E-mails Revelam Diverg. em Programa de Bolsas do Governo


Segue abaixo uma matéria publicado hoje (20/06) no site do jornal “Folha de São Paulo” destacando que E-mails revelam divergências em programa de bolsas do Governo Federal.

Duda Falcão

CIÊNCIA

E-mails Revelam Divergências em
Programa de Bolsas do Governo Federal

TAI NALON
DE BRASÍLIA
20/06/2013 - 03h27

Uma troca de e-mails entre os presidentes das duas principais entidades de fomento à pesquisa do governo federal em abril passado revela troca de acusações sobre fragilidades no Ciência sem Fronteiras, programa de bolsas de estudo no exterior.

A Folha teve acesso a correspondências entre o presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), Glaucius Oliva, e o da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Jorge Guimarães, mostrando divergências na condução do programa, acusações de inflar números e ameaças de sabotagem.

A reportagem apurou que o clima beligerante entre os órgãos continua. Os dirigentes negam haver crise no programa (leia abaixo).

A veracidade dos e-mails, que chegaram à reportagem por meio de correspondência apócrifa, foi atestada pelos dois dirigentes. Eles, porém, não quiseram se manifestar sobre a troca de acusações.

Lançado em 2011, o Ciência sem Fronteiras tem como objetivo enviar 101 mil bolsistas para o exterior até 2015. A meta é considerada irrealista, reservadamente, por envolvidos em sua execução.

A Folha apurou que foi aventada, em reunião com o ministro Aloizio Mercadante (Educação), a possibilidade de fundir as agências para cuidar do problema. A opção foi descartada por ora.

OS E-MAILS

A correspondência começou em 6 de abril com a discussão sobre mandados de segurança contra o CNPq, impetrados por pelo menos 60 estudantes que pediam acesso às bolsas no exterior.

Editoria de Arte/Folhapress
Clique em cima da imagem para ampliar

Segundo Oliva, os candidatos são de áreas de humanas, consideradas como "baixa prioridade" para o Ciência sem Fronteiras --o programa se concentra nas áreas de exatas e tecnologia.

A informação foi levada à cúpula do programa, que trocou acusações.

Jorge Guimarães, presidente da Capes, escreve que está "preocupado" com a falta de uniformidade nos procedimentos das duas agências quanto à concessão das bolsas e que "está pensando" em sugerir que o ministro Aloizio Mercadante deixe o Ciência sem Fronteiras só nas mãos do CNPq. "Tem sido muito difícil esse dia a dia."

Segundo Guimarães, uma das grandes diferenças entre as agências é o conceito de bolsa concedida. "Só consideramos concedida a bolsa quando o bolsista recebe a passagem e confirma o voo."

Oliva discorda. "Você acha que deveríamos contabilizar os estudantes somente quando eles emitirem a passagem? Neste caso jamais teríamos chegado ao final de 2012 com as 22 mil bolsas concedidas."

Oliva também considera "inaceitável" centralizar o Ciência sem Fronteiras no CNPq, agência que ele dirige.

"Espero que esse assunto (...) seja encerrado aqui. Aliás, levá-lo ao ministro Mercadante seria um golpe inaceitável e injusto, comigo e com o CNPq, pois é evidente que o ministro não aceitará e vai simplesmente vir para cima de mim, pessoalmente, me responsabilizando por não cuidar do Ciência sem Fronteiras como deveria."

No fim de abril, a Folha revelou que o programa incluía em sua contabilidade bolsistas regulares da Capes, mas o governo negou tratar-se de uma maquiagem.

OUTRO LADO

Apesar de atestar o conteúdo dos e-mails, tanto Glaucius Oliva, do CNPq, quanto Jorge Guimarães, da Capes, afirmam que não há crise no gerenciamento do Ciência sem Fronteiras.

"O sucesso nacional e internacional do programa, como atestado pela esmagadora maioria dos bolsistas contemplados e pelos parceiros universitários no exterior, demonstra que estamos no caminho certo na gestão do programa", diz Oliva, que recebeu o apoio de Guimarães.

Eles dizem que "são amigos próximos há 20 anos" e que se tratam com "total franqueza e transparência". Os dois se recusaram a comentar o que chamaram de "ilações" expostas pelos e-mails.

"Não há qualquer chance de haver jogo de empurra entre as agências", disse Oliva.


Fonte: Site do Jornal Folha de São Paulo - 20/06/2013

Comentário: Pois é, está ai o imbróglio entre o CAPES e o CNPq sobre esse programa Ciências sem Fronteiras que segundo o governo é um sucesso. Gostaria de agradecer ao leitor paulista José Ildefonso pelo envio dessa notícia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial