quarta-feira, 1 de agosto de 2018

Detecção de Ondas Gravitacionais Abriu Novo Campo na Astronomia, Diz Pesquisador do INPE

Olá leitor!

Segue agora uma nota postada dia (27/07) no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC) destacando que segundo o que disse pesquisador Odylio Denys Aguiar do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) durante a “70ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC)”, a Detecção de Ondas Gravitacionais abriu novo campo na Astronomia.

Duda Falcão

Detecção de Ondas Gravitacionais Abriu Novo
Campo na Astronomia, Diz Pesquisador do INPE

Odylio Denys Aguiar fez parte do grupo internacional que detectou esse
fenômeno, resultando na conquista do Nobel de Física de 2017.

Por ASCOM
Publicado 27/07/2018 - 12h12
Última modificação 27/07/2018 - 12h14

Foto: Ascom/MCTIC
Pesquisador Odylio Denys Aguiar, do INPE, participa da SBPC.

A detecção de ondas gravitacionais, em 2015, abriu um novo campo na astronomia. A opinião é do físico Odylio Denys Aguiar, um dos integrantes da equipe do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) que participou do Observatório Inteferométrico de Ondas Gravitacionais (Ligo, na sigla em inglês). O estudo resultou na conquista do Prêmio Nobel de Física de 2017 aos pesquisadores norte-americanos Rainer Weiss, Kip Thorne e Barry Barrish.

Odylio lembrou, em palestra no auditório do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) na 70aReunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), que a descoberta comprovou parte fundamental da Teoria Geral da Relatividade, formulada por Albert Einstein. A formulação propõe que o espaço e o tempo são deformados em diferentes dimensões quando massas muito grande estão próximas ou colidem. Através de uma colisão entre estrelas de prótons foi possível comprovar a tese.

"Foi um registro muito curto de cerca de um segundo, mas foi suficiente para que conseguíssemos detectar a ocorrência das ondas gravitacionais. Elas ocorrem sob o mesmo princípio de quando jogamos uma pedra em um lago e vemos as ondas se formarem em várias direções, para longe do epicentro. Constatarmos que elas existem abriu um campo totalmente novo na astronomia, e nosso desafio agora é prosseguir com as pesquisas para entendermos cada vez mais esse fenômeno", afirmou Aguiar.

Além dele, outros cinco pesquisadores da Divisão de Astrofísica do INPE participaram da Colaboração Cientifica Ligo: César Augusto Costa, Márcio Constância Júnior, Élvis Camilo Ferreira, Allan Douglas dos Santos Silva e Marcos André Okada.

O grupo do INPE trabalha no aperfeiçoamento da instrumental de isolamento vibracional e térmica na Ligo, na futura operação com espelhos resfriados. O principal objetivo é aumentar a sensibilidade dos detectores para observar mais fontes de ondas gravitacionais. Além disso, o grupo atua na caracterização dos detectores, buscando determinar as suas fontes de ruído e a redução dos seus efeitos nos dados coletados, permitindo que sinais de ondas gravitacionais fortes sejam mais facilmente localizados.

O Que São Gravitacionais?

Ondas gravitacionais carregam informações sobre suas origens e sobre a natureza da gravidade que não podem ser obtidas de outra forma. As ondulações no tecido do espaço-tempo provocadas pela colisão de buracos negros haviam sido previstas, mas nunca observadas antes do Ligo. 

De acordo com a relatividade geral, um par de buracos negros orbitando entre si perde energia através da emissão de ondas gravitacionais, fazendo-os se aproximarem gradativamente ao longo de bilhões de anos e bem mais rápido nos minutos finais. Durante a fração final de segundo, os buracos negros colidem um contra o outro com velocidade aproximadamente igual à metade da velocidade da luz e formam um buraco negro mais massivo, convertendo em energia uma porção da massa total do par, de acordo com a fórmula de Einstein E=mc2.


Fonte: Site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC)

Nenhum comentário:

Postar um comentário