvolvimento do aplicativo móvel.

“Posteriormente, o aplicativo estará disponível no mercado e ajudará a combater uma das maiores doença que assola o mundo e, principalmente, o Brasil,” diz Ana Cristina.

Segundo o Ministério da Saúde, a incidência da dengue aumentou 30 vezes nos últimos 50 anos. É estimado que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente e que aproximadamente 2,5 bilhões de pessoas morem em países onde a doença é endêmica. Hoje, há uma epidemia em mais de 120 países nas regiões da África, Américas, Mediterrâneo Oriental, Sudeste Asiático, Pacífico Ocidental e alguns países da Europa.

Competição – Funcionando como um “hackaton”, uma maratona que reúne vários programadores para trabalhar sem parar no desenvolvimento de seus softwares, o SAP InnoJam reuniu funcionários da SAP, estudantes universitários e startups para a competição que objetiva apresentar uma solução e implementação inteligentes para os problemas levantados pelas equipes inscritas em cada categoria.

O evento também abordou os potenciais da digitalização do local de trabalho por meio de aplicativos móveis e como eles podem aumentar a produtividade. Nas 32 horas de competição, os participantes de cada categoria trabalharam com os especialistas das áreas de tecnologia, produção e desenvolvimento da SAP e da ESA.

“Foi uma oportunidade única estar na sede de uma das maiores empresas de software do mundo. Poder interagir e aprender com os próprios criadores das soluções de software foi uma experiência inesquecível”, ressalta Damião.

O anúncio dos vencedores foi teve a presença da CIO e CPO da SAP, Ingrid-Helen Arnold, do Business Development Officer da SAP, Carsten Linz e do Chefe do programa Copernicus da ESA, Simon L. G. Jutz


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB)