AEB/ANA Divulgam Estudo p/Microssatélites Meteorológicos

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (21/03) no site da Agência Espacial Brasileira (AEB) destacando que a mesma em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA) divulgaram um estudo  de viabilidade para microssatélites meteorológicos.

Duda Falcão

Divulgado Estudo de Viabilidade para
Microssatélites Meteorológicos


Brasília, 25 de março de 2013 – Eventos hidrológicos extremos, como cheias e estiagens, e seus impactos são apenas alguns dos motivos que fizeram com que a Agência Nacional de Águas (ANA) procurasse a Agência Espacial Brasileira (AEB) para desenvolver, em parceria, um sistema de satélites com a missão de coletar dados hidrometeorológicos.

Recentemente, as duas instituições assinaram memorando de entendimento e formaram um Grupo de Trabalho (GT), com representantes da AEB, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) e da ANA.

Como resultado, o GT publicou o “Estudo de análise de viabilidade e alternativas de configuração de microssatélites para contribuir na missão ANA em sua coleta de dados hidrometeorológicos”. O documento expressa as alternativas de configuração para a missão que atendam a realidade atual e busquem a otimização da infraestrutura já instalada no Brasil e gerenciada pela ANA, também visando a economicidade dos recursos públicos. A ideia é que as instituições possam desenvolver uma constelação de pequenos satélites para aperfeiçoar o sistema brasileiro de monitoramento de águas.

“O uso de sistemas espaciais é imprescindível para coletar dados em áreas geográficas em que se têm dificuldades ou restrições de acesso. Com o uso de satélites, pode-se avaliar, com rapidez e razoável precisão, eventos dependentes das mudanças meteorológicas relativas à variação do tempo, especificando-se com precisão sua localização geográfica”, explica o presidente da AEB, José Raimundo Coelho.

Conclusões – O Grupo de Trabalho concluiu que os satélites para o novo sistema devem ser um aperfeiçoamento do SCD-1 e SCD-2, satélites atualmente utilizados. Além de modernizados, deverão contar com novos subsistemas para possibilitar correções de atitude e órbita.

De fato, os novos satélites para coleta de dados devem possuir um subsistema de propulsão, de forma a garantir manobras de mudança de fase nas órbitas, conforme requerido pelas alternativas de solução. Também deverão contar com um subsistema de controle de atitude em três eixos, necessário para o correto apontamento dos satélites. No mais, os satélites contarão com subsistemas semelhantes aos presentes no SCD-2, capazes de atender às funções básicas de sobrevivência e aos requisitos da missão.

Ao contrário do que tem sido a regra para os satélites desenvolvidos até o momento pelo Brasil, por tratar-se de uma possível constelação de vários satélites, seu desenvolvimento e produção permitirão ganhos de escala industrial, com o consequente barateamento do valor unitário de cada satélite.

O novo sistema também fará pleno uso da infraestrutura de solo já existente para controle, recepção e armazenamento de dados, mas imporá aos técnicos e organizações envolvidas um novo desafio, que será o de gerir uma constelação de satélites, o que nunca foi feito antes no Brasil.

OBS: Caso o leitor queira dar uma olhada no resumo desse estudo clique aqui.


Fonte: Agência Espacial Brasileira (AEB)

Comentário: Muito bom leitor e já havíamos aqui anunciado esse entendimento entre a AEB e a ANA que é fruto de uma visão (creio eu estabelecida pelo atual ministro do MCTI, Marco Antônio Raupp, quando de sua gestão junto a AEB) de trazer outras instituições e ministérios a participarem do esforço da Agência nas atividades espaciais do país em projetos de interesse comum, aumentando assim os recursos. Entretanto, apesar de ser uma iniciativa louvável e até necessária, não passa de um paliativo e não resolverá o problema de descaso do Governo DILMA ROUSSEFF para com o PEB, que só será resolvido mesmo quando esse programa deixar de ser programa de governo e passar a ser programa de estado, passando também pelo compromisso de transformá-lo num verdadeiro programa estratégico e não na versão estratégica apresentada pelo governo DILMA, que na realidade não passa de um conto de fadas.

Comentários

  1. A boate Kiss, Petrópolis e o nosso PEB.

    Todos sabemos que o que ocorreu na Boate, o que ocorre TODOS os anos em Petrópolis e outras cidades, são ASSASSINATOS.

    Assassinatos que vão ficar impunes, como tantos outros. De forma um tanto diferente, pois no caso da boate, a culpa é atribuída a quem diretamente iniciou o incêndio (entendo que de forma não intencional, apesar de irresponsável), no entanto, os verdadeiros culpados, que são aqueles que deveriam fiscalizar e restringir a possibilidade desse tipo de acidente, passam "ao largo", e provavelmente sequer serão citados.

    No caso das enchentes, fica ainda pior, pois a culpa é atribuída a "fatalidades climáticas", quando TODOS sabem que TODOS os anos nessa época acontece a mesma coisa (igualzinho a seca no Nordeste). Eles aparecem, mandam rezar uma missa, fazem um monte de promessas, e ano que vem tudo se repete. Nesse caso, nenhum culpado por esses assassinatos é sequer citado, pois eles se escondem atrás das tais "fatalidades climáticas".

    Isso deve dar bem a dimensão que o nosso PEB tem no contexto desse "governo" populista.

    ResponderExcluir
  2. Esperemos que esse desenvolvimento possa servir de futuro para encontrar agua na lua e e mais lugares no espaço profundo. Sonhar as vezes não faz mal a ninguém.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022