Estudantes de Campos, RJ, Desenvolvem Projeto de Satélite

Olá leitor!

Segue abaixo uma pequena matéria postada dia (13/06) no site “G1” do globo.com, que vem acompanhada de uma interessante reportagem dando destaque ao projeto do nanosatélite 14-BISat, que está sendo desenvolvido pelo Instituto Federal Fluminense (IFF), de Campos dos Goytacazes (RJ),  e já abordado aqui no blog em algumas ocasiões.

Duda Falcão

NORTE FLUMINENSE

Estudantes de Campos, RJ,
Desenvolvem Projeto de Satélite

Projeto é único no Brasil e envolve 32 países.
Satélite deverá ser lançado em abril de 2015.

Do G1 Norte Fluminense
13/06/2013 - 20h35
Atualizado em 13/06/2013 - 20h35

Alunos do Instituto Federal Fluminense (IFF) de Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, desenvolvem um satélite que será mandado ao espaço. O projeto é o único do Brasil em uma missão que envolve 32 países.

O satélite será batizado de 14-BISat. A ideia surgiu a partir do equipamento quadricóptero, uma aeronave não tripulada que voa a até 200 metros de altura. Segundo um dos estudantes que ajudou na construção da aeronave, o aparelho pode ser usado para o monitoramento ambiental, por exemplo.

A mesma tecnologia usada para fabricar o quadricóptero, que levou dois anos e meio para ficar pronto, será aplicada no satélite 14 Bisat, que tem apenas 20 centímetros cúbicos. O projeto tem o apoio da Agência Espacial Brasileira. A previsão é que o satélite seja lançado em abril de 2015.

Jornal RJTV – 13/06/2013


Fonte: Site G1 do globo.com

Comentário: A notícia é um pouco antiga leitor, mas as imagens da reportagem mostra algumas coisas interessantes, e entre elas o quadricóptero e o foguete desenvolvido pela equipe de alunos do Prof. Cedric Salotto Cordeiro, além é claro do que parece ser a concepção artística desse nanosatélite 14-BISat.

Comentários

  1. Interessante matéria sim , mas acho que ficar enchendo os espaço de " lixo " de nano & micro satélites, não é uma boa opção.
    O interessante dessa matéria e de outras é o seguinte ; temos excelentes profissionais e instituições ( universidades , centros de pesquisa etc.. ) no país , porque a AEB & INPE não desenvolve seus projetos em parceria com essas instituições ?
    Caro Duda Falcão ( redator ) , discordo em partes de você , quando diz que a grande falha de nosso programa espacial está na questão financeira .
    Acredito que um dos maiores erros de nosso programa , foi ser desenvolvido exclusivamente nos centros de pesquisas da FAB ( IAE ; DCTA ; IEAV etc.. ). É inquestionável as contribuições dessas instituições ao país , mas acredito que poderia-mos ter obtido maiores êxitos , caso houvesse desde o inicio , incluído nossas faculdades no programa .
    Outro exemplo é o caso Aeronáutico , há muito tempo só havia o ITA como instituição superior que formava profissionais para essa área .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cleiber!

      Então dentro de sua visão ficar enchendo o espaço com satélites cada vez maiores seria uma opção melhor? Bom é uma maneira de ver, mas não concordo que seja por ai. Quem disse a você que o INPE e a AEB não desenvolvem projetos com instituições universitárias e centros de pesquisas? Existem projetos diversos em desenvolvimento com instituições universitárias e centros de pesquisas pelo país a fora e esse caso do IFF é um grande exemplo disso, pois o INPE participa do projeto orientando os seus pesquisadores. Caro Cleiber, independentemente de onde seja realizado o Programa, seja na esfera universitária, governamental ou privada sem dinheiro não se faz nada, esse é o primeiro passo, mas é verdade que não é o único e o PEB vive outros problemas que seriam de fácil solução se houvesse dinheiro e comprometimento político, coisa que não há.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022