Equipes do IAE e do CLA Trabalham no Sistema da TMI

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/06) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), destacando que equipes do IAE e do CLA já estão trabalhando no sistema da Torre Móvel de Integração (TMI) do VLS-1.

Duda Falcão


Equipes do IAE e do CLA trabalham no

Sistema Plataforma de Lançamento do VLS-1


23/06/2010

Equipes do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) e do Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) trabalham, desde junho de 2009, no acompanhamento das obras do Sistema Plataforma de Lançamento do VLS-1 (SISPLAT), uma construção constituída da mais alta tecnologia envolvendo plataformas de lançamento para veículos do porte do VLS-1.

O Complexo de Lançamento no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) faz parte do Setor de Preparação e Lançamento (SPL) do CLA e se compõe de uma série de facilidades que se destinam a dar apoio à integração final do veículo desenvolvido pelo IAE, à ativação e ao controle final do mesmo. O SISPLAT também está sendo preparado para o lançamento de outros veículos de porte médio com propulsores a combustível sólido ou líquido, assegurando maior flexibilidade às instalações do CLA.

O SISPLAT é constituído pela Torre Móvel de Integração (TMI), Torre de Umbilicais (TU), Mesa de Lançamento (ML), Torre e Túnel de Escape (TTE), Casa de Equipamentos e Apoio, Sala de Interfaces Eletrônicas (SI), Sistema de Pressurização e Refrigeração, Sistema de Detecção e Alarme Contra Incêndio (SDACI), e Sistema de Proteção Contra Descargas atmosféricas (SPDA) e Sistemas Elétricos e de Automação (SEA).

A TMI é constituída por uma estrutura metálica equipada com sistemas de rodagem sobre trilhos entre as posições de montagem, testes e lançamento. Atendendo à integração final do Veículo na vertical, plataformas fixas e móveis dão acesso aos vários níveis de trabalho – as primeiras, destinadas ao acesso de pessoal às regiões periféricas internas e, as últimas, à intervenção de pessoal junto às interfaces do veículo, durante sua integração.

Ao lado da TMI está a TTE, uma torre em concreto subterrânea ligada a um túnel de escape que dá o acesso a uma área distante dos gases em caso de acidente. Essa Torre é equipada com sistema de pressurização que impede a entrada de gases do veículo. Além disso, tubos metálicos, escorregadores verticais de duto elástico e escadas tipo marinheiro formam o conjunto que permite, em caso de emergência, a rápida evacuação das pessoas em atividade dentro da TMI.

Particularidades como o sistema de monitoramento e operação à distância, com transmissão de dados via fibra ótica para o acionamento de portas e plataformas, e para a movimentação da TMI, são possibilitadas pelo SEA. Os comandos são externos, realizados na Casa de Equipamentos e Apoio (Sala de Comando), a uma distância de aproximadamente 90 metros da Mesa de Lançamento.

Todas as etapas de construção, montagem e inspeção foram realizadas com o acompanhamento da equipe técnica do IAE, que se reveza na fiscalização da obra, nas inspeções de fabricação e nas diversas reuniões realizadas com engenheiros representantes do Consórcio Jaraguá/Lavitta. As obras civis e de montagem das estruturas metálicas serão concluídas em julho deste ano, quando serão iniciadas as instalações elétricas e de automoção.

A equipe, formada de militares e engenheiros de diversas áreas de especialização, acompanha as atividades desde a especificação técnica do projeto e prosseguirá até a finalização das instalações, sempre priorizando a segurança e a confiabilidade dos técnicos usuários para o bom desempenho das atividades realizadas em períodos de campanhas de lançamento.



Fonte: Instituto de Aeronáutica de Espaço (IAE)

Comentário: Confesso leitor que depois de tanto esperar estou maravilhado com essas primeiras fotos divulgadas pelo IAE do Complexo de Lançamento da Torre Móvel de Integração do VLS (TMI). Agora é terminar a montagem da mesma e dar seqüência com o planejamento previsto e divulgado pelo IAE. Espero que dessa vez não se cometa os erros cometidos anteriormente para que eventos como o ocorrido em 2003 não voltem a se repetir. Parabéns ao IAE, ao seus servidores e pesquisadores a empresa Jaragua/Lavitta e ao Coronel Rangel pela competência até aqui demonstrada. Estou vibrando.

Comentários

  1. Pra mim foi a melhor notícia do ano. É maravilhoso ver esta plataforma pronta e com todos os recursos. Espero que não seja tudo em vão ou dinheiro jogado fora após vários anos de PEB parado. Espero que as autoridades deste país finalmente olhem com carinho para o PEB.

    ResponderExcluir
  2. Não tenha dúvida Ricardo que será o acontecimento no ano de 2010. Porém estamos longe ainda de termos um governo comprometido com o Programa Espacial, infelizmente. Veja o que está acontecendo agora em Alagoas e Pernambuco, culpa da inércia do governo em não se mobilizar para dotar o pais de um satélite meteorológico e conseqüentemente de um monitoramento e previsão climática adequada para um pais com as dimensões do Brasil. É lamentável.

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Nossa não sei nem mesmo por onde começar, ainda mais depois de um churrasquinho básico de quinta. Pensei até que poderia ser coisa de alguma azeitona estragada, mas fato é que fiquei pasmo com essa notícia ao abrir o blog. Que maravilha... fotos + fatos = entusiasta feliz. Maravilha mesmo... isso é uma injeção de ânimo ao ver esse estrutura tão esperada de pé e em estado tão avançado de construção. Parabéns Brasil, nós somos muito mais que futebol....

    ResponderExcluir
  4. Pois é Ramom,

    Estaremos de volta ao jogo em outubro, quando finalmente a TMI será inaugurada e se iniciará então os testes com uma maquete do VLS-1, visando o seu primeiro vôo tecnológico em 2011. Vamos torcer que tudo saia dentro do esperado para que não haja mais atrasos e principalmente nenhum acidente.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial