CLA Prepara Voo Simulado do Veículo Lançador de Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (27/06) no jornal “O Estado do Maranhão”, destacando que como já anunciado pelo blog o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) está preparando um Vôo Simulado do VLS-1.

Duda Falcão

O País

CLA Prepara Voo Simulado do
Veículo Lançador de Satélites

Centro de Lançamento de Alcântara está recebendo as
estruturas do VLS-1 para a montagem na Torre Móvel de
Integração, como parte da Operação Salina, que está prevista
para acontecer no fim da primeira quinzena de julho

O Estado do Maranhão
27/06/2012

Ascom/CLA
Avião C-130 Hércules transporta as estruturas do VLS-1
para o Centro de Lançamento de Alcântara

O Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) recebeu novas estruturas para montagem do Veículo Lançador de Satélites (VLS-1). Uma simulação de preparação de voo do veículo deverá acontecer no fim da primeira quinzena de julho. Os trabalhos integram a Operação Salina, que será encerrada até o dia 20 do próximo mês. Para o lançamento do VLS, que permite um grau de complexidade maior, essas operações que estão ocorrendo com os foguetes de treinamentos são essenciais para manter o sistema em funcionamento e treinar as equipes.

Desde o dia 20 deste mês estão sendo transportadas para o CLA, em aeronaves C-130 Hércules e C-105 Amazonas, as estruturas do VLS-1. O veículo, que será montado na Torre Móvel de Integração (TMI), é uma estrutura real, mas sem combustível ou satélite a bordo para a realização de ensaios e simulações para verificação da integração física e lógica da TMI e dos meios de solo do CLA associados à preparação para voo do VLS-1.

O VLS-1 já se encontra em fase de montagem e integração na nova TMI. Estão previstas atividades simuladas de acidente como forma de capacitar as equipe do CLA para evasão da área da plataforma de lançamento, atendimento médico de urgência e evacuação aeromédica de acidentados até São Luís. Ainda não há uma data definida para a realização da simulação, mas o CLA espera que isso ocorra entre os dia 10 e 13 de julho.

O VLS-1 é um veículo satelitizador, de pequeno porte, com capacidade de colocar satélites de
200kg de massa numa órbita circular equatorial de 750 km de altitude, quando lançado a partir de Alcântara. Outro fator importante da Operação Salina é o treinamento das equipes que estarão envolvidas com o lançamento do VLS-1.

Acidente - Desde agosto de 2003, quando 21 pessoas morreram em uma explosão no CLA durante uma operação de lançamento de um veículo do tipo, o Centro se prepara para voltar a realizar a atividade, fazendo testes com Foguete de Treinamento Básico (FTB). Durante o incidente, ocorrido há quase 9 anos, a Torre Móvel de Integração (TMI), que possibilita o lançamento de Veículos Lançador de Satélites, foi completamente destruída e outra teve que ser erguida no local. A nova TMI já está na fase final de obras, e a direção do CLA planeja para 2013 o lançamento do VLS.

A Operação Salina, realizada pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), vinculado ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), situado em São José dos Campos (SP), tem por objetivo realizar a preparação e integração mecânica de um mock-upestrutural inerte do VLS-1 na nova TMI. O mock-up é um protótipo fiel ao projeto que permite a antecipação de resultados, no qual será possível testar todas as etapas do processo.

Como o CLA está localizado em uma região com muita salinidade, os sistemas precisam ser testados para verificar se nada foi danificado. Por isso a importância de operações como a Salina, da qual, além do IAE e CLA, participam o apoio logístico e de pessoal do Comar I, II FAE, V FAE, IPEV e IFI.

SAIBA MAIS

Dados do TMI

Altura: 33 metros
Comprimento: 12 metros
Largura: 10 metros
Peso: 380 toneladas
Deslocamento: 4,5 metros por minuto

Dados do VLS

Número de Estágios: 4
Comprimento Total: 19,4 metros
Diâmetro dos Estágios (todos): 1,0 metro
Diâmetro da Coifa Principal: 1,2 metro
Peso: 49,7 toneladas (na decolagem)


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão - pág. 06 - 27/06/2012

Comentário: Bom leitor, por essa notícia tudo leva a crer mesmo que o "VLS-1 XVT-01" só será lançado (se for lançado) em 2013, constituindo uma vez mais um adiamento de um cronograma que havia sido divulgado anteriormente tanto pelo IAE, como pela AEB, MCTI e consequentemente pelo desastroso (para o PEB e para Ciência e Tecnologia do país como um todo) governo DILMA ROUSSEFF. Entretanto, há de se destacar o enorme esforço que vem sendo realizado pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), não só no Projeto do VLS-1, mas também em diversos outros projetos em curso nos laboratórios do instituto ou em sedes de empresas contratadas pelo mesmo. É lamentável que uma vez mais estejamos aqui a observar o descaso desse governo para com esse tão importante programa de ciência e tecnologia do país, que deveria está encabeçando (como ocorre e ocorreu em outros países) o esforço nacional de desenvolvimento, mas que na visão distorcida desses de..loides que militam nos bastidores de Brasília, não tem a importância e nem o significado que deveria ter, mesmo tendo o exemplo de vários países, ai incluídos os países do BRICS, onde o Brasil aparece como o menos desenvolvido no setor (com exceção da África do Sul que não tem um Programa Espacial completo) e onde os outros integrantes são potências espaciais há anos. Lamentável! Aproveitamos para agradecer ao leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio dessa matéria.

Comentários

  1. so por curiosidade quais partes desse vls-1 foram produzidas aqui no brasil gerando empregos para cidadões brasileiros ? por os outros 3 protótipos pelo o que eu fique sabendo eram quase todos produzidos no exterior e isso não adianta de nada pois assim o pais não tem o controle da tecnologia que compõe o veiculo lançador e alem de não gerar empregos para pessoas que são parte da nação fica bem mais cara pro pais produzir o mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Olá Persona!

    Sua informação está equivocada amigo. Nas outras três versões do VLS-1 grande parte dos equipamentos e subsistemas do foguete foram desenvolvidos e produzidos no Brasil, com exceção do computador de bordo e do sistema de controle de atitude que eram de origem russa se não estiver enganado. Entretanto, já nessa versão o foguete será completamente produzido no Brasil resolvendo essas pendências tecnológicas das versões anteriores graças ao Projeto SIA.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Lendo o comentário do amigo acima "persona" da pra ver como o povo brasileiro ta informado, não apenas ele mais a maioria não tem noção do que é desenvolvido no país esse e outros motivos que fazem esse país não ir pra frente mesmo, por isso que andamos a passos lentos no desenvolvimento geral da nação ou é a falta de conhecimento ou total desinteresse por parte da população, afinal o que custa largar as porcarias das redes sociais e usar esse meio de comunicação maravilhoso chamado internet para se informar um pouco... Lendo esse comentário não tenho como deixar passar em branco. Fugi totalmente do assunto da matéria haha.

    Fora isso, tomara que de tudo certo com o VLS, e também queria mandar esse governo parar de lamber o fiofó dos países estrangeiros e se focar um pouco na sua própria nação e no seu desenvolvimento. Não somos independentes em tecnologia por total falta de caráter e patriotismo desse governo bundão.

    ResponderExcluir
  4. Pois é Anônimo, infelizmente tenho de concordar com as suas colocações. Realmente a desinformação de nosso povo é um grande empecilho para o desenvolvimento do Brasil. Devido a isso continuaremos apesar de tudo colocando esses energúmenos no poder e eles fazendo m... sobre m... sem que haja qualquer punição, e com isso prejudicando o desenvolvimento de país. Lamentável!

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial