Brasil Confirma Para Dezembro o Lançamento do Satélite CBERS-4

Olá leitor!

Abaixo uma matéria postada hoje (14/03) no site “G1” do globo.com, destacando que segundo Agência Espacial Brasileira (AEB), está confirmado o lançamento do CBERS-4 em 2014.

Duda Falcão

CIÊNCIA E SAÚDE

Brasil Confirma Para Dezembro o
Lançamento do Satélite CBERS-4

Segundo Agência Espacial Brasileira, produção do satélite já foi iniciada.
Projeto foi adiantado após fracasso no lançamento do CBERS-3.

Eduardo Carvalho e Carlos Santos
Do G1, em São Paulo e São José dos Campos
14/03/2014 - 06h30
Atualizado em 14/03/2014 - 06h30

A Agência Espacial Brasileira (AEB) confirmou para a primeira quinzena de dezembro o lançamento do CBERS-4, o quinto Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres feito em parceria entre Brasil e China. O equipamento teve sua produção adiantada após o fracasso na tentativa de enviar ao espaço o CBERS-3, em dezembro passado.

De acordo com a AEB, a montagem já é feita desde dezembro de 2013 na China e no Brasil. O Instituto Nacional de pesquisas Espaciais (INPE), de São José dos Campos (SP), é o responsável pela produção nacional do material.

O CBERS-4 terá o mesmo formato e mecanismos do CBERS-3, com modernização da tecnologia das câmeras de observação da Terra, segundo a AEB. O equipamento deve ser concluído em setembro e transportado para a base de lançamento chinesa em outubro, localizada na província de Sanxi, a 700 km de Pequim.

Apesar do corte sofrido de 10% no orçamento da agência brasileira – caiu de R$ 345 milhões em 2013 para R$ 310 milhões em 2014 – o investimento no novo satélite deve permanecer o mesmo aplicado no CBERS-3, cerca de R$ 160 milhões. A participação na construção permanece dividida em 50% para a China e 50% para o Brasil.

O equipamento tem o objetivo de captar imagens que serão usadas pelo governo brasileiro para monitorar os setores agrícola, florestal, e no controle do meio ambiente.

(Foto: Divulgação/INPE)
Satélite CBERS-3 no Laboratório de Integração e
Testes (LIT) em São José dos Campos (SP).
Falha em Foguete

O CBERS-3 foi lançado no dia 9 de dezembro, mas uma falha em um dos estágios do foguete chinês Longa Marcha 4B prejudicou o equipamento, que não alcançou velocidade e altura suficientes para orbitar a Terra e, por isso, retornou ao planeta. Ele foi destruído ao entrar na atmosfera.

Em entrevista concedida ao G1 no fim do ano passado, Petrônio Noronha de Souza, diretor da AEB, informou que a falha foi fortuita e não afetaria o programa espacial do país. Segundo Souza, além do CBERS-4, outras duas etapas consideradas importantes dentro do cronograma do VLS-1 (Veículo Lançador de Satélites) seriam prioridades em 2014.

São elas: a montagem e funcionamento do modelo elétrico, que é a reprodução fiel do foguete, mas sem o combustível, prevista para o segundo semestre deste ano, e a certificação comercial do sistema de navegação do foguete. Para o diretor da AEB, as metas abrem caminho para que o VLS seja completado.

Em encontro da Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (COSBAN), ocorrido no fim do ano passado, o Brasil e a China confirmaram ainda a produção de um sexto satélite dentro do Programa CBERS.

O molde do CBERS-5 já está em desenvolvimento e o lançamento está previsto para acontecer em 2017. O valor do projeto ainda não foi fechado.

Orçamento Enxuto

Em 2013, o montante destinado ao desenvolvimento do lançador de foguetes e a produção e pesquisa de novos satélites no INPE foi de R$ 345 milhões. Em 2014, a verba diminuiu em R$ 30 milhões e o valor atual fixado para gastos é de R$ 310 milhões.

Comparativamente, o dinheiro destinado no ano passado à agência espacial americana, a NASA, principal hub aeroespacial do planeta, foi de R$ 41,2 bilhões. A agência chinesa, que vem ganhando destaque nos últimos tempos com megaprojetos, como uma estação espacial própria, investiu neste ano o montante de R$ 4,6 bilhões.

A Índia, outro país que luta para combater a pobreza ao mesmo tempo em que almeja consolidar-se como potência global, investiu R$ 2 bilhões em seu programa espacial.

Questionado à época sobre o orçamento enxuto do Brasil, o diretor da AEB reconheceu que o valor não é suficiente para bancar todos os investimentos do setor, mas que agência entendia que "suas aspirações devem ser conciliadas a outras prioridades nacionais".

(Foto: Divulgação/INPE)
CBERS-4 terá o mesmo formato e mecanismos que tinha o CBERS-3 (acima).


Fonte: Site G1 do globo.com

Comentário: Já disse que essa informação é conversa fiada, propaganda de cunho político em ano eleitoral (principalmente agora com a queda do Raupp e a provável queda nos próximos dias do presidente turista da AEB) e no final do ano veremos quem está com a verdade. Se eu não estiver, e espero sinceramente que não esteja, pois torço pelo PEB, desde que o lançamento seja feito de forma exitosa, me retratarei publicamente sem qualquer constrangimento, pois diferentemente desses energúmenos em minha trajetória de vida não devo nada a ninguém e fui ensinado a reconhecer meus erros com toda a tranquilidade. Vamos em frente. Agora Dr. Petrônio Noronha de Souza, o senhor sabe o respeito que tenho pelo senhor e pelos seus serviços prestados ao PEB, mas devo-lhe perguntar se o senhor perdeu o juízo quando disse que  as aspirações da AEB devem ser conciliadas com outras prioridades nacionais? Quais outras prioridades nacionais o senhor se refere? Estádios de futebol e outros projetos populista dessa presidentA petista, ou o senhor se refere ao porto que será construído em Cuba com recursos do povo brasileiro? Desculpe Sr. Petrônio mas não posso concordar com a sua colocação e lamento muito que o senhor a tenha feito.

Comentários

  1. Bom, qualquer um que entre nesse "governo" em qualquer escalão, não pode alegar que não sabia onde estava se metendo.

    Então, no momento, meu julgamento a respeito de qualquer um que dele participa, mesmo sem conhecer a pessoa, é cético. MUITO cético.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial