Mais Informações Sobre os Problemas do CBERS 3

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (18/03) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski, dando destaque a uma nota divulgada este final da semana pelo “Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia (SindCT)” sobre o atraso no lançamento do satélite CBERS 3. Vale a pena conferir.

Duda Falcão

Mais Informações Sobre os
Problemas do CBERS 3

André Mileski
SindCT
18/03/2013

Reproduzimos abaixo uma nota divulgada no final da semana passada pelo Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia (SindCT) sobre o atraso no lançamento do satélite CBERS 3 em razão de problemas em componentes, tema já explorado em algumas postagens do blog:

Lançamento do CBERS-3: Adiamento é Inevitável

Os novos testes de equipamentos e componentes sobressalentes do satélite CBERS-3 realizados até março de 2013 no INPE, envolvendo os conversores DC/DC fabricados pela empresa americana MDI, trouxeram um resultado péssimo e condenatório.

Enquanto as normas técnicas aplicáveis (conforme apontado por um consultor estrangeiro independente contratado pela AEB) exigem que nenhum componente de um determinado lote deixe de funcionar quando submetido a testes ambientais, vários componentes (incluindo um equipamento) não resistiram e pifaram!

Tecnicamente falando, a engenharia do INPE já firmou posição de que não pode garantir a confiabilidade adequada para se obter o sucesso da missão, caso o satélite CBERS-3 seja lançado nestas condições.

De fato, lançar o satélite sem que todas estas falhas de equipamentos e componentes sejam detalhadamente analisadas e corrigidas, seria bastante temerário. Apesar do corpo técnico firmar este entendimento, setores do governo (incluindo a AEB e o próprio MCTI) continuam se articulando nos bastidores para que o satélite seja lançado a qualquer custo. Neste sentido, é fundamental que a direção do INPE venha a público manifestar sua opinião oficial sobre o assunto.

O SindCT apoia incondicionalmente a posição sustentada pela maioria dos técnicos do INPE que atuam no programa, no sentido de que o mais sensato a ser feito no momento é suspender o cronograma de lançamento do satélite até que todas estas incertezas sejam tratadas e corrigidas, mesmo que para isso tenhamos que conviver com um atraso de dois anos ou mais até o lançamento efetivo do CBERS-3.

O lançamento do satélite com sua confiabilidade abalada por estas falhas, além de vir a representar (em caso de falha da missão) um enorme desperdício de dinheiro público (só os gastos com lançamento estão orçados em mais de R$20 milhões!), trarão prejuízos políticos incomensuráveis à imagem do INPE e de todo o programa espacial brasileiro.


Fonte: Blog “Panorama Espacial“ – André Mileski

Comentário: Bom, muito bom mesmo que o SindCT venha a público e exponha o risco que se corre no lançamento desse satélite da forma que o governo DILMA ROUSSEFF está planejando, para que não fique parecendo que o blog andou publicando inverdades, mesmo não sendo o blog a origem da notícia. Parabéns ao SindCT pela coragem de trazer para a sociedade a verdadeira cara do governo DILMA ROUSSEFF e de seus energúmenos de plantão, pelo menos nesse caso específico.

Comentários

  1. Oi Duda, será que os chineses também não estão fazendo pressão para lançar? Esses problemas vão afetar os instrumentos deles ou apenas os brasileiros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcelo!

      Não amigo, o problema foi com os componentes da parte brasileira do projeto. É possível que os chineses estejam pressionando, mas dentro do que é razoável, já que diferentemente do governo brasileiro o governo chinês não é tão irresponsável assim. Entretanto, provavelmente a continuação do programa CBERS após o CBERS-4 dificilmente se realizará. Esse incidente foi um desastre para o Brasil e o melhor é ter cuidado para não se realizar um desastre ainda maior.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  2. http://www.aeb.gov.br/wp-content/uploads/2013/01/PNAE-Portugues.pdf

    ResponderExcluir
  3. Caro Anônimo!

    Não sei qual foi o seu objetivo quando enviou o link do novo PNAE para o blog, mas enfim...

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  4. E as falhas surgiram de novo nos conversores DC/DC. Que mais é preciso para que o Brasil sugira o adiamento do lançamento da missão CBERS-3? Será que é necessário a China dizer que não quer componentes brasileiros no satélite? Será que não são capazes de ver que fizeram danos suficientes num programa cheio de êxito até agora para que este venha a ser cancelado? Vá lá gente, abram os olhos!!!

    ResponderExcluir
  5. " O que faz os institutos lançar-se aos programas espaciais, em cooperações recíprocas que ambos convergem em uma única palavra "RESPONSABILIDADE E DISCIPLINA", o que nós comentamos antes como alerta, tudo está se cumpindo, agora!
    Um país como nosso, recheado de imcompetência política, refletiu negativamente no projeto CBERS, determinando em uma grande aventura desbravadora para lançar o nosso satélite e expondo os riscos imponderáveis do réves. Faça-se essa pergunta aos seguidores do Blog, e a resposta será unanime.
    Trata-se do sabor inveterado do não compromisso com a missão.
    Lançar é preciso, satelizar é necessário para não perdermos a grande chance com a nação prospera, que é a China.
    Atenção todos do Blog, OUTRO ALERTA! Se não desenvolvermos urgentemente o projeto SATÉLITE AMAZÔNIA, e o lançarmos urgentemente, iremos perder futuramente uma grande área da
    Amazônia pelos egoistas U.S.A.. Já é de conhecimento que está tendo de forma gradual, a invasão de estrangeiros em nosso território amazonense, e os mesmos estão de olho na nossa reserva e principalmente a ÁGUA, de tão preciosa.
    Os invasores determinam horários de circulação para nos brasileiros, e algumas tribos já estão usando os verbertes da língua inglêsa. Que ridículo, não duvido nada, que eles estão vendendo nossos própios territórios.
    É por isso que os americanos estão tentando de forma gradual atrasar nosso PEB, nossos satélites,etc".

    ResponderExcluir
  6. " O que faz os institutos lançar-se aos programas espaciais, em cooperações recíprocas que ambos convergem em uma única palavra "RESPONSABILIDADE E DISCIPLINA", o que nós comentamos antes como alerta, tudo está se cumpindo, agora!
    Um país como nosso, recheado de imcompetência política, refletiu negativamente no projeto CBERS, determinando em uma grande aventura desbravadora para lançar o nosso satélite e expondo os riscos imponderáveis do réves. Faça-se essa pergunta aos seguidores do Blog, e a resposta será unanime.
    Trata-se do sabor inveterado do não compromisso com a missão.
    Lançar é preciso, satelizar é necessário para não perdermos a grande chance com a nação prospera, que é a China.
    Atenção todos do Blog, OUTRO ALERTA! Se não desenvolvermos urgentemente o projeto SATÉLITE AMAZÔNIA, e o lançarmos urgentemente, iremos perder futuramente uma grande área da
    Amazônia pelos egoistas U.S.A.. Já é de conhecimento que está tendo de forma gradual, a invasão de estrangeiros em nosso território amazonense, e os mesmos estão de olho na nossa reserva e principalmente a ÁGUA, de tão preciosa.
    Os invasores determinam horários de circulação para nos brasileiros, e algumas tribos já estão usando os verbertes da língua inglêsa. Que ridículo, não duvido nada, que eles estão vendendo nossos própios territórios.
    É por isso que os americanos estão tentando de forma gradual atrasar nosso PEB, nossos satélites,etc".

    ResponderExcluir
  7. Por mais que se tente defender o INPE, nossos técnicos foram de uma incompetência sem tamanho.
    Como se explica comprar componentes de uma empresa de fama duvidosa e nem sequer fazer testes que comprovem a qualidade do produto?. Sim por que foi necessário o satélite ser enviado para a China para se detectar o defeito nos componentes.
    agora o sindCT se preocupa com a imagem da categoria, mas a categoria já esta com sua imagem manchada com o país e com a China,pois não é o primeiro satélite que falha justamente na parte que nos toca.
    Alias se eu fosse os Chineses romperia esse acordo e procuraria parceiros mais competentes para executar esse programa, afinal o Cbers 3 era pra já estar sendo substituído pelo seu sucessor e em vês disso nós propomos a eles um adiamento por mais dois anos.
    Ninguém pode negar o desleixo e a falta de compromisso do governo com o PEB, mas no caso do Cbers o INPE tem grande parte da culpa pelo fiasco que é esse programa.
    Muito dinheiro foi pelo ralo com os erros cometidos e muito mais vai para a lata do lixo se adiarmos mais ainda esse lançamento.
    na minha humilde opinião se é para empurrarmos mais ainda esse moribundo com a barriga, que o deixemos morrer de uma vez e usemos esses recursos em satélites verdadeiramente nacionais como o Amazônia e o Lattes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Parbéns Sro. Daniel , concordo com gênero, número e grau!".

      Excluir
  8. Falou tudo Daniel, "CULPADOS".

    Sejamos justos, comprar componentes americanos é como dar murro em ponta de faca, não estou sendo antiamericano.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial