CLBI - Investimentos em Infraestrutura


Olá leitor!

Segue abaixo uma reportagem publicada na revista “Espaço Brasileiro” (Out., Nov. e Dez. de 2009) destacando as reformas previstas nos equipamentos e construções de novos prédios no Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI) em Natal (RN).

Duda Falcão

CLBI
Investimentos em Infraestrutura

Estão previstas reformas em equipamentos,
construções de novos prédios e um laboratório
destinado a experimentos específicos

Novas instalações do Centro

O Centro de Lançamento da Barreira do Inferno (CLBI), localizado em Parnamirim (RN), está sendo moder­nizado para se adequar às atividades de lançamentos suborbitais, uma das ações previstas no Programa Nacional de Atividades Espaciais (PNAE), coorde­nado pela Agência Espacial Brasileira (AEB). Segundo o diretor do Centro, coronel aviador Renato Gonçalves Martins, os investimentos para 2010 são da ordem de R$ 6 milhões, e devem atender às demandas para os projetos de curto prazo.

“O fluxo de investimentos estabeleci­do no PNAE viabiliza o funcionamento e a modernização dos sistemas de preparação, lançamento e rastreio, como garante toda a base de apoio administrativo e estrutural necessá­ria ao cumprimento da missão do CLBI”, diz o Cel. Renato.

As melhorias incluem reformas em equipamentos e novas instalações do CLBI. Estão previstas a reforma do Lançador Universal, a ampliação da casamata, além de construções como o prédio de montagem de motores, um laboratório para experimentos científi­cos e outro prédio de apoio. “Na área da preparação e dos lançadores, está prevista a instalação de um sistema contra descargas elétricas”, conta o engenheiro Dolvim Dantas, chefe da Divisão de Operações (Dop).

O Lançador Universal é um bom exemplo de como estas mudanças podem alavancar as atividades do CLBI. Conforme o engenheiro, o Lançador atende à grande maioria dos foguetes suborbitais espalhados pelo mundo, com capacidade para lança­mentos de até 12 toneladas. “A reforma do Universal abre portas para que a comunidade internacional utilize nosso sítio”, prossegue Dolvim. As obras devem estar concluídas em 2010, quando está previsto o lançamento do VSB-30, do sítio de Parnamirim.

Lançador MRL - Fabricado em 1966, nos Estados Unidos, o primeiro lançador de artefatos do CLBI, o MRL, passou recentemente por uma revisão geral de seus componentes. Nesta revisão foi refeito o seu fuso em aço SAE 4140. Conforme o chefe da Subdivisão de Preparação e Lan­çamento do CLBI, engenheiro elétrico Cromácio Barros, o lançador tem ca­pacidade para foguetes com peso de até 7,5 toneladas.

Lançador MRL

“Durante a gestão do coronel Renato, houve grande incentivo para a revitalização do lançador. Essa re­vitalização de fato aconteceu, e o CLBI, hoje, está com a capacida­de operacional restabelecida. Além disso, é preciso acrescentar, temos, atualmente, graças a uma vasta do­cumentação, o controle completo das peças e dos processos de manutenção do lançador”, diz o engenheiro Cromácio.

As novas estruturas do MRL, utilizado pela última vez em 2007, durante a Operação Angicos, custaram R$ 570 mil e foram executadas pela CK Linear Kinici Indústria Mecânica Ltda, de Itupeva (SP). O MRL – com projeto de reestruturação iniciado em maio de 2008 e concluído em setembro de 2009 – foi utilizado com sucesso em outubro, durante a campanha do Foguete de Treinamento.


Fonte: Revista Espaço Brasileiro - núm 07 - Ano 2 - Out., Nov. e Dez. de 2009 - Pág. 20

Comentário: Grande notícia para o PEB, pois o CLBI é de suma importância para o programa de foguetes de sondagens e não pode ficar relegado a um segundo plano. O blog já havia informado anteriormente ao leitor da reforma do MRL (veja aqui a nota CLBI Descerra Placa de Revitalização de Lançador MRL). No entanto, novas e boas notícias surgem com essa reportagem sobre a reforma do “Lançador Universal” e a construção de novas instalações no centro, garantindo assim ainda por muito tempo a estimável e grande prestação de serviço que o CLBI realiza para o Programa Espacial Brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial