ACS Aposta em Lançamento "Barateiro" de Satélite


Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada hoje (02/01) no site “Folha Online” do “Jornal Folha de São Paulo” destacando que a empresa binacional Alcântara Cyclone Space aposta no “Barateio” do futuro mercado de satélites.

Duda Falcão

Empresa Binacional Aposta em Lançamento "Barateiro" de Satélite

da Folha de S.Paulo
02/01/2010 - 8h35


Com posição privilegiada para sua plataforma de lançamentos, a binacional ACS (Alcântara Cyclone Space), criada pelos governos de Brasil e Ucrânia, espera ganhar espaço no mercado de lançamento de satélites ao baratear o custo das missões.

Alcântara está só 2,2 ao sul do equador, e a empresa prevê que isso permitirá gastar 30% menos combustível que a média de seus concorrentes para colocar um satélite em órbita (a rotação terrestre na região dá um "empurrãozinho" no foguete).

Como o Cyclone-4 não é dos foguetes mais poderosos, porém, críticos afirmam que dificilmente ele será um grande atrativo. Segundo José Nivaldo Hinckel, do Inpe, a maior parte dos satélites de comunicação privados têm hoje pesos acima de 3.000 kg e ficam em órbita geoestacionária --ficam "parados" sobre um ponto específico da Terra, a altitudes da ordem de 20 mil km. O Cyclone-4, porém, só consegue levar 1.600 kg a essa faixa.

Segundo o pesquisador do Inpe, a maioria dos satélites de órbita baixa pertence a programas estatais, que não seguem critérios de mercado para escolher seus lançadores. Governos da Europa, Rússia, China e EUA nunca deixam de usar seus próprios foguetes apenas por questão de custo. E países como a Argentina, que não tem ainda lançador próprio, possuem convênio com os EUA.

A ACS, porém, afirma que a criação da empresa binacional está respaldada num estudo detalhado sobre o mercado de satélites, documento que só não foi amplamente divulgado por motivos de estratégia comercial.

Carlos Ganem, presidente da AEB, diz que satélites de pequeno porte são a "nova onda mundial". Segundo ele, a empresa francesa Ariane, que deve ser a principal concorrente da ACS, tem hoje dificuldade para usar seu foguete de grande porte, projetado para levar até 7.000 kg.

"A Ariane tem problemas hoje para juntar cargas úteis que façam a carga do Ariane-5 ser economicamente racional", disse. (RG)


Fonte: Site Folha Online - 02/01/2010

Comentário: Apesar de achar que o senhor Carlos Ganem não tem demonstrado ser um bom gestor na AEB, não posso deixar de concordar com a sua visão de que o mercado para pequenos satélites é um nicho em franco crescimento e que deve ser explorado o quanto antes. Só não concordo que isso deva ser feito com o foguete Cyclone-4 (se o mesmo sair do chão algum dia) e sim com o VLS e seus derivados. O engenheiro José Nivaldo Hinckel infelizmente parou no tempo e está completamente desinformado quanto ao que acontece atualmente ao redor do mundo. Foguetes como o que o mesmo esta defendendo (tipo o Ariane-5) ficarão exclusivamente para missões de construção orbital ou coisa parecida, já que com a nanotecnologia a tendência é que mesmo os satélites de comunicações (que são atualmente os mais pesados) deverão diminuir de tamanho e peso drasticamente. Claro que isso ocorrerá de forma gradativa, mais a opção de começar com foguetes menores gerencialmente parece ser o melhor caminho. Além disso, não se pode deixar de levar em conta as diversas iniciativas em curso na área de novas tecnologias de propulsão de foguetes ao redor do mundo, inclusive no Brasil (leia-se IEAv) que buscam um melhor custo beneficio para essa missões.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial