Missão Trará Dados Sobre Fenômeno Que Afeta Satélites

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada hoje (23/08) no site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) destacando que missão trará dados sobre fenômeno que afeta satélites.

Duda Falcão

Missão Trará Dados Sobre Fenômeno
Que Afeta Satélites

Quinta-feira, 23 de Agosto de 2012

Os dados obtidos por sondas que serão lançadas nesta sexta-feira (24/8) pela NASA devem aperfeiçoar os estudos sobre a Anomalia Magnética do Atlântico Sul (AMAS), fenômeno da ionosfera localizado acima da região Sudeste capaz de provocar danos a satélites.

O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) mantém parceria com a agência espacial americana em estudos de clima espacial e, a partir de novembro, será responsável pela aquisição de dados da missão Radiation Belt Storm Probes (RBSP), composta pelas duas sondas que irão monitorar o Cinturão de Van Allen, assim chamado em homenagem ao cientista que descobriu na década de 1950 esse campo magnético ao redor do planeta.

Para estudar as ondas eletromagnéticas e o cinturão de radiação, composto por duas faixas – uma localizada entre 2200 e 5000 quilômetros e outra, entre 13000 e 55000 quilômetros da superfície da Terra – as duas sondas da missão RBSP serão posicionadas em órbita equatorial em faixa entre 500 quilômetros a até quase 40 mil quilômetros de altura. Após o período de calibração dos sensores, os dados começarão a ser transmitidos regularmente às estações terrestres, entre elas a do INPE, situada em Alcântara (MA).

Durante pelo menos dois anos, cientistas do mundo inteiro terão acesso às informações que permitirão, pela primeira vez, um monitoramento mais completo da AMAS e do fenômeno de precipitação de partículas elétricas que atinge a região.

“Estas sondas possuem sensores e instrumentos muito avançados. A missão permitirá a aquisição de informações mais precisas para monitorar o efeito das partículas elétricas do Cinturão de Van Allen na região da anomalia. Para ter ideia das consequências do fenômeno, o satélite que passa nessa região precisa ter alguns equipamentos desligados para evitar problemas no seu funcionamento”, explica Walter D. González, pesquisador da Divisão de Geofísica Espacial do INPE.

Em setembro, o INPE receberá o líder da missão RBSP, David Sibeck, para discutir resultados de estudos sobre clima espacial e os impactos da AMAS e sua relação com as tempestades geomagnéticas, causadas pela emissão de partículas muito energéticas e campos magnéticos muito intensos emitidos pelo Sol que atravessam o meio interplanetário e interagem com o campo geomagnético da Terra.

Informações sobre a missão Radiation Belt Storm Probes no site www.nasa.gov/rbsp

Clima Espacial

O INPE mantém o Programa de Estudo e Monitoramento Brasileiro do Clima Espacial (EMBRACE) para avaliar fenômenos que afetam o meio entre o Sol e a Terra, bem como o espaço em torno da Terra.

Fenômenos solares são capazes de causar interferências em sistemas como o GPS, além da possibilidade de induzir correntes elétricas em transformadores de linhas de transmissão de energia e afetar a proteção de dutos para transporte de óleo e gás. Esses fenômenos são particularmente mais intensos no ambiente espacial brasileiro, devido à grande extensão territorial do país, distribuída ao norte e ao sul do equador geomagnético, à declinação geomagnética máxima e à presença da Anomalia Magnética do Atlântico Sul.

O Instituto oferece informação em tempo real, na internet, e realiza previsões sobre o sistema Sol-Terra para diagnósticos de seus efeitos sobre diferentes sistemas tecnológicos, em áreas como navegação e posicionamento por satélite (aeronaves, embarcações, plataformas petrolíferas, agricultura de precisão), comunicação (satélites geoestacionários, aeronaves), distribuição de energia (linhas de transmissão, dutos de distribuição de gás natural e petróleo), além dos sistemas de defesa nacional.

Por meio de estudos sobre os processos eletrodinâmicos da ionosfera equatorial e de baixas latitudes, os pesquisadores do INPE monitoram parâmetros físicos como características do Sol, do espaço interplanetário, da magnetosfera, ionosfera e da mesosfera. As informações estão disponíveis na página www.inpe.br/climaespacial


Fonte: Site do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Comentários

  1. Olá Duda,
    Veja só como são as coisas: o Brasil seria sem sombra de dúvidas o país que mais teria interesse em enviar missões para estudar a SAA. Porém, até hoje, essas missões nunca saíram do papel!
    Enquanto isso, temos que depender das missões da NASA e de outros países para poder pelo menos estudar mais a fundo este fenômeno tão importante que afeta quase que exclusivamente o território brasileiro!
    Bom, enquanto os americanos estiverem afim de liberar os dados, tudo bem. O problema é se resolverem cortar as fontes de dados a qualquer momento. Daí sim voltaríamos a ficar chupando o dedo.

    ResponderExcluir
  2. Pois é Caro Anônimo!

    Mas esse infelizmente é o jeito brasileiro de fazer programa espacial, com poucos recursos e quase nenhum resultado. Pelo que parece teremos de aceitar essa situação até o dia que a sociedade brasileira como um todo acorde para a necessidade imperiosa de investir no PEB. Nesse dia, esses energúmenos de Brasília terão de se mexer, nem que seja na base do chicote. No entanto, por enquanto isso é pura utopia.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  3. tem outro fenômeno que impede satélites : '' dilma e energúmenos ''

    ResponderExcluir
  4. Olá João Paulo!

    Rsrsrsrs, muito boa essa amigo.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Da Sala de Aula para o Espaço

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial