O Que Falta Para Termos Mais Satélites 100% Brasileiros no Espaço?

Olá leitor!

Segue abaixo uma notícia postada hoje (31/11) no site da “Revista Galileu”, destacando o que segundo a revista falta para termos mais Satélites 100% Brasileiros no espaço.

Duda Falcão

TECNOLOGIA

O Que Falta Para Termos Mais Satélites 100% Brasileiros no Espaço?

O Brasil tem hoje 17 satélites artificiais ativos, todos feitos ou operados em parceria com outros países. Ter tecnologia espacial própria significa maior autonomia, segurança e desenvolvimento econômico

Por Marília Marasciulo
Revista Galileu
31 Jan 2020 - 17h29
Atualizado em 31 Jan 2020 - 17h33

(Foto: PIRO4D/Pixabay)
Brasil ainda avança em tecnologia de satélites.

Existem hoje cerca de 20.232 objetos lançados pela humanidade no espaço. Neste exato momento, pouco mais de 2 mil devem estar cruzando o céu acima de sua cabeça. E há uma grande chance de um deles ser um satélite artificial ativo: no total, há cerca de 2.200 orbitando a Terra, possibilitando desde o mapeamento de territórios e previsão do tempo até as telecomunicações.

Mas, de todos esses, somente nove são brasileiros — sendo que apenas seis são satélites grandes (os outros são nanossatélites, usados principalmente para fins educacionais). Em 2020, porém, um novo satélite fabricado no país deve aumentar nosso portfólio. A expectativa é que o Amazônia-1, primeiro satélite de monitoramento inteiramente desenvolvido pelo Brasil, seja lançado de uma base na Índia, em setembro.

Em desenvolvimento desde 2001, o Amazônia-1 ficará em órbita a 752 quilômetros da Terra, e terá como funções principais a observação da vegetação amazônica, da Mata Atlântica, do Pantanal, além da região costeira e bacias internas.

(Foto: Divulgação/INPE)
Amazonia-1, que será lançado em 2020, é o primeiro satélite brasileiro.

Mas, como dá para perceber pela nossa representatividade em órbita, o Brasil ainda engatinha quando o assunto são satélites. “O programa espacial brasileiro é modesto, não se compara com o dos Estados Unidos e da China, que investem bilhões”, diz o engenheiro Marco Chamon, coordenador geral de engenharia e tecnologia espacial no Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). A título de comparação, enquanto a NASA sozinha tem um orçamento de cerca de US$ 20 bilhões, o de todo programa brasileiro não passa de US$ 30 milhões.

O país tem hoje três tipos de satélites no espaço: os de coleta de dados, identificados pela sigla SCD; os de sensoriamento remoto da linha CBERS, uma parceria com a China que completou 31 anos em 2019; e um geoestacionário de defesa e comunicação estratégica (SGDC), lançado em 2017 junto com a França. 

Os Riscos da Dependência 

Ter os próprios satélites é importante por diversos motivos. Um dos principais é para a autonomia do país. “A dependência de tecnologias externas é perigosa”, adverte Chamon. Ele lembra um episódio histórico que ocorreu durante a Guerra das Malvinas, travada entre Argentina e Reino Unido, em 1982. O Brasil, que nunca teve os próprios satélites meteorológicos e, por isso, faz a previsão do tempo baseada em dados obtidos gratuitamente de satélites estrangeiros, teve o acesso aos números bloqueado pelos Estados Unidos. O país, que era aliado do Reino Unido, desconfiou que os brasileiros estariam enviando dados aos argentinos.

Além dos riscos de depender de outras nações para ferramentas cruciais ao desenvolvimento da nação, o pouco alcance da cobertura também pode se tornar um entrave para resolver problemas internos importantes. Um exemplo recente foi o do vazamento de óleo no mar que atingiu a costa nordestina no segundo semestre de 2019. As manchas poderiam ter sido detectadas – e controladas – muito antes se o país tivesse um satélite-radar monitorando sua costa.

“Nós compramos imagens, mas [se tivéssemos nossos próprios satélites] em situações de emergência poderíamos direcionar nossos satélites para elas”, observa Chamon. Ele ressalta que existe um acordo mútuo entre as nações de fornecer imagens em situações de emergência, como tsunamis ou os atuais incêndios na Austrália. “Mas não se vive só de perigo, queimadas e desastres, temos também a agricultura, entre outras atividades que poderiam se beneficiar da tecnologia”, completa. 

A Grama do Vizinho é Mais Cara 

Um dos maiores empecilhos para que o Brasil tenha seus próprios satélites ainda são os altos custos para se construir um. Com seus 630 quilos, o Amazônia-1, por exemplo, custou R$ 300 milhões e exigirá mais US$ 25 milhões para ser inaugurado. Já o SGDC, lançado em 2017, pesa quase 6 toneladas e custou R$ 2,8 bilhões. “Eles são caros, pois são feitos para durar bastante, não podemos arriscar. Compramos tudo do bom e do melhor, e até coisas duplicadas, para garantir que funcione”, comenta Chamon.

E, na maioria das vezes, o “do bom e do melhor” não é feito no Brasil. Basta olhar para Amazônia-1: 30% dos componentes são estrangeiros, entre eles o circuito integrado e os microprocessadores. O INPE argumenta que o país ainda não tem tecnologia e indústria própria para fabricar tudo — inclusive, um dos motivos para tamanha demora na fabricação do Amazônia-1 teria sido a opção por maximizar a participação da indústria nacional, tornando o processo mais devagar do que esperavam.

No entanto, na visão de Márcia Mantelli, professora de Engenharia Mecânica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o INPE erra ao ignorar o trabalho feito nas universidades. Nos Estados Unidos, que têm o maior número de satélites ativos e grandes investimentos em pesquisa espacial, as universidades têm um papel importante no desenvolvimento de tecnologia e inovação para a área. “O INPE não leva as universidades a sério, diz que nosso trabalho não tem qualificação”, diz. “Nós somos mais reconhecidos fora do Brasil do que dentro.”

Mantelli desenvolve tubos de calor em um dos laboratórios da UFSC. Esses equipamentos são fundamentais para o controle de temperatura do satélite, mas hoje são usados pela indústria petrolífera e aeronáutica. “O Brasil compra tubos de calor de fora [para os satélites], porque nosso principal cliente não acredita na gente, quem acredita é o setor privado”, argumenta a professora. 

Para o Caro Sair (Um Pouco Mais) Barato 

É também da UFSC o cubesat, uma miniatura de satélite em formato de cubo com 10 centímetros de cada lado e massa de até 1,33 quilo. Lançado no fim de 2019 “de carona” no CBERS-4A, é o mais recente satélite da série CBERS da parceria sino-brasileira. Batizado FloripaSat, ele foi inteiramente desenvolvido por cerca de 40 estudantes da universidade, que desde 2012 trabalham no projeto.

(Foto: Divulgação/UFSC)
Réplica do FloripaSat, satélite miniatura desenvolvido por estudantes da UFSC.

Claro que, com o tamanho limitado, as funções do FloripaSat também são restritas: por enquanto, a ideia é apenas monitorar seu funcionamento para validar a tecnologia criada pelos estudantes. “Esse é nosso maior diferencial, poderíamos ter comprado placas prontas, mas optamos por desenvolver tudo aqui”, diz o engenheiro mecânico Edemar Morsch Filho, doutorando no Programa de Pós-graduação em Engenharia Mecânica e líder da equipe de montagem, integração e teste da missão. Ele estima que isso tenha gerado uma economia de R$ 500 mil na construção do satélite, que custou R$ 300 mil, mais os US$ 70 mil para o lançamento.

E, talvez ainda mais importante do que o fator preço, seja o treinamento de pessoas qualificadas para pesquisas espaciais. Ter uma equipe capaz de desenvolver a tecnologia, como a de Morsch, é essencial para não depender da importação de peças. O engenheiro explica que entidades estrangeiras podem proibir a compra numa tentativa de barrar o desenvolvimento alheio. “Se alguém resolve cortar, já era”, diz Morsch. 

Investimento Que Compensa 

A UFSC não é a única universidade brasileira a participar do desenvolvimento de um cubesat. Esta modalidade de satélites, aliás, foi criada no fim dos anos 1990 com a intenção justamente de inserir universidades do mundo todo nas atividades práticas da exploração espacial. O primeiro modelo lançado pelo Brasil, o NanosatC-Br1, foi desenvolvido em parceria com a Universidade Federal de Santa Maria, no Rio Grande do Sul.

Em 2015, um consórcio acadêmico das universidade de Brasília (UnB), Federal do ABC (UFABC), Federal de Minas Gerais (UFMG), a própria UFSC, além de parceiros estrangeiros, participou do desenvolvimento do Serpens, um cubesat destinado a pesquisas e experimentos.

Marco Chamon, do INPE, concorda que as universidades brasileiras não estão suficientemente envolvidas no programa espacial. “Tanto que quando temos algo como o FloripaSat, praticamente inédito, comemoramos; se fosse algo normal, não comemoraríamos”, diz. Mesmo assim, ele pondera, para satélites grandes a prioridade é por tecnologias mais antigas e confiáveis, em vez de apostar em novidades. “Fica difícil fazer recall para satélite depois de lançado”, brinca.

Fato é que, seja para tecnologias antigas, seja para as novas, temos muito o que avançar. E, ainda que os investimentos pareçam altos demais, eles compensam: o desenvolvimento de satélites cria uma cadeia de benefícios não só na área espacial, mas em diversos segmentos da economia. “Nós até fazemos muito com pouco. Sob esse aspecto somos muito eficientes, e construímos boas bases para avançarmos”, analisa o engenheiro do INPE. A professora da UFSC concorda com ele neste ponto. “Não nos falta criatividade nem competitividade; falta estabilidade [para pesquisas e inovação]”, afirma. 

OS SATÉLITES E SUAS ÓRBITAS

Satélites artificiais têm as mais variadas funções e são distribuídos em órbitas diversas. Entenda:

Comunicação 

São os satélites com maior valor comercial, pois fazem a distribuição de sinais de telefone, internet e TV. Em geral, ficam em órbita geoestacionária — se deslocam sobre o Equador de um ponto fixo, acompanhando a rotação do planeta, a 35 mil quilômetros da Terra. 

Observação da Terra 

Podem ter diferentes utilidades dependendo do equipamento acoplado a eles, que vão de câmeras de alta-resolução a sensores. Ficam em órbitas mais baixas, entre 600 e 700 quilômetros, e são muito velozes. Também podem ter órbita polar — como o nome diz, deslocam-se no sentido norte-sul, cruzando o Equador em diferentes longitudes e mapeando todo o planeta. 

Militares 

Com sensores infravermelho, podem identificar alvos no escuro ou camuflados. São também muito precisos, capazes de fotografar territórios com precisão de centímetros. 

Pesquisa Espacial 

São satélites com telescópios acoplados capazes de fornecer imagens do espaço. O mais conhecido é o Hubble, em órbita desde 1990, a 600 quilômetros da superfície terrestre. 

Navegação 

Os mais famosos são os GPS, controlados pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos, que compõem uma constelação de 24 satélites capazes de detectar a posição de receptores na Terra. Costumam ficar em órbita média, entre 1000 e 35.700 quilômetros da Terra.


Fonte: Site da Revista Galileu - https://revistagalileu.globo.com

Comentários

  1. A matéria é interessante no sentido de despertar a curiosidade dos jovens e da sociedade brasileira de um modo geral sobre a temática espacial, especialmente sobre satélites.
    Apoiada nos depoimentos de dois grandes pesquisadores brasileiros, o Dr. Chammon e a Dra. Mantelli, a matéria elenca alguns tópicos que são motivo de preocupação, mas que são lugar comum no cotidiano de um programa que é o 4º ou 5º programa espacial mais antigo do mundo, quais sejam: a dependência tecnológica, a baixa frequência de entregas, a necessidade de mais satélites, a necessidade de satélites radares, a potencialidade de pequenos satélites (mais baratos e de produição mais rápida) para suprir nossas necessidade, a questão da falta de recuros, etc.
    No entanto, a matéria passa ao largo do grande entrave do PEB: A [baixa capacidade] de Governança e de Gestão. Desse modo, cai no lugar comum e acaba reproduzindo o mantra (ou justificativa honrosa) de que o problema é a falta de recurso, quando, na verdade, é falta de governança e de gestão que geram todas as mazelas do "patinho feio" [Falcão, E. 20??].
    Além dessa superficialidade de entendimento do problema, existem algumas afirmações da matéria que não condizem com a realidade dos fatos, dentre outros:
    1) "O Brasil tem hoje 17 satélites artificiais ativos, TODOS FEITOS OU OPERADOS EM PARCERIA COM OUTROS PAÍSES" - Em, verdade, os longevos e bem projetados SDS-1 e SCD-2 são projetos totalmente nacionais (exceto pelos componentes adquiridos no mercado internacional) e são exemplo da qualidade dos nossos engenheiros;
    2) "um geoestacionário de defesa e comunicação estratégica (SGDC), lançado em 2017 junto com a França" - Em verdade, o Brasil comprou o satélite que foi todo fabricado e integrado na França, não sendo assim uma parceria.

    Aqui tratamos com maior profundidade sobre esse tema: https://brazilianspace.blogspot.com/2019/11/artigo-revisao-da-realidade-brasileira.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022