domingo, 12 de agosto de 2018

Chefe do Pentágono Vem ao Brasil e Poderá Discutir Base de Alcântara

Olá leitor!

Trago agora para você a matéria publicada na edição de ontem e hoje (11 e 12/08) do jornal “O Estado do Maranhão” de São Luís, tendo como destaque a visita do Chefe do Pentágono ao Brasil, onde o mesmo poderá discutir (entre outras coisas) a Base de Alcântara.

Duda Falcão

O PAÍS

Chefe do Pentágono Vem ao Brasil e
Poderá Discutir Base de Alcântara

Em sua primeira visita à América do Sul, James Mattis desembarca neste domingo
no Brasil e deverá se reunir com o chanceler Aloysio Nunes e o ministro da Defesa,
general de reserva Joaquim Silva e Luna

O Estado Do Maranhão
11 e 12/08/2018

BRASÍLIA - James Mattis, secretário da Defesa americano, fará a partir deste domingo (12), sua primeira visita à América do Sul. Em busca de mais parcerias com países como Brasil, Argentina, Chile e Colômbia, a visita coincide com um momento ruim na Venezuela, que atravessa grave crise institucional, com o acirramento da violência por causa do narcotráfico, e com o aumento da influência da China na região, o que desagrada Washington.

No Brasil, por onde a visita começa, Mattis se encontrará com o chanceler Aloysio Nunes Ferreira e o ministro da Defesa, o general de reserva Joaquim Silva e Luna. A visita ocorre em um momento crucial na relação bilateral: há a proposta de compra da Embraer pela Boeing, e os dois países estão negociando um acordo que pode viabilizar comercialmente a base de lançamento de satélites de Alcântara: depois de anos parado, o tema teve o sinal verde do governo americano, que agora debate detalhes do texto com o Brasília. Se aprovado, o acordo terá que ser aprovado pelo Congresso brasileiro.

Ele também visitará o Rio de Janeiro, onde falará na Escola Superior de Guerra. Os dois países passam por uma fase de maior cooperação na área de segurança, depois de boas experiências na Copa do Mundo e nas Olimpíadas. No início do ano, foi criado um foro bilateral sobre o tema.

Qual o Potencial da Base de Alcântara?

Após anos tentando desenvolver um foguete VLS (Veículo de Lançamento de Satélites), o Brasil abandonou esse projeto. Foram três tentativas frustradas de lançá-lo de Alcântara - na última delas, em 2003, o foguete explodiu em solo e provocou 21 mortes.

O governo decidiu focar, então, no desenvolvimento do VLM (Veículo Lançador de Microsatélite), que hoje apresenta potencial comercial mais promissor e cuja conclusão está prevista para até 2020. Mais baratos, os satélites menores tem se tornado cada vez mais importantes para a produção de imagens da terra, vigilância, navegação por GPS e comunicação por internet.

O Space Enterprise Council, que representa a indústria espacial norte-americana, estima que até 2022 podem ocorrer até 600 lançamentos de satélites de até 50 quilos e que o Centro de Lançamento de Alcântara poderia abocanhar 25% desse mercado.

Apesar disso, as autoridades brasileiras dizem que não é possível ainda estabelecer qual o potencial econômico do centro da Alcântara. Michele Melo e Carolina Pedroso, analistas em Ciência e Tecnologia da AEB, estão estudando quais os modelos de negócios possíveis. Elas explicaram que não há hoje uma base de lançamento no mundo focada em microsatélites que possa servir de parâmetro para o brasileiro.

Segundo as analistas, hoje, a infraestrutura de lançamentos em Alcântara está quase pronta para ser explorada comercialmente, graças aos investimentos feitos na época do acordo com a Ucrânia e dos lançamentos de foguetes de treinamento e de satélites suborbitais com experimentos científicos curtos (89 nos últimos dez anos) que são realizados para manter a estrutura do centro funcionando. A parte logística, porém, exigirá investimento em um novo porto, melhoria do aeroporto e da rede hoteleira. Algumas estruturas da época do acordo com a Ucrânia ficaram incompletas e estão "abandonadas", segundo lideranças quilombolas da região.

MAIS

Representante da ONU Conhece CLA

Em sua visita ao Brasil, no início deste mês, a diretora do Escritório das Nações Unidas (ONU) para Assuntos do Espaço Exterior, Simonetta Di Pippo, visitou o Centro de Lançamento de Alcântara (CLA) e conheceu as estruturas relacionadas ao programa espacial em Brasília (DF). Ela conheceu de perto projetos desenvolvidos no INPE.


Fonte: Jornal O Estado do Maranhão – 11 e 12/08/2018 – Pág. 06

Comentário: Pois é leitor, o chefe do Pentágono está chegando ai e vamos ver como essa história vai acabar. Aproveito para agradecer ao nosso leitor maranhense Edvaldo Coqueiro pelo envio desta notícia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário