'Não Existe Isso de Bolsa de Pesquisa Com Triagem Ideológica', diz Marcos Pontes

Olá leitor!

Segue abaixo uma interessante matéria/entrevista com o nosso Ministro-Astronauta Marcos Pontes publicada hoje (01/02) no site do "Jornal Folha de São Paulo" tendo como destaque a vigem da comitiva ministerial a Israel. Vale a pena conferir.

Duda Falcão

CIÊNCIA

'Não Existe Isso de Bolsa de Pesquisa Com
Triagem Ideológica', diz Marcos Pontes

Ministro afirma ainda que crença em Terra plana e teoria da conspiração lhe
dão arrepios e que quer incentivar participação de mulheres na ciência

Por Daniela Kresch
Folha de São Paulo
1º de fevereiro de 2019 às 6h00

Tel Aviv - Para o astronauta Marcos Pontes, atual ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), não existe "nada disso" de bolsa de pesquisa com triagem ideológica. "Temos cientistas e temos que ter resultados. A minha preocupação é sempre o desenvolvimento de ciência e tecnologia", disse ele à Folha durante viagem a Israel.

No país, o ministro visitou duas usinas de dessalinização e estações de tratamento de água e esgoto, além de empresas de tecnologia como a Israel Aerospace Industries (IAI) e a Agência Espacial de Israel.

Primeiro e único brasileiro a ter viajado para o espaço até hoje, Pontes tem defendido levar a ciência e tecnologia para os mais jovens como forma de promover a carreira e incentivar a formação de novos profissionais. Inspirado pela experiência israelense, disse que quer criar  dentro das universidades, escritórios de promoção de inovação que possam comercializar os produtos criados nessas instituições para conectar pesquisa, inovação e empresariado.

Foto: Odjair Baema
O astronauta e ministro Marcos Pontes em viagem a Israel.

Segundo Pontes, essa é uma das fórmulas para atrair investimentos para o setor —a pasta tem visto seu orçamento cair nos últimos cinco anos. O valor atual equivale, se corrigido pela inflação, à metade daquele de 2013.

O ministro disse ainda que quer incentivar a participação de mulheres na ciência do país. "Às vezes as meninas ficam um pouco retraídas quanto a isso, e eu preciso achar maneiras de trazê-las para dentro da ciência e da tecnologia", disse.

Pontes é a primeira autoridade do governo Jair Bolsonaro (PSL) a visitar Israel, país com o qual o governo tem estreitado relações —o ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, já declarou alinhamento com os EUA e Israel por afinidade ideológica, e o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu, esteve na posse presidencial.

A viagem de Pontes é uma espécie de preparação para a visita de Bolsonaro a Israel, prevista para acontecer no fim de março.

O sr. se encontrou com o primeiro-ministro israelense, Binyamin Netanyahu. Como é que foi essa conversa? Há alguma parceria mais concreta desta viagem?

Foi excelente, principalmente para agradecer a participação de Israel momento difícil lá em Brumadinho. Eles enviaram um avião com equipamento, com pessoas. Essa demonstração de boa vontade a gente tem sempre que agradecer. Depois, ele gravou um vídeo mandando uma mensagem ao presidente.

O sr. parece ter uma preocupação em passar uma imagem esperançosa para a juventude em relação à ciência. O que será feito para garantir que os jovens tenham vontade de seguir uma carreira científica ou tecnológica?

Tem três coisas que crianças e adolescentes adoram: espaço, robôs e dinossauros. (Risos). Eu não sei por que, mas são essas três coisas. Trabalhar com projeto [científico] é uma coisa muito atraente, essa maneira de educar com um problema para resolver. Você chega com uma série de componentes eletrônicos, coloca em cima da mesa e fala: "Construam um rádio AM que pegue tal frequência". Esse desafio de construir as coisas é superlegal e a garotada adora isso. Imagina, então, construir micro e nanossatélites.

Isso pode ser trabalhado no ensino médio ou no ensino fundamental e tira os alunos daquela coisa de sentar na sala de aula, como na minha época, assistir à aula no quadro de giz, estudar para a prova, fazer a prova... A gente tem que mudar isso aí. Acho que o espaço é uma ferramenta excelente para essas coisas.

Em geral, as meninas vão melhor do que os meninos nas escolas, mas poucas continuam na carreira científica. Só 14% da Academia Brasileira de Ciências é hoje integrada por mulheres. O senhor pretende mudar esse cenário?

Sim. Na minha turma da NASA, por exemplo, o melhor astronauta é uma mulher, na minha opinião. A gente precisa ter maior participação de garotas interessadas por ciência e tecnologia. Existem programas em que nós estamos trabalhando com o Ministério da Educação para Ciência e Tecnologia. Ciência e tecnologia é para todo mundo. Às vezes as meninas ficam um pouco retraídas quanto a isso, e eu preciso achar maneiras de trazê-las para dentro da ciência e tecnologia.

O que pode ser feito?

Tem muitas coisas que podem ser feitas. A gente está ainda iniciando esse programa, mas isso aí está dentro da minha cabeça já faz um bom tempo. Quem me conhece sabe que eu vivo falando de educação e que eu adoro trazer as crianças e os jovens para essa área.

O orçamento de Ciência e Tecnologia no Brasil tem sofrido muitos cortes. Qual é o plano para tornar o país competitivo e voltar a avançar?

Esse é uma das questões que a gente tem que trabalhar muito seriamente durante este ano. Se acompanharmos o orçamento ao longo dos anos, vemos que ele vem sendo reduzido e contingenciado. É um trabalho grande que eu e a comunidade científica temos discutido. Agora vai entrar o Congresso, e é importante conversar com os nossos representantes sobre a importância estratégica da ciência e da tecnologia. Existem outras possibilidades também.  

Como assim?

Por exemplo, a possibilidade de descontingenciar o Fundo de Ciência e Tecnologia. A gente tem discutido isso com a equipe econômica. Agora vamos começar a discutir com o Congresso aquela questão de mostrar resultados. Eu tenho falado muito dentro do ministério de ter retorno de investimento. Quando você aplica um certo recurso, como quando você começa uma empresa pequena, você tem que trabalhar com que você tem, aí você produz alguma coisa, aquilo gera mais recursos e as pessoas vão percebendo a importância de ciência e tecnologia.

A gente tem que recuperar esse prestígio e o prestígio do pesquisador. Tudo isso é um sistema que, aos poucos, vai ganhando espaço e, assim, vamos aumentando os nossos recursos. Mas é importante a participação contínua disso. Tenho conversado com a comunidade científica, com empresas com base tecnológica, para que juntos, nos levantemos o setor. Sem educação e ciência e tecnologia você não consegue desenvolver o país. Somos estratégicos.

Digamos que o orçamento continue aquém do necessário, quais são as prioridades?

Nós temos já uma previsão dentro do que existe nas linhas do orçamento. Quando você tem um cobertor curto, precisa eleger alguns pontos que considera mais importantes. Sabe o princípio de Pareto, que diz que 20% são responsáveis por 80% do resultado? Para mim, isso significa que é preciso atrair investimentos, e para isso é preciso ter pesquisa e alinhar os centros de pesquisa, de forma que os resultados sejam atraentes.

Pesquisa então é uma prioridade?

Sem dúvida. As pesquisas têm que atrair investidores e a criação de startups. Então, há duas áreas nevrálgicas: pesquisa básica e inovações.  

Isso significa investir na ligação entre universidades, pesquisa e empresas? 

Sim. Esse conjunto é o que temos que buscar. Se olharmos aqui em Israel, é isso que gera toda essa pujança que eles têm em termos de novas empresas de base tecnológica.

O governo sempre investiu na tentativa de fazer com que cientistas registrassem mais patentes. Mas a indústria brasileira continua tímida nessa área, cada vez mais dependente de commodities. Como mudar isso?

Justamente por isso essa relação entre as universidades e a inovação é importante. A gente ainda está desenvolvendo uma ideia de como instituir dentro das universidades um escritório ou um setor que promova a inovação dentro delas, da mesma forma como existe aqui nas universidades de Israel. É uma possibilidade de fazer lá [no Brasil], não é complexo de fazer, não tem custo alto e o resultado é muito grande. É o que eu falo: faz parte desses 20% de Pareto, né?

Segundo reportagem do jornal O Globo, o governo Bolsonaro estudava mudanças nos critérios para concessão de bolsas de pesquisa, com triagem ideológica. Existe algum tipo de orientação ideológica?

Não, para mim não existe nada disso. Temos cientistas e temos que ter resultados. A minha preocupação é sempre o desenvolvimento de ciência e tecnologia.

Sem nenhum tipo de ideologia ou de questões como a Terra plana...

Ah não, isso não é ideologia, isso é coisa que me dá arrepio! (Risos) Esse negócio de Terra plana e essas teorias da conspiração não fazem parte da ciência. A gente tem ótimos cientistas no Brasil, temos todas as condições de desenvolver muita coisa boa para o país através de pesquisa, através de tecnologia. Mas sem essas questões aí.

Qual é o balanço que o senhor faz do primeiro mês do governo Bolsonaro?

Como todo sistema, é preciso fazer ajustes no início, mas vamos nos acertando. Uma coisa que estou gostando muito é a parceria e a proximidade de todos os ministros. Essa talvez seja a maior vantagem de não ter tido indicações políticas. Você imagina: um cara é de um partido, outro cara é de outro, que às vezes têm outros interesses que não são o interesse do país. Entre nós, a discussão é sempre em torno do que podemos fazer juntos. O país é muito grande, com problemas grandes, e precisa dessa interação.

O Ministério de Ciência e Tecnologia é uma ferramenta. A gente tem que trabalhar para o Ministério da Saúde, para os ministérios da Justiça, Segurança, Agricultura. A tecnologia está em tudo. É essencial ter essa cooperação afinada.


Fonte: Site do Jornal Folha de São Paulo - 01/02/2019

Comentário: Parabéns ao Ministro Marcos Pontes pela grande entrevista dada este jornal paulista de grande circulação e sabidamente hostil ao Governo Bolsonaro. Algumas ideias aqui passadas pelo ministro me agradaram bastante e creio que agradarão aos que lerem essa matéria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial