Colégio de PE Realiza "Missão a Marte" Via Holodeck

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (22/02) no site “JC Online” destacando que colégio pernambucano realiza "Missão a Marte" com seus alunos através de um "Holodeck Educacional".

Duda Falcão

EDUCAÇÃO
Holodeck Educacional

Quando a Sala de Aula se
Transforma num Foguete Espacial

Do JC Online
Publicado em 22.02.2011, às 17h33

Foto: Isabelle Figueirôa/JC Online
 A idéia do projeto é estimular o
pensamento crítico dos alunos

No lugar de quadro e pincel, Ipeds e projetores. Essa realidade já é comum em algumas escolas do Estado, principalmente nas particulares, mas quando a isso são agregados softwares, painel de controle sensível ao toque, som de alta definição e impressora em 3D, o paradigma muda mais uma vez. Essa é a realidade garantida pelo projeto Holodeck Educacional, desenvolvido pelo Thornburg Center of Space Explorations, com sede em Chicago, nos EUA.

O termo holodeck faz referência a um ambiente onde é possível realizar simulações de lugares e pessoas para fins de entretenimento e treinamento. Quem assistiu ao filme 'Jornada nas Estrelas: a próxima geração' compreende melhor o assunto: representa um espaço vazio que pode se transformar em qualquer lugar ou época. No caso do projeto em questão, o espaço pode se transformar em qualquer coisa. "Pode se tornar o espaço interplanetário, o fundo do mar, a floresta amazônica ou o corpo humano", explica o diretor do Grupo Atual de Educação, Renato Guedes.


Inédito no Brasil, a iniciativa chegou a Pernambuco de forma pioneira no dia 5 de outubro do ano passado, na sala de projeção do Colégio Atual, em Boa Viagem, Zona Sul do Recife. Na ocasião, alunos de 5ª a 8ª séries participaram de uma "Missão para Marte", onde se depararam com problemas aos quais, em equipe, precisaram resolver de uma forma multidisciplinar. "A nave é perfurada, acontece uma tempestade de radiação solar, eles precisam coletar amostras do planeta, mas não podem pousar nele", essas são algumas situações que eles precisam solucionar", explica a consultora pedagógica, Norma Thornburg.

Segundo a consultora, a idéia é estimular o pensamento crítico dos alunos. "Nenhum professor chegou para a turma e disse que Marte é frio, mas os estudantes, através da vivência e de pesquisas paralelas no momento das projeções, chegaram a essa conclusão", acrescenta.

Além do software, o projeto - desenvolvido por David Thornburg - precisa de uma sala equipada com quatro projetores, seis Ipeds e seis computadores. O Grupo Atual investiu, em média, R$ 35 mil. O Holodeck Educacional está disponível para que outras instituições adquiram, incluindo treinamento dos professores e orientação na compra dos equipamentos.

SERVIÇO

Outras informações: (81) 3301.3000


Fonte: site “JC Online” - http://jc.uol.com.br

Comentário: Veja você leitor, como são as coisas. Note a iniciativa e a visão dos professores deste colégio pernambucano que estão anos luz de distância da visão de nossa desorientada agencia espacial, apesar da mesma ter começado bem quando criou o programa “AEB Escola” em 2003. Infelizmente o modelo adotado não avançou e hoje é repetido ano a ano sem qualquer aprimoramento. Aqui na Bahia, conheço jovens estudantes que não querem mais participar por acharem que o programa não estimula desafios interessantes, já que para eles lançar foguetes de água deixou de ser interessante quando o objetivo foi conquistado. Precisamos no Brasil de eventos de verdade que estimulem o estudante a desenvolver o seu conhecimento através de projetos criados e coordenados pelos mesmos (evidentemente sob orientação adequada) não só na área de foguetes, como de sondas atmosféricas, experimentos em microgravidade, astronomia e astrofísica, robótica espacial, entre outros. Eventos como o “Spacecamps”, muito difundido mundo afora. Porém, infelizmente falta atitude na AEB e o “AEB Escola” continuará atraindo estudantes até o momento que eles perceberam que lançar foguetes de água e ar comprimido não é tão estimulante quanto parecia inicialmente. O blog “BRAZILIAN SPACE” Gostaria de parabenizar aos professores do "Colégio Atual" de Recife pela iniciativa. Vocês estão de parabéns e portanto nosso reconhecimento.

Comentários

  1. Prezado Duda
    Realmente o Grupo Atual em Pernambuco é muito atuante,em 2007convidei os alunos para nossa Base de Foguetes experimentais em Bezerros e tivemos o prazer de ser parceiro nos 1º foguetes da Rede de Colégios Atual e em especial o foguete do Atual Caruaru com Prof. Bernardes que fez um Excelente Lançamento com seu foguete Calango 01 na presença da cientista da NASA Drª Rosaly Lopes.
    Conheço de Perto o excelente Trabalho da Rede de colégio Atual em Pernambuco, meu filho teve o Privilegio de ser bolsista nesta excelente Instituição de Ensino e ser responsável pela confecção do combustível Solido de todos os Foguetes do Atual Caruaru.
    Um abraço Marcos Luna

    ResponderExcluir
  2. Pois é Professor Luna!

    Esse colégio esta realmente na vanguarda do ensino. São exemplos como esse que nos faz observar com mais propriedade a falta de visão de nossa desorientada agência espacial. Mas fazer o que? Não resta outra coisa a fazer a não ser continuar trabalhando para mudar essa situação através da divulgação e parabenizar o "Colégio Atual" por ter saído na frente. Espero que outras escolas do país sigam o mesmo exemplo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Só uma correção da materia do JC, o seriado Star Trek: The Next Generation, citado não é conhecido no Brasil como "'Jornada nas Estrelas: a próxima geração'", mas "'Jornada nas Estrelas: A NOVA geração'.
    Foi exibido no Brasil pela primeira vez por volta de 1990 na antiga Rede Manchete de TV. E depois reprisado alguns anos depois na Rede Record.

    obs: Sou TREKKER de carteinha...

    ResponderExcluir
  4. Como sempre preciso Ricardo.

    Tens toda razão amigo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial