Satélites Ajudam a Verificar Índice de Vegetação do Semiárido

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (10/03) no site da “Agência Espacial Brasileira (AEB)”, destacando que Satélites ajudam a verificar Índice de Vegetação do Semiárido.

Duda Falcão

Satélites Ajudam a Verificar Índice
de Vegetação do Semiárido

CCS com informações da Ascom do INSA


Brasília, 10 de março de 2014 Utilizando imagens de satélite técnicos do Instituto Nacional do Semiárido (INSA), em Campina Grande (PB), conseguiram elaborar um mapa mostrando o comportamento do índice de vegetação na região do semiárido brasileiro durante todo o ano de 2013 até a última semana de janeiro deste ano. O documento está disponível no site da instituição.

O interesse do INSA em monitorar as condições da vegetação na região foi despertado em função do longo período de estiagem de 2012. Por meio de uma parceria com o Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélite (LAPIS) da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), o processo de monitoramento se iniciou em 2013.

Segundo os pesquisadores, a chuva ocorrida em fevereiro no Leste do Piauí, Sul do Ceará, Oeste do Sertão de Pernambuco e na Bahia aumentaram consideravelmente o Índice de Vegetação. Em março, mês considerado mais chuvoso na maior parte do Semiárido nordestino, a chuva se concentra mais no Norte do Ceará. De abril a julho de 2013, a vegetação se apresentou em melhores condições hídricas, principalmente no Piauí, Ceará, em grande parte do Semiárido no Rio Grande do Norte, na Paraíba e no Agreste de Pernambuco.

Desde então, com o final do período chuvoso na região, os valores dos índices diminuíram até outubro, meses considerados climatologicamente mais secos na região semiárida brasileira, com exceção do Semiárido de Minas Gerais e Sul da Bahia, onde, ao contrário, neste período se inicia o período chuvoso.

Os índices semanais e mensais para avaliar as condições de vegetação em determinada área da região semiárida brasileira podem ser acompanhados pelo endereço: http://www.insa.gov.br/ndvi

A disponibilização do Índice de Vegetação favorecerá pesquisadores que atuam em diversas áreas relacionadas ao Semiárido como modelagem climática e hidrológica; balanço de carbono, detecção de mudanças climáticas, estimativas de parâmetros da vegetação (cobertura vegetal, índice de área foliar); atividades agrícolas (monitoramento do ciclo de crescimento de culturas, modelagem do crescimento e produtividade de plantações); monitoramento de secas; detecção de desmatamentos, avaliação de áreas queimadas, entre outras aplicações.

Apoio - A disponibilização do Índice de Vegetação favorecerá pesquisadores que atuam em diversas áreas relacionadas ao Semiárido nacional: modelagem climática e hidrológica; balanço de carbono, detecção de mudanças climáticas, estimativas de parâmetros da vegetação (cobertura vegetal, índice de área foliar); atividades agrícolas (monitoramento do ciclo de crescimento de culturas, modelagem do crescimento e produtividade de plantações); monitoramento de secas; detecção de desmatamentos, avaliação de áreas queimadas, entre outras aplicações.

O LAPIS realiza atividades de pesquisa, assistência tecnológica e treinamento de recursos humanos para a recepção, processamento, interpretação e integração de imagens dos satélites da série MeteoSat. Para atender a essa demanda, em 2007, a UFAL instalou e operacionalizou a terceira estação de recepção de imagens do MeteoSat Segunda Geração (MSG) no país. Como atividades de pesquisa e impacto do conhecimento, a equipe do LAPIS elabora aplicativos para tratamento de imagens, disponibiliza produtos meteorológicos e ambientais derivados do MSG para setores operacionais e oferece treinamento na área.


Fonte: Site da Agência Espacial Brasileira (AEB) 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial