Alunos da UnB Criam Microssatélite p/Mapeamento Terrestre

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada dia (25/06) no site “G1” do globo.com, destacando que como já abordamos no blog, alunos da Universidade de Brasília (UnB) estão desenvolvendo um nanosatélite, o “LaiCanSat1”, para ser lançado de um balão até uma altitude de 30 km, lançamento esse que deverá ocorrer em agosto desse ano da na região de Vila Boa, em Goiás.

Duda Falcão

DISTRITO FEDERAL

Alunos da UnB Criam Microssatélite
Para Mapeamento Terrestre

Dispositivo vai subir 30 km de altura do solo e tirar fotos da superfície.
Aluno que lidera projeto já estagiou na NASA e ganhou viagem ao espaço.

Isabella Formiga
Do G1 DF
25/06/2013 - 08h01
Atualizado em 25/06/2013 - 08h01

Alunos da Universidade de Brasília (UnB) estão desenvolvendo um projeto inédito no país: a construção de um microssatélite, pouco maior que uma lata de refrigerante, que, pendurado a um balão de hélio, vai subir 30 quilômetros de altura do solo para coletar informações climáticas e tirar fotos da superfície terrestre

(Foto: Isabella Formiga/G1)
O aluno de Engenharia Elétrica Pedro Henrique Dória, com o
projeto de microssatélite que está sendo desenvolvido
por estudantes da UnB.

Líder da equipe, Pedro Henrique Dória, de 21 anos, disse que a ideia de criar o dispositivo para o trabalho final de graduação surgiu da vontade de unir dois projetos espaciais: o balão atmosférico e o CanSat, que significa "satélite de lata". Pedro explica que o LaiCanSat1, como foi batizado o projeto, não atinge a órbita da terra, mas é chamado de microssatélite porque realiza propósitos semelhantes.

O dispositivo será equipado com uma câmera fotográfica, um GPS, sensores meteorológicos de umidade, temperatura, pressão e nível ultravioleta. A maior inovação do LaiCanSat1, no entanto, é que ele terá dois motores para controlar o parapente, o que permitirá direcionar por quais pontos o microssatélite vai passar e, principalmente, determinar seu local de queda.

Pedro diz que duas vezes por dia, em Brasília, são lançadas sondas meteorológicas que chegam a 30 quilômetros de altura. "O balão estoura e elas caem de paraquedas, mas não se sabe onde elas vão parar”, diz. “Isso é um problema, porque podem cair no lago, em casas, em qualquer canto. Isso impede que sejam embarcados sensores mais precisos, já que são mais caros.”

"Será possível juntar todas as
fotos tiradas pelo dispositivo em
um software, borda com borda, e
gerar um mapa gigante. A partir
desse mapa é possível determinar
áreas desmatadas, fazer controle
de produção agrícola, de incêndios,
observar o nível de rios, a ocupação
urbana, e diversas aplicações que hoje
a gente usa o satélite para fazer, mas
que é muito caro. É possível ter
informações muito mais atualizadas"

Pedro Henrique Dória, estudante

O LaiCanSat1 será lançado na região de Vila Boa, em Goiás, onde a concentração de rotas aéreas é pequena. O grupo já solicitou autorização da Força Aérea Brasileira para soltar o balão com o dispositivo, o que deverá acontecer em agosto. Após o lançamento, a localização do microssatélite será transmitida através de sinais de rádio. Um grupo vai esperar no local por cerca de três horas pela descida do dispositivo para recolher as informações e imagens coletadas.

“Será possível juntar todas as fotos tiradas pelo dispositivo em um software, borda com borda, e gerar um mapa gigante”, diz Pedro. “A partir desse mapa é possível determinar áreas desmatadas, fazer controle de produção agrícola, de incêndios, observar o nível de rios, a ocupação urbana, e diversas aplicações que hoje a gente usa o satélite para fazer, mas que é muito caro. É possível ter informações muito mais atualizadas.”

Para desenvolver o projeto, Pedro conta com a orientação do professor do Departamento de Engenharia Elétrica, Renato Borges, e de alunos e professores das disciplinas de Engenharia Mecânica, Engenharia Aeroespacial e Física.

Experiência

Apesar da pouca idade, Pedro tem bastante experiência na área espacial. No ano passado, ele estagiou durante nove meses em um centro da NASA, nos Estados Unidos, e hoje é estagiário da Agência Espacial Brasileira.

Em abril, Pedro venceu a promoção internacional de uma empresa áerea holandesa que tinha como prêmio uma viagem ao espaço - foi ele quem deu a previsão mais acertada sobre o ponto e a altitude atingida no espaço por um balão lançado no Deserto de Nevada, nos EUA. A viagem está marcada para o início de 2014.


Fonte: Site G1 do globo.com

Comentário: Bom, na realidade Cansats são considerados pela comunidade internacional como Picossatélites, ou seja, satélites com peso entre 0,1 e 1 kg. Pela foto pode-se notar que o “LaiCanSat1” está mais para a categoria de nanossatélites (satélites com peso entre 1 e 10 kg), já que microssatélites são aqueles com peso entre 10 e 100 kg. De qualquer forma a iniciativa da UnB é muito significativa e espero que seja exitosa. Avante LaiCanSat1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial