AEB Confirma Lançamento do CBERS-4 em Reunião do Conselho Superior

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (03/04) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que durante a realização da "67ª Reunião Ordinária do Conselho Superior AEB" a agência confirmou o lançamento do Satélite CBERS-4 para segunda semana de dezembro deste ano.

Duda Falcão

AEB Confirma Lançamento do CBERS-4
em Reunião do Conselho Superior

Coordenação de Comunicação Social (CCS-AEB)

Fotos: Valdevino Jr/AEB
Plenário da 67ª Reunião Ordinária do Conselho Superior da AEB.

Brasília, 3 de abril de 2014 – O lançamento do CBERS-4 (Satélite Sino-Brasileiro de Sensoriamento Remoto) programado para a segunda semana de dezembro deste ano na China foi um dos diversos itens da pauta da 67ª Reunião Ordinária do Conselho Superior da Agência Espacial Brasileira (AEB), realizada nesta quarta-feira (2), em Brasília (DF).

A previsão inicial para lançamento do CBERS-4, satélite desenvolvido em parceria entre Brasil e China, era final de 2015. Mas em decorrência da perda do CBERS-3, em dezembro de 2013, devido a uma falha em um dos motores do veículo lançador chineses após partir da base de Taiyuan, os dois países concordaram em reunir esforços e antecipar o lançamento.

O presidente da AEB, José Raimundo Coelho, que dirigiu a reunião, também falou sobre a revisão técnica realizada no mês passado nos projetos de satélites de pequeno porte, apoiados financeiramente pela Agência, pelo professor Jordi Puig-Suari, da Universidade Politécnica da Califórnia (Cal Poly), dos Estados Unidos.

A exemplo do professor Felipo Graziani, da Universidade La Sapienza, convidado para a revisão em 2013, Puig-Suari também parabenizou o país pelo avançado estágio tecnológico alcançado no desenvolvimento de pequenos satélites. Ele também ressaltou a importância do apoio dado pela AEB a formação de recursos humanos com a concessão de bolsas para que grupos de universitários participem dos projetos.

Os projetos avaliados por Puig-Suari foram o Serpens, o ITASat, o NanosatC-Br1, o AESP-14, o Ubatubasat e o transponder CONASAT. A exceção deste, os demais estão programados para serem lançados no segundo semestre do ano.

Composição – O presidente também informou sobre a alteração no quadro de membros do Conselho. Raimundo Coelho agradeceu o empenho e a dedicação dos integrantes que saíram e deu as boas vindas aos dez novos conselheiros.

Passaram a integrar o Conselho da AEB o Tenente Coronel Aviador Mauro Henrique Monsanto da Fonseca e Souza (titular), do Gabinete de Segurança Institucional; Contra Almirante Sérgio Ricardo Segovia (titular), do Comando da Marinha; Capitão de Fragata Rodrigo Reis Bittencourt (suplente), do Comando da Marinha; General de Brigada Pedro Soares da Silva Neto (titular), do Comando do Exército;Coronel Eduardo Wolski (suplente), do Comando do Exército; Ministro José Raphael Lopes Mendes de Azeredo (titular), do Ministério das Relações Exteriores (MRE); Conselheira Maria Rita Fontes Faria (suplente), do MRE; Robson Quintilio (titular), do Ministério da Educação; Jorge Luiz Maroni Dias (suplente) do Ministério do Planejamento, e Igor Ferreira Bueno (suplente), da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

A próxima reunião do Conselho está prevista para agosto próximo em data e local a serem definidos.



Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Sei, como a AEB também disse que o VLS-1 voaria em 2012, depois passou para 2013, agora 2014 e vamo que vamo. Ora leitor, isto é uma tremenda de uma palhaçada com objetivos exclusivamente políticos em ano eleitoral. Estive no LIT recentemente e por lá posso atestar que seus servidores realmente trabalham com essa expectativa, apesar de achá-la muito difícil de ser cumprida. Para mim, a mesma não será cumprida e alguma desculpa esfarrapada será dada pelo presidente turista de nossa agência espacial. Mas enfim... seja como for, o CBERS-4 deverá ser lançado em algum momento do ano de 2015. Na verdade leitor o grande problema que o Brasil terá de enfrentar no Programa CBERS não está no lançamento do CBERS-4 e sim na continuidade do programa.

Comentários

  1. Realmente, a essa altura, simplesmente no papel de contribuinte que sou, questiono se em termos de custo benefício, não seria MUITO melhor para o Brasil adquirir um satélite de sensoriamento chinês de terceira geração completo e já colocado em órbita, do que continuar insistindo com esses satélites de primeira geração que os chineses já abandonaram a décadas.

    Alguém com mais conhecimento técnico poderia esclarecer ?

    Abs.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial