Notas de Le Bourget

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (19/05) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski, trazendo notícias espaciais muito interessantes da “50ª Edição do Salão Internacional de Aeronáutica e Espaço de Le Bourget”, na França.

Duda Falcão

Notas de Le Bourget

André Mileski
19/05/2013

Esta semana, está acontecendo em Le Bourget, nos arredores de Paris, França, a 50ª edição do tradicional Salão Internacional de Aeronáutica e Espaço. A revista Tecnologia & Defesa e o blog Panorama Espacial estiveram presentes nos primeiros dias e apresenta a seguir algumas notas com as principais notícias no setor espacial, em especial relacionadas ao Programa Espacial Brasileiro.

Embraer: interesse em lançadores? Não!

Na noite de segunda-feira (17), a Embraer promoveu um encontro com a imprensa com a presença de seus principais executivos, entre eles Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa & Segurança. O dia, aliás, foi histórico para a companhia brasileira, anunciando contratos para a venda de até 365 de novas aeronaves regionais a serem desenvolvidas.

Questionado pela reportagem de T&D sobre um eventual interesse da Embraer no segmento de lançadores, Aguiar foi taxativo ao afirmar que não vê a companhia entrando neste mercado. No passado, algumas empresas estrangeiras e a própria Alcântara Cyclone Space chegaram a falar com a Embraer. O caminho hoje parece livre para grupos como a Odebrecht e a Camargo Corrêa, além da Avibras, que têm olhado nessa direção.

Embraer, Visiona e o PNAE

Aguiar também falou sobre o interesse da Embraer, por meio da Visiona, em participar de outras missões do Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), nomeadamente, de observação terrestre e meteorologia. A Visiona deve funcionar como plataforma de contratação e integração, e outras empresas o grupo poderão também participar (a Orbisat, por exemplo, tem expertise em tecnologia de imageamento por radar). Questionado pelo blog sobre a participação da Telebras, estatal de comunicações, numa empresa que buscará atuar em outros projetos espaciais, o executivo da Embraer respondeu afirmando que a Telebras pode em algum momento vir a deixar o capital da sociedade.

SGDC: A Proposta da Thales Alenia Space

Durante o Paris Air Show, T&D teve a oportunidade de conversar com Sérgio Bertolino, vice-presidente para o segmento de comunicações para a América Latina da Thales Alenia Space (TAS), uma das três finalistas da concorrência do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC). Em bom português, Bertolino destacou o enorme interesse do grupo em conquistar o negócio, enfatizando a proposta de transferência de tecnologia em campos não apenas de comunicações, mas observação terrestre (sensores óticos e radares) e meteorologia, dentre outros. O executivo relevou que, em fevereiro, quando da solicitação de propostas pelo governo brasileiro, a TAS decidiu contratar a fabricação dos tubos de banda Ka (TWT) a serem usados na construção do satélite caso venha a ser selecionada. A decisão, que envolve certo risco, teria por objetivo garantir a entrega do SGDC no prazo de 31 meses contados de sua contratação.

SGDC: Especulações Sobre a Proposta da Loral

Nos bastidores, muito se comentou sobre a proposta da norte-americana Space Systems / Loral. A fabricante teria oferecido um satélite com capacidade em banda Ka próxima de 80 gigabytes por segundo (o requisito inicial feito no RFP era de 40 gigabytes). Sua proposta de transferência tecnológica também seria satisfatória e iria além do que foi solicitado pelo governo. Ainda, bastante conhecida no mercado por seus preços competitivos, acredita-se que a sua oferta seria mais barata, aspecto que deve ter significativa influência na decisão (note-se que a valorização do dólar frente ao real. Adicionalmente, já se discute uma ampliação orçamentária para o SGDC, tendo em vista a insuficiência dos recursos inicialmente destinados: R$716 milhões). Não se trata de um consenso, mas a Loral é considerada como favorita.

SGDC: O Processo de Escolha

A decisão de quem fornecerá o SGDC, prevista para o final de julho, funcionará da seguinte forma: a Visiona analisará as propostas e apresentará um relatório bastante detalhado para o Comitê Diretor do Projeto (três membros, um indicado pelo Ministério das Comunicações, outro pela pasta da Defesa, e o terceiro pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), instância decisória máxima do SGDC. As contrapartidas tecnológicas e de transferência tecnológica, conhecidos como offsets, estão a cargo da Agência Espacial Brasileira (AEB), que também deverá opinar. Neste momento, a Visiona não está envolvida em tais discussões, estando responsável pelas avaliações técnicas e financeiras.

ACS e as Obras em Alcântara

A binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) é uma das empresas de capital brasileiro que estão presentes no evento, no pavilhão ucraniano. Questionado sobre a situação das obras do complexo de lançamento do Cyclone-4 em Alcântara, Olexander Serdyuk, diretor da ACS, informou que as mesmas estão paralisadas aguardando a liberação de recursos adicionais provenientes do aumento de capital recentemente aprovado. Caso os recursos sejam liberados até julho, a expectativa é que o primeiro voo do foguete Cyclone 4 ocorra até o final de 2014. Segundo o diretor, o desenvolvimento do lançador segue de acordo com o planejado e deve ser concluído até o final do ano.

Satélite Italiano a Bordo do Cyclone 4

Serdyuk também revelou que a ACS assinará hoje (20), com uma universidade italiana, um contrato para o lançamento de um pequeno satélite científico, somando-se ao satélite japonês Nano-JASMINE. Também foi revelado que um satélite científico ucraniano e outro da Estônia, ambos de pequeno porte, devem compor a primeira missão.

Arianespace, Vega e Göktürk-1

Na terça-feira (18), a Arianespace anunciou sua seleção para o lançamento do satélite de observação Göktürk-1, do governo da Turquia, a bordo do foguete italiano Vega, a partir de 2015. Trata-se do nono contrato assinado apenas este ano e o segundo contrato comercial para o lançador Vega num mercado aberto. No mesmo dia, em conferência para a imprensa, Stéphane Israël, CEO da companhia, destacou o excelente momento e boas perspectivas, assuntos que serão abordados pelo blog em nota específica dentro dos próximos dias.


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: Vamos lá caro leitor, apesar de entender o porquê do receio da EMBRAER de entrar no mercado de lançadores de satélites, em minha opinião é um tremendo erro estratégico, e a Avibrás, Odebrecht e a Camargo Corrêa estarão de parabéns se apostarem no futuro. Quanto ao SGDC continuo achando que a proposta escolhida será a da Thales Alenia Space e estou torcendo por ela. Entretanto, como disse em comentário anterior, caso a opção da Space Systems / Loral seja à escolhida, a mesma precisa ser monitorada com atenção pelas forças armadas não permitindo interferência política na questão, para evitar assim que mais um desastre possa acontecer colocando em risco a segurança nacional. Quanto a possível inclusão dos satélites de pequeno porte italiano, Ucraniano e da Estônia no voo de qualificação do Cyclone-4, não se engane leitor, pois da mesma forma que o satélite japonês Nano-JASMINE, todos esses satélites citados estarão sendo lançados muito provavelmente de graça, ou melhor, pagos pelo erário público brasileiro. Nessas condições, a Alcântara Cyclone Space (ACS) terá sempre uma fila enorme de clientes que se aglutinarão para ter seus satélites lançados por esse trambolho tóxico ucraniano. Mas não se engane caro leitor, caso essa iniciativa não venha dar certo, como tudo parece indicar, alguém estará ganhando com isso e não será a sociedade brasileira, tenha certeza disso. Ao Brasil restará uma região contaminada, nenhum ganho tecnológico, um tremendo rombo no erário público e a imagem de um país de tolos irresponsáveis e corruptos perante a comunidade internacional. A Ucrânia restará uma classe de profissionais altamente qualificados formados e treinados às custas do povo brasileiro, um novo foguete que facilmente poderá ter seus motores trocados por motores mais ecológicos e assim poderem ser lançados de sítios de países mais sérios ao redor do mundo, entre outros benefícios diretos e indiretos. Lamentável!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial