O Veículo Lançador TRONADOR II Argentino

Olá leitor!

Durante a realização da feira de ciências TECNÓPOLIS que está acontecendo em Buenos Aires, na Argentina, como não poderia deixar de ser a “Comissão Nacional de Atividades Espaciais (CONAE)” da Argentina está apresentando ao público presente os projetos espaciais em desenvolvimento neste país.

Assim sendo, está sendo apresentada (talvez pela primeira vez em público) uma maquete em tamanho real do lançador argentino TRONADOR II (veja as fotos abaixo) que segundo consta terá 30 metros de altura e será capaz de colocar uma carga útil (satélite) em órbita da Terra de até 200 kg a partir de 2013.

Fica claro pelas fotos leitor que se essa maquete realmente for em tamanho real como noticiado pela imprensa argentina, a mesma apresenta uma concepção de lançador muito mais simples que a do VLS-1. Porém, não me parece que esse foguete seja um satelitizador. Para mim, apesar da sua altura divulgada, o mesmo parece está mais para um foguete de sondagem superior ao antigo SONDA IV brasileiro.

Entretanto, não sou um especialista do assunto, e espero contar com a opinião dos nossos leitores engenheiros para que assim possamos chegar a uma conclusão.

Duda Falcão



Fonte: Site da Comissão Nacional de Atividades Espaciais (CONAE)

Comentários

  1. É bom mesmo que seja um veículo satelizador como eles anunciaram e você o duvida, camarada Falcão. Do contrário passarão o vexame de taxados babosos (acho que este é um termo usado pelos hermanos para apontar loroteiros).

    ResponderExcluir
  2. De qualquer forma tudo é possível, não? Los científicos argentinos frequentemente me surpreendem!

    ResponderExcluir
  3. Embora não especialista no assunto, como você mesmo o confessa, tua opinião é mais abalizada que a maioria de nós por aqui.

    ResponderExcluir
  4. E me ocorre agora mesmo que, lembrando o que é considerado tecnologia de uso dual, pode ser um lembrete ao mundo (e aos britânicos e brasileiros em particular) em que estágio pode estar sua tecnica aeroespacial na fabricação de mísseis...

    Os iranianos deram mostra de que nada tem a temer das grandes potências. Seria lógico aos argentinos também arriscarem-se na aventura...

    ResponderExcluir
  5. Olá Antônio!

    Como disse no meu comentário, não sou um especialista no assunto. No entanto, a coifa do foguete que é vista na foto não me parece ter capacidade para carregar um satélite de 200 kg. Entretanto, vamos aguardar que algum engenheiro leitor do blog possa manifestar-se quanto a este assunto.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  6. Mas examinemos esta outra imagem:

    http://www.eluniverso.com/2011/07/24/1/1431/tecnopolis-un-ambicioso-recorrido-ciencia.html

    São o mesmo engenho espacial argentino?

    ResponderExcluir
  7. Quanto ao seu último comentário Antônio, sinceramente mesmo que esse foguete fosse utilizado como um míssil, não acredito que os Argentinos arriscariam a usa-lo num eventual novo conflito com a Gran Bretanha. Eles tem juizo e experiência para não entrar nessa aventura novamente, afinal pagam até hoje um alto preço pelo conflito anterior.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  8. Com todo o respeito e respaldo à este teu último comentário, camarada Falcão, já eu tenho outra opinião: um míssil, com capacidade nuclear/bioquímico, nas mãos é sempre um instrumento de barganha.

    ResponderExcluir
  9. Olá Antônio!

    Antônio, essa foto só aumentou ainda mais as minhas dúvidas amigo. É como eu disse, vamos aguardar a opinião de especialistas.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  10. Caro Antônio!

    As relações internacionais não são simples assim. Envolvem muito mais interesses, principalmente para um País em desenvolvimento como a Argentina que vive dificuldades financeiras e depende tecnológicamente em diversas áreas do conhecimento. O fato de ter a disposição um missil como esse não garante a um país como Argentina uma vantagem boa como você acredita, já que a industria argentina no setor é ainda bastante insignificante se comparamos com a industria britânica, ou mesmo a Brasileira. Como lhe disse, os hermanos aprenderam com o exemplo anterior.

    Abs

    Duda Falcão
    (Blog Brazilian Space)

    ResponderExcluir
  11. Bom Dia a Todos
    O conceito de satélite com todos os instrumentos numa unica plataforma tem que ser revisado.Pois se pôde trabalhar com conjuntos de satélites mais leves trabalhando em conjunto como unidade única. O projeto esta em andamento e será lançado nestes dias vetores menores a modo de testes sabendo já que muitos serão pífios, mas servem para aperfeiçoar a plataforma.Final do 2015 será o primeiro lançamento com carga útil de aproximadamente a 250 kg.

    ResponderExcluir
  12. É inacreditável que voces confundir uma Mock Up em uma feira com o vehículo, da para piada ao igual que a "ciencia espacial" vira lata brasileira

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Top 5 - Principais Satélites Brasileiros

Da Sala de Aula para o Espaço

Por Que a Sétima Economia do Mundo Ainda é Retardatária na Corrida Espacial