Blog Entrevista Coordenador do Projeto do Nanosatélite 14-BISat

Olá leitor!

Uma vez mais no intuito de manter nossos leitores sempre bem informados sobre as atividades espaciais em curso em nosso país, trazemos para você mais uma entrevista da série “Personalidades do Programa Espacial Brasileiro (PEB)”.

Desta vez o leitor poderá conferir uma interessante entrevista com o Prof. Cedric Salotto, coordenador do “Centro de Referência em Sistemas Embarcados e Aeroespaciais (CRSEA)” do Instituto Federal Fluminense (IFF) da cidade de Campos dos Goytacazes (RJ).

Nesta entrevista o Prof. Cedric nos fala sobre a sua carreira e os projetos espaciais em curso no CRSEA, como por exemplo, o Projeto do Nanosatélite 14-BISat, o Projeto da Câmara Termo-Vácuo para Teste de Nanossatélites, o Projeto do Foguete de Sondagem Atmosférica, o Projeto de Um Sistema GPS, entre outros. Vale a pena conferir.

Aproveitamos para agradecer de público a atenção dispensada pelo Prof. Cedric Salotto e pelo Instituto Federal Fluminense ao Blog BRAZILIAN SPACE desde o nosso primeiro contato. Muito obrigado Prof. Cedric e sucesso sempre.

Duda Falcão

Prof. Cedric Salotto
BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, para aqueles leitores que não o conhecem e ao seu trabalho, nos fale sobre o senhor, sua idade, formação, onde nasceu e desde quando está atuando como docente no Instituto Federal Fluminense (IFF)?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Iniciei minha vida profissional em 1985 numa Central IBM no Rio de Janeiro enquanto cursava Engenharia Elétrica. No ano seguinte me tornei empresário montando uma indústria de equipamentos eletrônicos no ramo biomédico. Segui fabricando até 1991 tendo superado o Primeiro Plano Collor, porém, decidi fechar a firma após o início do Segundo Plano Collor para evitar uma possível abertura de falência. Toda vida teve de ser alterada e recomeçada. Em fim, passei minha carreira para o ramo do petróleo, com base na cidade de Macaé em uma multinacional, onde trabalhei tanto em poços de petróleo no mar e em terra como nos laboratórios de eletrônica com equipamentos para prospecção de petróleo com tecnologia de ponta na época. Após essa odisséia fiz o concurso público para o cargo de professor de eletrônica do atual Instituto Federal Fluminense (IFF) onde atuo há 18 anos. Nascido em Campos dos Goytacazes há 51 anos, pude retornar a cidade natal para desenvolver minhas habilidades como Educador, Investigador tecnológico e Empreendedor no IFF, além da oportunidade de concluir a formação acadêmica em Analista de Sistemas e aguardando o início do doutorado. No IFF tenho o cargo de Coordenador do Centro de Referência em Sistemas Embarcados e Aeroespaciais (CRSEA).

Na imagem abaixo estou explicando para a repórter da Rede Globo de Cuiabá as funções do painel de telemetria do nosso Quadricóptero.


BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, como e quando surgiu à idéia da criação do Centro de Referência em Sistemas Embarcados e Aeroespaciais (CRSEA) do IFF?

PROF. CEDRIC SALOTTO: O CRSEA foi resultado de uma confluência de fatores que se deu em 2012. De um lado eu já vinha atuando em projetos diversos como do foguete de sondagem atmosférica, do quadricóptero, sistemas embarcados com GPS, FPGAs e outros de eletrônica e eletromecânica  voltada para sistemas aeroespaciais. Complementarmente, a equipe do prof. Rogério Atem, coordenador do Núcleo de Pesquisa em Sistema de Informação do IFF (NSI), vinha atuando também por uma década em sistema de informação industrial e cooperação internacional. Desta forma eu e Rogério vislumbramos criar o Centro de Referência agregando outros pesquisadores das áreas de Controle e Automação, Elétrica e Mecânica, onde o NSI poderia apoiar com a sólida experiência em software e rede de computadores. Com o apoio da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec/MEC), decidimos então criar uma experiência pioneira dentro da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (EPCT), que seria o Centro de Referência em Sistemas Embarcados e Aeroespaciais. Preparamos o projeto, que foi aprovado em todas as instâncias e iniciou sua atuação em 2013, com apoio da Setec/MEC e da AEB.

Para quem gosta de aeronaves, segue abaixo uma foto tirada na Olimpíada do Conhecimento, Anhembi SP 2012, do Quadricóptero do IFF onde foram feitas inúmeras apresentações de voos dentro do pavilhão. Vemos nesta foto ilustres representantes da Setec/MEC e de Institutos Federais.


BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, quantos pesquisadores entre professores e alunos desenvolvem pesquisas hoje no CRSEA?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Atualmente somos oito pesquisadores e dez alunos; temos ainda o pessoal associado de outras instituições como da UENF e do IFMT e de outros núcleos de pesquisa do próprio IFF.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, dentre os diversos projetos em curso no CRSEA talvez o mais conhecido deles pelo público em geral seja o projeto de integração e montagem do nanosatélite “14-BISat” para a missão multinacional QB50. Como surgiu a oportunidade do IFF participar dessa missão internacional?

PROF. CEDRIC SALOTTO: O Projeto da Missão QB50, liderado pelo Von Karman Institute for Fluid Dynamics (VKI)-Bruxelas, Bélgica, iniciou atividades realizando Workshops para as instituições que desejavam participar deste projeto. Fui enviado pela direção do IFF para participar do 2º Workshop, quando então, tive a oportunidade de conhecer representantes de muitas instituições de ensino de diversas partes do mundo. Nesta ocasião iniciamos as parcerias com a Tekever SA e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto que lá estavam com o projeto do GAMASAT, o nanosatélite 3U deles. Assim, decidimos percorrer juntos a maior parte das fases de construção de 14-BISat.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, existe alguma outra instituição envolvida no desenvolvimento do 14-BISat além do IFF?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Sim, o nanosatélite 14-BISat está sendo projetado e desenvolvido em parceria com a Tekever SA e a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), Portugal.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, qual será as dimensões deste nanosatélite e as suas cargas úteis?

PROF. CEDRIC SALOTTO: O 14-BISat é um CubeSat 2U, assim, ele possui 20x10x10cm de dimensões. Suas cargas úteis são duas:

- Fipex (Flux-(Phi)-Probe-Experiment): desenvolvido pela Universidade de Dresden, é uma das três cargas padrões do Projeto Missão QB50. Basicamente é um sensor empregado para medir concentrações de Oxigênio Atômico e Molecular em LEO.

- GAMALink: desenvolvido pela Tekever SA, FEUP e IFF, é um link em Banda S, implementado em Software Defined Radio, com funcionamento de forma ad-hoc, que fará conexão para trocas de dados em alta velocidade entre satélites e entre estes e as estações terrestres. O GAMALink possui também o segmento terrestre, chamado de Gamanet.

A figura exemplifica uma comunicação entre satélites cubesats e o segmento terrestre.


BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, quando e como o nanosatélite 14-BISat deverá ser lançado ao espaço?

PROF. CEDRIC SALOTTO: O 14-BISat será lançado junto com os outros 49 satélites integrantes do QB50 em janeiro de 2016, por um foguete Ciclone 4, a partir do Centro de Lançamento de Alcântara.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, qual a origem do nome desse  nanosatélite e quantos pesquisadores estão hoje envolvidos com este específico projeto?

PROF. CEDRIC SALOTTO: A ideia foi homenagear Santos Dumond, um brasileiro inovador, criador de tecnologia, que colocou suas ideias em prática e fez História. Neste projeto específico, no CRSEA somos cinco pesquisadores e seis alunos diretamente envolvidos.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, existe a pretensão no IFF de dar continuidade após o lançamento do 14-BISat, ou seja, haverá um 14-BISat-2?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Sim, estamos firmando acordos com outras instituições que desejam compartilhar missões. Também fazemos parte da missão SERPENS da AEB. Certamente destas parcerias surgirão novas missões e novos satélites. Também temos conversações para realização de missões exclusivas do IFF que atendam demandas do Brasil.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, com o desenvolvimento dessa tecnologia de nanossatélites no IFF, existe a pretensão de se explorar esse conhecimento no desenvolvimento de projetos mais significativos, como por exemplo, uma missão em Órbita Lunar?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Certamente o conhecimento obtido na missão QB50, com o 14-BISat, será empregado em outras aplicações. Ainda não vislumbramos nenhuma missão como a que você se referiu, mas uma série de outras típicas de nanosatélites, como observação terrestre, rastreamento de veículos, comunicação em Rede Espacial,... É importante ressaltar que a tecnologia espacial tem também aplicação em outras áreas em terra ou mar.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, voltando aos outros projetos do CRSEA menos conhecidos do público em geral, um dos que mais chama atenção do Blog BRAZILIAN SPACE é o projeto de implementação da “Rede Integrada Brasileira de Rastreamento de Satélites (RIBRAS)”. O que o senhor pode nos dizer sobre esta iniciativa?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Este projeto originou-se com uma iniciativa do IFF junto a Setec/MEC, que visava implantar estações de rastreamento em seis Institutos Federais distribuídos pelo território nacional tendo dentre outras finalidades a disseminação do conhecimento em aeroespacial entre Instituições Brasileiras e integrar ainda mais os Institutos Federais em um trabalho comum de pesquisa aeroespacial. A AEB diante da importância de se ter uma rede de estações educacionais cobrindo todo o território nacional, tanto em termos operacionais, quanto em termos educacionais e científicos nos solicitou que a mesma fosse ampliada adicionando-se quatro Universidades Federais, formando assim uma rede de 10 estações. Assim, a AEB decidiu financiar a RIBRAS além de apoiar ao 14-BISat. Com estas ações, nós na posição de educadores e pesquisadores passamos a vivenciar uma atividade muito agradável por termos a Setec/MEC financiando o 14-BISat apoiado pela AEB e a RIBRAS financiada pela AEB e apoiada pela Setec/MEC.

Esta rede operará em modo Duplex nas 3 bandas: S, UHF e VHF, podendo funcionar em modo “manual”, onde pesquisadores e alunos comandarão os equipamentos, ou automático, onde, através do Centro de Controle do IFF ou o Centro de Controle do IFMT, empregando softwares de orquestração e automação por nós desenvolvidos, serão comandadas remotamente e de maneira automática, visando a otimização da comunicação entre os segmentos terrestre e espacial.

Esta figura ilustra a configuração funcional da RIBRAS. Pode-se notar que as dez estações estarão integradas pela internet com dois servidores unindo-as.


Com a RIBRAS será possível a participação conjunta de instituições Brasileiras com instituições estrangeiras em missões internacionais, além da grande possibilidade de comunicações com satélites educacionais funcionando em modo “Constelação”.

No mapa abaixo temos a localização de onde serão instaladas as 10 estações da RIBRAS. Os círculos representam o raio de ação de cada estação para uma condição extrema de órbita baixa, quando, por exemplo, os satélites do QB50 estiverem a 200 km de altitude e levando em consideração a comunicação a partir de 12 graus de elevação acima do horizonte.


BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, outros projetos de interesse espacial estão em curso no CRSEA e dentre eles citamos o Projeto de Hardware e Software de Comunicação, o Projeto da Câmara Termo-Vácuo para Teste de Nanossatélites, o Projeto do Foguete de Sondagem Atmosférica, o Projeto de um Sistema GPS e o Projeto de um Sistema de Rastreamento Solar. O que o senhor pode nos dizer sobre esses projetos e quais são hoje os seus estágios de desenvolvimento?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Na parte de Hardware e Software de Comunicação, desenvolvemos e integramos hardware e software para implementação de protocolos de comunicação empregados em outros projetos nossos e colaboramos com nossos parceiros portugueses no desenvolvimento de partes do GAMALink.

A Câmara Termo-Vácuo (CTV) para Teste de Nanossatélites é um projeto aprovado em edital de inovação do CNPq, onde temos a possibilidade de desenvolver e integrar hardwares e softwares para controle e automação dela. Ela será de pequeno porte, voltada para testes de nanosatélites. O projeto é realizado em parceria com a Tekever Brasil e a UENF.

O Foguete de Sondagem Atmosférica possui sistemas embarcados desenvolvidos por nós capazes de coletar e armazenar informações atmosféricas durante o voo, enviar sinais de telemetria e acionar seu paraquedas de recuperação no momento mais adequado, foi projetado e construído no IFF, estando plenamente operacional desde 2009.

O Sistema GPS envolveu projeto, construção e programação de Sistema de Rastreamento, empregando sistemas próprios de rádio comunicação e posicionamento em mapa digital. Está operacional desde 2012 para usos em até 18 km de altitude.

Finalmente, o Sistema de Rastreamento Solar é composto por um algoritmo em microcontrolador para determinação contínua da direção do sol e comando de servomotores para apontamento de painel fotovoltaico, também operacional desde 2012.

Existem ainda outros projetos, que desenvolvemos na área de sistemas embarcados, todos funcionais.

BRAZILIAN SPACE: Prof. Cedric, como o senhor avalia o atual estágio de desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Faço minha avaliação fundamentada e focada na experiência vivenciada em prol do desenvolvimento do Programa Espacial do Brasil.

Conforme acordo com a AEB e a Setec/MEC, fiz durante o ano passado muitas palestras para alunos e professores em diversas cidades dos estados do Acre, Roraima, Maranhão, Bahia, Mato Grosso, com o intuito de fomentar o interesse pela área aeroespacial, disseminando os assuntos de Mecânica Celeste, satélites, foguetes e aplicações desses...

Durante todas as dificílimas barreiras burocráticas que enfrentamos para a aquisição de materiais básicos para desenvolvimento do 14-BISat e da RIBRAS, vivenciei o enorme apoio e incentivo da Setec/MEC e da AEB, tendo sobre este aspecto o fato muito interessante de poder perceber que diversas formas de procedimentos começaram a ser repensadas, culminando em propostas de alterações de leis que facilitariam os mecanismos de execução de projetos de inovação tecnológica.

Outro fato que considero importante é a valorização da indústria nacional. Temos, de comum acordo, buscado ao máximo fabricar dentro do Brasil os itens que necessitamos em nossos projetos e aqui me refiro especificamente o segmento espacial e o terrestre que o CRSEA está envolvido. Em paralelo, temos feito parcerias no exterior com o intuito de nossos alunos se envolverem com outras tecnologias e metodologias na expectativa de que em um futuro próximo eles empreendam em nosso parque industrial com a construção de fábricas que atendam as nossas demandas.

BRAZILIAN SPACE: Finalizando Prof. Cedric, o senhor teria algo a mais a dizer para os nossos leitores?

PROF. CEDRIC SALOTTO: Em primeiro lugar agradeço a oportunidade de poder apresentar nosso trabalho aqui no Blog BRAZILIAN SPACE.

Pelo fato dos nossos assuntos em aeroespacial serem quase infindáveis, seja pela maravilha do Universo, seja por causa das tecnologias envolvidas, seja pela empolgante arte de sonhar e buscar executar, em fim, gostaria de deixar aqui o meu e-mail para que todos possam ficar a vontade para me escrever. Fiquem a vontade para anotar: cedric.salotto@iff.edu.br

Comentários

  1. Paulo Cesar (SJC)18 de julho de 2014 06:41

    Parabéns ao trabalho da equipe conduzida pelo professor Cedric. Pesquisas científicas feitas com organização e seriedade são demonstração de que a IFF é uma instituição comprometida com a formação e aperfeiçoamento de seus alunos na área aeroespacial. Uma unica ressalva é que como o lançamento previsto dos satélites do projeto QB-50 está planejado como sendo pelo ciclone provavelmente deverá ser alterado... pelo menos de acordo com o desenrolar dos eventos.
    Até o presente momento não temos a Base de Alcantara com estrutura pronta (as noticias veiculadas são de obras paralizadas e estruturas enferrujando...), crise na Ucrânia (sem o lançador) e sem licença ambiental para o lançamento (mesmo com o lançador pronto seria necessario).
    Lamentável que a ACS exponha o Brasil à ridicularização quando assina acordo de intenções para o lançamento do projeto de vulto como o QB-50 sem ter a minima previsão de que será possivel cumprir o previsto...

    https://www.qb50.eu/index.php/project-description-obj/launch-vehicle

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Paulo!

      Verdade amigo, mas a existência da ACS em si já é uma vergonha, e a iniciativa que gerou esta empesa é só o resultado de toda esta situação, fruto de uma acordo irresponsável de compensação política do PT para com o PSB que jogou por terra os nossos sonhos de fazermos parte do Clube Espacial. As pessoas envolvidas com esse desatino num país sério estariam presas e virando meninas e meninos em algum buraco do sistema carcerário, mas enfim... Brasil SIL SIL SIL.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial