Missão Europeia Que Analisará Exoplanetas Contará com Instrumento da NASA

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada ontem (13/11) no site “Canaltech”, destacando que Missão Europeia que analisará exoplanetas contará com Instrumento da NASA.

Duda Falcão

HOME - CIÊNCIA - ESPAÇO

Missão Europeia Que Analisará Exoplanetas Contará com Instrumento da NASA

Por Felipe Junqueira
Canaltech
Fonte: NASA
13 de Novembro de 2019 às 18h40

A NASA anunciou que vai contribuir com a missão ARIEL, programada pela Agência Espacial Europeia (ESA) para 2028. A pretensão é que a sonda observe, em sua fase inicial, nada menos que 1.000 exoplanetas em quatro anos, e a parceria com a agência norte-americana vai garantir um instrumento de análise atmosférica.

Chamado de CASE, o instrumento vai permitir aos astrônomos detectar se o céu de cada exoplaneta analisado é nublado, fechado ou limpo. Os resultados permitirão um entendimento maior sobre como se forma a atmosfera dos planetas além do Sistema Solar e como ela muda com o tempo.

O telescópio espacial James Webb, que deve ser lançado em 2021, também vai fazer algumas análises da atmosfera de exoplanetas. Mas, como há outras missões separadas para o instrumento, ele só poderá observar alguns desses corpos celestes. Por isso a NASA optou por participar da missão ARIEL, que tem objetivo mais focado. 

Análise da Luz Para Saber se Atmosfera Possui Nuvens 

(Imagem: IAU)
Instrumentos vão analisar reação da luz ao passar pela atmosfera dos exoplanetas.

Não é necessário viajar até o exoplaneta para obter as informações que a ARIEL vai buscar. Os instrumentos captam dados a partir da luz emitida pela estrela em torno da qual o planeta orbita, uma vez que, de nosso ponto de vista, eles passam na frente dela ocasionalmente. A partir daí, é possível obter informações sobre composição e temperatura, bem como reações químicas que ocorrem na atmosfera.

O CASE, cujo nome vem das iniciais de Contribution to ARIEL Survey of Exoplanets (“contribuição à pesquisa ARIEL de exoplanetas”, em tradução livre), vai captar ondas de luz visíveis e infravermelhas que passaram pela atmosfera dos exoplanetas. Com a condensação de nuvens, e a luz reage de maneira diferente dependendo da quantidade de água condensada pela qual passa.

Os estudos vão ajudar os astrônomos a descobrirem que tipo de processos físicos e químicos acontecem nesses exoplanetas, e isso leva a descobrir qual das duas teorias mais aceitas atualmente tem mais chance de estar correta: se é a que sugere que os planetas tendem a ter frações semelhantes de elementos pesados de suas estrelas, ou se é a que acredita que essas frações podem ser diferentes. Além, claro, guiar novos estudos envolvendo a formação planetária.


Fonte: Site Canaltech -  https://canaltech.com.br


Comentário: Pois é leitor, a NASA esta em todas, inclusive nas missões espaciais de outras nações. Será que agora o leigo entende a importância do Acordo de Salvaguardas Tecnológicas????? A ESA o tem com os americanos e com isso essa missão em cooperação é possível, caso contrario, não seria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022