O Brasil não Pode não Ter Ambições Espaciais

Olá leitor!

Segue abaixo uma entrevista com Alexandr Degtyarev, designer geral e diretor geral da empresa estatal ucraniana Yuzhnoye (responsável pelo projeto do Cyclone-4) postada dia (09/09) no site da “Universidade de Brasília (UnB)” onde o mesmo defende que o Brasil não pode deixar de ter ambições espaciais.

Duda Falcão

ENGENHARIA AEROESPACIAL

"O Brasil não Pode não Ter
Ambições Espaciais"

O responsável pelo projeto Cyclone-4, que estará na UnB
no dia 12 de setembro, explica em entrevista ao UnBCiência
como funciona o foguete que será lançado em 2013
em uma parceria do Brasil com a Ucrânia

Thais Antonio
Da Secretaria de Comunicação da UnB
09/09/2011

Há cinco anos, a empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS) saiu oficialmente do papel. Criada três anos antes, a parceria entre Ucrânia e Brasil nasceu com o objetivo de criar um veículo de lançamento de satélites. O foguete Cyclone-4 será lançado em 2013 a partir do Centro de Lançamento de Alcântara, no Maranhão.

Em entrevista ao UnBCiência, Alexandr Degtyarev, designer geral e diretor geral da empresa estatal ucraniana Yuzhnoye, responsável pelo projeto do Cyclone-4, explicou como funciona o foguete e quais as vantagens do modelo que substitui o Cyclone-3, também desenvolvido pela empresa. Degtyarev estará na Universidade de Brasília na segunda-feira, 12 de setembro, no seminário Brasil-Ucrânia: Oportunidades para a Cooperação Técnico-Científica no Espaço, que começa às 9h30, no Auditório da Reitoria.

Os veículos lançadores da Yuzhnoye já colocaram mais de 1.000 satélites em órbita. No projeto binacional, a empresa é responsável pelo projeto do foguete Cyclone-4, equipamentos técnicos do sítio de lançamento da ACS e estudos técnicos de cada missão.

A base de Alcântara é um ponto estratégico para o lançamento de foguetes, já que fica próxima à linha do Equador e permite que o veículo lançador utilize o movimento de rotação da Terra para diminuir a quantidade de combustível, além de ficar distante de áreas com alta densidade populacional. O Projeto Cyclone-4 custa US$ 487 milhões e é custeado pelos dois países, meio a meio. Cada veículo pode lançar até 18 satélites, em duas órbitas diferentes.

UnB Agência: O que é o Projeto Cyclone-4?

Alexandr Degtyarev: Ele baseia-se em um foguete já existente, que foi modernizado, o Cyclone-3. É um veículo com grande futuro no mercado para lançamento de satélites em órbitas baixas e também para órbitas geoestacionárias e será lançado no segundo semestre de 2013 em Alcântara.

UnB Agência: Qual a importância do Brasil nesse projeto?

Alexandr Degtyarev: O centro de lançamento de Alcântara tem uma posição geográfica ótima, que dá uma vantagem muito grande quanto ao lançamento, porque é próximo à linha do Equador. Além disso, Alcântara não é só um ponto geográfico, mas tem o programa espacial brasileiro e toda a infraestrutura para garantir o sucesso do Cyclone-4. O Brasil é o país que hoje é 5ª ou 6ª economia mundial. Esse país, absolutamente, não pode não ter ambições espaciais. O Brasil não possui o acesso real ao espaço e o Projeto Cyclone-4 é o que vai transformar esse acesso em realidade. Isso combina com interesses nacionais do Brasil e, sem duvida nenhuma, corresponde aos interesses nacionais da Ucrânia.

UnB Agência: Qual a contribuição da UnB no projeto espacial?

Alexandr Degtyarev: A Ucrânia tem necessidade e objetivo de trabalhar com cooperação internacional na área espacial e enxergamos o Brasil como um ponto para aplicar todas as nossas possibilidades e perspectivas. Primeiramente nossa área é de tecnologia de ponta e a ciência, técnica e negócios são todos muito misturados. Aqui são necessários especialistas de alta qualificação, por isso nós queremos, na medida do possível, favorecer o treinamento dos especialistas de alta qualificação aqui no Brasil, com a nossa experiência ucraniana. Gostaríamos de manter um programa de cooperação a longo prazo entre Ucrânia e Brasil, porque as nossas possibilidades são muito grandes. Ciência e Educação são a base para o desenvolvimento de todo o projeto e temos o desejo muito grande de cooperar com a Universidade de Brasília.

UnB Agência: Quais são os mercados potenciais de satélites?

Alexandr Degtyarev: Nosso lançador resolve duas tarefas. Uma é o lançamento para órbita geoestacionária capacidade de carga útil um pouco limitada, de 1.700 kg, que abrange, principalmente, satélites de comunicação, de transmissão e meteorológicos. A outro é o lançamento para as órbitas baixas, que incluem satélites para sensoriamento remoto que, em termos gerais, resolvem situações para agricultura, florestas e situações de emergência, além de objetivos militares. Outro grupo pode ser de aparelhos espaciais de órbita baixa que podem resolver pesquisas científicas, como prognósticos de terremotos. No caso do terremoto do Japão, por exemplo, as despesas que o país teve com o desastre dariam para pagar a pesquisa completa.

UnB Agência: Qual o diferencial do Cyclone 4 em relação aos veículos anteriores?

Alexandr Degtyarev: Ele foi feito em cima do Cyclone 3, que foi criado na Rússia e foi praticamente o primeiro complexo de preparação automatizada para lançamento. Pegamos tudo de melhor do Cyclone 3 e colocamos no Cyclone 4. O foguete foi modificado principalmente no terceiro estágio (parte de cima do foguete, que armazena os satélites e é a última parte que sobe o veículo antes do lançamento dos satélites). Aumentamos a reserva de combustível, aperfeiçoamos o propulsor que providencia um esquema melhor de vôo do terceiro estágio e aumentamos a capacidade de carga útil. O motor pode ser ligado cinco vezes, o que permite lançar satélites para órbitas diferentes e isso é muito importante para posicionamento no mercado. Outra coisa, esse veículo lançador está em conformidade com os requisitos modernos dos consumidores. Aumentamos o volume do bloco de coifa para colocar os satélites e o regime de temperatura e umidade é mais conveniente. Tudo isso foi aperfeiçoado.


Fonte: Site da Universidade de Brasília (UnB)

Comentário: O representante da Yuzhnoye esqueceu de falar convenientemente da alta toxicidade dos motores desse trambolho que estarão contaminando os céus de nossa país e não do país dele, esqueceu também de dizer que tecnologicamente esse acordo não acrescenta nada ao Brasil, já que não há transferência de tecnologia e nem desenvolvimento conjunto na confecção desse foguete, fora a sua concepção nada comercial para o nicho que pretende atuar além de ser um foguete ecologicamente inviável o que o torna politicamente mal visto internacionalmente dificultando ainda mais a sua comercialização. Um verdadeiro desastre, capitaneado por um incompetente, endossado por um humorista irresponsável e motivado por questões políticas, que só fizeram atrasar ainda mais o verdadeiro programa de foguetes do país. Não somos contra um acordo que gere uma empresa como a ACS, só discordamos da forma como foi feito, da escolha dos ucranianos e de sua tecnologia tóxica, da concepção do foguete (já que não atenderá o nicho que pretende atingir), da falta de envolvimento da indústria brasileira no desenvolvimento do foguete, e na concepção acionária da empresa, que deveria ser de capital misto (público e privado) sob a direção de profissionais preparados e não políticos de...loides.

Comentários

  1. finalmente alguem que disse o que deve ser dito,ate que enfim!

    ResponderExcluir
  2. Olá Empalador!

    Seja bem vindo ao nosso blog. Olha, se você se refere ao conteúdo de nosso comentário, na realidade essa sempre foi a posição do blog "BRAZILIAN SPACE" e já conhecida de nossos leitores. O acordo com a Ucrãnia foi um desastre para o Brasil, responsável que foi por retirar recursos do programa de foguetes do IAE e do PEB como um todo, e principalmente dificultar o relacionamento com os russos, que haviam feito uma proposta muito interessante ao Comando da Aeronáutica (COMAER) na época em que o incompetente Roberto Amaral negociava com os ucranianos. Uma pena, dinheiro perdido, tempo perdido e ainda para completar o desastre teremos o nosso território contaminado por esse trambolho ucraniano. Só mesmo no Brasil.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Por favor, vejam isto...
    http://en.wikipedia.org/wiki/Ariane_4

    e isto

    http://en.wikipedia.org/wiki/Proton_rocket

    ResponderExcluir
  4. Valeu Carlos pela dica.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial