Pesquisador do INPE Fala Sobre o Avanço do Mar

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria postada hoje (27/05) no site do jornal “Correio Braziliense” de destacando uma entrevista com Milton Kampel, chefe da Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Duda Falcão

Confira Íntegra da Entrevista com

Pesquisador do INPE Sobre o Avanço do Mar

Gisela Cabral

27/05/2010 - 01:54

Pesquisa da USP detectou um aumento do nível do mar na costa brasileira de 40 cm por século, ou seja, 4 mm por ano. Segundo os especialistas, os dados preocupam e podem trazer inúmeras conseqüências para a população, principalmente para aqueles que moram próximo à costa. Na sua opinião, como o aumento do nível do mar pode afetar o homem? Quais os principais transtornos causados? O aumento do nível do mar está diretamente ligado à situação climática global?

O oceano é um ambiente dinâmico e em rápida evolução, cujas mudanças tornam-se cada vez mais evidentes à medida que o observamos com mais cuidado e atenção. Algumas das mudanças que detectamos foram causadas por nós mesmos, direta ou indiretamente.

Enquanto que outras transformações surgem como novidade, talvez apenas por estarmos observando cada vez em mais detalhe e com equipamentos e ferramentas mais sofisticadas.

Amamos a zona costeira. Regiões costeiras, principalmente aquelas localizadas em torno de estuários, têm alta densidade populacional. Milhões de pessoas vivem numa faixa entre 1 e 5 metros da linha de costa (maré alta). Bilhões de dólares em infraestrutura estão investidos em regiões imediatamente adjacentes à costa. A maioria das megalópoles mundiais, com populações de muitos milhões de habitantes, estão também na zona costeira.

Os oceanos estão mudando. Diversas observações têm mostrado que o oceano tem passado por mudanças nas últimas décadas. Um aspecto dessa questão é a questão do aquecimento, que resulta no aumento de volume de água por expansão termal. Também há adição de água proveniente dos glaciares e calotas de gelo polares, assim como mudanças nos reservatórios de água continentais (retenção de água em reservatórios artificiais e extração de água dos aqüíferos). Todos esses aspectos juntos resultam em variações no nível do mar.

A elevação do nível do mar é uma resposta ao aumento das concentrações de gases do efeito-estufa na atmosfera e as conseqüentes mudanças no clima global. A elevação do nível do mar contribui com a erosão costeira e a inundação de regiões costeiras baixas, particularmente durante a ocorrência de eventos meteorológicos extremos. Esta elevação também leva à intrusões de água salgada nos aqüíferos de água doce, deltas e estuários. Estas mudanças impactam nos eco sistemas costeiros, recursos hídricos e atividades ou assentamentos humanos. As regiões sob maior risco incluem os deltas densamente povoados, pequenas ilhas (especialmente atóis) e costas arenosas apoiadas por grandes desenvolvimentos costeiros.

Como já mencionado, o nível do mar global se elevou durante o século passado. Estima-se que esta elevação se acelerará no século 21 e além, devido ao aquecimento global. Entretanto, a magnitude dessa elevação permanece incerta. Algumas incertezas-chave incluem o possível papel das coberturas de gelo da Groelândia e Antártica Ocidental, assim como, a amplitude de oscilações regionais do nível do mar. Em certas áreas, componentes não climáticas das variações do nível do mar (principalmente a subsidência), também podem ser localmente significativas. Ainda que os impactos da elevação do nível do mar sejam potencialmente grandes, a aplicação e o sucesso de medidas mitigadoras ou adaptações permanecem duvidosas, requerendo mais esforço de pesquisa e consideração.

Como o INPE monitora essa questão? Quais os equipamentos utilizados e quais as regiões analisadas?

O Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) integra o esforço brasileiro de participação no Sistema Global de Observação do Nível do Mar (Gloss-Brasil). O programa compreende atividades relacionadas ao monitoramento do nível do mar em águas jurisdicionais brasileiras, com o objetivo de implantar rede permanente de monitoramento do nível do mar, gerar dados com qualidade científica, e que suportem análises de tendência de longo-período do nível do mar.

Capacitar pessoal para a produção e análise de informações sobre o nível do mar, promover a disseminação de informações, além de interagir com outros programas nacionais e internacionais, também estão entre os objetivos.

A comunidade de usuários de informações sobre o nível do mar (portos, empresas privadas, institutos de pesquisa, etc.) devem se envolver para fins de aplicações práticas, como por exemplo: estimativas das variações do nível do mar, caracterização de fenômenos e seus impactos na costa, tais como o El-Niño, apoio a atividades de engenharia costeira, previsão de marés, apoio a atividades portuárias e segurança a navegação, além do suporte para sistemas de alarme de tsunamis.

O INPE é responsável pela estação de medição instalada nos rochedos de São Pedro e de São Paulo, que juntamente com outras 11 estações compõem a rede maregráfica Gloss-Brasil. A ferramenta básica de uma estação de monitoramento do nível do mar é o marégrafo. Este equipamento consiste em um medidor que registra a altura do nível de água ao longo do tempo, utilizando diferentes sistemas, tais como: bóias, sensores de pressão, contatos elétricos, pulsos acústicos, radares, entre outros. Para integrar a rede, os marégrafos devem estar de acordo com o Plano de Implementação do Gloss. É muito importante que as estações realizem não só medições redundantes do nível do mar, como também medições de outros parâmetros meteorológicos e oceanográficos, tais como pressão atmosférica, temperatura do ar e da água, precipitação, evaporação, direção e intensidade do vento, entre outras.

Fonte: Site do Jornal Correio Braziliense - 27-06-2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022