SCD-1 Completa 18 Anos em Operação no Espaço

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (07/02) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que o satélite brasileiro SCD-1 completará dia 09/02 18 anos de operação no espaço.

Duda Falcão

SCD-1: Primeiro Satélite Brasileiro
Completa 18 Anos em Operação

07/02/2011

Ao completar 18 anos em órbita, no dia 9 de fevereiro, o SCD-1 terá dado 94.994 voltas ao redor da Terra. Primeiro satélite desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o SCD-1 se mantém operacional e retransmitindo informações para a previsão do tempo e monitoramento das bacias hidrográficas, entre outras aplicações.

O lançamento do SCD-1 pelo foguete americano Pegasus, em 1993, foi o início da operação do Sistema de Coleta de Dados Brasileiro, agora chamado de Sistema Nacional de Dados Ambientais (SINDA). O sistema é baseado em satélites de órbita baixa que retransmitem a um centro de missão as informações ambientais recebidas de um grande número de plataformas de coleta de dados (PCDs) espalhadas pelo Brasil.

Este sistema fornece dados para instituições nacionais governamentais e do setor privado que desenvolvem aplicações e pesquisas em diferentes áreas, como previsão meteorológica e climática, estudo da química da atmosfera, controle da poluição e avaliação do potencial de energias renováveis.

SINDA

O satélite capta os sinais das PCDs instaladas por todo o território nacional e os envia para a estação de recepção e processamento do INPE em Cuiabá (MT). Depois os dados são transmitidos para o INPE Nordeste, o centro regional do Instituto localizado em Natal (RN), onde são processados e distribuídos aos usuários a partir do endereço http://sinda.crn2.inpe.br

Atualmente, o sistema é composto pelos satélites SCD-1 e SCD-2, este lançado em 1998. A modernização e revitalização do sistema SCD é uma das prioridades de desenvolvimento e atuação do INPE, principalmente para atender à demanda de alerta de desastres naturais.


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentário: Pois é leitor, realmente o funcionamento até hoje desse satélite no espaço demonstra claramente a grande qualificação dos profissionais que estiveram envolvidos na época com o seu projeto e também com o projeto do SCD-2. No entanto, também demonstra a total irresponsabilidade do governo para com o PEB. Vale lembrar que o período de vida previsto para esse satélite de baixo custo à época de seu lançamento era de um ano. Já o do SCD-2 era de dois anos e como a nota do INPE fala, o SCD-1 completará dia 09/02 18 anos no espaço e o SCD-2 completará 13 anos no espaço. Ou seja, já deveriam ter sido substituídos e felizmente ainda funcionam, mas podem parar a qualquer momento. Se isso acontecer, entra em colapso o Sistema Nacional de Dados Ambientais (SINDA). E ainda tem gente que defende a nossa desorientada agência espacial. Fazer o que? Minha avó costumava dizer com a sua simples sabedoria interiorana: “Meu neto, o maior cego é aquele que não quer enxergar”.

Comentários

  1. É uma surpresa para mim este satélite ainda a funcionar! Particularmente, gosto de equipamentos de longo uso, apesar de hoje sua tecnologia estar um tanto defasada...

    ResponderExcluir
  2. Pois é Antônio,

    No entanto funciona perfeitamente. O problema é que pode parar a qualque momento.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. E eles quase não foram pro espaço, já que a ideia inicial eram leva-los com os lançamentos do VLS. Todos três perdidos...ouve uma briga entre CTA e o INPE, para o lançamento. O INPE ganhou o direito de lança-los pelos lançadores Phoenix americanos.

    ResponderExcluir
  4. Bem lembrado Ricardo!

    Se não fosse isso, nem eles teríamos no espaço.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022