Brasil Avança na Previsão do Tempo Com Supercomputador

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota publicada dia (19/06) no site da “Fundação de Estudos e Projetos (FINEP) destacando que o Brasil avança na previsão de tempo com supercomputador.

Duda Falcão

Notícias

Brasil Avança na Previsão
do Tempo Com Supercomputador

19/06/2013


No Brasil, novos investimentos estão revolucionando a previsão do tempo e pesquisas sobre o clima. O último avanço chega com a versão 5.0 do modelo regional BRAMS de previsão de tempo, cobrindo toda a América do Sul, e que gera previsões mais confiáveis, com mais dias de antecedência, e de melhor qualidade, ampliando o nível de detalhamento para cinco quilômetros, contra 20 quilômetros do modelo anterior. Hoje, é possível saber a quantidade e localização das chuvas, além da ocorrência de eventos extremos, como chuvas intensas, granizo, geadas, nevoeiros, ventos fortes e ondas de calor.  Isto só está sendo possível devido à alta capacidade de processamento do novo supercomputador CRAY , batizado de Tupã, instalado no Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE), em Cachoeira Paulista.

Os desenvolvimentos para tornar a nova versão do BRAMS operacional levaram cerca de um ano. Para cobrir toda a extensão da América do Sul, foram necessárias 1360 x 1480 células horizontais e 55 níveis verticais. As células de grade, num total de 110 milhões aproximadamente, são processadas simultaneamente nos 9.600 processadores do CRAY, em computação paralela.

Este esforço pôs o CPTEC/INPE em posição de competitividade em relação aos principais centros operacionais do mundo. O centro de previsão do National Centers for Environmental Prediction (NCEP), por exemplo, gera previsões a partir de um modelo similar – o National Mesoscale Model – de 4 quilômetros, 70 níveis verticais e grade de 1371 x 1100 células, que cobre toda a região continental dos Estados Unidos.

“Ao longo de anos, o apoio da FINEP nos levou a desenvolver uma infraestrutura que nos permite hoje acompanhar as tendências mundiais. Os saltos de qualidade se devem a este financiamento”, disse Jairo Panetta, chefe do Grupo de Processamento de Alto Desempenho do CPTEC (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos), do INPE, em matéria de capa sobre clima, publicada na Revista Inovação em Pauta, da FINEP. Nos últimos 20 anos, a FINEP já investiu cerca de R$ 100 milhões em infraestrutura e projetos na área, especialmente nos dois centros de meteorologia e pesquisas climáticas do País, o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET) e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

A chegada do novo supercomputador também traz expectativas de avanços para os monitoramentos ambientais e de qualidade do ar do CPTEC/INPE. As previsões, geradas atualmente para até três dias de antecedência, serão estendidas para seis, com boa confiabilidade. Já as previsões de qualidade do ar incluirão gases, como monóxido e dióxido de carbono e óxido nitroso, e aerossóis - material particulado de queimadas e de emissões urbanas e industriais.


Fonte: Site da Fundação de Estudos e Projetos (FINEP)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial