SindCT Teme ‘Migração’ de Técnicos de INPE para Visiona

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (24/06) no site do jornal “O VALE”, destacando que o Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais na Área de Ciência e Tecnologia (SindCT) teme a ‘Migração” de técnicos do INPE para Visiona.

Duda Falcão

NOSSA REGIÃO

Sindicato Teme ‘Migração’ de
Técnicos de INPE para Visiona

Nova empresa vai desenvolver satélite geoestacionário
brasileiro e instituto tem mão de obra especializada para programa

Arthur Costa
São José Campos
24 de Junho de 2012 - 02:00

Foto: Arquivo /OVALE
Funcionário testa equipamento em laboratório do INPE

Em meio ao esforço do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) para reforçar seu quadro de servidores, a criação da Visiona, responsável por desenvolver o satélite geoestacionário brasileiro, pode representar um novo ‘golpe’ ao instituto: a migração de profissionais para a iniciativa privada.

O temor dentro do INPE é de que a Visiona, uma ‘joint-venture’ entre Embraer e Telebrás, não tenha outro lugar para selecionar os profissionais que formarão sua equipe, senão o INPE.

“Não são muitos os profissionais com esse nível de capacitação no mercado”, afirmou o presidente do SindCT (Sindicato Nacional dos Servidores Federais em Ciência e Tecnologia), Ivanil Barbosa.

Para ele, dois tipos de profissionais podem preferir o salário da iniciativa privada.

“Temos servidores que já têm possibilidade de se aposentar mas que continuam no instituto. Eles não têm nada a perder e poderiam se aposentar e acumular a oportunidade de receber um bom salário da iniciativa privada”, disse Barbosa.

Outro grupo é formado por servidores mais jovens que, por lei, têm direito a pedir afastamento não remunerado por dois anos. O tempo seria suficiente para atuar no primeiro projeto da Visiona, uma vez que o primeiro satélite geoestacionário do país tem previsão para ser lançado em meados de 2014.

“Temos essa enorme apreensão. Certamente, vamos ver isso (migração) acontecer”, afirmou o sindicalista.

Equipe. O VALE solicitou uma entrevista com o presidente da Visiona, Nelson Salgado, para falar sobre o processo de formação da equipe, no entanto, não obteve retorno.

O efetivo da empresa não deverá ser grande. Inicialmente, os engenheiros e pesquisadores serão responsáveis por fazer a integração de componentes que não possuem fabricação nacional para a montagem do satélite.

A participação do INPE ficaria restrita ao recebimento de transferência de tecnologia dos parceiros selecionados pela Visiona.

Durante a posse do diretor do INPE, Leonel Perondi, no início do mês, o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, admitiu que a participação do INPE no desenvolvimento do satélite seria pequena, mas salientou que a partir dos lançamentos futuros, essa participação aumentaria.

“INPE a AEB (Agência Espacial Brasileira) farão papel de transferir tecnologia desse primeiro satélite para empresas brasileiras. Já no segundo satélite, teremos maior participação. Com o sucesso desse lançamento, a base Alcântara e do projeto Cyclone, poderemos avançar”, disse Raupp.

Para o satélite de 2014, a estimativa é que de 20% a 30% dos componentes sejam nacionais, índice que terá que subir, segundo Raupp, até 100% ao longo dos lançamentos futuros. O próximo satélite geoestacionário tem previsão de lançamento para 2019.

Procurado, Perondi preferiu não comentar o assunto.

Descrença - O SindCT não acredita na transferência de tecnologia e afirma que a comunidade científica se sentiu abandonada com a criação da ‘joint-venture’.

“A impressão é de que o INPE não foi capaz de fazer o satélite e agora tiveram que contratar a Embraer para fazê-lo. Talvez pela proximidade da data do lançamento, o governo tenha adotado essa postura de preferir comprar do que desenvolver”, disse Barbosa.

Nova empresa - A Visiona foi criada oficialmente no final de maio, após a aprovação da criação da empresa pelos conselhos administrativos de Embraer e Telebrás.

Atualmente, a empresa seleciona a equipe que atuará no projeto, sediado nas dependências do Parque Tecnológico de São José.

SAIBA MAIS

Visiona

Criada no final de maio, empresa será responsável pelo desenvolvimento do satélite geoestacionário com previsão para entrar em órbita em 2014

Equipe

Empresa seleciona profissionais para compor equipe. INPE seria alvo de buscas

INPE

Sindicato critica baixa participação do INPE no satélite

PROJETOS EM RISCO

Diretor Diz que Déficit é de 300 Profissionais

São José dos Campos - O diretor do INPE, Leonel Perondi, estima que seria necessária a contratação de 200 a 300 pessoas nos próximos três anos para dar continuidade aos projetos do instituto e transferir o conhecimento de profissionais perto da aposentadoria.

Para o SindCT, o número é insuficiente. A entidade trabalha com a necessidade de 800 novos profissionais.

No início do ano, o governo Federal anunciou a abertura de 107 vagas para o INPE. Os editais para as contratações estão sendo publicados no Diário Oficial da União.

Em seu discurso de posse, Perondi ressaltou a média de idade do instituto, de 54 anos.

“Cada pessoa que se aposenta leva uma bagagem de conhecimento. Se não repormos, perderemos esse conhecimento”, disse, à época.

O SindCT acredita que o INPE não tem recebido mais profissionais por falta de força política, uma vez que outros institutos, como o INCRA, tiveram o quadro de servidores reforçado.


Fonte: Site do Jornal “O VALE” - 24/06/2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial