Engenheiro Espacial Estuda Terra, Ar e Espaço

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (19/09) no jornal “Folha de São Paulo” destacando que o engenheiro aeroespacial estuda terra, ar e espaço.

Duda Falcão

Especial

Engenheiro Aeroespacial

Estuda Terra, Ar e Espaço

Curso dá formação que inclui não apenas

aeronaves, foguetes e satélites

ANA PAULA ANJOS

19/09/2010

As atividades ligadas ao espaço sempre foram um sonho para Danilo Miranda, 20. Por isso ele escolheu o curso de engenharia aeroespacial, oferecido desde o início do ano pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica).

"A gente põe a mão na massa, faz a turbina, mexe [no foguete], suja a mão de graxa", conta, animado.

Na UFABC (federal do ABC), o curso começou em 2008, e na UFMG (federal de Minas), em 2009. Nas três escolas, o estudante consegue o diploma de engenheiro aeroespacial após cinco anos.

Na federal do ABC, é preciso passar pelos três anos do bacharelado em ciência e tecnologia para depois fazer dois anos com disciplinas de engenharia aeroespacial.

Para André Fenili, coordenador do curso, "a idéia é oferecer uma formação completa para que o profissional possa trabalhar na parte aeronáutica e espacial", diz.

Segundo o coordenador da UFMG, Ricardo Utsch, a diferença entre as duas especialidades é tênue. "A aeronáutica realiza missões dentro da atmosfera, e a espacial, fora da atmosfera. Essa separação nem tem como ser feita completamente, porque, na verdade, há missões que envolvem tudo", diz ele.

Nas disciplinas ligadas à aeronáutica, os alunos aprenderão mais sobre aviões. Nas matérias da espacial, o foco será em satélites e foguetes, por exemplo.

Os coordenadores das três faculdades afirmam que o engenheiro aeroespacial tem uma formação ampla.

SETORES

"É um curso que envolve todas as engenharias", diz Ezio Castejon, coordenador do ITA. Por isso, o profissional poderá atuar em setores como automobilístico, de informática e eletrônico.

Para Himilcon Carvalho, 48, diretor de política espacial e investimentos estratégicos da AEB (Agência Espacial Brasileira), existe uma necessidade urgente em formar profissionais nessa área.

"As pessoas vão se aposentando sem que haja reposição e os profissionais novos demoram muito tempo para começar a atuar", afirma.

Se nada mudar, os estudantes de engenharia aeroespacial, ao se formarem, obterão o registro no Crea (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia) como engenheiros aeronáuticos. Mas, segundo profissionais da área, a formação específica permitirá a atuação nas duas áreas.

Segundo Petrônio Noronha, 51, engenheiro do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), no entanto, as oportunidades hoje são maiores na aeronáutica que no setor espacial, no qual ainda faltam investimentos.

FOLHA.com

Ouça entrevista com Himilcon Carvalho, engenheiro da AEB

folha.com.br/mm797998

Fonte: Jornal Folha de São Paulo - 11/09/2010

Comentário: Matéria interessante do jornal “Folha de São Paulo” que ajuda aos interessados em engenharia aeroespacial a diferenciá-la da engenharia astronáutica, apesar desse entendimento ser de simples compreensão. A matéria também serve como fonte de informação para onde o jovem deve seguir na busca por essa formação de alta qualificação técnica e futuro garantido, seja no PEB, na indústria brasileira do setor ou mesmo trabalhando nas indústrias ou agencias espaciais de outros países, o que nesse caso não é nada bom para o nosso país. O aluno do ITA citado na matéria, Eng. Danilo Miranda, é leitor e colaborador do blog e aproveito para enviar-lhe um abraço e votos sinceros de sucesso.

Comentários

  1. Muito grato, Duda. O seu blog continua show! Conte comigo.

    ResponderExcluir
  2. Não há de que Eng. Danilo, e obrigado pelo reconhecimento ao meu trabalho e pelo apoio ao mesmo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022