Expedição Coleta Dados de Fluxos de CO2 Sobre o Oceano

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (28/06) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que expedição com a participação do INPE coletou dados de fluxos de CO2 sobre o Oceano.

Duda Falcão

Expedição Coleta Dados de
Fluxos de CO2 Sobre o Oceano

Quinta-feira, 28 de Junho de 2012

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) participou neste mês de expedição meteo-oceanográfica pela costa da região Sul para coletar dados do fluxo de dióxido de carbono (CO2) sobre o mar. Pela primeira vez, foi utilizada uma estação micrometeorológica especialmente criada para realizar medidas da transferência de CO2 entre o oceano e a atmosfera.

A nova estação, integrada no INPE com a colaboração da Universidade de Albany (Estados Unidos), possibilitou a coleta de informações que serão utilizadas em projetos como o Atlantic Ocean Carbon Experiment (ACEx), coordenado pelo pesquisador Luciano Pezzi, do INPE.

“São dados inéditos e importantes sobre os regimes de fluxos atmosféricos na região chamada de Atlântico Sudoeste. Com esses dados, vamos avançar no entendimento dos processos químicos, físicos e dinâmicos da interação oceano-atmosfera, bem como das trocas de fluxos nessa interface”, afirma Luciano Pezzi.

Os estudos sobre o balanço de CO2 são importantes para entender as conexões climáticas entre o oceano, a atmosfera e o continente sul-americano. Além de contribuir para o conhecimento acadêmico, com a publicação de artigos e teses, os resultados da análise dos dados devem refletir em melhorias nas previsões de tempo e clima para as regiões Sul e Sudeste do Brasil.

Também foi observada a variabilidade das correntes marinhas ao largo da costa do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Foram coletados dados sobre o sistema de correntes oceânicas chamado “Corrente do Brasil”, mais quente e salino do que a “Corrente Costeira do Brasil”, que sofre influência da descarga de água doce do rio do Prata e se torna mais fria e menos salina.

Simultaneamente às coletas oceanográficas foram lançados balões para sondar a atmosfera. Essas informações levantadas durante o cruzeiro serão aplicadas no projeto do Sistema Integrado de Monitoramento do Tempo, do Clima e do Oceano (SIMTECO).

“Esse monitoramento é fundamental para melhor entender o impacto de tais correntes marinhas na atmosfera. Este conhecimento poderá no futuro ajudar a melhorar as previsões do clima e do tempo da região sul do Brasil, assim como suas consequências sobre a linha da costa gaúcha”, diz o pesquisador do INPE.

Realizada de 11 a 21 de junho, a expedição a bordo do Navio Oceanográfico Cruzeiro do Sul partiu de Itajaí (SC), foi a Paranaguá (PR) e depois percorreu a costa até o Chuí (RS). Pouco estudada, a região é importante para o sequestro do dióxido de carbono atmosférico.

Participaram do cruzeiro oceanográfico pesquisadores do INPE, Universidade Federal de Itajubá (Unifei), Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Nova estação micrometeorológica foi instalada na
proa do navio oceanográfico Cruzeiro do Sul

Detalhe da estação micrometeorológica

Instrumento para medição das correntes oceânicas

Pesquisadores lançam balão meteorológico

Equipe dos projetos ACEX e SIMTECO


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial