Projeto SARA Segue Sem Interrupção

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (25/01) no site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), divulgando que o Projeto do SARA Suborbital I segue sem interrupção.

Duda Falcão

Projeto SARA Segue Sem Interrupção

Campo Montenegro, 25/01/2013

Após a pausa entre Natal e Ano Novo, os integrantes do Projeto SARA retornaram ao trabalho já na primeira semana de janeiro em regime integral com o objetivo de cumprir o cronograma de lançamento de 2013.

Atualmente, as equipes do IAE e da empresa CENIC estão empenhadas na integração do Modelo de Voo das Redes Elétricas. A principal atividade relacionada a este modelo é a integração da cablagem do veículo. São cerca de 4000 origens e destinos de sinais que têm que ser corretamente organizados. Para que isso ocorra sem prejudicar os equipamentos de voo, foram construídos modelos “dummies” dos equipamentos para avaliar corretamente o caminho das conexões, apesar do projeto de integração já ter sido feito em CAD.

Após o correto estabelecimento do caminho da cablagem, os sinais serão testados um a um e, posteriormente, serão objeto de um teste automático. Só então começarão a ser integrados os equipamentos e, mesmo assim, serão os equipamentos de qualificação.

Os equipamentos de voo só serão integrados quando os testes de continuidade com os equipamentos de qualificação forem concluídos.

Para que os inúmeros detalhes que surgem durante uma tarefa tão complexa como esta sejam resolvidos, as equipes envolvidas na integração do SARA estão realizando uma reunião geral semanal. Esta reunião procura cuidar de todos os detalhes relativos à integração e resolver pendências. A reunião desdobra-se em diversos itens de ação e reuniões de assuntos específicos. Uma das reuniões de assuntos específicos mais importante refere-se ao desenvolvimento do Banco de Controle para o veículo. Este assunto tomou forma no final de 2012 com implementação pela AEB do contrato para o desenvolvimento deste vital meio eletro-eletrônico de solo (EGSE). As atividades relativas a este EGSE estão sendo iniciadas sem maiores problemas.

Nas próximas semanas serão intensificadas as discussões de preparação da campanha entre o grupo do SARA, a empresa CENIC, o sistema veículo VS-40M e o centro de lançamento, o que permitirá consolidar um cronograma do lançamento.

Fotos: Laboratório de Registro de Imagens/ IAE



Fonte: Site do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE)

Comentário: Pois é leitor, essa é sem dúvida nenhuma a melhor noticia do ano até agora. Confesso que com o orçamento da AEB enviado ao Congresso pela Presidente DILMA ROUSSEFF e seus Blue Cats eu ainda estou descrente de que esse lançamento seja mesmo realizado em 2013, mas tenho certeza que se depender dos pesquisadores do IAE e da empresa CENIC esse objetivo será alcançado. Vamos esperar os próximos capítulos torcendo e muito, não só pelos méritos do projeto que por si só já é fantástico, mas também por que o Brasil precisa realizar algo de significativo no espaço, e assim ajudar a melhorar a imagem de nosso programa espacial.

Comentários

  1. Duda, desculpe fugir do tema, mas você sabe quando o motor S-50 do VLM vai ser testado?

    Obrigado, Andre.

    ResponderExcluir
  2. Olá André!

    Os testes com o motor estão acontecendo, mas o teste em banco de prova na Usina Coronel Abner ceio que só deva ocorrer em 2014.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Duda!

      Uma pena não divulgarem mais detalhes de como anda o projeto, não é mesmo?

      Acho que estamos todos ansiosos pelos testes... Tomara que esteja tudo indo corretamente dentro do esperado e do cronograma.

      Abraço, Andre.

      Excluir
    2. Olá André!

      Não há de que amigo.

      Verdade, estamos sim, mas o IAE está fazendo a sua parte na medida das possibilidades.

      Abs

      Duda Falcão
      (Blog Brazilian Space)

      Excluir
  3. Duda,

    O SARA será lançado apenas pelo VS-40M?

    ResponderExcluir
  4. Olá Carlos!

    Veja bem, o Projeto SARA prevê quatro vôos de desenvolvimento, sendo dois suborbitais que serão realizados pelo VS-40M, e dois orbitais que muito provavelmente, creio eu, serão realizados pelo VLS-1, já que devido ao peso da cápsula de 350 kg, o VLM-1 não terá como atender essa missão orbital. Segundo o novo PNAE esse primeiro voo orbital será realizado em 2015, mesma data que está prevista no mesmo documento para o vôo do VLS-1 VO4. Então devido a essas previsões, é só fazer a ligação. Caso esse cronograma seja cumprido e há fortes indícios de que não será, isso significaria duas coisas: ou o segundo voo do SARA Suborbital foi cancelado, ou ele será realizado em 2014 um ano antes do voo orbital. Espero e torço que seja a segunda opção.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  5. Apenas para registro e para que possamos pensar sobre algumas alternativas, vejamos alguns dados sobre o VLS.

    Segundo o site do CTA, "Sua capacidade nominal de satelitização é de 100 a 380 kg em órbitas circulares equatoriais de 200 a 1200 km de altitude ou de 75 a 275 kg em órbitas circulares polares de 200 a 1000 km de altitude".

    Bom, no caso do SARA, nem será necessária uma órbita tão alta nem uma duração muito longa, pois a pretensão é ter uma plataforma de experimentos em ambiente de microgravidade recuperável, então, uma carga útil de 350 kg, usando o VLS, deve alcançar uma órbita entre 200 e 300 km de altitude, suponho eu.

    Enquanto isso, o VLM, segundo o pouco que foi divulgado até o momento, deve ser capaz de elevar no máximo, 140 kg a essa mesma faixa de altitude.

    Só lembrando também, que uma órbita LEO, por definição: "está entre 350 e 1400 km acima da superfície da Terra. As órbitas inferiores a esta não são estáveis, e serão alvo de arrastamento atmosférico".

    São apenas alguns dados para reflexão.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial