Satélite Argentino Chega ao INPE


Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (29/06) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que a chegada ao Brasil do satélite argentino SAC-D/Aquarius.

Duda Falcão


Satélite Argentino Chega ao INPE


29-06-2010

Os ensaios ambientais e as medidas de propriedades de massa necessários para o lançamento do satélite argentino SAC-D serão realizados no Laboratório de Integração e Testes (LIT) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O satélite leva a bordo o instrumento Aquarius, equipamento inovador para monitorar a salinidade oceânica desenvolvido pelo Jet Propulsion Laboratory (JPL) da Nasa, a agência espacial americana, além de outros experimentos científicos argentinos, franceses e italianos.

Dadas as dimensões e peso dos equipamentos, o transporte da Argentina para o Brasil ficou a cargo de dois vôos de aeronave Globemaster C-17, da Força Aérea Americana, que foi contratada pela NASA para esta operação.

O SAC-D levou três dias – do último sábado até segunda-feira (28/6) – para que todos seus equipamentos e carga útil pudessem ser transportados do aeroporto de São José dos Campos ao INPE. Foram necessárias sete carretas – quatro no primeiro dia e outras três no último da operação, realizada em sua maior parte durante a madrugada para não prejudicar o trânsito. Foi utilizado ainda um guindaste de 70 toneladas e outras carretas de material de apoio, além da escolta de quatro viaturas.

A operação de entrada dos equipamentos no país e o seu transporte até o INPE teve o apoio da Infraero, Receita Federal, Polícia Federal, Prefeitura Municipal de São José dos Campos, Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), Itamaraty, Consulado e Embaixada dos Estados Unidos, Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE), Agência Espacial Brasileira (AEB), NASA, Air Mobility Command da Força Aérea Americana, e Fundação de Ciência, Aplicações e Tecnologias Espaciais (Funcate).

As atividades no LIT/INPE devem levar em torno de oito meses e envolver, no decorrer deste tempo, aproximadamente uma centena de técnicos e cientistas de todos os países envolvidos no desenvolvimento e na qualificação do satélite.

O LIT/INPE é o único laboratório do gênero no Hemisfério Sul capacitado para a realização de atividades de montagem, integração e testes de satélites e seus subsistemas. Ter condições de oferecer a “matriz completa de testes espaciais” foi decisivo para o Brasil ser escolhido para testar o satélite que a Argentina desenvolveu com a cooperação dos Estados Unidos.

Procedimentos internos do LIT/INPE, inclusive de segurança, foram aperfeiçoados para adequação aos mesmos protocolos da NASA adotados no JPL, tendo sido auditados e aprovados por representantes da própria agência espacial americana.

Serão realizados testes de interferência e compatibilidade eletromagnética, vibração, vibro-acústico, choque de separação, vácuo-térmico, além das medidas de propriedades de massa do satélite. A impossibilidade de reparo em órbita torna imprescindível a simulação em Terra de todas as condições que o satélite irá enfrentar desde o seu lançamento até o fim de sua vida útil no espaço.

Os painéis solares para provimento de energia do satélite chegaram ao INPE antes, em maio, e seus testes estão quase concluídos.

A realização dos testes no Brasil é resultado de acordo entre a Agência Espacial Brasileira (AEB) e a Comisión Nacional de Actividades Espaciales (CONAE), da Argentina.



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Finalmente o INPE se manifesta com essa nota postada no seu site apresentando informações e fotos sobre o desembarque do satélite argentino SAC-D/Aquarius no Brasil para ser realizado os ensaios ambientais e as medidas de propriedades de massa necessários para o lançamento do satélite. Este satélite é um exemplo de como os hermanos argentinos parece ter nos colocado no bolso na área de satélites. Mesmo sendo o satélite fruto de uma cooperação que envolveu vários países o conhecimento adquirido pela empresa argentina INVAP no período de desenvolvimento do mesmo ao que parece ainda não é dominada pelo Brasil se levarmos em conta o porte deste satélite. O blog não dispõe de informações fidedignas para sustentar uma afirmação de que a empresa argentina dispõe de tecnologias que o INPE ainda não dispõe, no entanto não podemos deixar de lembrar ao leitor que foi a essa empresa argentina que o próprio INPE recorreu para adquirir a tecnologia do ‘Subsistema para Controle de Atitude e Gerenciamento de Dados (ACDH)” que esta sendo desenvolvido em Bariloche (sede desta empresa) para o satélite Amazônia 1.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial