Laboratório Reduz Gargalo Espacial

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia publicada hoje (25/02) no jornal “Valor Econômico”, destacando que o ministro do MCT, Aloizio Mercadante, inaugura na próxima segunda-feira (28/02) importante laboratório para o “Programa Espacial Brasileiro”.

Duda Falcão

Laboratório Reduz Gargalo Espacial

Virgínia Silveira
Valor Econômico
25/02/2011

Claudio Capucho/Valor
Waldemar de Castro Leite, coordenador
do projeto aeroespacial: sistema
testará foguete brasileiro no ano que vem
O Brasil está prestes a resolver um dos principais gargalos do seu programa espacial. Na segunda-feira, o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, inaugura o Laboratório de Identificação, Navegação, Controle e Simulação, o primeiro em sua categoria na América do Sul, concebido para suportar as atividades de desenvolvimento de um sistema de navegação utilizado na estabilização de satélites em órbita e na orientação de um foguete no espaço.

O novo laboratório, que custou R$ 15 milhões e foi financiado com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), está vinculado ao projeto Sistemas de Navegação Inercial para Aplicação Aeroespacial (SIA). Administrado pela Fundação de Desenvolvimento e Pesquisa e avaliado em R$ 40 milhões, o projeto SIA é responsável pelo desenvolvimento de uma plataforma inercial completa. O primeiro protótipo da plataforma, de acordo com o coordenador do SIA, Waldemar de Castro Leite, já está com 70% do seu desenvolvimento concluído e a previsão é que o sistema seja testado no ano que vem, durante o lançamento do foguete brasileiro VLS.

Com capacidade para testar sensores em um nível de precisão de 0,1 grau por hora, o equivalente à medição de movimentos 100 vezes menores que o de rotação da Terra, o laboratório também estará disponível para atender a empresas de outros setores não ligados ao programa espacial, na área de sistemas inerciais. "O Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial poderá testar, de forma precisa, nesse laboratório, o sistema de controle do seu veículo aéreo não tripulado, em fase de desenvolvimento", diz Castro.

A Petrobras, segundo Castro, terá a opção de fazer no Brasil a calibração dos sistemas PIG. Esse dispositivo é usado com a finalidade de limpar o interior de dutos no fundo do mar. Empresas como a EMBRAER e a NAVCOM, que adotaram sistemas de navegação inercial em seus produtos, também poderão utilizar a estrutura do laboratório para fazer a calibração desses equipamentos e economizar o investimento feito em unidades estrangeiras.

A execução do projeto SIA está a cargo do Instituto de Aeronáutica e Espaço, órgão de pesquisa e desenvolvimento vinculado ao departamento aeroespacial. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) também participa do projeto, mas com o objetivo de montar uma malha de simulação real do sistema de controle de um satélite. O Instituto de Aeronáutica vai fornecer para o INPE um dos sistemas da plataforma inercial, chamado de girômetro, explicou Castro.

O sistema inercial de um foguete é composto por dois sensores principais: o girômetro e o acelerômetro, que repassam as informações sobre a posição do foguete no espaço para o computador de bordo do veículo. A plataforma inercial localiza e orienta o foguete durante a sua trajetória de lançamento, indicando, inclusive, os desvios de rota que possam ocorrer nesse período.

Ao desenvolver seu próprio sistema de navegação espacial, o Brasil entra para o seleto grupo de países capazes de desenvolver um dos componentes essenciais de um veículo lançador e, por isso, deixa de se submeter a todo tipo de embargo por parte dos países desenvolvidos. "Desde 1989, nenhum foguete de sondagem brasileiro foi lançado com sistema de controle, por conta das dificuldades para se adquirir esse sistema no exterior", afirma Castro.

Os sistemas inerciais dos protótipos de foguetes lançados pelo departamento aeroespacial, nos últimos 15 anos, foram comprados da Rússia e da França, em meados da década de 1990, mas com a oposição dos Estados Unidos. Os satélites que o Brasil fez com a China levam um sistema de controle de órbita chinês. Para os novos satélites brasileiros em desenvolvimento, o INPE está adquirindo o controle de uma empresa argentina. As aeronaves SuperTucano, da Embraer, utilizam um sistema da empresa americana Honeywell.

O domínio da tecnologia que envolve o sistema de navegação de veículos espaciais, segundo Castro, é estratégico, pois dará ao Brasil mais autonomia para o desenvolvimento do seu programa espacial, que há vários anos vem sendo afetado por sucessivos embargos tecnológicos. As negociações para a compra dos sensores da central inercial do primeiro protótipo do VLS, da Rússia, por exemplo, levaram mais de dois anos para serem concluídas e aprovadas. Os embargos ainda persistem e também afetam a compra de componentes para os satélites do INPE.

A tecnologia do SIA, segundo o coordenador do projeto, também está sendo repassada para a indústria nacional. O desenvolvimento da plataforma inercial envolve um consórcio de empresas formado por Mectron Engenharia, Equatorial, Optsensys, Navcon e Compsis.


Fonte: Jornal “Valor Econômico” - 25/02/2011

Comentário: Grande notícia a companheira Virginia Silveira nos traz hoje. Evidentemente a existência desse novo laboratório deve-se ao ex-ministro Sérgio Rezende, porém quem vai colher os louros é o atual ministro Aloizio Mercadante. O importante é que com esse laboratório o Brasil dará um salto muito grande para poder resolver o gargalo dos sistemas inerciais no país, que afeta não só o setor espacial como também vários outros setores. Parabéns ao MCT e ao ex-ministro Sérgio Rezende, afinal como diz o ditado popular: A César o que é de César".

Comentários

  1. Deveriamos hoje todos os brasileiros acender as velas e festejar...parabens a todos!

    ResponderExcluir
  2. Olá Benito!

    Realmente amigo é a notícia do ano até o momento. Acredito que segunda-feira o ministro Aloizio Mercadante deverá fazer outras promessas em São José dos Campos, que espero sejam realizadas, para que o mesmo não venha ser lembrado como um menestrel.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Me tira uma dúvida Duda, este sistema inercial por acaso é o "balisador orbital", que o Brasil teve que adquiri via mercado negro, para os VLSs que foram lançados e que explodiram ? Peça esta, que também sofria embargo dos americanos e europeus ?

    att,
    Ricardo Melo

    ResponderExcluir
  4. Olá Ricardo!

    Exatamente Ricardo. É o sistema de navegação (guiagem) completo do foguete composto principalmente pelo girômetro e o acelerômetro, que repassam as informações sobre a posição do foguete no espaço para o computador de bordo do veículo. A plataforma inercial localiza e orienta o foguete durante a sua trajetória de lançamento, indicando, inclusive, os desvios de rota que possam ocorrer nesse período. Por isso que não é fácil conseguir, já que é um sistema dual. Essa é uma grande notícia para o PEB, porém terá de ser testada ainda no vôo do VLS-1 XVT-01, previsto para ocorrer no primeiro semestre de 2012. Entretanto, com o corte no orçamento ninguém sabe.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  5. Legal esta noticia ,pelo que eu ouvi o Brasil tinha adquirido 4 sistemas inerciais da Russia lá por volta de 1994 dos 4 3 foram destruídos junto com os protótipos do VLS- (1997,1999,2003),e 1 foi utilizados para teste ou talvez engenharia reversa ,estes equipamentos russos quase causam uma crise com EUA na época ,mas se tem um lado bom do embargo é que o Brasil esta desenvolvendo um sistema inercial que usa fibra ótica,segundo que eu ouvia é um modelo muito avançado que alguns dizem melhores que os estrangeiros, espero que que fique proto a tempo para o tão esperado teste do VSL- ano que vem ,só uma curiosidade ,no MAB(Memorial Aeroespacial Brasileiro)aqui em S.J.dos Campos tem um protótipo do sistema desenvolvido pelo brasil tem o tamanho de uma caixa de pizza ,com 15 a 20cm de altura ,achei muito interessante , mas muito complicada para minha compreensão.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. 'Ao desenvolver seu próprio sistema de navegação espacial, o Brasil entra para o seleto grupo de países capazes de desenvolver um dos componentes essenciais de um veículo lançador e, por isso, deixa de se submeter a todo tipo de embargo por parte dos países desenvolvidos. "Desde 1989, nenhum foguete de sondagem brasileiro foi lançado com sistema de controle, por conta das dificuldades para se adquirir esse sistema no exterior", afirma Castro.'

    Notícia espetacular! Finalmente um laboratório dessa natureza. Afinal o Brasil tem a tecnologia!

    Devemos, entretanto, festejar com os pés no chão. Deve-se esperar medidas de embargo e até mesmo sabotagem perpetradas por nós sabemos quem tem esse interesse. Deve-se estar certos de que elas virão! Que a administração atual e as subsequentes possam estar preparadas. O Brasil já se atrazou demais no setor.

    ResponderExcluir
  7. Adendo: essa do Ministro Menestrel foi boa, Falcão! Hehehehehe!

    ResponderExcluir
  8. Olá André!

    Essa é a história amigo. O problema é, mesmo que fique pronta, será que haverá recursos para lançar o VLS-1 XVT-01 em 2012? Numa dividida, se essa história toda de reformulação da ACS e queda do Roberto Amaral for conversa mole, com o corte do orçamento, muito provavelmente grande parte do dinheiro será transferido para cumprir o cronograma de vôo do Cyclone-4. Afinal, não esqueça que essa mal engenhada empresa é um projeto político do PSB (partido da base governista no Congresso) e a pressão será muito grande.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  9. Olá André!


    É verdade amigo, considero essa a notícia do ano até o momento. Entretanto há ainda muita água para rolar debaixo dessa ponte. Temos dois empecilhos para cumprir o vôo do VLS-1 XVT-01 em 2012. São eles: o corte no orçamento e a mal engenhada empresa ACS. Quanto à questão da segurança, tenha certeza que o “Comando da Aeronáutica (COMAER)” está tomando todas as providências para evitar qualquer macacada, e só lançará o foguete quando estiver seguro de poder fazê-lo com o mínimo de risco. Já quanto ao ministro Mercadante, tenha calma amigo, ele ainda tem crédito, pelo menos até o final do ano. Depois daí é que veremos qual é a característica do mesmo, ou seja, o de realizador, ou se é mais um menestrel de Brasília.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  10. Prezado Duda
    Fiquei feliz em ver minha entrevista em seu blog, bem como os comentários. Vale alguns reparos. O projeto SIA foi decidido em 2004 e nada teve a ver com o Ministro Resende. A necessidade de autonomia nessa área já era discutida há décadas e foi viabilizada pelo esforço do Brigadeiro Tiago Ribeiro (hoje já aposentado). A tecnologia que se está desenvolvendo é tupiniquim mesmo e nada tem com os russos. Outra coisa: navegação e guiagem são coisas diferentes. Navegação é um sistema que mede o posicionamento do veículo ao longo do tempo. Guiamento (guiagem significa emissão de guias) é uma malha de controle que corrige a trajetória do mesmo.
    Parabéns pelo blog.
    Waldemar

    ResponderExcluir
  11. Olá Waldemar!

    Eu que lhe agradeço amigo pelo contato, pelo reconhecimento ao meu trabalho e pelos esclarecimentos técnicos, mas quando foi citado os russos, foi unicamente para lembrar aos leitores que o novo laboratório foi criado para desenvolver a plataforma inercial do VLS (entre outras atribuições, é claro) que antes teriam sido fornecidas pelos russos e não que os mesmos estivessem ligados ao seu desenvolvimento, entende? Lamento inclusive que o laboratório não tenha obtido da mídia a devida atenção, pois realmente é um grande avanço e você Waldemar como todos os envolvidos com esse projeto, ai se incluindo o Brig. Tiago Ribeiro, estão de parabéns. Espero que o IAE venha postar no seu site uma nota sobre o laboratório e sua inauguração e se possível com fotos.

    Forte abraço

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial