O SGB para EMBRAER

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante nota postada ontem (16/04) no blog “Panorama Espacial” do companheiro jornalista André Mileski trazendo outras informações sobre a novela do Satélite Geoestacionário Brasileiro (SGB).

Duda Falcão

O SGB para EMBRAER

André Mileski
16/04/2012

Reproduzimos abaixo trecho de entrevista com Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança, publicada na última edição da revista Tecnologia & Defesa, em que é abordado o projeto do Satélite Geoestacionário Brasileiro. A entrevista foi feita no início do mês de março:

"O SGB e Projetos na Área Espacial

Nós temos um memorando de entendimentos com a Telebrás, já acertamos todos os últimos detalhes de como irá funcionar a empresa integradora dos sistemas satelitais deste primeiro satélite geoestacionário brasileiro (SGB) e, na medida em que houver outros satélites, nossa expectativa é ir aumentando o conteúdo tecnológico nacional dentro desse processo. Agora estamos no aguardo dos movimentos internos do governo brasileiro para que isso seja anunciado definitivamente e o acordo seja assinado. Todos os detalhes que envolvem a criação desta empresa já estão completamente resolvidos entre a EDS [Embraer Defesa e Segurança], a Telebrás e os ministérios envolvidos no programa, faltando agora uma agenda que defina as últimas ações dentro do Governo Federal, já que o satélite, por força de contrato, deverá estar operando em 2014. Quando se entra num negócio como esse, a meta é perenizar a empresa e obter novos contratos, e o executivo escolhido para comandar esta empresa terá como uma de suas responsabilidades a busca por formas de realizar novos negócios no setor espacial, saindo da dependência do orçamento público brasileiro. A princípio, seremos os integradores do sistema satelital nacional e, num segundo momento, estaremos capacitados a gerar outros negócios, o que temos certeza que ocorrerá."

Comentários do blog:

1) Há muita expectativa sobre os próximos passos do Governo Federal para a formalização da BR1Sat, joint-venture entre a EDS e a Telebrás. Esperava-se que a empresa fosse constituída até o final de 2011, o que não ocorreu (e poria em risco, inclusive, o objetivo de se dispor do satélite em órbita até o final de 2014). No início de março, o conselho de administração da Telebrás aprovou a assinatura do acordo de acionistas da joint-venture ("BR1SAT: Telebrás + Embraer"). Comenta-se que as minutas dos decretos relacionados ao SGB (ver a postagem "SGB: governo dá mais um passo") já estariam no Palácio do Planalto e prontos para serem assinados pela Presidente da República, Dilma Rousseff.

2) Enquanto a BR1Sat não é criada, no mercado, é tido como certo que o presidente da empresa será Nelson Salgado, que já ocupou diversas posições na diretoria da Embraer. O executivo, aliás, já estaria se familiarizando com o setor, inclusive visitando potenciais parceiros e fornecedores.

Fonte: Blog “Panorama Espacial“ - André Mileski

Comentário: É como eu venho dizendo leitor, esse satélite não tem a mínima possibilidade de ser lançado em 2014 como vem sendo divulgado pelo governo DILMA, e o mesmo esta sendo utilizado como propaganda política desses energúmenos. O tempo está passando e a empresa que supostamente (e digo supostamente porque a experiência demonstra que nada é certo no Programa Espacial Brasileiro) será responsável pelo acompanhamento do desenvolvimento desse satélite nem se quer ainda foi constituída.  Caro ministro Paulo Bernardo, em dezembro de 2014 (caso ainda esteja nesse plano) terei enorme prazer de chamar publicamente o senhor e a todos que apoiaram essa farsa de mentirosos. Entretanto, quando essa história terminar, ficará mais uma vez a experiência para sociedade de como esses energúmenos atuam utilizando-se do poder da mídia divulgando notícias sem fundamento e sensacionalistas sem qualquer responsabilidade, esperando com isso colher frutos que lhe sejam benéficos politicamente na luta pelo poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial