PPA - 2012-2015, Um Documento, ou Papel Higiênico ?

Olá leitor!

Uma das funções do blog é buscar a notícia onde ela estiver, isso cobra dedicação, conhecimento e evidentemente tempo, por isso a insensibilidade de nossos leitores quanto as nossas campanhas, ai incluídos aqueles que se comprometeram e não cumpriram sua promessa, me deixou muito triste e sem esperança, fazendo-me pensar se deveria ou não escrever essa artigo trazendo notícias sobre o PEB que não são encontradas em outros sites e blogs da vida.

Entretanto, em respeito a aqueles que de alguma forma tem contribuído para o nosso trabalho, resolvi trazer as informações abaixo, mas essa situação me fez refletir novamente se devo ou não continuar com o blog, afinal já que enquanto me dedico quase que exclusivamente a satisfazer o interesse de todos nossos leitores, não existe a compreensão da maioria de vocês que, para que isso aconteça existe um custo que não é só financeiro.

Diante disso, e em respeito a todos nossos colaboradores, aos participantes de nossas campanhas, aos 25 participantes que confirmaram suas participações na Campanha de Manutenção do Blog, especialmente aos 5 colaborados que contribuíram com R$ 50,00 (o que seria segundo o que foi proposto inicialmente referente a cinco meses de colaboração) estenderemos até o dia 31/10/2013 a permanência do blog online. Assim sendo, quem ainda quiser fazer contribuição, sugiro que faça até o mês de outubro, pois a partir daí não daremos mais prosseguimento com o nosso trabalho. Feito esse esclarecimento, vamos ao trabalho.

Bom leitor, navegando na net descobrir um interessante documento do tal MPOG - Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (não canso de observar como é bonito esse nome) intitulado “Plano Mais Brasil (PPA) 2012-2015 - Relatório Anual de Avaliação Ano Base 2012”, documento esse que além de avaliar as atividades no ano de 2012, traça o planejamento desse ministério com relação as Políticas de Soberania, Território e Gestão e Programas de Gestão, Manutenção e Serviços ao Estado no período 2012-2015. Vale dizer que o documento foi apresentado em Brasília em maio de 2013.

Ora, evidentemente como não poderia deixar de ser, o documento aborda também a partir da página 131 a Política Espacial Brasileira, trazendo interessantes metas a serem atingidas, as quais algumas certamente são metas que já 'desceram o ralo' com o Orçamento da AEB enviado ao Congresso pelo próprio MPOG em janeiro desse ano. Note como as coisas são feitas sem qualquer planejamento e gestão (apesar do belo nome do órgão) num total descontrole e sem qualquer compromisso de seguir esse documento gerado pelo próprio órgão. Uma beleza, BRAZIL ZIL ZIL ZIL em plena Copa das Confederações, tendo a sua PresidentA “Companheeeira”, líder de toda essa festa, sendo copiosamente vaiada em uns dos estádios construídos por ela, espelho de uma nação que não tem identidade, pois seu povo não tem a mínima ideia do que seja cidadania e o resultado, não poderia ser outro.

Abaixo trago para você leitor algumas das Metas previstas para 2013 por esse documento sem valor que nem como papel higiênico serve:

*Lançar 40 Foguetes Suborbitais e de Treinamento - Data de Referência: 31/12/2012

Análise Situacional da Meta

Em 2012, o Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) foi responsável pelo lançamento de cinco foguetes suborbitais (Operações): um VS-40 (SHEFEX 2); um VSB-30 (MASER 12) e; três VS-30/Orion (HiFire 3, Hifire 5 e INPE 14).Os foguetes de treinamento FTI e FTB são de responsabilidade do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e do Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), tendo sido lançados 13 foguetes pelo CLA, sendo 7 de
treinamento intermediário e 6 de treinamento básico, e 10 foguetes pelo CLBI, sendo um de treinamento intermediário e 9 de treinamento básico.

Para 2013, está programado o lançamento de um foguete VS-30/ORION, um VS-40M, cinco VSB-30 (lançados da Suécia), cinco foguetes de treinamento básico e quatro foguetes de treinamento intermediário.”

Esclarecimento: Quanto ao VS-30/Orion citado acima, creio que se refira a mesma operação que estaria sendo planejada entre o IAE e o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) para o segundo semestre de 2013, segundo nos informou o Cel. Av. Marco Antônio Vieira de Rezende, diretor do CLBI, em entrevista recente ao blog.

Já o voo do VS-40M, esse é de conhecimento de todos que se trata da operação de lançamento do “SARA Suborbital I”, que felizmente será realizada em algum momento do segundo semestre desse ano.

Quanto aos cinco voos do foguete VSB-30 citados no documento, na realidade estão previstos quatro (Operações TEXUS 50 e 51, HIFIRE 7 e Cryofenix), não só para ser lançados da Suécia, como também da Noruega, sendo que a Operação TEXUS 50 já foi lançada esse ano com sucesso da Base de Esrange, na Suécia.

Além disso, estão previsto ainda o voo de dois foguetes VS-30/Orion (Operações Scramspace I e ICI-4) da Base de Andoya, na Noruega, e dois foguetes VS-30 (Operações WADIS I e Mapheus-4), sendo a primeira da Base de Andoya e a segunda da Base de Esrange.

* Ter Empresa Nacional Certificada Para Produção do Foguete Suborbital VSB-30

Análise Situacional da Meta

Foram concluídos todos os estudos, especificações técnicas e módulos de fabricação. A próxima etapa do processo de certificação, a ser executado pela AEB, será a contratação de um estudo de viabilidade jurídica, econômica e técnica, que permita o lançamento do edital para a contratação do integrador (indústria) para exploração do negócio de serviços de microgravidade.”

Esclarecimento: Não tenho a mínima informação sobre o cumprimento dessa meta ou do seu atual andamento, pois a AEB não divulgou até o momento nada sobre ela, o que é uma pena.

*Tornar a Usina de Propelentes Cel. Abner Capaz de Atender às Necessidades de Suprimento de Propelentes Sólidos do Veículo Lançador VLM-1

Análise Situacional da Meta

Em 2012, foram feitos estudos e levantamento das necessidades de aquisições e serviços, bem como as readequações a serem implantadas na Usina Cel. Abner para atender às necessidades de suprimento de propelentes sólidos do Veículo Lançador de Microssatélites (VLM-1).

A estratégia industrial estabelecida para o VLM-1 foi alterada e atualmente preconiza que esta demanda seja prioritariamente atendida pela indústria nacional. Assim, os investimentos na Usina dependerão da implementação dessa estratégia."

Esclarecimento: Da mesma forma não tenho a mínima informação sobre o cumprimento dessa meta ou do seu atual andamento, mas desconfiamos que tenha andado muito pouco.

* Voo de Qualificação do VLM-1 Realizado Até 2015

Análise Situacional da Meta

Em 2012, foram realizadas a Revisão Preliminar de Requisitos (PRR), a Revisão da Definição da Missão (MDR) e a Revisão de Requisitos de Sistema (SRR) do projeto. O Modelo de Engenharia do motor S50 (o qual será o maior motor a propelente sólido desenvolvido no Brasil) está sendo utilizado para avaliar possíveis dificuldades e permitir um ajuste ou melhoria do projeto. Com o término desta fase de concepção, o VLM-1 entra na fase de projeto.”

Esclarecimento: As informações que tenho dão conta que o fluxo de recursos para o desenvolvimento desse motor não tem sido o adequado, colocando assim em risco a meta de lançar o VLM-1 até 2015. (Nos ajude assinando a nossa “Petição Pública da Missão VLM-1/ITASAT-1”).

*Voo Tecnológico XVT-01 (VSISNAV) Realizado Até 2012

Análise Situacional da Meta

O voo tecnológico XVT-01 (VSISNAV) é um ensaio do veículo, com os dois primeiros estágios do VLS ativos, cujo objetivo principal é testar o sistema de navegação desenvolvido pelo IAE (SISNAV). Esse voo depende do teste do sistema de redes elétricas e integração com a torre móvel no CLA (MIR – "Mock-up" de Interface de Redes). Em 2012, foi realizada a Operação Salina, como parte da preparação da MIR. Foram fabricados vários itens mecânicos, outros em processo de licitação para fabricação. Os itens eletrônicos estão em processo de desenvolvimento, sendo que foi realizada em outubro de 2012 a revisão crítica de projeto (CDR) com a empresa Mectron EIC Ltda.

Em razão das dificuldades de natureza jurídica, que postergaram a assinatura de contratos pelo IAE, e institucional, o veículo XVT-01 (VSISNAV) estará pronto em fins de 2013, com lançamento programado para 2014.”

Esclarecimento: Mentira, o que não permitiu o cumprimento dessa meta em 2012 foi a não liberação por esse governo desastroso dos recursos financeiros solicitados pelo IAE dentro do cronograma pré-estabelecido, e assim  a assinatura de contratos com as empresas participantes tiveram de ser postergados pelo instituto, atrasando assim o lançamento do VLS-1 VSISNAV.

* Voo Tecnológico XVT-02 Realizado Até 2013

Análise Situacional da Meta

O voo tecnológico XVT-02 é um ensaio do veículo completo, com quatro estágios do VLS ativos, com carga útil tecnológica, cujo objetivo principal é testar o conjunto dos vários subsistemas que integram o veículo lançador. O cumprimento da meta depende do sucesso do voo tecnológico XVT-01 (VSISNAV).

Em 2012, foi realizada a aquisição, no exterior, de equipamentos eletrônicos para a rede elétrica de segurança do veículo. Em razão das dificuldades de natureza jurídica, que postergaram a assinatura de contratos pelo IAE, e das escolhas orçamentárias tomadas, o lançamento do voo tecnológico XVT-02 foi reprogramado para ocorrer somente em 2016.

No biênio 2014-2015 deverá ocorrer o desenvolvimento da rede elétrica completa do foguete. Com isso será possível ter o veículo pronto até o final de 2015, para lançamento em 2016.”

Esclarecimento: Volto a insistir que esse documento está faltando com a verdade, e da mesma forma que no caso do VLS-1 VSISNAV, a culpa pelo atraso cabe a esse desastroso governo que por três anos consecutivos vem boicotando do Programa VLS não permitindo que o IAE cumpra o cronograma previsto no final do Governo LULA. A informação de que o lançamento do VLS-1 XVT-02 fica assim para o ano de 2016, começa a colocar esse voo no campo da Ficção Científica.

* Voo de Qualificação do VLS-01 V04 Realizado Até 2013

Análise Situacional da Meta

Todas as ações voltadas para o desenvolvimento do XVT-01 e do XVT-02 contribuem para o lançamento do VLS-01 V04. Para que este ocorra, faz-se necessário ter sucesso nos dois lançamentos anteriores. Com o lançamento do XVT-02, o veículo estará qualificado, permitindo assim o voo do VLS-01 V04 portando uma carga útil real.

A produção do veículo VLS-01 V04 deverá durar aproximadamente dois anos após o lançamento do XVT-02 em 2016. Nesse sentido, a data precisa do lançamento do VLS-01 V04 somente poderá ser definida com a concretização do voo do XVT-02, atualmente prevista para 2016.”

Esclarecimento: Uma vergonha, uma brincadeira de gente irresponsável e inconsequente que levará esse Programa a não ter fim. Se o VLS-1 XVT-02 já começou a entrar no campo da Ficção Científica, o VLS-1 V04 já está lá há muito tempo. Sinceramente não acredito mais nesse projeto e muito menos no VLS Alfa e Beta. Creio que a única saída é o VLM-1, que infelizmente não atenderá todas as nossas necessidades, abrindo assim espaço para o tóxico Cyclone-4, pelo menos até enquanto esse desastroso acordo com a Ucrânia durar.

E assim esse documento segue apresentando as metas da Política Espacial Brasileira que não continuarei citando por serem muitas, e por que o artigo já está bastante extenso. Caso o leitor queira verificar o documento in loco clique aqui.

Duda Falcão 

Comentários

  1. Vergonha!! O povo já não aguenta tanta asneira! E ao invés de começar a levar seu trabalho a sério ainda continuam com seus planos de revanchistas. A única sorte de Dilma são as eleições estarem próximas, e boa parte dos manifestantes só não fizeram o Impeachment ainda por causa disso. Essa corja petista tirando sarro com a cara da população, roubando livremente, colocando ministros condenados no poder na maior cara de pau, e agindo em vingança contra o exército...

    Já não dá para esconder e o povo se indignou. Se continuarem com mais ações dessas não irão durar nem 1 ano. O programa espacial pode não ser tão conhecido, mas com certeza isso não será exclusivo, e parece que ao invés de tomar medidas responsáveis estão metendo pimenta para ver até onde a coisa vai. Vamos aguardar que outras asneiras virão por aí!

    ResponderExcluir
  2. A campanha da manutenção do blog tinha a melhor das intenções.É uma pena que ela não deu o resultado esperado.

    Mas o blog será deletado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu seu Elison, e lhe agradeço.

      Não, não será deletado, pelo menos por um bom tempo.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite