Startup Instala-se no Cabo Canaveral e Vai Construir Foguetes Impressos a 3D

Olá leitor!

Uma notícia foi postada ontem (17/01) no website português “Tek.Sapo” destacando que uma  Startup se instalou em Cabo Canaveral (EUA) e vai construir foguetes impressos a 3D.

Duda Falcão

NOTÍCIAS

Startup Instala-se no Cabo Canaveral e
Vai Construir Foguetões Impressos a 3D

Empresa aeronáutica quer revolucionar a forma como os foguetões
são construídos, através de processos de impressão 3D.

Por Rui Parreira
Tek. Sapo
17 jan 2019 - 17:14


A startup aeroespacial Relativity Space conseguiu um ambicioso lugar no porto espacial do Cabo Canaveral, localizado na Flórida, nos Estados Unidos, e vai em breve começar a construir, ou melhor, a imprimir foguetões para lançar ao espaço. Conforme refere o The Verge, a empresa fechou negócio com a Força Aérea dos Estados Unidos, depois de um competitivo leilão entre os vários interessados no local. “A infraestrutura era a peça que precisávamos para finalizarmos o caminho até ao lançamento”, refere o CEO da empresa, Tim Ellis.

Graças a um fundo de 45 milhões obtidos, durante o ano passado, a empresa fundada em 2016 tornou-se mais um “player” na exploração da indústria comercial espacial. Estará mesmo a utilizar um centro da NASA para testar o seu motor Aeon, que a empresa tem estado a trabalhar, tendo sido feito 124 testes de disparo, num esforço de lançar o primeiro foguetão, o Terrain 1, em 2020.

O foguetão é descrito como sendo de tamanho médio/pequeno, com cerca de 10 andares, sendo capaz de transportar 1.250 quilos até à órbita inferior da Terra. Pequeno, quando comparado com o Falcon 9 da SpaceX, capaz de carregar 22.800 quilos.

Foto: Relativity Space
Impressora 3D na sede da empresa Relativity Space em Los Angeles.

Mas o que distingue a Relativity Space de outras empresas é o processo de fabrico dos foguetões. É referido que nos últimos 60 anos não houve progresso no sistema de construção, que continuam complicados e caros de fabricar. O segredo da startup é utilizar uma gigantesca impressora 3D para literalmente imprimir todas as partes necessárias, num processo praticamente automático, sejam o motor, os tanques ou a estrutura geral do veículo espacial.

Como refere a publicação de tecnologia, na sede da startup em Los Angeles encontra-se a maior impressora 3d de metal, uma máquina descrita como capaz de criar peças com seis metros de altura e três de largura. Esta será capaz de imprimir quase 95% do foguetão. O restante requer a intervenção de trabalhadores humanos, sobretudo nas fases de testes, envios e pequenos ajustes manuais.

A sua solução reduz custos, ao diminuir a quantidade necessária de componentes, muitos deles podem ser impressos em blocos únicos, mesmo as mais complicadas. Para se ter uma ideia, o injetor do motor requer normalmente 3.000 componentes para ser construído, mas através da impressão, o mesmo é composto por apenas três elementos.

O segredo foi transpor a complexidade dos componentes físicos para o software, para o design da arquitetura em programas como o Autocad. E segundo é referido, a impressora “não quer saber” se é complexo, basta passar-lhe o plano do modelo para fazer o trabalho. E tal como qualquer outra indústria com bases na impressão 3D, é possível ajustar rapidamente o design, caso seja necessário, através do software, e a impressora é automaticamente configurada com as mudanças. O derradeiro objetivo é reduzir a 60 dias, o tempo necessário para a construção de um foguetão.

Mas que não se pense que os planos da startup passam por construir um foguetão e enviá-lo ao espaço. O objetivo é levar o processo de fabrico para Marte, e a partir de lá utilizar a impressora 3D para construir uma fábrica “marciana”. Para já, necessitam provar que foguetões impressos a 3D podem voar…


Fonte: Website português Tek.Sapo - https://tek.sapo.pt

Comentário: Olha aí leitor, esse é mais um exemplo da importância que as Startups espaciais vêm alcançando muito afora. Por isso volto a insistir com o nosso Ministro-Astronauta Marcos Pontes. Ministro, reúna-se o mais breve possível ao lado do novo presidente AEB com os CEOs das startups espaciais brasileiras para não só discutir como eles podem ajudar no desenvolvimento espacial do país, bem como para desafia-los a fazerem (conjuntamente ou individualmente como neste caso norte-americano), pois o desafio, ao lado da curiosidade, do dinamismo e visão, são as motivações que impulsionam a criação de um verdadeiro ambiente de inovação. Portanto ministro será necessário que a partir de agora o Governo venha dar prioridade a quem realmente pode fazer a diferença e na velocidade que o país precisa, pois não há mais tempo para erramos ministro (já erramos tudo que podíamos errar e mais um pouco), afinal a próxima década será a década do grande avanço da humanidade no espaço, e sequer ainda conseguimos atingir a nossa autossuficiência espacial, apesar do nosso programa ser o quarto mais antigo do mundo. Que a ‘Força’ esteja sempre com o senhor Ministro Marcos Pontes, e como diz o Presidente Bolsonaro: “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”. Saravá meu pai.

Comentários

  1. Uma empreitada desse nível cairia muito bem em Alcântara. Assim, teríamos uma demanda por profissionais tecnologicamente mais qualificados aquela região.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Janeiro de 2015 Registra Recorde de Focos de Queimadas Detectados Por Satélite

O CLA e Sua Agenda de Lançamentos Até 2022