Ministro Raupp Nega Esvaziamento do INPE

Olá leitor!

Segue abaixo uma matéria da jornalista Virgínia Silveira publicada hoje (10/08) no site do jornal “Valor Econômico” destacando que o ministro Marco Antônio Raupp negou nesta sexta-feira em São José dos Campos (SP), o esvaziamento do INPE  durante a realização da cerimônia de aniversario pelos 51 anos do instituto.

Duda Falcão

Infraestrutura

Ministro Nega Esvaziamento do INPE
Dentro do Programa Espacial

Por Virgínia Silveira
Para o Valor
10/08/2012

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antônio Raupp, negou nesta sexta-feira que  o projeto de reestruturação do programa espacial brasileiro, em fase final de aprovação, prevê o esvaziamento do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), com a transferência de setores estratégicos da instituição para outras áreas do governo. Em tom emocionado Raupp disse, durante discurso em homenagem aos 51 anos do INPE, que nunca passou pela cabeça do governo essa ideia de desmonte das atividades do instituto no setor espacial.

“Não trabalho para destruir nada. Sou um homem de operar construções. Tive participação fundamental na articulação dos grandes projetos da área espacial do país,  como o satélite feito em parceria com a  China e a criação do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC)”, afirmou em resposta à intervenção feita pelo ex-diretor do INPE, Gilberto Câmara, de que existe um projeto para transferir o CPTEC e o Centro de Ciência e Sistema Terrestre, ambos do INPE, para o Ministério da Agricultura e Abastecimento.

Câmara também disse que iria continuar lutando contra a subordinação do INPE à Agência Espacial Brasileira (AEB), um dos motivos da sua saída da direção da instituição. Segundo Raupp, a integração dos órgãos executores da política espacial vai beneficiar os programas e permitir que as atividades das instituições do setor fluam melhor.

“Tem que haver alinhamento e governança entre as instituições participantes do programa espacial. Por isso estamos buscando a integração”. Segundo Raupp, esse é o caminho correto para se usar bem os recursos públicos e evitar o desperdício.

Diante de um auditório repleto de servidores do INPE, representantes das indústrias e autoridades do ministério, Raupp acusou Câmara de ter se desalinhado completamente das ações do governo na área espacial durante a sua gestão à frente do instituto. “O governo dava dinheiro para ele aplicar no desenvolvimento dos satélites CBERS (feito com a China) e Amazônia, e ele desviava para outras áreas”, afirmou o ministro.

Raupp encerrou o discurso dizendo que seus críticos deveriam agradecer a oportunidade única de ter um ministro que vem até São José dos Campos e se expõe para dar abertura para as pessoas pensarem, divergirem e até mesmo ofenderem, como foi o caso do ex-diretor do INPE.  “Mas eu tenho coragem moral para isso. Acredito nas minhas propostas e estou aberto às discussões, pois sempre fui transparente em minhas ações.”


Fonte: Site do Jornal Valor Econômico - 10/08/2012 - http://www.valor.com.br/

Comentário: Caro leitor, pelo visto a coisa pegou fogo nessa cerimônia. Infelizmente não pude assistir a transmissão por está cuidando de outros interesses, mas pelo que foi descrito nessa matéria pela jornalista Virginia Silveira, a cerimônia teve momentos bastante tensos, demonstrando uma vez mais a situação preocupante em que se encontra o nosso programa espacial. Confesso que a cada dia que passa minha esperança se esvazia na mesma velocidade que o buraco tecnológico aumenta entre o Brasil e as outras nações do mundo. Lamentável!

Comentários

  1. lamentável a postura desse ex-diretor que agora virou sindicalista....

    ResponderExcluir
  2. Olá Anônimo!

    O Gilberto Câmara só está lutando pelo que acredita. Entretanto eu acho que o melhor caminho seja o do entendimento.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. Acredito que o "espernear" do Gilberto Camara tem muito fundamento sim. O Inpe é um instituto que sempre primou pela qualidade. E qualidade não é medida apenas pelos satélites e papers que produz. Inclui prédios limpos e bem construídos, campi bem cuidados e uma boa rede de telecomunicações. Manter o INPE custa ao País R$ 50 milhões por ano, mas, o MCTI destina anualmente R$ 15 milhões. O diretor precisa então fazer "malabarismos" para manter as coisas caminhando, produzindo, para manter a qualidade uma vez alcançada.
    Acho que o ideal seria aprimorar o que já temos, porque sabemos que funciona bem do jeito que está. Desmembrar o instituto é bastante arriscado, gasta energia, dinheiro e o resultado é incerto. A comunidade inpeana não está satisfeita e, acredito, vão continuar "esperneando" enquanto ainda houver esperança! Portanto, Duda, não perca a sua!

    ResponderExcluir
  4. Olá Dalila!

    É preciso buscar o entendimento. Não duvido das boas intenções de ambos os lados, mas é preciso conversar e se buscar a melhor solução para o país. Não estou a par das mudanças propostas pelo Raupp, mas pelo que parece está havendo muita especulação e pouco esclarecimento. Portanto é preciso se conversar e esclarecer a ambos os lados qual é a proposta e discutir quais são as possíveis incertezas geradas pela mesma.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Duda, apesar de nao conhecer bem o peb, eu concordo. Pelo jeito [muitos] devem estar com medo da mudança e no fim ir tudo para o fundo do buraco de vez -- é possivel. Mas o problema é q a aeb nao faz sentido tecnológico, só burocrático, e ainda assim pelo q sei -- me corrija s estiver errado -- é ela quem destina as "verbas".

      Para mim a mudança tem caráter burocrático e promete salvar todas as pesquisas do inpe com as verbas q devem ser a ele destinadas. Agora para terminar, eu acho q a area de defesa DEVE fazer parte da reestruturação do peb. Empresas como a mectron e avibras tem muito oq aprender e ensinar às nossas instituições civis.
      Espero q o Raupp -- quando essa confusão se definir -- se lembre das empresas nacionais de defesa.

      abraços a todos!

      ps: Um sábio uma vez disse: "o homem é sábio por temer aquilo que não conhece". sempre dá um medinho mudar.

      Excluir
  5. Olá Tassio!

    Pois é amigo, penso como você, muito bem colocado suas ponderações.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial