Dir. da Boeing - O Centro Será Para a Inovação e Pesquisa

Olá leitor!

Segue abaixo uma entrevista com o Sr. Antonini Macedo (diretor da Boeing), postada hoje (16/06) do jornal “O VALE”, onde o mesmo fala sobre o centro da empresa que será inaugurado em novembro no Parque Tecnológico de São José dos campos (SP).

Duda Falcão

NOSSA REGIÃO

‘O Centro Será Para a Inovação e Pesquisa’

São José dos Campos
June 16, 2013 - 06:29

Foto: Claudio Vieira
Antonini Macedo, diretor da Boeing

Confira entrevista com Antonini Macedo, diretor da Boeing

Os acordos firmados pela Boeing com o DCTA e o INPE vão impulsionar o novo Centro de Pesquisa e Tecnologia da empresa no Brasil?

Uma das principais razões por termos escolhidos São José dos Campos e o Parque Tecnológico é a sua proximidade a três dos nossos parceiros colaboradores (DCTA, INPE e Embraer).

O processo de contratação de pessoal já foi iniciado?

O plano é chegarmos a 12 pessoas até 2014 e a possibilidade de expansão está em vista, mas dependerá do sucesso de nossos projetos em andamento e de novos projetos futuros.

A previsão é que o novo centro comece a operar em novembro, mas pode ocorrer antes?

Neste momento, estamos começando o processo de reforma das nossas instalações no Parque Tecnológico e esperamos inaugurar em novembro. As operações serão iniciadas no local antes dessa data para podermos dar início às contratações de pessoal. Além disso, nós também reservamos a opção por uma área adicional no parque para futuras expansões.

Basicamente, o novo Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing terá qual missão inicial?

O Centro de Pesquisa e Tecnologia a Boeing no Brasil é um catalizador para inovação por seu trabalho que visa ajudar a desenvolver a capacidade de pesquisa avançada em tecnologia no país, em empresas brasileiras e centros de pesquisa governamentais e universidades. As áreas de pesquisa incluirão biocombustíveis sustentáveis para aviação, gestão avançada de tráfego aéreo, metais e bio-materiais sustentáveis avançados e apoio a serviços tecnológicos.

Os principais pontos dos acordos com o DCTA e o INPE.

Os institutos do DCT A e o Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing terão colaboração em ciências de voo, energia e meio ambiente, incluindo biocombustíveis, entre outros setores. O INPE e o Centro de Pesquisa explorarão oportunidades nas áreas de sensoriamento remoto para o gerenciamento do manejo de culturas energéticas, para bicombustíveis para aviação.


Fonte: Site do Jornal “O VALE” - 16/06/2013

Comentário: Bom leitor, eu não conheço o Sr. Antonini Macedo para fazer um juízo de valor sobre a sua pessoa, mas das duas uma, ou ele é uma pessoa inocente, ou seja, um tolo útil, ou é um mal brasileiro, uma pessoa sem valor. Mas enfim, o mal já foi feito e agora só resta às forças de segurança (se é que elas existem) se articularem conjuntamente e manter esse centro e seus integrantes (brasileiros e americanos) sob extrema vigilância a partir de novembro.

Comentários

  1. Duda me desculpe por minha ignorância, mas por que é tão ruim que empresas estrangeiras no setor venham ao país?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Daniel!

      O Problema não é esse. O Problema é que a Boeing é conhecida por ter ligações estreitas com a CIA americana, que se utiliza desses chamados centros tecnológicos da Boeing instalados em outros países como base para suas atividades ilícitas, que envolvem sabotagens, recrutamento e outras atividades que sejam do interesse dessa agência de inteligência dos EUA. Mas enfim, quem procura acha.

      Abs

      Duda Falcão
      (blog Brazilian Space)P

      Excluir
  2. " ESTRANHO, MUITO ESTRANHO, CINISTRO, MUITO CINISTRO,..........."

    Não sentir muita confiança em suas respostas, acredito que faltou uma clareza da verdadeira intenções desta conceituada empresa. BIOCOMBUSTÍVEIS, só isso que tem para nós oferecer. Afinal de contas o brasileiro só aprende quando as coisas Más prevalecem! Por falta de aviso não faltou.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial