INPE Auxilia no Mapeamento do Desastre em Brumadinho

Caro leitor!

Segue abaixo uma notícia postada dia (05/02) no site oficial do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que este instituto está auxiliando no mapeamento do desastre em Brumadinho.

Duda Falcão

NOTÍCIA

INPE Auxilia no Mapeamento
do Desastre em Brumadinho

Por INPE
Publicado: Fev 05, 2019

São José dos Campos-SP, 05 de fevereiro de 2019

As imagens de satélites e sistemas de geoprocessamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) ajudam a dimensionar a tragédia causada pelo colapso da barragem em Brumadinho (MG). Cenas do satélite sino-brasileiro CBERS-4 foram obtidas em caráter emergencial já no dia seguinte ao desastre. O INPE também forneceu imagens de agências espaciais de outros países ao Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (CENAD).

"O CBERS-4 nos garante a possibilidade de obter imagens coloridas em alta resolução (5 metros) de qualquer local do Brasil a cada três dias, intervalo oferecido pela maioria dos satélites do mundo. Para imagens diárias ou frequência superior a três dias é necessário um conjunto de satélites", explica Laércio Namikawa, da Coordenação de Observação da Terra do INPE.

O apoio do INPE permitiu a produção dos primeiros mapas usados para orientar a busca por vítimas em Brumadinho (confira aqui). Adicionalmente, a trajetória da lama foi calculada com base nas imagens de satélites aplicadas ao HAND, um modelo digital desenvolvido pelo INPE para mapear áreas de risco e de vulnerabilidade a desastres.

O INPE é membro do International Charter Space and Major Disasters - um consórcio de agências espaciais de vários países que fornece, sem custos, imagens de satélite em situações de emergência causadas por desastres em todo o mundo. Para atuar no Brasil, o consórcio deve ser acionado a pedido do CENAD.

"No caso de Brumadinho, o CENAD considerou ter quantidade suficiente e o chamado para aquisição de imagens via Charter já foi encerrado. Mas temos condições de oferecer imagens CBERS se houver demanda", informa Namikawa.

O pesquisador do INPE destaca ainda que os dados do satélite sino-brasileiro estão à disposição para suporte a qualquer tipo de desastre no Brasil. "O Charter não atende secas, por exemplo, e a estiagem no Nordeste estava afetando o abastecimento de uma cidade. Este é um tipo de situação que mapeamos com nossos satélites".



Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022