O Que Será Que Está Acontecendo com o Programa VLS?

Olá leitor!

Sem ter notícias até o momento sobre as atividades do PEB num mês praticamente morto, comecei a analisar o que poderia explicar o comportamento do Governo Chucky para com o PEB, pois mesmo sendo o nosso governo desastroso, não faz sentido algumas das atitudes tomadas até o momento.

Para que possamos iniciar a nossa analise dois pontos são importantes serem destacados. O primeiro ponto é que não existe qualquer empecilho tecnológico que impeça o lançamento do VLS-1 SISNAV desde o final de 2011. O segundo ponto é o estranho comportamento do governo em investir R$ 135 milhões num projeto de foguete estrangeiro enquanto boicota sistematicamente por três anos consecutivos o desenvolvimento do VLS-1. Em resumo, tem algo de muito estranho nessa história.

Para que o leitor possa entender melhor a minha colocação devemos lembrar que o cronograma de 2010 do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) previa o lançamento do VLS-1 XVT-01 (VSISNAV) em 2012, o VLS-1 XVT-02 em 2013 e o VLS-1 VO4 em 2014. Isso ocorria devido ao bom andamento do projeto que resolvia definitivamente a ultima barreira para a realização do primeiro voo tecnológico (VSISNAV), já que o projeto do Sistema de Navegação (SISNAV) do foguete ficaria pronto para o voo (como acabou acontecendo) no segundo semestre de 2011, graças à fantástica equipe do LINCS, liderada pelo Dr. Waldemar de Castro Leite.

Diante disso, a convicção do IAE de cumprir esse cronograma era muito grande, pois não haveria mais empecilho tecnológico para cumprir sua missão, sendo agora uma questão de preparar o centro (equipe do centro, TMI e outros equipamentos de apoio e segurança) e realizar os testes de qualificação do foguete e da plataforma de lançamento, testes esses que em alguns casos já vinham ocorrendo desde 2008. Em resumo, o Brasil estaria pronto no segundo semestre de 2012 para finalmente realizar esse primeiro lançamento dos três previstos para o VLS-1.

No entanto, para que esse objetivo fosse alcançado seria necessário realizar no início de 2012 uma campanha de ensaios simulados dos diversos sistemas da Torre Móvel de Integração (TMI), visando à verificação da integração física, elétrica e lógica com o mockup do foguete e também a campanha do VSISNAV, conhecida como MIR – Mock-up para Ensaios de Interface de Redes Elétricas com suas redes.

Acontece que os cortes no orçamento protagonizados pela Presidente Chucky e seus energúmenos, desde o orçamento de 2011 (quando assumiu o governo) prejudicou sensivelmente o cronograma do IAE, fazendo inclusive com que a campanha prevista fosse dividida em duas, ou seja, a “Operação Salina”, já realizada, e a “Operação Santa Barbara”, a ser realizada em algum momento de 2013.

Para completar suas atitudes sem sentido que prejudicaram por três anos consecutivos esse projeto de suma importância para o Brasil (mais uma vez o orçamento de 2013 da AEB enviado ao Congresso chegou às raias da insanidade) em julho de 2012 a presidente Chucky liberou R$ 135 milhões visando o aumento de capital da mal engenhada empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS).

Assim sendo, fico a me perguntar leitor:

* O que levaria a presidente Chucky prejudicar o programa espacial nacional em detrimento de um acordo que é sabidamente entre os especialistas da área um desastre para o país?

* Será que a CHUCKYMANIA não confia na competência dos pesquisadores do IAE e teme que algo possa sair de errado, o que certamente prejudicaria sensivelmente a imagem do governo?

* Será que a CHUCKYMANIA está cedendo a possível e provável pressão americana para que o foguete não seja lançado?

* Será que existem outros interesses não tão nobres que impedem o andamento do projeto do VLS-1 e beneficiam o projeto da ACS?

* Será que a CHUCKYMANIA está temendo alguma atividade ilícita de outra nação contra o Brasil e com isso cozinhando o projeto e evitando o prejuízo político?

Talvez as repostas de todas essas perguntas possam ser incluída em uma só, mas a verdade é que, seja qual for a razão desse comportamento estapafúrdio, tanto o lançamento do VLS-1 VSISNAV, como outros projetos do IAE e do INPE serão profundamente prejudicados por essa atitude do Governo CHUCKY não só em 2013, como também em 2014 (ultimo ano de seu governo, assim eu espero, ou senão continuará o pesadelo) o que nos faz temer muito pelo nosso programa espacial.

O Raupp precisa se manifestar, dizer a verdade para sociedade, abrir o bico, caso contrario ao final de toda essa história (se permanecer no governo) estará colocando em risco a sua imagem de grande realizador, enquanto esses energúmenos estarão se reunindo em alguma pizzaria próxima da Praça dos Três Poderes em Brasília, vangloriando-se de sua subordinação, curtido com a sua cara e comemorando os resultados alcançados, e entre eles estará o Menestrel Bigodudo, ao qual o nosso ministro do MCTI sempre demonstrou ter apreço.

Duda Falcão

Comentários

  1. O que move o governo são alianças e quanto leite eles podem mamar da vaquinha. Se não levam o projeto VLS à frente é porque o leite se exauriu ...

    Afinal, acho que um satélite geoestacionário cotado a superfaturados valores de R$ 750 milhões deve proporcionar bastante leite ...

    ResponderExcluir
  2. O que continua a me causar espanto, é a total "falta de bolas" em todas as instâncias e instituições desse país.

    No cargo máximo a situação é natural, mas nos demais...

    Já no IAE e demais órgãos e instituições envolvidas no PEB, não me parece ser o caso, então a "falta de bolas", passa a ser um termo no sentido figurado.

    Tanto militares quanto civis, não podem se "insurgir" contra as medidas tomadas pelos seus superiores. Isso, até certo ponto eu entendo. Mas quando começa a causar prejuízos de grandes dimensões à naçãoe a seu povo, já começo a pensar diferente.

    Mas independente disso, reclamar, denunciar, alertar, é DEVER das pessoas que sabem dessas consequências, afinal, um dos alegados motivos da fatídica explosão de 2003, foi a falta de investimentos em volume e na cadência necessários. E periga acontecer novamente, pois como vimos, a "missão" original, precisou ser dividida sabe-se lá com que consequências.

    Mais uma vez, é do Raupp ao último técnico recém contratado. TODOS tem o DEVER de "abrir o bico", e nem é pela imagem deles ou do próprio programa que eles mesmos estão ajudando a colocar na lama devido ao conformismo e inércia.

    Falando em termos práticos, com tantos adiamentos e subdivisão de ações devido a falta de recursos, de forma tão irresponsável, o meu maior temor, é novamente pela segurança daqueles que talvez um dia estejam lá na plataforma preparando o foguete para lançamento.

    Podemos estar falando aqui de mais uma tragédia anunciada, como tantas outras que esses "governantes" nos brindam.

    #CUIDADO

    ResponderExcluir
  3. Tenho a impressão que a filosofia do governo é de Estado mínimo.

    Pode ser opinião pessoal, mas se: 1) O setor espacial está no comando dos militares; 2) Existe pressão internacional (principalmente dos EUA); 3) Precisam de dar alguém crédito a mal enfadada ACS; tudo indica que o governo não tem o minimo interesse de investir no VLS.

    Os militares são o um dos setores mais bem considerados pela população no país, segundo este artigo, e não admira que seja um genero de bicho papão para o governo Dilma (que colocou como ministro da defesa um dos mais destacados do governo Lula - o diplomata Celso Amorim - para resolver o pepino), e parece serem um gênero de entrave para algumas de suas idéias. Também não creio que o governo queira ficar com a fama de ceder aos norte-americanos, subtraíndo votos, ganhando a desconfiança internacional de vários aliados, e podendo até mostrar as falhas de segurança do país. E ainda o Alcantra Cyclone Space, que uma vez iniciado, e mesmo tendo falhado em vários aspetos (como na transferência de tecnologia), tem que mostrar alguma legitimidade - isso se não tiver razões mais sombrias por detrás.

    Parece que os interesses do país ficam em segundo plano, e como o mesmo se dá em várias outras áreas a idéia que fica é que tudo é resultado mesmo da má gerência política. Enquanto o povo dorme sobre o assunto, outros dois governos populistas são candidatos a entrarem no Mercosul, como dizem as notícias.

    ResponderExcluir
  4. Na minha opinião, essas pessoas que estão no poder, não se importam como deveria com o PEB, eles etão mais preocupados em ocupar o poder de forma hegemônica, e, é claro, os militares são na visão deles, uma ameaça, pois os militares ainda desfrutam de prestígio junto ao povo em geral. Se o VLS obtiver sucesso, será algo muito comentado no país a fora, e aparecerão alguns milicos de farda em programas de tv falando a respeito e isso dá visibilidade aos militares, coisa inconcebível na visão dos nossos governantes.
    Nós estamos enganados com essa gente, essa pessoas sequer podem ser consideradas patriotas, basta observar os acontecimentos na política da América Latina e a forma como nossos governantes reagem diante desses fatos.


    ResponderExcluir
  5. desde o ano passado eu lhe disse!

    A questão é que o programa do vls é negociado com os states. de forma tanto Fernando Henrique , Lula, Dilma...e outro que vier..vão empurrar com a barriga!

    Porque isso é geopolítico....China,Europa, EUA...não admitem o brasil liderar a America latina..fazendo um novo polo de poder!

    ResponderExcluir
  6. Olá Benito!

    Realmente deve ter alguma influência nesse sentido, mas não é só isso, o problema é bem mais complexo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  7. Teoria da conspiração aparte vejo nesse universo o cyclone IV como boi de piranha.....(para gringo ver?)

    ResponderExcluir
  8. Seria bom que o Cyclone IV fosse "boi de piranha" e o governo, na surdina, desenvolvendo o PEB. Já imaginaram?
    Os EUA ficariam loucos, hehehehehehe

    ResponderExcluir
  9. Como eu gostaria de acreditar nisso....

    ResponderExcluir
  10. Prezados,

    O programa espacial que temos hoje, bem ou mal, só existe por conta dos MILITARES em especial da Aeronáutica, e dos ESTADOS UNIDOS. Foi por iniciativa do pessoal da Aeronáutica, com apoio dos Estados Unidos que o CLBI foi criado e operacionalizado, por exemplo. Foi por interesse dos Estados Unidos, e um efetivo aproveitamento de oportunidades por parte do pessoal da Aeronáutica, que o Brasil absorveu a tecnologia da Bristol que nos permitiu desenvolver os foguetes Sonda I, II e III.

    Os militares conquistaram a sua excelente avaliação pelo povo em geral com muito trabalho, seriedade e honestidade.

    E nos dias de Hoje encarar os Estados Unidos como "inimigo" do Brasil, é tão cômico quanto o discurso desses populistas que andam por aí.

    Nenhum País é "amigo" de outro. O que existe nesse Mundo "globalizado", é um amontoado de interesses econômicos. De "política" mesmo, não existe nada. É tudo simples interesse econômico. E o único e real "poder" que existe, é o "poder econômico", nada além disso.

    A China por exemplo, soube tirar o maior proveito disso, e preferem fabricar produtos de valor agregado altíssimo como microprocessadores e todo tipo de componente eletrônico, e até produtos completos como os produtos da Apple, projetados nos Estados Unidos, que alguns acham que são o seu maior "inimigo", e revender de volta pra eles e vários outros países a preços baixos, mas em grande quantidade.

    Já o Brasil, para o seu maior "inimigo", prefere exportar o que?

    Suco de laranja...

    É amigos, "cada um com o seu cada qual".

    Att.

    ResponderExcluir
  11. Mais um exemplo de troca de interesses econômicos globais.

    Todos devem estar acompanhando o caso dos Boeing 787 e seus problemas técnicos, que inclusive colocaram toda a frota no chão até segunda ordem.

    Sabem qual é o País que opera o maior número de Boeing 787 ?

    O Japão, disparado, principalmente se considerarmos os aviões já em atividade.

    Sabem qual é o componente principal suspeito de causar os problemas? As baterias super leves (uma das principais características desse projeto).

    Sabem onde elas são fabricadas? No Japão !!!

    TUDO é troca de interesses econômicos.

    Att.

    ResponderExcluir
  12. Alguém acredita que um governo comunista que quer se instalar definitivamente no Brasil, trabalharia ou investiria em projetos que tornariam o Brasil mais desenvolvido tecnologicamente? Para os anseios comunistas, um país desenvolvido não é adequado para se instalar um regime comunista socialista bolivariano. Esqueçam que a Chucky (sic) não dará um tostão pro PEB. Está enterrado definitivamente, com a reeleição da Chucky., a menos que alguém cause um desastre com seu avião.O que espero que não tarde.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial