Tremor em Bauru: Meteorito Pode Ter Explodido

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (15/02) no site “www.jcnet.com.br” destacando que o tremor precedido de um forte estrondo que atingiu a cidade de Bauru e região pode ter sido causado por um meteorito.

Duda Falcão

Geral

Tremor: Meteorito Pode Ter Explodido

Uma semana após fenômeno na região,
a hipótese é de explosão no ar, o que explicaria
o estrondo e ausência de cratera

Vitor Oshiro
15/02/2011

O caso do tremor precedido de um forte estrondo que atingiu Bauru e região exatamente há uma semana continua intrigando a população. Entretanto, a hipótese de que um meteorito pode ter sido o causador do fenômeno – suspeita da maioria das pessoas - ganhou força. Segundo o astronauta bauruense Marcos Pontes, há meteoritos que, devido à sua composição, explodem antes de atingir o solo e deixam poucos vestígios. Caso bastante semelhante ocorreu nos Estados Unidos, em abril no ano passado.

Na ocasião, a Universidade de Wisconsin-Madison capturou, por meio de suas câmeras, o momento em que o asteroide entrou na atmosfera terrestre e explodiu, criando uma grande e ofuscante luz. O fato está registrado no site da Agência Espacial Norte Americana (Nasa). Moradores de seis Estados norte-americanos ligaram para a emergência relatando, além do brilho, um forte estrondo e um “boom” sônico.

Segundo os relatos, todas as partículas se desintegraram, porém, a energia que se soltou com o estouro foi de aproximadamente 20 toneladas de explosivos.

O caso chama a atenção justamente pela semelhança entre os fatos e por explicar a ausência de uma suposta cratera, o principal argumento utilizado para apontar que o fenômeno ocorrido na semana passada na região não havia sido causado por um meteorito.

Durante a semana, várias pessoas disseram ter visualizado uma “bola de fogo” no céu no momento do ocorrido. Todas dizem que houve um enorme clarão – possível de ser percebido mesmo durante o dia -, algo que vai em convergência com a descrição do acontecimento nos EUA.

O astronauta Marcos Pontes afirma que a hipótese é bastante plausível. “Há relatos de meteoritos que, por sua composição, quando entram em contato com a pressão do ar e com o aquecimento, simplesmente explodem. E essa é uma explosão que é ouvida e sentida, uma vez que provoca um forte deslocamento do ar”, informa.

Outro ponto que fortalece a hipótese é a proporção da vibração em relação à altura. Segundo o astronauta, os efeitos desse tipo de explosão são sentidos em locais mais altos. Em Bauru, o ponto que mais sentiu o tremor foi um grande edifício localizado no Jardim Estoril. Em entrevistas com moradores da zona rural de Borebi, muitos afirmaram que sentiram o impacto vindo de cima para baixo.

“Quem está no alto de um prédio, por exemplo, vai sentir mais do que quem está no solo. E a teoria é mais provável por que, apesar de não se saber o motivo, estamos tendo uma atividade muito grande de meteoros na Terra este ano. Juntando os fatos, a hipótese ganha ainda mais força”, completa o astronauta Marcos Pontes.

Ausência de Cratera

Se a explosão tivesse ocorrido antes de chegar ao solo, conforme explicita a possibilidade apontada pelo astronauta, o fato explicaria a ausência de uma cratera. No último sábado, após receber e-mails de que o suposto meteorito havia caído na zona rural de Borebi - uma das cidades que mais sentiram os efeitos do estrondo -, a reportagem foi verificar. Em aproximadamente sete horas de busca em uma área de aproximadamente 250 quilômetros, nada foi encontrado.

Ontem, o mesmo território, que é composto por áreas de mata fechada e muitos canaviais, foi sobrevoado por cerca de duas horas. Novamente, toda a procura foi em vão.

Logo após o fato na semana passada, pessoas de diferentes localidades disseram ter visto uma “bola de fogo” no céu. Os testemunhos vieram de Borebi, Agudos, Bauru e até mesmo de Itápolis, município localizado a aproximadamente 100 quilômetros de distância da região.

“Muitas pessoas podem ver e não ter a dimensão do local exato em que explodiu. É muito difícil saber isso. Se o astro realmente explodir no ar, o que cairá ao solo são pequenas pedras. Isso demora mais para ser localizado. Não é algo que abriria uma grande cratera. Será algo que a população irá encontrando aos poucos”, confirma.

O fenômeno misterioso ocorreu entre 14h30 e 15h30, há exatamente uma semana, e foi sentido em várias cidades. Além de Bauru, cidades como Lençóis Paulista, Pederneiras, Boracéia e, principalmente, Agudos e Borebi sentiram o impacto, o barulho assustador e tremor.

Asteróide ‘Tirou Tinta’ da Terra

A idéia de que o tremor misterioso foi causado por um meteorito sempre foi a “favorita” da população. A hipótese repercutiu ainda mais com a descoberta de que, quatro dias antes do fenômeno na região de Bauru, foi observado o asteróide que mais passou próximo ao Planeta sem que houvesse uma colisão direta.

Entretanto, o professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP) Roberto Dias da Costa afirma que é muito provável que os dois fatos sejam apenas uma coincidência, justamente pela diferença de quatro dias entre eles.

“Esses objetos possuem uma velocidade muito alta. Para haver essa diferença de quatro dias, ele teria que percorrer uma distância imensa. Eu descarto qualquer relação entres os dois fatos. Na verdade, acho muito difícil que seja um meteorito, porém, não é algo impossível”, explica.

Problema no Aqüífero é Bem Pouco Provável

Após várias hipóteses terem sido discutidas, uma outra teoria foi acenada durante a semana. O tremor poderia ter ocorrido em função de poços antigos perfurados na região e que, com a infiltração das águas entre blocos de rocha abaixo da superfície, provocariam os deslizamento desses blocos. Com isso, vários abalos seriam ocasionados.

O fenômeno se tornou freqüente no município paulista de Bebedouro desde 2004 e virou objeto de estudo dos especialistas. Entretanto, o professor do departamento de Geofísica do IAG da USP Marcelo Assumpção descartou tal hipótese.

Segundo ele, tremores causados por poços são situações extremamente raras e que, quando ocorrem, têm as mesmas características de terremotos naturais. Assim, deveriam ter sido registrados por sismógrafos, o que não ocorreu.


Fonte: site www.jcnet.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial