Setor Espacial Terá R$ 9 Bi para Formar Mão de Obra

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (21/03) no site do jornal “Valor Econômico” destacando que segundo o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, o governo pretende acelerar a formação de profissionais altamente qualificados no setor, com investimentos de R$ 9,1 bilhões no período 2012-2021.

Duda Falcão

Tecnologia

Setor Espacial Terá R$ 9 Bi
para Formar Mão de Obra

Por Daniel Rittner
De Brasília
21/03/2013 às 00h00

Para evitar um apagão de mão de obra no desenvolvimento de suas atividades espaciais, o governo pretende acelerar a formação de profissionais altamente qualificados no setor, com investimentos de R$ 9,1 bilhões no período 2012-2021.

Caso todas as promessas de investimentos realmente saiam do papel, estimativas extraoficiais apontam a necessidade de contratação de mais 3 mil profissionais nos próximos dois anos. O número engloba não só cientistas e engenheiros aeroespaciais, mas também especialistas envolvidos em outras áreas da cadeia produtiva, como físicos, químicos e técnicos de laboratório.

Segundo o presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, pelo menos quatro ações sendo preparadas para atacar o déficit de engenheiros aeroespaciais: a abertura de cursos de graduação especializados em universidades federais, o envio ao exterior de 300 estudantes de mestrado e doutorado, a importação de profissionais estrangeiros e novos concursos públicos.

Hoje existem apenas seis faculdades no país com graduação em engenharia aeroespacial. "Isso não é suficiente. A demanda por especialistas vai ser muito grande", diz Coelho. Ele afirma que está negociando a criação de novos cursos com três universidades federais: a UFF (Federal Fluminense), a UFCE (Ceará) e a UFRN (Rio Grande do Norte). "Quando a agência foi instalada, há 19 anos, não havia nenhum apelo para esses cursos. Hoje é bem diferente."

Nos níveis de mestrado e doutorado, o plano é enviar cerca de 300 estudantes ao exterior, dentro do programa Ciência Sem Fronteiras. Até agora, a concessão de bolsas na área se resume a dez alunos de mestrado da Universidade de Brasília, que foram completar sua formação em engenharia aeroespacial na Ucrânia.

"Estamos estudando a iniciativa de contratá-los. Parte pela própria AEB, parte pela Alcântara Cyclone Space (empresa binacional constituída entre o Brasil e a Ucrânia) e parte pela indústria nacional", diz Coelho. A fim de ampliar o número de brasileiros estudando em centros de referência mundial, uma proposta de mandar mais 300 mestrandos e doutorandos, a partir de 2014, foi levada ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) no mês passado. Os países-alvo são principalmente Rússia, Ucrânia, Estados Unidos, Japão, França e Itália.

Até a importação de especialistas, aproveitando a disponibilidade de mão de obra por causa da crise internacional, entrou no radar do governo. "Queremos atrair gente de fora. Sabemos até de americanos que perderam emprego na Nasa. A Espanha também tem um programa especial muito ativo e possui mão de obra disponível", observa Coelho. Segundo ele, os estrangeiros poderão ser alocados em universidades ou em órgãos oficiais envolvidos com o programa espacial, como o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e o Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).

A estratégia de atacar o risco de déficit de profissionais se complementa com a abertura de concursos. Na AEB, que funciona com pessoal cedido de outras instituições, a meta é fazer o primeiro concurso em quase duas décadas de história. Um projeto de lei foi aprovado na Câmara dos Deputados, criando um quadro próprio da agência, e ainda tramita no Senado. O primeiro concurso, tão logo seja autorizado, abrirá vagas para 120 a 150 pessoas. "Daremos prioridade às áreas mais técnicas", afirma Coelho, garantindo que pelo menos 80% dos cargos serão para as atividades-fins.

Para ele, não é mais possível trabalhar apenas com cargos comissionados, que têm salários relativamente baixos e são muito instáveis. "É um desastre. No princípio, a AEB se restringia a conversar com os órgãos executores do programa espacial. Hoje, assumimos diretamente uma parte do programa. Não concebemos mais uma agência sem um quadro de pessoal próprio."

Para a Associação Aeroespacial Brasileira, uma entidade civil que congrega representantes do setor, o governo precisa agir urgentemente para resolver esses problemas. "Já temos um déficit de quadros", diz o presidente da entidade, Paulo Moraes Júnior.

De acordo com ele, um tema que aflige o setor é a aposentadoria de "dezenas" de profissionais no Inpe e no DCTA, agravando a escassez de mão de obra. "É um processo que tem ocorrido a conta-gotas. Se não houver uma reposição gradual, o problema vai se tornar crítico até 2015", ressalta Moraes, ele mesmo um engenheiro do DCTA que vai se aposentar no fim do ano que vem.

A associação vê demanda por mais 3 mil profissionais, nos próximos dois anos, mas destaca que não basta apenas formar gente. A preocupação é assegurar também que o programa espacial não será descontinuado e que não vão faltar oportunidades. "Isso geraria uma desmotivação muito grande", pondera.

O Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), lançado em janeiro, define prioridades para o período 2012-2021 e busca justamente dar mais previsibilidade aos principais projetos do setor. Ele prevê investimentos anuais perto de R$ 900 milhões, não só com base no orçamento da própria AEB, mas incluindo parcerias internacionais ou com empresas. É o caso do veículo lançador de satélites Cyclone-4, desenvolvido com a Ucrânia, e o satélite geoestacionário de defesa e comunicações estratégicas, que tem recursos da estatal Telebras.

A projeção de investimentos é uma gota no oceano de US$ 276 bilhões que a indústria espacial de todo o mundo movimentou em 2010 (último dado disponível). Países como Brasil, Argentina, México, Coreia do Sul, África do Sul, Cazaquistão e Ucrânia têm investido uma média de US$ 100 milhões a US$ 200 milhões por ano. Novos atores, como Austrália, Taiwan, Indonésia, Tailândia, Malásia, Bolívia, Chile e Venezuela têm investido entre US$ 20 milhões e US$ 50 milhões.


Fonte: Jornal Valor Econômico - 21/03/2013 - Via NOTIMP da FAB

Comentário: KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, desculpe-me leitor, mas tem de sorrir para não chorar. Às vezes eu fico me perguntando se o Sr. José Raimundo Coelho realmente acredita em baboseiras com essa? Ora leitor, faça-me uma garapa. Ou o presidente da AEB é um completo ingênuo ou não é uma pessoa séria. Não é possível Sr. José Raimundo que o senhor venha a público divulgar uma notícia estapafúrdia com essa, tenha dó e responsabilidade (não insulte a minha inteligência e a de meus leitores), não só para com o povo ao qual o senhor representa, mas também com a sua própria profissão. Notícias fantasiosas com essa só vem atrapalhar o PEB, que já está com a sua imagem super abalada perante a sociedade brasileira, e não precisa mais de promessas e expectativas sem qualquer fundamento. O que o senhor precisa dizer é que o programa está passando pelo seu pior momento, e que o governo não tem interesse no mesmo, tendo como seu plano empurrá-lo com a barriga, seguindo assim o exemplo de governos anteriores. Assim o senhor estaria realmente ajudando a sensibilizar a sociedade em prol do PEB e não indo a mídia para divulgar essas notícias fantasiosas. Faça a sua parte, é tudo que pedimos. Lamentável!

Comentários

  1. Esse cara é um..............! Não inspira confiança em mim!

    Deus nos proteja!!

    ResponderExcluir
  2. Tomara que tudo seja verdade,más em se tratando de Brasil é melhor sentar!.

    ResponderExcluir
  3. Parece coisa de maluco...

    Para que 3.000 profissionais se os únicos lançamentos regulares que ocorrem nesse país são os nossos espetaculares Foguetes de Treinamento.

    E mesmo assim, só o Básico e o Intermediário. O Avançado ainda está nos sonhos...

    Só pode ser brincadeira.

    ResponderExcluir
  4. Mais uma propaganda para iludir os incautos. Noticias como essa, já vi aqui no blog umas duas ou três vezes, e só estou por aqui a cerca de um ano... e nenhuma delas foi concretizada.

    O mais humilhante é o carinha querer comparar o programa brasileiro com os novos players minúsculos lá fora. A comparação deve ser feita com os BRICS, e aí perdemos feio.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial