O NETS-2013, o Projeto TERRA e o Editor do Defesanet

Olá leitor!

De 25 a 28/02 será realizado na cidade de Albuquerque, no estado americano do Novo México, o NETS-2013 (Nuclear And Emerging Technologies for Space), que é um evento que visa apresentar e discutir arquiteturas, missões, conceitos e projetos relacionados à exploração do espaço através do uso de tecnologias nucleares.

O evento que ocorrerá no Hotel Albuquerque Marriot muito provavelmente deverá contar com a participação do grupo liderado pelo pesquisador Dr. Lamartine Nogueira Frutuoso Guimarães, do Instituto de Estudo Avançados (IEAv) do DCTA, e coordenador do Projeto TERRA (Tecnologia de Reatores Rápidos Avançados).

O projeto em questão é classificado pelo Comando da Aeronáutica (COMAER) como projeto estratégico e visa propiciar o desenvolvimento no Brasil de tecnologias especiais que permitam a aplicação da energia nuclear para a geração de energia elétrica e efeito propulsivo nos dispositivos espaciais brasileiros, tais como: satélites e naves espaciais.

Em minha opinião o projeto do Dr. Lamartine não é só pertinente como fantástico e demonstra mais uma vez como o COMAER está antenado com o que deve ser feito (veja o caso das tecnologias de propulsão hipersônica a ar aspirado e a laser em desenvolvimento no instituto), apesar da falta de comando, compromisso, responsabilidade e de visão de diversos governos subsequentes desde o governo do ex-presidente Fernando Collor, ou seja, desde o início da década de 90 (quanta coisa poderia ter sido feita, uma pena mesmo).

Para completar, e aproveitando a oportunidade, o tremendamente mal informado editor do site defesanet fez um comentário extremamente infeliz na matéria do jornal o Globo sobre o imbróglio da ACS (postada no site) misturando tudo e dando entender nas entrelinhas que o acidente do VLS-1 e toda essa confusão com a ACS fosse por culpa da Aeronáutica. Não sabendo ele que o Comando da Aeronáutica sempre foi contrário a esse desastroso acordo com a Ucrânia, e que o acidente do VLS-1 em 2003 aconteceu por culpa do boicote contínuo de diversos governos desde o governo Fernando COLLOR, culminando com a atitude irresponsável do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que no final de seu governo, enviou ao Congresso um orçamento de 50 milhões para todo PEB, orçamento esse que não foi retificado quando o humorista LULA assumiu no início de 2003, culminando assim no acidente ocorrido em agosto daquele ano. Realmente lamentável o comentário do editor desse prestigiado site brasileiro da área de defesa.

Se o COMAER tem alguma culpa com a atual situação, essa culpa a meu ver se restringe a falta de uma altitude mais agressiva e inteligente junto ao MD (onde atualmente tem um banana no poder) e a Presidente da República, como fez o Comandante da Marinha em 2008 (creio eu) com o ex-presidente LULA com relação ao Programa Nuclear e ao PROANTAR. É preciso que o atual Comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, deixe de dizer ‘amém’ a esses energúmenos, e cobre deles com veemência, o respeito, a responsabilidade, o compromisso e a seriedade para com o verdadeiro Programa de Veículos Lançadores do PEB, este sim, sob responsabilidade do COMAER.

É preciso que se entenda definitivamente que Programa Espacial é caro, arriscado, perigoso e extremamente necessário e estratégico para qualquer país do mundo, principalmente para um país com as dimensões territórios do Brasil. O Brasil não será uma sociedade forte e desenvolvida no século 21 e nos posteriores, com voz ativa nas decisões planetárias,  se não dominarmos as tecnologias de acesso ao espaço, já que o futuro não está na atmosfera terrestre como muitos imaginam e sim no espaço.

Duda Falcão

Comentários

  1. Sobre esse assunto, já deixei bem clara minha opinião de que, na situação atual, enquanto não forem devidamente separados os esforços para os objetivos espaciais civis e militares, inclusive a nível de comando, a coisa não vai andar bem nem para um lado nem para o outro.

    De qualquer forma, como o tal editor menciona a Estratégia Nacional de Defesa (END) e a FAB, fui a cata do tal documento, e encontrei aqui:

    "ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA"

    E ele só reforça a minha opinião. Reparem que no sistema legalista que adotamos, ou foi adotado para nós, esta lei, no que diz respeito ao texto, é tudo de bom. Claro, se fosse minimamente cumprida. No entanto, o que se vê é praticamente o contrário do que lá se pode ler.

    É interessante, que todos deem uma "passada de olhos" nesse documento de tirem suas próprias conclusões.

    Att.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial