Missão Trará Dados Sobre Fenômeno Que Afeta Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que missão trará dados sobre fenômeno que afeta satélites.

Duda Falcão

Missão Trará Dados Sobre Fenômeno
Que Afeta Satélites

Quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Os dados obtidos por sondas que serão lançadas nesta sexta-feira (24/8) pela NASA devem aperfeiçoar os estudos sobre a Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AMAS), fenômeno da ionosfera localizado acima da região Sudeste capaz de provocar danos a satélites.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mantém parceria com a agência espacial americana em estudos de clima espacial e, a partir de novembro, será responsável pela aquisição de dados da missão Radiation Belt Storm Probes (RBSP), composta pelas duas sondas que irão monitorar o Cinturão de Van Allen, assim chamado em homenagem ao cientista que descobriu na década de 1950 esse campo magnético ao redor do planeta.

Para estudar as ondas eletromagnéticas e o cinturão de radiação, composto por duas faixas – uma localizada entre 2200 e 5000 quilômetros e outra, entre 13000 e 55000 quilômetros da superfície da Terra – as duas sondas da missão RBSP serão posicionadas em órbita equatorial em faixa entre 500 quilômetros a até quase 40 mil quilômetros de altura. Após o período de calibração dos sensores, os dados começarão a ser transmitidos regularmente às estações terrestres, entre elas a do INPE, situada em Alcântara (MA).

Durante pelo menos dois anos, cientistas do mundo inteiro terão acesso às informações que permitirão, pela primeira vez, um monitoramento mais completo da AMAS e do fenômeno de precipitação de partículas elétricas que atinge a região.

“Estas sondas possuem sensores e instrumentos muito avançados. A missão permitirá a aquisição de informações mais precisas para monitorar o efeito das partículas elétricas do Cinturão de Van Allen na região da anomalia. Para ter ideia das consequências do fenômeno, o satélite que passa nessa região precisa ter alguns equipamentos desligados para evitar problemas no seu funcionamento”, explica Walter D. González, pesquisador da Divisão de Geofísica Espacial do INPE.

Em setembro, o INPE receberá o líder da missão RBSP, David Sibeck, para discutir resultados de estudos sobre clima espacial e os impactos da AMAS e sua relação com as tempestades geomagnéticas, causadas pela emissão de partículas muito energéticas e campos magnéticos muito intensos emitidos pelo Sol que atravessam o meio interplanetário e interagem com o campo geomagnético da Terra.

Informações sobre a missão Radiation Belt Storm Probes no site www.nasa.gov/rbsp

Clima Espacial

O INPE mantém o Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE) para avaliar fenômenos que afetam o meio entre o Sol e a Terra, bem como o espaço em torno da Terra.

Fenômenos solares são capazes de causar interferências em sistemas como o GPS, além da possibilidade de induzir correntes elétricas em transformadores de linhas de transmissão de energia e afetar a proteção de dutos para transporte de óleo e gás. Esses fenômenos são particularmente mais intensos no ambiente espacial brasileiro, devido à grande extensão territorial do país, distribuída ao norte e ao sul do equador geomagnético, à declinação geomagnética máxima e à presença da Anomalia Magnética do Atlântico Sul.

O Instituto oferece informação em tempo real, na internet, e realiza previsões sobre o sistema Sol-Terra para diagnósticos de seus efeitos sobre diferentes sistemas tecnológicos, em áreas como navegação e posicionamento por satélite (aeronaves, embarcações, plataformas petrolíferas, agricultura de precisão), comunicação (satélites geoestacionários, aeronaves), distribuição de energia (linhas de transmissão, dutos de distribuição de gás natural e petróleo), além dos sistemas de defesa nacional.

Por meio de estudos sobre os processos eletrodinâmicos da ionosfera equatorial e de baixas latitudes, os pesquisadores do INPE monitoram parâmetros físicos como características do Sol, do espaço interplanetário, da magnetosfera, ionosfera e da mesosfera. As informações estão disponíveis na página www.inpe.br/climaespacial


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários

  1. Olá Duda,
    Veja só como são as coisas: o Brasil seria sem sombra de dúvidas o país que mais teria interesse em enviar missões para estudar a SAA. Porém, até hoje, essas missões nunca saíram do papel!
    Enquanto isso, temos que depender das missões da NASA e de outros países para poder pelo menos estudar mais a fundo este fenômeno tão importante que afeta quase que exclusivamente o território brasileiro!
    Bom, enquanto os americanos estiverem afim de liberar os dados, tudo bem. O problema é se resolverem cortar as fontes de dados a qualquer momento. Daí sim voltaríamos a ficar chupando o dedo.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Caro Anônimo!

    Mas esse infelizmente é o jeito brasileiro de fazer programa espacial, com poucos recursos e quase nenhum resultado. Pelo que parece teremos de aceitar essa situação até o dia que a sociedade brasileira como um todo acorde para a necessidade imperiosa de investir no PEB. Nesse dia, esses energúmenos de Brasília terão de se mexer, nem que seja na base do chicote. No entanto, por enquanto isso é pura utopia.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. tem outro fenômeno que impede satélites : '' dilma e energúmenos ''

    ResponderExcluir
  4. Olá João Paulo!

    Rsrsrsrs, muito boa essa amigo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Ouviu o Barulho no Céu? Entenda o Fenômeno Que Assustou os Brasileiros no Último Final de Semana

Operação CRUZEIRO: Primeiro Ensaio em Voo de um Motor Aeronáutico Hipersônico Brasileiro