Com Novo Satélite, País Amplia Acesso à Web

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria publicada dia (23/01) no jornal “Valor Econômico” destacando que com o novo satélite Amazônia-3, o Brasil ampliará o acesso à web.

Duda Falcão

Com Novo Satélite, País Amplia Acesso à Web

Por Rafael Bitencourt | De Brasília
Valor Econômico
23/01/2013

O governo aguarda o lançamento do primeiro satélite brasileiro preparado para a conexão à internet de alta velocidade, o Amazônia-3, para confirmar a expectativa de ampliação das ofertas do serviço de banda larga no país.

O presidente da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), João Rezende, aposta neste novo satélite da Hispamar Satélites como uma saída importante para ampliar a oferta de serviços. A ideia é focar regiões remotas do país com baixo potencial para redes terrestres e áreas de "sombra" nos grandes centros, onde os serviços de telecomunicações ainda dispõem de baixa oferta. O equipamento tem o lançamento em órbita programado para fevereiro

Em entrevista ao Valor PRO, Rezende disse que o principal impacto no mercado nacional da nova operação de satélite será nas ofertas de capacidades de dados no atacado, inclusive às atuais empresas do setor.

O presidente da Anatel disse que o Amazonas-3, com operação na banda Ka, contará com viabilidade comercial superior à dos satélites em operação comercial no Brasil. A banda Ka exige a instalação de um número inferior de equipamentos de recepção e retransmissão de sinal (transponder), o que reduz significativamente o volume de investimento no projeto. "Os custos dos novos satélites que o país receberá serão tão competitivos quanto o custo das atuais redes terrestres", disse Rezende ao se referir às novas ofertas no atacado.

A oferta de dados para outros provedores de acesso à internet, que vão oferecer o serviço ao usuário final, é a principal aposta do presidente da Anatel com o lançamento desses satélites. "Contamos com as operações que vão surgir para impulsionar o mercado de banda larga. Se chegar a preços atrativos, essa disponibilidade de rede de satélite pode ajudar as operadoras de celular a cumprirem as metas de 3G e 4G em regiões onde a fibra óptica não chegou", afirmou João Rezende. Segundo ele, as companhias poderão receber o fluxo de dados das redes de satélite e radiar o sinal de celular pelas radiofrequências adquiridas nos leilões.

O regulamento de uso da banda Ka por satélites foi aprovado pela Anatel somente no fim do ano passado. "As empresas cobravam a definição da norma por saberem do potencial dessa banda para os serviços de internet, TV por assinatura e inclusive com a possibilidade de entrega de pacotes de multisserviços", disse o presidente da agência.

Rezende informou que as limitações técnicas impostas à operação de serviços de satélites nas bandas C e Ku reduzem a abrangência de oferta de serviço à TV por assinatura por satélite e aos planos de internet de baixa qualidade.

Atualmente, a Hispamar Satélites é controlada pelo grupo espanhol Hispasat e conta ainda com uma fatia minoritária da Oi em seu capital social. Executivos do grupo espanhol estiveram ontem com representantes da Anatel e do Ministério das Comunicações para falar da expectativa com o lançamento comercial dos serviços em março. O foguete com o Amazonas-3 partirá da base de Kourou, na Guiana Francesa, no dia 7 de fevereiro. O novo satélite substituirá o Amazonas-1. Segundo informações da companhia, o novo equipamento contou com investimento em torno de € 200 milhões.


Fonte: Jornal Valor Econômico - 23/01/2013

Comentário: Bom leitor, não resta dúvida de que o serviço que será prestado por esse satélite trará benefícios à Sociedade Brasileira. Entretanto Sr. João Rezende, vamos para com essa estória de dizer que esse satélite é brasileiro. Ele não é, e nem pertence a uma empresa brasileira, apenas prestará serviços a nossa sociedade. Se o senhor não sabe, o ultimo satélite genuinamente brasileiro lançado ao espaço foi o Satélite de Aplicações Científicas 1 (SACI-1), em 14/10/1999, da Base de Lançamento de Taiyuan (CHN), através de um foguete Longa-Marcha 4B, mas que infelizmente não funcionou. Ou seja, há quase 14 anos. Já passou da hora de parar com essa tentativa de ludibriar a opinião pública brasileira, e é por isso que lançamos a campanha “Missão VLM-1 / ITASAT-1 – 2014”, com o objetivo de obrigar o governo DILMA ROUSSEFF estabeleçer junto às instituições envolvidas com esses projetos (IAE, INPE, ITA, entre outras) a meta de lançar o VLM-1 com o microsatélite universitário ITASAT-1 em dezembro de 2014. Para tanto, contamos com você leitor e o povo brasileiro. Vamos entupir as caixas de e-mails da AEB, MCTI, Presidência da República e de Deputados e Senadores, pois se assim for, teremos a chance de fazer história e ao mesmo tempo impedir que esses energúmenos coloquem esse microsatélite a bordo do voo de qualificação do trambolho tóxico ucraniano Cyclone-4. Vamos à luta, e contamos com você. (Na coluna da esquerda do blog clique sobre a chamada da campanha em vermelho piscante)

Comentários

  1. Mais uma vez, gostaria de tentar sensibilizar aqueles cientistas, engenheiros e técnicos ligados ao PEB sobre essa questão.

    Afinal de contas, sem ter nenhuma ligação com qualquer sindicato, essa pequena comunidade, em última análise, está lutando pelos empregos de vocês !

    São vocês mais do que ninguém, que podem fazer algum tipo de pressão. Basta que se unam em torno de UM objetivo em comum, um ÚNICO projeto, com início, meio e fim, que seja viável a curto prazo, mesmo que limitado por esse orçamento ridículo.

    O que não dá pra aceitar de vocês é esse conformismo, sabendo que esse enorme conjunto de projetos em paralelo com esse orçamento miserável, não tem a menor chance de chegar a bom termo.

    Abracem vocês também essa ideia !

    Att.

    ResponderExcluir
  2. Tinha visto essa notícia e como sempre trás as meias verdades comuns, como dizerem que o satélite é de produção nacional e é "genuinamente" brasileiro. Quem não se informa ou não tem oportunidade de visitar o Brazilian Space e outros sites especializados no assunto, cai na lenga lenga desses jornalistas que parecem vender notícias.

    Enfim, temos que lutar mesmo para que um satélite 100% brasileiro possa mesmo decolar em 2014 e que nos tire do opróbrio que o governo nos colocou. Não devemos nos deixar enganar por essas notícias mas sim velar para que algo NOSSO saia do papel e seja lançado por nossos próprios meios.

    ResponderExcluir
  3. Só uma nota, até eu ia caindo na lenga lenga, visto que o nome desse satélite é Amazônia-3, parecido com o nome da família brasileira de satélites: Amazônia 1, Amazônia 1b, e Amazônia 2 do PEB. Será que a AEB, o Inpe, ou quem mais esteja fabricando a família Amazônia, não quer processar essa empresa por recorrer ao nome da sua familia de satélites? Parece que se aproveitaram do nome para confundir a s pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os satélites de comunicação compõem a série Amazonas. A série de satélites brasileiros de sensoriamento remoto é denominada Amazonia. Ainda há um conflito sobre o uso de Amazonia (sem acento) ou Amazônia (com acento).

      Excluir
  4. Porque ao invés de "encomendar" um satélite de uma empresa espanhola de tecnologia o governo não compra logo a empresa? A Espanha está passando uma crise desgraçada,por que não "gastar" um pouco das nossas reservas cambiais de U$$ 300 Bilhões para adquirirmos empresas de tecnologia espanhola (e européias também)? Se você que ser grande tem que ser audacioso também.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Rússia Oferece ao Brasil Assistência no Desenvolvimento de Foguetes